A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Evolução do Registro de Imóveis no Brasil. A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1500 – Descobrimento do Brasil 1500 – Descobrimento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Evolução do Registro de Imóveis no Brasil. A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1500 – Descobrimento do Brasil 1500 – Descobrimento."— Transcrição da apresentação:

1 Evolução do Registro de Imóveis no Brasil

2 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1500 – Descobrimento do Brasil 1500 – Descobrimento do Brasil Todas as terras existentes no espaço de 370 léguas a Oeste das Ilhas de Cabo Verde passaram a pertencer ao Reino de Portugal (Bula Papal inter coetera, Tratado de Tordesilhas e Bula Papal bono pacis). Todas as terras existentes no espaço de 370 léguas a Oeste das Ilhas de Cabo Verde passaram a pertencer ao Reino de Portugal (Bula Papal inter coetera, Tratado de Tordesilhas e Bula Papal bono pacis). A Coroa Portuguesa adquiriu originariamente a propriedade das terras brasileiras. A Coroa Portuguesa adquiriu originariamente a propriedade das terras brasileiras.

3

4 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1530 – Início da ocupação efetiva das terras do Brasil 1530 – Início da ocupação efetiva das terras do Brasil Capitanias Hereditárias – Divisão do território em 15 partes. Capitanias Hereditárias – Divisão do território em 15 partes. Sesmarias – Concessão de terras a particulares para que as ocupassem num prazo de 6 anos. Sesmarias – Concessão de terras a particulares para que as ocupassem num prazo de 6 anos. Título como instituidor da propriedade privada. Título como instituidor da propriedade privada.

5 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1822 – Independência do Brasil 1822 – Independência do Brasil Transmissão das terras não ocupadas ou não titularizadas ao Império do Brasil. Transmissão das terras não ocupadas ou não titularizadas ao Império do Brasil. Fim das concessões de sesmarias. Fim das concessões de sesmarias. Regime de posses (até 1850). Regime de posses (até 1850).

6 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro Até então não havia um lugar para o registro da propriedade imobiliária. Até então não havia um lugar para o registro da propriedade imobiliária. A propriedade se transmitia por simples contrato, posse ou herança. A propriedade se transmitia por simples contrato, posse ou herança. Sistema de transmissão da propriedade bastante inseguro (falta de publicidade formal) Sistema de transmissão da propriedade bastante inseguro (falta de publicidade formal) Insegurança das relações comerciais (garantia do crédito). Insegurança das relações comerciais (garantia do crédito). Necessidade de criação de uma repartição ou instituição para o registro e publicidade da hipoteca. Necessidade de criação de uma repartição ou instituição para o registro e publicidade da hipoteca.

7

8 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1843 – Lei Orçamentária nº 317 (21/10/1843) 1843 – Lei Orçamentária nº 317 (21/10/1843) Criou o Registro Geral de Hipotecas (imóveis, móveis e semoventes), a cargo de Tabeliães nomeados pelos presidentes das Províncias. Criou o Registro Geral de Hipotecas (imóveis, móveis e semoventes), a cargo de Tabeliães nomeados pelos presidentes das Províncias. Alguns consideram essa lei como o início do sistema registral imobiliário brasileiro. Alguns consideram essa lei como o início do sistema registral imobiliário brasileiro.

9 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1850 – Lei nº 601 (18/09/1850) 1850 – Lei nº 601 (18/09/1850) Chamada de LEI DE TERRAS. Chamada de LEI DE TERRAS. Critérios para legitimação das posses antigas e separação entre terras públicas e privadas (discriminação). Critérios para legitimação das posses antigas e separação entre terras públicas e privadas (discriminação). Instituiu o Registro Paroquial ou Registro do Vigário (comprovação da posse e identificação das terras públicas). Instituiu o Registro Paroquial ou Registro do Vigário (comprovação da posse e identificação das terras públicas). Proibição da aquisição de terras públicas por outro título que não o de compra (exceção para as situadas até 10 léguas das fronteiras do país). Proibição da aquisição de terras públicas por outro título que não o de compra (exceção para as situadas até 10 léguas das fronteiras do país).

10 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1864 – Lei nº (24/09/1864) 1864 – Lei nº (24/09/1864) Criou um Registro Geral de Imóveis em cada Província, a cargo dos Tabeliães (unificou com o antigo Registro Geral de Hipotecas). Criou um Registro Geral de Imóveis em cada Província, a cargo dos Tabeliães (unificou com o antigo Registro Geral de Hipotecas). Obrigatoriedade do registro (transcrição) dos títulos de transmissão da propriedade por atos entre vivos, bem como o registro (inscrição) dos títulos de constituição de ônus reais para terem eficácia perante terceiros. Obrigatoriedade do registro (transcrição) dos títulos de transmissão da propriedade por atos entre vivos, bem como o registro (inscrição) dos títulos de constituição de ônus reais para terem eficácia perante terceiros. Instituiu a prenotação do título para garantir a preferência das hipotecas. Instituiu a prenotação do título para garantir a preferência das hipotecas.

11 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro Grandes falhas da Lei nº 1.237: Grandes falhas da Lei nº 1.237: Ficaram de fora da obrigatoriedade do registro os atos de aquisição causa mortis e os atos judiciários. Ficaram de fora da obrigatoriedade do registro os atos de aquisição causa mortis e os atos judiciários. O registro não era prova bastante de domínio. O registro não era prova bastante de domínio. A maioria dos doutrinadores considera esta lei como a que deu origem ao sistema registral imobiliário brasileiro.

12 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1889 – Proclamação da República 1889 – Proclamação da República As terras públicas sem destinação e as devolutas passaram ao patrimônio dos Estados, exceto aquelas indispensáveis à defesa das fronteiras, fortificações e construções militares e estradas de ferro federais (art. 64 da Constituição Republicana de 1891). As terras públicas sem destinação e as devolutas passaram ao patrimônio dos Estados, exceto aquelas indispensáveis à defesa das fronteiras, fortificações e construções militares e estradas de ferro federais (art. 64 da Constituição Republicana de 1891). Situação que permanece praticamente a mesma até os dias atuais (ver arts. 20 e 26 da CF/88) Situação que permanece praticamente a mesma até os dias atuais (ver arts. 20 e 26 da CF/88)

13 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1890 – Decreto nº 169-A (19/01/1890) e Decreto nº 370 (02/05/1890) 1890 – Decreto nº 169-A (19/01/1890) e Decreto nº 370 (02/05/1890) Substituem a Lei nº (Registro Geral), trazendo maior organização aos livros e procedimentos de registro. Substituem a Lei nº (Registro Geral), trazendo maior organização aos livros e procedimentos de registro. Criou a nomenclatura de Oficial do Registro. Criou a nomenclatura de Oficial do Registro.

14 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1890 – Decreto nº 451-B (31/05/1890) e Decreto nº 955-A (05/11/1890) 1890 – Decreto nº 451-B (31/05/1890) e Decreto nº 955-A (05/11/1890) Instituíram o Sistema Torrens no Brasil, cuja principal característica é gerar a presunção absoluta de validade do registro (iuris et de iure). Instituíram o Sistema Torrens no Brasil, cuja principal característica é gerar a presunção absoluta de validade do registro (iuris et de iure). Inicialmente era aplicável a imóveis urbanos e rurais (a partir do CPC/1939 o Torrens ficou limitado aos rurais). Inicialmente era aplicável a imóveis urbanos e rurais (a partir do CPC/1939 o Torrens ficou limitado aos rurais). Constituía o direito real de propriedade (até o CC/1916). Constituía o direito real de propriedade (até o CC/1916). Facultativo. Facultativo. Procedimento do registro: parte na serventia imobiliária e parte no Judiciário. Procedimento do registro: parte na serventia imobiliária e parte no Judiciário. Hoje é regido pelos arts. 277 a 288 da LRP. Hoje é regido pelos arts. 277 a 288 da LRP.

15 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1916 – Lei nº – Código Civil (01/01/1916) 1916 – Lei nº – Código Civil (01/01/1916) Obrigatoriedade do registro (transcrição) também das transmissões de propriedade por atos judiciais e causa mortis, assim como o registro (inscrição) da constituição de ônus reais para ter eficácia plena, não só contra terceiros. Obrigatoriedade do registro (transcrição) também das transmissões de propriedade por atos judiciais e causa mortis, assim como o registro (inscrição) da constituição de ônus reais para ter eficácia plena, não só contra terceiros. Instituiu a presunção de domínio daquele que possui o registro da propriedade (QUEM NÃO REGISTRA NÃO É DONO). Instituiu a presunção de domínio daquele que possui o registro da propriedade (QUEM NÃO REGISTRA NÃO É DONO). Trouxe os princípios básicos para o sistema registral imobiliário brasileiro, os quais estudaremos mais adiante. Trouxe os princípios básicos para o sistema registral imobiliário brasileiro, os quais estudaremos mais adiante.

16 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1924 – Decreto nº (07/02/1924) 1924 – Decreto nº (07/02/1924) Reorganizou os registros públicos, não só o imobiliário, de acordo com o Código Civil, sem inovações de direito. Reorganizou os registros públicos, não só o imobiliário, de acordo com o Código Civil, sem inovações de direito – Decreto-lei nº 58 (10/12/1937) 1937 – Decreto-lei nº 58 (10/12/1937) Trata dos loteamentos de terras e venda de terrenos (lotes) a prestação. Trata dos loteamentos de terras e venda de terrenos (lotes) a prestação. Criou um livro auxiliar para registro desses loteamentos na serventia imobiliária. Criou um livro auxiliar para registro desses loteamentos na serventia imobiliária.

17 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1939 – Decreto nº (09/11/1939) 1939 – Decreto nº (09/11/1939) Primeiro diploma legal que tratou exaustivamente dos Registros Públicos em geral. Primeiro diploma legal que tratou exaustivamente dos Registros Públicos em geral. Organizou os livros registrais, num total de 10 (dez). Organizou os livros registrais, num total de 10 (dez). Adotou um sistema de registro chamado de FÓLIO PESSOAL, que estudaremos adiante. Adotou um sistema de registro chamado de FÓLIO PESSOAL, que estudaremos adiante.

18 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1967 – Decreto-lei nº 167 (14/02/1967) 1967 – Decreto-lei nº 167 (14/02/1967) Criou o Livro de Registro de Cédula Rural. Criou o Livro de Registro de Cédula Rural – Decreto-lei nº 413 (10/01/1969) 1969 – Decreto-lei nº 413 (10/01/1969) Criou o Livro de Registro de Cédula Industrial. Criou o Livro de Registro de Cédula Industrial.

19 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1971 – Lei nº (07/10/1971) 1971 – Lei nº (07/10/1971) Regula a aquisição de imóvel rural por pessoa física ou jurídica estrangeira. Regula a aquisição de imóvel rural por pessoa física ou jurídica estrangeira. Criou um livro novo no Registro de Imóveis, o Livro Auxiliar das Aquisições de Terras Rurais por Pessoas Estrangeiras. Criou um livro novo no Registro de Imóveis, o Livro Auxiliar das Aquisições de Terras Rurais por Pessoas Estrangeiras.

20 A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1973 – Lei nº (31/12/1973) 1973 – Lei nº (31/12/1973) Atual Lei de Registros Públicos. Atual Lei de Registros Públicos. Reduziu os livros registrais a 05 (cinco), mais o Livro Auxiliar anteriormente referido (pessoas estrangeiras), hoje chamado pelo Provimento da Corregedoria de Livro nº 6. Reduziu os livros registrais a 05 (cinco), mais o Livro Auxiliar anteriormente referido (pessoas estrangeiras), hoje chamado pelo Provimento da Corregedoria de Livro nº 6. Adotou um sistema de registro chamado de FÓLIO REAL, que estudaremos mais adiante. Adotou um sistema de registro chamado de FÓLIO REAL, que estudaremos mais adiante. Possibilitou a substituição dos livros (fisicamente) pelo sistema de fichas. Possibilitou a substituição dos livros (fisicamente) pelo sistema de fichas. Criou a MATRÍCULA (principal inovação da lei). Criou a MATRÍCULA (principal inovação da lei). Alterou a nomenclatura dos atos de registro. Alterou a nomenclatura dos atos de registro.

21 Títulos sujeitos ao registro imobiliário

22 O que vem a ser um TÍTULO?

23 Títulos sujeitos ao registro imobiliário Título em sentido formal Título em sentido formal É o documento que autoriza o registro/averbação de um direito, ato ou fato jurídico no registro de imóveis É o documento que autoriza o registro/averbação de um direito, ato ou fato jurídico no registro de imóveis Título em sentido material Título em sentido material É o direito, ato ou fato jurídico inscritível no registro de imóveis É o direito, ato ou fato jurídico inscritível no registro de imóveis

24 Títulos em sentido formal PÚBLICOS PÚBLICOS Escrituras: lavradas em serviço notarial ou consulado brasileiro Escrituras: lavradas em serviço notarial ou consulado brasileiro Títulos administrativos: carta de habite-se, declaração de numeração predial, declaração de tombamento, etc. Títulos administrativos: carta de habite-se, declaração de numeração predial, declaração de tombamento, etc. Títulos judiciais: formal de partilha, carta de arrematação, carta de adjudicação, certidões, mandados, etc. Títulos judiciais: formal de partilha, carta de arrematação, carta de adjudicação, certidões, mandados, etc. – arts. 244 e 250 do CPC Princípio da instrumentalidade das formas – arts. 244 e 250 do CPC

25 Títulos em sentido formal PARTICULARES PARTICULARES Todo e qualquer documento particular autorizado em lei (SFH, SFI, art. 108/CC, art /CC, etc.) Todo e qualquer documento particular autorizado em lei (SFH, SFI, art. 108/CC, art /CC, etc.) ESTRANGEIROS ESTRANGEIROS Legalizados pelo consulado ou embaixada brasileira, traduzidos por tradutor público brasileiro (Dec. Nº /43) e registrados em Serviço Registral de Títulos e Documentos (arts. 221, III; 129, §6º; e 148 da LRP, arts. 9º, §1º; 13; e 14 da LICC e art. 224 do CC) Legalizados pelo consulado ou embaixada brasileira, traduzidos por tradutor público brasileiro (Dec. Nº /43) e registrados em Serviço Registral de Títulos e Documentos (arts. 221, III; 129, §6º; e 148 da LRP, arts. 9º, §1º; 13; e 14 da LICC e art. 224 do CC)

26 Títulos em sentido material Quais são os atos, fatos e direitos sujeitos ao registro imobiliário? Aqueles elencados no art. 167 da LRP, assim como outros elencados em diversas leis EXEMPLOS: Lei dos Fundos de Investimento Imobiliário (Lei nº 8.668/93); Lei do Patrimônio de Afetação (Lei nº /04)

27 Os atos, fatos e direitos sujeitos ao registro imobiliário são taxativos?

28 Resposta: Art. 167, II, 5 e Art. 246, caput LRP

29 F I M


Carregar ppt "Evolução do Registro de Imóveis no Brasil. A propriedade imobiliária e o sistema registral brasileiro 1500 – Descobrimento do Brasil 1500 – Descobrimento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google