A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Narrativas do século XIX: Francisco Adolpho de Varnhagen e Frederick Jackson Turner Introdução aos Estudos Históricos Aula 5 Unifesp, 18 de set., 2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Narrativas do século XIX: Francisco Adolpho de Varnhagen e Frederick Jackson Turner Introdução aos Estudos Históricos Aula 5 Unifesp, 18 de set., 2012."— Transcrição da apresentação:

1 Narrativas do século XIX: Francisco Adolpho de Varnhagen e Frederick Jackson Turner Introdução aos Estudos Históricos Aula 5 Unifesp, 18 de set., 2012

2 Programa Varnhagen em seu tempo e espaço Sua História Geral do Brasil– método Rankiano aplicado História positivista do Séc XIX – Nacionalismo e Imperialismo Turner em seu tempo e espaço A tese da fronteira e a formação dos EUA Desconstruindo Varnhagen e Turner O passado como escrita por Varnhagen e Turner Considerações Finais Referências

3 Varnhagen ( ), em seu tempo e espaço Nascido próximo Sorocaba, SP em 1816; Mãe portuguesa e pai engenheiro militar alemão, o mandaram estudar em Lisboa em 1825, onde voltou ser adido da delegação consular em 1841; Formou-se como engenheiro militar e serviu em guerras de defesa a Coroa; No Brasil, ingressou no IHGB logo depois de sua fundação em 1838; Foi leal a família do Regente Dom João VI, principalmente Dom Pedro II, Protetor do IBGH; Publicou os dois tomos de sua História Geral do Brazil em 1854 e1857 – que viu como representando a história nacional do Brasil entre as histórias das nações (VARNHAGEN, vi) O livro apresentou uma visão nova da história do Brasil, ainda predominante: 1) as três raças, a indígena fundamental, a africana inferiorizada (corpo) e a portuguesa enfatizada (cabeça); 2) desenvolvimento colonial progressivo; 3) agilidade do D. Pedro; e 4) a sabedoria da monarquia constitucional; Conhecido como - "O pai de nossa História(João Francisco Lisboa) e o principal historiador brasileiro do século XIX (CEZAR, 178) – seu metodologia (Ranke) – p. xii) / sua subjetividade (Comte) – p. x. Brasil no século XIX

4 Da colônia a república – expansionismo do Império América do Sul em 1792Brasil em 1920

5 Como a influência histórica do Ranke chegou no Brasil Carl Friedrich Phillip von Martius ( ), botânico alemão, que foi influenciado pelo Ranke e influenciou a historiografia brasileira; Viajou no Brasil nos anos 1817 a 1820 e foi convidado pelo IHGB em 1840 a elaborar um método para escrever a História do Brasil; Publicou seu ensaio em 1844 e foi premiado; Recusou escrever a mesma, mas segundo T. Cezar (2003), Varnhagen resolveu aplicar o seu método; O método: a) Romântico*; b) comparativo (primeiro destacar a influências das três raças**); c) documental (língua indígena, mitologia, arqueologia, decretos e relatos diplomáticos como fontes); d) geopolítico, no espirito do Ranke; Eles todos defenderam a História como elemento essencial a formação nacional e também a nação representada pelo monarquia iluminada; * a história é conduzida pelo gênio da história (185), não muito diferente que as leis do positivismo; ** o português se apresenta como o mais poderoso e essencial motor (184), numa visão eurocêntrica. Rumo de Martius no Brasil

6 Desconstruindo Varnhagen Depois do intervalo vamos formar grupos para buscar nas duas obras citações para apoiar suas respostas para as seguintes questões: Objeto - ? Estrutura - ? Forma da narrativa (enredo)- ? Teoria - ? Método - ? Metodologia - ? Comentário sobre a obra

7 Positivismo no séc. XIX Desenvolvido pelo francês Augusto Comte; Orientava as ciências sociais até a década dos 1970 como parte da modernização; Acepções de positivo - real, útil, certo, preciso, relativo, orgânico e simpático; Método científico – busca das leis que controla a vida, através da observação e repetição para superar a subjetividade; [Contrário ao Ranke, o Pai da História Cientifica, que insistia no ideal de um intelectual objetivo e desinteressado que usava fontes primárias para reconstruir o passado e descobrir a mão de Deus.] Holismo - naturalismo – evolução social (Darwin/Spencer) – ciência para descobrir as forças invisíveis; A nação estava em evolução e história era a biografia da razão deste organismo; O processo de expansão da nação, de colônia até uma posição imperialista representava uma das etapas naturais do crescimento de um povo. Augusto Comte ( ) Leopoldo Von Ranke ( )

8 Frederick Jackson Turner ( ) Nasceu em 1861 em Portage, uma vila no antigo Noroeste dos EUA, onde a comunidade de imigrantes alemães predominava; Em 1883, formou-se em História na Univ. de Wisconsin (UW); Em 1889, casou-se, a primeira filha sobreviveu e deu luz depois ao neto Jackson Turner Main ( ), que era historiador; Em 1890, defendeu sua tese de doutorado na Univ. de Johns Hopkins, sobre o comércio de pelos com o povo indígena do Nordeste; Em 1893, publicou seu ensaio o significado da fronteira na formação dos EUA – lembra do geografo alemão Ratzel - e esta tese da fronteira como processo fez a carreira dele; Buscou na História compreender o presente a partir do passado – para ele, o alegado imperialismo da época virou o traço cultural único de expansionismo (193); Viu a História como chave para a formação da identidade nacional, no modo europeu, mas com enfase no socioeconomico mais que o político (p.206); Publicou a tese e livros de ensaios, muitos escritos para revistas populares, como a Atlantic Monthly; Depois de sua morte em 1932, suas ideias foram criticadas por ser deterministas, simples e incoerentes, mas sua tese da fronteira continuou a influenciar a sociedade e as políticas externas dos EUA.

9 Da colônia ao império: aevolução dos EUA

10 Destino manifesto (1846 e 1860) (Guerra contra Mexico – )

11 Civilizando os povos originários entre 1876 e 1890 para consolidar oImperio da Liberdade (Jefferson) EUA em 1876 Gen. Custer e Crazy Horse na Batalha do Little Bighorn (1876) Típica representação invertida do curso dos eventos

12 A evolução dos Estados Unidos Os protagonistas da narrativa de Turner: a selva, o indio, o pioneiro, as políticas de expansão, o cidadão e os políticos; Periodização das ondas de contato com a fronteira e sua força formativa no caráter do homem europeu e na democracia da nação 1 – Da revolução (1776) ao final da Guerra contra Inglaterra de 1812 (1815); 2 – De 1815 ao final da Guerra de Secessão (1865) 3 – De 1865 ao fechamento da fronteira(1890); 4 – De 1890 ao expansionismo da época da própria vida de Turner. A História é a biografia deste organismo nacional (206)

13 Desconstruindo Varnhagen e Turner Formar seus grupos – parte trabalha com V., outra com T. - ambos buscam citações na obra para apoiar respostas para as seguintes questões Objeto - ? Estrutura -? Forma retórica - ? Teoria - ? Método - ? Metodologia - ? Comentário sobre a obra -?

14 A escrita histórica do Varnhagen Objeto – O papel do príncipe D. Pedro I na fundação de uma só nação (438); Estrutura – narrativa cronológica / regional – Forma – comédia – bastante harmonicamente concebida(441); Teoria – Positivista (orgânico): imparcialmente escripta (vi); o primeiro enfeixe proporcionado dos factos; Método – Biográfico – uma modesta chronica (442) guiada pela estrella do príncipe(429); Metodologia – documental, baseada nos documentos de D. Pedro; de alta importância juntar os documentos que constituem a história do paíz(vi-vii); Comentários? falta-nos documentos sufficientes(429), deixar uma geração (33 anos) passar ou seja história contemporânea [...] extrema da história geral (442). Despachos das Cortes, Grito da Ipiranga –Independência ou Morte!

15 A escrita histórica do Turner Objeto – Afirmar o valor da História para a o progresso das nações, no contexto dos EUA; Estrutura – Cronológica – da antiguidade ao presente; Forma retórica – Comédia no templo da história(220); Teoria – Positivista – a biografia da sociedade" (206); Método – Bibliográfico e biográfico (208) Metodologia – Levantamento bibliográfico, documental e material de tudo aquilo que restou do passado (208) * Citações: A história é a biografia da sociedade em todos os seus aspectos(206). A história, subjetiva ou objetiva, está em eterna transformação: ela nunca está completa(206). A meta da história é [...] conhecer os elementos do presente através da compreensão do que nos restou do passado no próprio presente. Pois o presente é nada mais que o passado em desenvolvimento (207). A história é a autoconsciência deste organismo(211). A história nos permite contemplar o nosso próprio tempo e lugar como uma parte do estupendo progresso das eras [...] (211). [...] a utilidade da história em fornecer um bom treinamento cívico [...] a meta principal de nossas escolas públicas(212). A Escola Turner O professor e seu seminário de conclusão de curso na Universidade de Wisconsin ( )

16 Considerações finais Anota-se a influência das ideias alemães (Ranke e Martius) na História do Brasil e dos Estados Unidos; Anota-se a fascinação do IHGB com a perspectiva estrangeira, no caso de Martius, e seu desejo de produzir uma História nacional, finalmente realizada pelo Varnhagen; Anota-se a profissionalização do historiador no contexto da representação positivista da formação nacional e do estado (a monarquia), nos casos de Varnhagen e Turner

17 Referências ABL. Varnhagen. Biografia. (Site da Academia) CEZAR, T. Como deveria ser escrita a história do Brasil. FUNARI, P. & SILVA, G. Teoria da história. HOBSBAWM, E. Nações e nacionalismo desde GAIO, G.G.G.. Ranke e As grandes potências. IHGB. Resenha Histórica. (site) KUHN, T. The Structure of Scientific Revolutions. PESAVENTO. S.J. História cultural. QUEIROZ, T. & IOKOI, Z. A História do historiador. WHITE, H. Meta-historia. WIKIPEDIA. Cientificismo. WIKIPEDIA. Francisco Adolpho de Varnhagen. WIKIPEDIA. Frederick Jackson Turner. WIKIPEDIA. Historiografia. WIKIPEDIA. Leopold von Ranke.


Carregar ppt "Narrativas do século XIX: Francisco Adolpho de Varnhagen e Frederick Jackson Turner Introdução aos Estudos Históricos Aula 5 Unifesp, 18 de set., 2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google