A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Geografia da população mundial

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Geografia da população mundial"— Transcrição da apresentação:

1 Geografia da população mundial
O número parece inimaginável, mais de 6 bilhões de habitantes vivem sob a superfície terrestre. A partir da análise do comportamento da população (evolução do crescimento e mobilidade, por exemplo), poderemos conhecer um pouco mais sobre a geografia da população mundial e responder a alguns questionamentos freqüentes, como: onde a população tende a crescer mais? Por que a população cresce? O crescimento populacional é o mesmo em todas as partes do mundo?

2 Elementos da dinâmica demográfica
Natalidade Mortalidade Crescimento vegetativo Migrações Política demográfica População absoluta População relativa Taxa de fecundidade Taxa de mortalidade infantil

3 Histórico do crescimento populacional no mundo
A evolução da população mundial: Até o início da era cristã, estima-se que a população mundial era de aproximadamente 250 milhões de habitantes Na década de 1990, elevou-se para 5,48 bilhões. Estimativas da Conferência da ONU apontam que a população do planeta pode superar os 7 bilhões nas primeiras décadas do século XXI.

4

5 A explosão demográfica
Depois da Segunda Guerra Mundial, as taxas de mortalidade começaram a cair nos países subdesenvolvidos. A queda da mortalidade provocou um novo surto de crescimento demográfico no planeta. A idéia de explosão demográfica sugere algo como um “bomba populacional”, uma explosão incontrolável e maléfica ao bem estar dos povos.

6

7 A transição demográfica
A transição demográfica é a teoria mais aceita, pois atingindo uma fase de estabilização, de diminuição progressiva nas taxas de crescimento vegetativo.

8 As teorias demográficas
Teoria de Malthus Malthus concluiu que o ritmo de crescimento populacional seria mais acelerado que o ritmo de crescimento da produção alimentar (PG x PA).

9 Teoria neo malthusiana
Segundo essa teoria, uma população jovem numerosa, resultante das elevadas taxas de natalidade verificadas em quase todos os países subdesenvolvidos, necessita de grandes investimentos sociais em educação e saúde. Ela é defendida pelos países desenvolvidos e pelas elites dos países subdesenvolvidos, para se esquivarem das questões econômicas.

10 Teoria reformista Em resposta aos neomalthusianos, foi elaborada a
teoria reformista, que inverte a conclusão das duas teorias demográficas anteriores. Essa teoria, enfim, é mais realista, por analisar os problemas econômicos, sociais e demográficos de forma objetiva, partindo de situações reais do dia-a-dia das pessoas.

11 A estrutura etária da população mundial
A estrutura etária da população é comumente retratada por meio de gráficos em forma de pirâmides. Pirâmide etária em países subdesenvolvidos pobres (situação: em explosão demográfica) Base larga: resultado de altas taxas de natalidade Topo estreito: conseqüência da baixa expectativa de vida da população.

12 A estrutura etária da população mundial
Pirâmide etária em países desenvolvidos industrializados (situação: em estabilidade demográfica) Estreitamento da base da pirâmide em decorrência da estabilização da taxas de natalidade. O centro da pirâmide e mais largo devido o predomínio da população adulta. O topo da pirâmide é elevado pois esses países apresentam um grande número de idosos

13

14

15 A estrutura econômico-produtiva e sexual da sociedade
A População Economicamente Ativa (PEA) A População Economicamente Inativa (PEI)

16 Distribuição da PEA nos diferentes setores da atividade
Primário: Secundário: Terciário:

17 A participação da mulher no mercado de trabalho
Fatores que determinaram o maior ingresso da mulher no mercado de trabalho: Nos países desenvolvidos as conquistas profissionais Femininas (a dissolução da família patriarcal) Nos países subdesenvolvidos o ingresso da mulher no mercado de trabalho ocorreu devidos aos baixos salários recebidos pelos homens. OBS: A mulher continuou responsável por todas as atividades domésticas, exercendo assim dupla jornada de trabalho.

18 As conseqüências do ingresso da mulher no mercadode trabalho
Maior exploração da força de trabalho. Diminuição da participação dos homens em algumas atividades. Aumento de exército de reserva

19 A dinâmica populacional brasileira
Ao pensarmos a população brasileira, muitas questões nos intrigam: A população apresentou saldos diferenciados de crescimento. Momentos históricos. Maior participação da população idosa

20 A evolução histórica do crescimento populacional no Brasil
A população brasileira apresentou um crescimento demográfico bastante lento até a década de 40 do século XX, em função das altas taxas de natalidade e mortalidade.

21 A aceleração do crescimento demográfico no Brasil
O “baby boom” brasileiro ocorreu entre as décadas de 40 e 70.

22 Nesse período o acelerado crescimento
demográfico desembocou numa estrutura etária típica dos países subdesenvolvidos, com elevado índice de jovens em contraste ao reduzido Número de adultos e idosos.

23 A transição demográfica atual
A partir das décadas de 60 e 70 o ritmo de crescimento da população brasileira começou a diminuir. Causas: O acelerado processo de urbanização O ingresso da mulher no mercado de trabalho A maior difusão de métodos anti-conceptivos. A elevação do custo de criação dos filhos na cidade

24

25 O envelhecimento populacional, por sua vez, aumentou e continuará a aumentar
o volume da demanda social por parte dos idosos.

26 As diferenças regionais e sociais da transição demográfica:
A transição demográfica está acontecendo em todo o país, entretanto sua intensidade varia de acordo com as especificidades sócio-econômicas de cada compartimento regional. As mudanças no mercado de trabalho urbano: As mudanças estruturais da economia global (avanço tecnológico, privatização, abertura econômica e flexibilização das relações de trabalho) e os seus reflexos sobre o Brasil a partir do final da década de 80 representaram transformações substanciais no mercado de trabalho urbano, levando- o a uma crescente fragmentação

27 A questão da mulher no mercado de trabalho

28

29 As relações de trabalho ilegais
Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho) o Brasil, a exemplo de grande parte dos países subdesenvolvidos, utiliza relações de trabalho ilegais, como o trabalho escravo.

30 Distribuição de renda e qualidade de vida no Brasil

31 A restrição do direito de greve O sistema tributário brasileiro
A distribuição de renda no Brasil é bastante desigual, devido aos seguintes fatores: A restrição do direito de greve O sistema tributário brasileiro a fragilidade dos sistemas de bem-estar-social Os planos econômicos da década de 80 (Cruzado, Verão e Bresser) A ausência das reformas de base.

32

33 As conseqüências da concentração de renda:
A baixa esperança de vida no Brasil, a esperança de vida varia de acordo com a classe social das pessoas.

34 Mobilidade populacional e desenvolvimento econômico no Brasil
A migração se constitui em um dos elementos que caracteriza a dinâmica populacional. “No caso das migrações internas de um país, porém, o elemento decisivo costuma ser a economia e suas modificações” - José William Vesentini. In: Brasil: Sociedade e Espaço.

35 Conceitos básicos: Migração: Imigração: Emigração:
Migração inter-regional: Migração sazonal: Êxodo rural: Migração pendular:

36 Mobilidade populacional e desenvolvimento econômico no Brasil
1 - Migrações externas: 2 - Migrações Internas Históricas: 3 - Migrações internas recentes: 4 - Tendências atuais do movimento migratório no país:

37 Migrações externas Até a década de quarenta do século XX o Brasil era
considerado um país de imigração, ou seja, de atração populacional. Necessidade de conseguir mão-de-obra para a lavoura cafeeira. A decadência da agricultura familiar A miséria provocada pelo aumento do exército de reserva d) O processo de unificação política da Alemanha e Itália,

38

39 Migrações internas históricas
Essas migrações estão relacionadas aos ciclos econômicos Migração de pequenos camponeses da Zona da Mata para o Agreste no século XVI. Migração de nordestinos, para a região de Minas Gerais do final do século XVII ao XVIII. Migração de camponeses de cafeicultores do Vale do Paraíba para o Oeste Paulista e norte do Paraná Migração de nordestinos (arigós), para a Amazônia (Acre), em decorrência do ciclo da borracha.

40 Migrações internas recentes
migrações recentes são aquelas deflagradas no período pós-guerra: 1- As regiões de repulsão populacional: Região Nordeste Migrações pela modernização e a repulsão populacional da região Sul 2 - As regiões de atração populacional: Amazônia Centro-Oeste Sudeste

41 Tendências recentes das migrações internas
Principalmente a partir dos anos 90 em função de novos pólos de atração em cidades médias do interior do país A redução do fluxo migratório para a região amazônica A redução do fluxo emigratório da região Nordeste e os movimentos recentes de retorno.

42


Carregar ppt "Geografia da população mundial"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google