A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ESPECTROSCOPIA NO INFRAVERMELHO Parte 2 PGCEM - UDESC 2010 Sérgio Pezzin.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ESPECTROSCOPIA NO INFRAVERMELHO Parte 2 PGCEM - UDESC 2010 Sérgio Pezzin."— Transcrição da apresentação:

1 ESPECTROSCOPIA NO INFRAVERMELHO Parte 2 PGCEM - UDESC 2010 Sérgio Pezzin

2 Bond C-HC-DC-OC-Cl /cm -1 300022001100700 Bond C OC=OC-O /cm -1 214317151100 Apenas vibrações que causam uma mudança na polaridade apresentam bandas no espectro IV ESPECTROSCOPIA NO INFRAVERMELHO

3 Quais destas vibrações de CO 2 são ativas no IV ? Estiramento simétrico Estiramento assimétrico Deformação angular (duas) ESPECTROSCOPIA NO INFRAVERMELHO

4 Espectro FTIR da respiração

5 4000-3000 cm -1 3000-2000 cm -1 2000-1500 cm -1 1500-1000 cm -1 O-H N-H C-H C C N C=C C=O C-O C-F C-Cl deformações REGIÕES DO ESPECTRO DE INFRAVERMELHO Energia Frequência

6 INTERPRETAÇÃO DE ESPECTROS FTIR É frequentemente possível atribuir os picos na região de 1600-3600 cm -1 consultando tabelas ou databases de espectros IV. Quando fizer uma atribuição, sempre dê o tipo de ligação e o tipo de vibração, p.ex. Estiramento O-H (stretch) ou deformação angular no plano de C-H (bending). As regiões mais claras são: 1680-1750 cm -1 :estiramento C=O – aparece muito fortemente no espectro e o tipo de grupo carbonila pode ser determinado a partir da posição exata do pico. 2700-3100 cm -1 : diferentes tipos de estiramento C-H. 3200-3700 cm -1 : vários tipos de estiramento de O-H e N-H. Muitas ligações absorvem na região de 600-1600 cm -1, muitas vezes dificultando a atribuição de bandas individuais. Entretando, esta região é útil como uma impressão digital da molécula.

7 INTERPRETAÇÃO DE ESPECTROS FTIR 4000,0 3000 2000 1500 1000 450,0 3,2 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100,0 cm-1 %T 3644,99 3083,16 3060,99 3027,28 3002,80 2927,16 2856,96 2237,07 1951,71 1879,47 1808,91 1753,36 1602,04 1583,45 1493,81 1453,15 1365,00 1182,86 1155,89 1066,68 1029,26 910,39 845,35 761,18 547,66 Figura 4.1: Espectro FTIR obtido por transmissão do SANGEL puro.

8 INTERPRETAÇÃO DE ESPECTROS FTIR 4000.03000200015001000450.0 3.2 10 20 30 40 50 60 70 80 84.1 cm-1 %T 2852.62 2237.64 1669.72 1588.11 1451.34 1356.96 1222.45 1066.31 972.21 926.07 Figura 4.2: Espectro FTIR obtido por transmissão do NBR45 puro.

9 INTERPRETAÇÃO DE ESPECTROS FTIR Tabela 4.1: Comprimento de onda e atribuições das bandas obtidas apartir do espectro FTIR para o SANGEL puro Comprimento de onda da banda (cm -1 ) Atribuição 3083 – 3027 Deformação axial C H aromático 2927 - 2856 Deformação axial C H alifático 2237,07 Deformação axial C N (nitrila) 1650 – 2000Overtone fenila monossubstituído 1066 – 1029 Deformação angular no plano do C H do anel 761 Deformação angular fora do plano do C H do anel Tabela 4.2 - Comprimento de onda e origem das bandas obtidos apartir do espectro FTIR para o NBR45 puro Comprimento de onda da banda (cm -1 ) Atribuição 2852 Deformação axial C H alifático 2237,64 Deformação axial C N (nitrila) 1734 - 1588 Deformação axial C C 972Deformação angular trans 1,4 – butadieno 926Deformação angular cis 1,4 -butadieno

10 Espectros FTIR

11

12

13

14

15

16

17

18


Carregar ppt "ESPECTROSCOPIA NO INFRAVERMELHO Parte 2 PGCEM - UDESC 2010 Sérgio Pezzin."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google