A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 EPS/CTC/UFSC As representações do trabalho: 2 Trabalho - tripalium (Trabalhar - tripaliare) 2 Na Bíblia - ganharás o pão com o suor de teu rosto 2 Na.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 EPS/CTC/UFSC As representações do trabalho: 2 Trabalho - tripalium (Trabalhar - tripaliare) 2 Na Bíblia - ganharás o pão com o suor de teu rosto 2 Na."— Transcrição da apresentação:

1

2 1 EPS/CTC/UFSC As representações do trabalho: 2 Trabalho - tripalium (Trabalhar - tripaliare) 2 Na Bíblia - ganharás o pão com o suor de teu rosto 2 Na Grécia antiga - ponos X ergon 2 Moderna concepção do trabalho: segundo FAVERGE, é um comportamento e um constrangimento. Engenharia Ergonômica do Trabalho 1. ERGONOMIA E TRABALHO O trabalho e sua evolução

3 2 EPS/CTC/UFSC As fases da evolução tecnológica do trabalho: 2 A instrumentação: da mão à ferramenta 2 A mecanização: da ferramenta à máquina 2 Automação: da máquina ao robô 2 A interconexão: do robô aos SIAD Engenharia Ergonômica do Trabalho

4 3 EPS/CTC/UFSC A instrumentação: manipulação 2 Esta fase se caracteriza pelo desenvolvimento de ferramentas fabricadas pelo homem para lhe servir de mediador entre sua ação e o objeto de trabalho. 2 A ferramenta substitui os membros do homem na ação direta sobre a matéria prima a ser trabalhada. 2 A ferramenta permite uma ampliação da capacidade humana de transformação da matéria e uma redução dos esforços físicos. 2 O trabalho do homem é, essencialmente, uma atividade de manipulação de ferramentas sobre o objeto de trabalho. Engenharia Ergonômica do Trabalho

5 4 EPS/CTC/UFSC A instrumentação: manipulação Operador Y Objeto de trabalho Operador X Situação de trabalho Outro objeto de trabalho A B Informações diretas Ações diretas Engenharia Ergonômica do Trabalho

6 5 EPS/CTC/UFSC A mecanização: controle 2 Esta fase se caracteriza por uma integração progressiva das ferramentas às máquinas, assim como pelo deslocamento de determinadas ações sobre o objeto de trabalho que, anteriormente, eram realizadas pelo homem. 2 O homem aciona os comandos em função das informações que ele recebe do objeto de trabalho. 2 O trabalho do homem se reduz, essencialmente, à uma atividade de controle da máquina. Engenharia Ergonômica do Trabalho

7 6 Operador Y Sistemasinalização Objeto de trabalho Operador X Situação de trabalho Sistemacomando OutraMÁQ. 1 2 A B 3 A mecanização: controle EPS/CTC/UFSC MÁQUINA Engenharia Ergonômica do Trabalho

8 7 EPS/CTC/UFSC A automação: supervisão 2 Esta fase se caracteriza pela introdução maciça da micro- eletrônica nos dispositivos técnicos de produção. 2 A introdução dos computadores no controle das máquinas modifica de forma considerável os sistemas de produção. 2 A automação pode ser definida como um conjunto de técnicas tendo por objetivo a redução da intervenção humana no processo de produção. 2 O trabalho humano se reduz, essencialmente, à uma atividade de supervisão do sistema de produção. Engenharia Ergonômica do Trabalho

9 8 Operador Y Sistemasinalização Automatismos Operador X Situação de trabalho Sistemacomando Outramáquina 12 A B 3 A automação: supervisão EPS/CTC/UFSC Objeto de trabalho ++ I II Engenharia Ergonômica do Trabalho

10 9 EPS/CTC/UFSC A interconexão: o diagnóstico 2 Esta fase se caracteriza pela introdução de sistemas inteligentes de apoio à decisão na gestão de processos. 2 Num primeiro momento, SIAD tipo prótese cognitiva. 2 Na seqüência, SIAD tipo cooperativo. 2 Nestas condições, não se trata de definir as condições ótimas de comunicação homem - máquina, mas de resolver o problema de uma cooperação entre operadores humanos e os procedimentos que ultrapassam de longe uma situação de diálogo homem - máquina. Engenharia Ergonômica do Trabalho

11 10 Operador Y Sistemasinalização Automatismos + Operador X Operador Z Situação de trabalho + Sistemacomando SIAD Outramáquina A B C D 5 6 A interconexão: o diagnóstico EPS/CTC/UFSC Objeto de trabalho III Engenharia Ergonômica do Trabalho

12 11 EPS/CTC/UFSC As atividades de trabalho: do gesto ao raciocínio 2 As consequências da evolução tecnológica sobre o trabalho são muito mais complexas do que uma simples redução do nível de emprego. 2 Os efeitos das NTs sobre o trabalho são contraditórios: 3Se por um lado a automação permite um aumento da produtividade (produzir + com - pessoas ocupadas); 3Por outro lado, os sistemas automatizados são extremamente frágeis e necessitam, tanto na concepção como na produção, de uma maior vigilância por parte do operador humano. 2 O homem está, cada vez mais, liberado das exigências sensoriais - motoras e, cada vez mais, mobilizado pelas exigências cognitivas. Engenharia Ergonômica do Trabalho

13 12 Engenharia Ergonômica do Trabalho EPS/CTC/UFSC A situação de trabalho 2 Campo no qual a atividade de trabalho é exercida. 2 Segundo WISNER (1987), quatro aspectos devem ser considerados na atividade do homem em interação com um sistema sócio-técnico: 3Econômicos 3Sociais 3Técnicos 3Organizacionais

14 13 Do ponto de vista ergonômico, uma situação de trabalho é um sistema complexo,dinamicamente interrelacionado, cujas entradas (as exigências econômicas, sócio-técnicas e organizacionais de trabalho, caracterizadas na tarefa) determinam os comportamentos do homem no trabalho (caracterizadas nas atividades em termos de informações e ações) e, cujas saídas (os resultados do trabalho em termos de produção e saúde), são as resultantes deste sistema, conforme figura abaixo: AtividadesdeTrabalho Tecnologia Homem Organização Tarefa Saúde Produção Resultados sócio-econômicos Ambiente ENTRADA PROCESSAMENTOSAÍDA Engenharia Ergonômica do Trabalho EPS/CTC/UFSC

15 14 EPS/CTC/UFSC 2 Trabalho em linhas de produção 2 Trabalho em canteiros de obras 2 Trabalho em controle de processos 2 Trabalho na agricultura 2 Trabalho no setor de serviços 2 Tele-trabalho Engenharia Ergonômica do Trabalho Alguns exemplos de situações de trabalho:

16 15 EPS/CTC/UFSC Alguns exemplos de estudos sobre o trabalho: 2 A higiene e a segurança do trabalho 2 A concepção de meios de trabalho 2 A capacitação profissional para o trabalho 2 A organização do trabalho 2 A avaliação da carga de trabalho 2 A reestruturação e o enriquecimento de tarefas 2 O envelhecimento e a experiência profissional Engenharia Ergonômica do Trabalho

17 16 EPS/CTC/UFSC 2 População Economicamente Ativa 2 O desemprego 2 A duração do trabalho 2 Trabalho em tempo parcial 2 O contrato de trabalho com tempo determinado 2 As doenças ocupacionais 2 Os acidentes do trabalho 2 O valor incerto do trabalho Engenharia Ergonômica do Trabalho O significado da atividade do homem

18 17 Engenharia Ergonômica do Trabalho EPS/CTC/UFSC ATIVIDADE HUMANA CONDIÇÕES DE VIDA 3 Lazer 3Trabalho 3 Habitação 3Transporte 3Educação 3Saúde 3Trabalho Atividade de Trabalho Condições de Trabalho 3 Aplicação de forças e faculdades para atingir um objetivo 3Remuneração 3 Técnicas 3Ambientais 3Organizacionais

19 18 Engenharia Ergonômica do Trabalho EPS/CTC/UFSC População Economicamente Ativa: 2 Agricultores proprietários 2 Agricultores assalariados 2 Empresários da indústria e do comércio 2 Profissionais liberais e executivos 2 Profissionais de nível gerencial 2 Profissionais de nível médio 2 Profissionais de nível operacional (operários) 2 Funcionários públicos e empregados de serviços

20 19 EPS/CTC/UFSC Engenharia Ergonômica do Trabalho A ergonomia e sua evolução 1) O que é ergonomia ? (e não ergonometria e muito menos ergologia) 3Adaptação do trabalho ao homem 3No sentido etimológico do termo: Ergonomia significa estudo das leis do trabalho.

21 20 3Conceito da Ergonomics Research Society (U.K.): A ergonomia é o estudo da relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e particularmente a aplicação dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução surgida neste relacionamento. 3Conceito da International Ergonomics Association (IEA): A ergonomia é o estudo científico da relação entre o homem e seus meios, métodos e espaços de trabalho. Seu objetivo é elaborar, mediante a contribuição de diversas disciplinas científicas que a compõem, um corpo de conhecimentos que, dentro de uma perspectiva de aplicação, deve resultar em uma melhor adaptação ao homem dos meios tecnológicos e dos ambientes de trabalho e de vida. 3Conceito da Associação Brasileira de Ergonomia (ABERGO): A ergonomia é o estudo da adaptação do trabalho às características fisiológicas e psicológicas do ser humano. Engenharia Ergonômica do Trabalho EPS/CTC/UFSC

22 21 EPS/CTC/UFSC Engenharia Ergonômica do Trabalho 2) Evolução histórica (ver: VALENTIN, M.,Travail des Hommes et Savants Oubliés: Histoire de la Medicine du Travail, de la Sécurité et de lErgonomie.Paris: Ed. Docis, 1978.) 3Não existe ainda uma história, propriamente dita, sobre ergonomia; 3Conjunto de conhecimentos referentes ao homem em atividade de trabalho permitiu o surgimento desta disciplina; 3Os primeiros estudos sobre o homem em atividade profissional foram realizados por engenheiros, médicos do trabalho e pesquisadores: Engenheiros que procuravam melhorar o desempenhp do homem no trabalho, dentre eles podemos citar: De Vauban, Bélidor, Perronet, Vaucanson, Jacquard, Taylor e Ford. Médicos do trabalho que procuravam estabelecer uma proteção à saúde dos trabalhadores: Paracelse, Ramazzini, Tissot, Patissier e Villermé. Pesquisadores que buscavam compreender o funcionamento do homem em atividade de trabalho: De la Hire, Da Vinci, Lavoisier, Coulomb, Chauveau, Marey e J. Amar.

23 22 EPS/CTC/UFSC Engenharia Ergonômica do Trabalho 3O termo ergonomia foi utilizado pela primeira vez, em 1857, pelo polonês W. Jastrzebowski, que publicou um artigo intitulado Ensaio de ergonomia ou ciência do trabalho baseada nas leis objetivas da ciência da natureza. 3Quase cem anos mais tarde, em 1949, um engenheiro inglês chamado Murrel criou na Inglaterra a primeira sociedade nacional de ergonomia, a Ergonomic Research Society.

24 23 EPS/CTC/UFSC 3Posteriormente, a ergonomia desenvolveu-se em numerosos países industrializados, como a França, Estados Unidos, Alemanha, Japão e países escandinavos. 3Em 1959 foi fundada a International Ergonomics Association. 3Em 31 de agosto de 1983 foi criada a ABERGO. 3Em 1989 foi implantado o primeiro mestrado do país no PPGEP/UFSC. Engenharia Ergonômica do Trabalho

25 24 EPS/CTC/UFSC Engenharia Ergonômica do Trabalho 3) O desenvolvimento atual da ergonomia Pode ser caracterizado segundo quatro níveis de exigências: 3As exigências tecnológicas: técnicas de produção 3As exigências econômicas: qualidade e custo de produção 3As exigências sociais: melhoria das condições de trabalho 3As exigências organizacionais: gestão participativa

26 25 Quanto a abrangência: 3Ergonomia do posto de trabalho: abordagem microergonômica 3Ergonomia de sistemas de produção: abordagem macroergonômica Quanto a contribuição: 3Ergonomia de concepção: normas e especificações de projeto 3Ergonomia de correção: modificações de situações existentes 3Ergonomia de arranjo físico: melhoria de seqüências e fluxos de produção 3Ergonomia de conscientização: capacitação em ergonomia Quanto a interdisciplinaridade: 3Engenharia: projeto e produção ergonomicamente seguros 3Design: metodologia de projeto e design do produto 3Psicologia: treinamento e motivação do pessoal 3Medicina e enfermagem: prevenção de acidentes e doenças do trabalho 3Administração: projetos organizacionais e gestão de R.H. Engenharia Ergonômica do Trabalho EPS/CTC/UFSC

27 26 Ergonomia de projeto X Ergonomia industrial: 3Ergonomia de projeto: é a ergonomia preventiva no estágio de projeto 3Ergonomia industrial: é a ergonomia corretiva de situações existentes Ergonomia do produto X Ergonomia da produção 3Ergonomia do produto: é a ergonomia de concepção de um dado objeto 3Ergonomia da produção: é a ergonomia de chão de fábrica Ergonomia de laboratório X Ergonomia de campo 3Ergonomia de laboratório: é a pesquisa em ergonomia realizada em situação controlada de laboratório; 3Ergonomia de campo: é a pesquisa em ergonomia realizada em situação real de trabalho. Engenharia Ergonômica do Trabalho EPS/CTC/UFSC

28 27 Ergonomia na indústria: 3Melhoria das interfaces dos sistemas homens-tarefas 3Melhoria das condições ambientais de trabalho 3Melhoria das condições organizacionais de trabalho Ergonomia na agricultura e na mineração: 3Melhoria do projeto de máquinas agrícolas e de mineração 3Melhoria das tarefas de colheita, transporte e armazenagem 3Estudos sobre os efeitos dos agro-tóxicos Ergonomia no setor de serviços: 3Melhoria do projeto de sistemas de informação (ergonomia da informática) 3Melhoria do projeto de sistemas complexos de controle (salas de controle) 3Estudos diversos sobre: hospitais, bancos, supermercados,... Ergonomia na vida diária Engenharia Ergonômica do Trabalho EPS/CTC/UFSC O campo de estudo da ergonomia

29 28 MatemáticasCiências físicasCiências biológicasCiências humanas EstatísticaFísicaQuímicaAnatomiaFisiologiaAntropologiaPsicologiaSociologia Anatomia funcional Psicologia industrial Bioquímic a Antropologia física Sociologia industrial Acústica Luminotécnica Biofísica Psicologia experimental BiometriaMecânica Fisioterapia Bio- ergologia Fisiologia do trabalho AntropometriaDinâmica de grupo BiomecânicaTempos e movimentos Fisiologia ambiente Psicologia do trabalho Teoria da informação ERGONOMIA (FATORES HUMANOS) Termodinâmica EPS/CTC/UFSC Engenharia Ergonômica do Trabalho


Carregar ppt "1 EPS/CTC/UFSC As representações do trabalho: 2 Trabalho - tripalium (Trabalhar - tripaliare) 2 Na Bíblia - ganharás o pão com o suor de teu rosto 2 Na."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google