A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

História oral – metodologia e/ou método? Introdução aos Estudos Históricos Aula 12 Unifesp, 13 de nov., 2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "História oral – metodologia e/ou método? Introdução aos Estudos Históricos Aula 12 Unifesp, 13 de nov., 2012."— Transcrição da apresentação:

1 História oral – metodologia e/ou método? Introdução aos Estudos Históricos Aula 12 Unifesp, 13 de nov., 2012

2 Programa Guerra do capim: a luta pela terra camponesa(2001) de C Welch e T Perrine; Verena Alberti, CPDOC/FGV e o Manual (2004); Sobre os seminários – consultas... Encerrar às 17h para assistir a Semana Dia 20/11 é feriado! Vamos encontrar dia 27/11 sim para encerrar a parte expositiva da disciplina, devolver e conversar sobre os exercícios e consultar sobre os seminários. Ler SILVA (2001) (8 pág só) e prepara seus seminários.

3 Grass War! Peasant Struggle in Brazil (2001) História oral como método; Principal fonte e meio de analise; No caso do período contemporâneo, história oral reforça história de baixo para cima; Permite documentar a experiência e perspectiva de mulheres, negros e a classe trabalhadora em geral que não sejam acessíveis em outra forma; Desafia a versão de cima para baixo em termos do poder das classes sociais; Assim, a partir da teoria (neo- )marxista, contribuía para desenvolver uma história emancipatória sobre as experiências da maioria de resistência, organização e luta frente da opressão e exploração dos sistemas hegemônicas. Jofre Correia Netto em 1959:capim para o governador e latifundiário comerem!

4 Alberti e história oral Alberti é do Programa de História Oral da FGV desde 1985 e coordenadora dele desde 1999; Descreve História oral comométodo-fonte-técnica (18) para recuperar biografias e memórias da história recente (21); Seu método é nossa metodologia (18); Institucionalização deu se na FGV em 1975 com um projeto sobre as elites políticas brasileiras (20) para entender a formação do estado e contemplar a redemocratização; A partir dos anos 1990, tmbm faz projetos sobre profissões, agências, empresas, instiutições e movimentos em projetos temáticos como o das elites do movimento negro, inclusive um projeto dela de 4 anos que resultou no livro História do movimento negro (2007); Verena Alberti – 1960? – história (1982), antropologia (1988) e literatura (1993)

5 Manual de história oral (1990/2004) Produto do CPDOC/FGV para guiar a implantação de outros centros e programas e elaboração de projetos de história oral; Aborda o valor instrumental da técnica, a entrevista e o tratamento do documento assim criado – forma de se aproximar do objeto de estudo(18); Para Alberti, história oral, por privilegiar a recuperação do vivido conforme concebido por quem viveu(23), é uma metodologia combinada com o método biográfico; Com base na memória, o problema a ser avaliado em seu uso não é com a psique e sim com a co-autoria embutida na relação entre o entrevistador/a e entrevistado/a (23); O psicólogo Daniel Kahneman examina o peso comparativo de nosso eu (auto) como experiência e como lembrança para entender memória como fonte de conhecimento do passado.

6 Sorteio dos semináriosA desconstrução não quer dizer destruição, mas sim desmontagem, decomposição dos elementos da escrita (Wikipedia). Caio Prado Jr (04/12) Emilia Viotti (04/12) F. Braudel (04/12) M. del Priore (04/12) Sérgio B. (04/12) Heródoto (11/12) István Jancso (11/12) J. Monteiro (11/12) Marc Bloch (11/12) O Que é História?

7 Modelo para a desconstrução – Vamos checar sua preparação, 30 minutos, 11+ slides, todo mundo fala... Em seus grupos, buscam citações na obra para apoiar suas respostas das seguintes questões, indicando o número mínimo de slides: Título da apresentação com nome do grupo e seus membros- 1 Referencia bibliográfica da obra - 1 Autor/a em seu espaço e tempo - 1 Objeto e citações - 1 Estrutura e citações - 1 Forma retorica e citações- 1 Teoria e citações- 1 Método e citações - 1 Metodologia e citações - 1 Reflexão sobre a obra - 1 Avaliação do projeto - 1

8 Maiores teorias da História Positivista - História Política – Cientificismo – Ranke, Turner - Ênfase na Permanência Rompimento com tradição romântica (sem provas), por uma perspectiva idealista (com provas); Papel do historiador em ser objetivo, descrever o que realmente aconteceu, ser nacionalista; Ênfase na história política, na conjuntura, para ajudar ordenar o progresso; Método biográfico: vida de grandes líderes/nações para descobrir leis universais; Marxista - História Social - Materialismo dialético histórico -Thompson - Transformação Crítica da comedia nas narrativas positivistas, ironiza sua ênfase nos grandes homens e eventos; A história como obra das ações humanas, determinada pelas estruturas, Materialismo; Luta de classes como motor da História; o processo histórico como sujeito; Método dialética: teoria e prática empírica (pesquisa) orientam a analise. Annales – História Nova - Ciência social - Bloch, Braudel – Transformação demora Critica das teorias marxista (dialética demais) e positivista (objetividade demais) Subjetivo – historiador/a tem perspectiva individual, produz Histórias, não História; Busca das raízes históricas dos problemas atuais – História como Ciência Social; Importância interdisciplinar; investigação das forças maiores – geologia, geografia, cultura; Métodos diversos - comparativo, quantificação e sempre empírico. Pósmoderna – História Cultural – Microhistória - Foucault, Ginzburg - Circular Rompimento com as meta-narrativas, a cronologia linear – a ordem do progresso História oferece pouca ajuda na resolução, apenas alguns sacados para compreender o presente; Descentralização do sujeito, Bengalas não Imperialistas, Indivíduos não tipos ideais como Classes; Desconfia no material, favorece o imaginário – Ênfase na linguagem: sinais e a representação; Método intuitivo, literário, indiciário, discursivo; mais do Semiótico e menos do Materialismo.

9 A questão de método Método cientifico Pensamento pensante... um conjunto de regras básicas para desenvolver uma analise a fim de produzir novo conhecimento, bem como corrigir e integrar conhecimentos pré-existentes (WIKI). Alguns exemplos de métodos – Dedutivo [documental] – (Ranke e outros) Biográfico - (Ranke, Varnhagen, Turner); Bibliográfico – (Turner) Dialético - (Marx, Thompson); Empírico [experiência] (Thompson e outros); Regressivo – (Bloch, Ginzburg) Estrutural - (Marx, Braudel); Comparativo (Bloch, Braudel); Intuitivo [indiciário] (Ginzburg); Diferente que teoria, autores tipicamente fazem misturas novas dos métodos.

10 Referências ALBERTI, V. Manual de História Oral (2004). CAMARGO, A., Quinze anos de história oral: documentação e metodologia(1989). CNPq. Plataforma Lattes de ALBERTI, V. WELCH, C A. Capitão camponês (2010). WIKIPEDIA. História oral.


Carregar ppt "História oral – metodologia e/ou método? Introdução aos Estudos Históricos Aula 12 Unifesp, 13 de nov., 2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google