A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Estrutura Industrial e Mudança Tecnológica na Economia Sucroalcooleira

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Estrutura Industrial e Mudança Tecnológica na Economia Sucroalcooleira"— Transcrição da apresentação:

1 Estrutura Industrial e Mudança Tecnológica na Economia Sucroalcooleira
Prof. Maria da Graça D. Fonseca (IE-UFRJ) Charles Ménard Costa (Consultor Infosucro)

2 Competitividade da Indústria

3 O sistema de produção do agronegócio da cana-de-açúcar tira sua competitividade de 3 importantes fatores: Expansão da demanda interna e externa de seus principais produtos (açúcar, energia e principalmente álcool). Ganhos de produtividade importantes na fase agrícola de produção, obtidos com investimentos em P&D. Base de produção diversificada permitindo ganhos em termos de economia de escopo.

4 O mercado de açúcar apesar de estar totalmente consolidado tem um consumo mundial que aumenta em 2% ao ano. Com a globalização, países como a China descobrem os prazeres de Coca-Cola e Danone, por exemplo.

5 O Mercado de energia elétrica no Brasil virou um atrativo para a industria sucroalcooleira depois do apagão de 2001 e desde que o país cresce a uma taxa de 5% ao ano. Quase nenhum projeto, hoje, de construção de usina não contempla a possibilidade da cogeração de energia a partir do bagaço.

6 O mercado de álcool como biocombustível
1 - Mercado interno : o motor flexfuel

7 O mercado de álcool como biocombustível
2 – Mercado externo : diminuição da dependência do petróleo como combustível e preocupações ambientais

8 PROJEÇÃO DA DEMANDA E INVESTIMENTOS

9 *kg TRS / Ton of cane = total reducing sugar per sugar cane crush ton.
Ganhos de produtividade Evolução dos indicadores de produtividade - Brasil The chart below (chart 6) shows the evolution of productivity gains in the agricultural phase and in the industrial process in Brazil sugar cane agribusiness. The agricultural yield indicator is measured in Tons of cane per hectare. We can notice that this indicator evolved from 46.2 Tons of cane per Hectare in early 70’s to 72.1 Tons of cane in the last crop. It’s represent an increase in productivity of 56% in the past 40 years. Several factors can be attributed to this astonished performance of which we can quote: (1) the use of more fertile soil (2) the use of sugar cane variety more appropriate for each kind of soil (3) the development of sugar cane variety more resistant to diseases and plagues (4) the advance in genetic research (5) the use of cutting edge technologies in order to monitor the crop, such as satellites. The industrial productivity indicator is measured in kilos of TRS[1] (Total Reducing Sugar) per tons of cane crushed. In other words, I transform the by-products produced in the industrial process in reduced sugar and weight against the tons of cane crushed during the process. This indicator evolved from 81.4 Kg TRS p/ Tons of cane to Kg of TRS p/ Tons of cane in approximately 40 years (chart 6). It’s an increase in more than 80% of productivity. We can notice in the chart 6 that there’s a straight correlation between the two yield indicators. And as a matter of fact we can state that a huge part of the gains in productivity obtained in the industrial process comes from the agricultural phase. It’s undeniable that there were improvements in industrial process this past 40 years such as lined here in this paper but the major breakthroughs responsible for the rise in productivity occurred in the agricultural field. [1] In industrial plants, the TRS recovered in sugar and ethanol, after the industrial process, is the parameter used for assess the losses of sugars in various stages of production. The TRS indicator is a summary of the industrial productivity with agricultural performance (the more I have sugar content in the cane the more sugar and alcohol I will extract). This value is given in kilograms per ton of sugar cane. Source: INFOSUCRO/IE/UFRJ: statistics quoted from FONSECA e MENARD, 2008. *kg TRS / Ton of cane = total reducing sugar per sugar cane crush ton.

10 Ganhos de produtividade
1 – Agrícola: aumento de 56% no período analisado. Principais causas: Uso de terra cada vez mais ferteis (migração de usinas do nordeste para o sudeste, por exemplo). Desenvolvimento de variedade de canas específicas para cada tipo de solo e região. Desenvolvimento de variedades de cana mais resistentes a doenças e pragas. Avanço da pesquisa no campo da engenharia genêtica da cana de açúcar. Desenvolvimento de tecnologia de ponta para monitoramento dos taliões. 2 – Industrial: aumento de 80% no período analisado. Principais causas: É inegável que houve avanço na área industrial tais como melhoria de processos, automação industrial e avanços tecnológicos, principalmente no tocante a parte de fabricação do álcool. Porém a grande contribuição para o aumento na produtividade industrial deriva das inovações técnologicas na área agrícola, principalmente no ramo da engenharia genética da cana.

11 Ganhos de produtividade
 Se traduz por redução de custos

12 Ganhos de produtividade
Investimentos em P&D

13 Economias de escopo

14 Produção e Estrutura de Mercado

15 Indicadores de concentração
Evolution of HHI concentration index in sugar and ethanol industry by economic group in Center-South region 1999/2000 2000/2001 2001/2002 2002/2003 2003/2004 2004/2005 2005/2006 2006/2007 2007/2008 SUGAR CANE PROCESSED ACTIVE GROUPS 196 180 175 171 172 177 169 AVERAGE PROCESSED BY GROUP HHI 0, 0, 0, 0, 0, 0, 0, 0, 0, Source: Infosucro (2007) 15

16 Indicadores de concentração II
Chart 4 – Concentration rates in the center-south sugar cane industry Source: Source: INFOSUCRO/IE/UFRJ: statistics quoted from FONSECA e MENARD, 2008

17 Estrutura de mercado e escala mínima eficiennte
Uma industria ainda muito desconcentrada. Mesmo agrupando por grupo economicos, o indicador HHI é muito baixo. Ainda subsistem muitos grupos econômicos independentes com uma planta só e com gestão familiar. Com a desregulamentação do setor muitas destas usinas (pequenas destilarias em sua maior parte) tiveram que fechar as portas. A partir de 2003 com as perpectivas alvissareiras do flexfuel e restabelecimento dos preços de açúcar no mercado mundial essas pequenas usinas foram reativadas, ou através de investimentos em aumento de capacidade pelos antigos proprietários, ou pela acquisição de grandes grupos econômicos, como a Cosan, Santa ElisaVale, Guarani/Tereos…e que se traduz por um aumento do Cr(4) de 14% para 18%. Nível de endividamento e complexidade da estrutura jurídica e acionária da indústria ainda assusta muitos players estrangeiros. Houve um aumento da escala mínima eficiente De 1999 a 2007 a escala de produção passou de 1,3 MTon de cana para 2,2 Tons de cana. Ainda existe espaço para aumento de capacidade através de investimentos em usinas já existentes. É preferível ter 2 usinas de 3 milhões de tonelada de cana que uma de 6 milhões. Com isso a escala mínima eficiente deve atingir um pico entre 3 e 4 milhões de Tons.

18 Mudança Técnologica e Inovação

19 A Tecnologia ajuda a Expansão da Produção e da Produtividade
A produção futura de bioetanol depende basicamente do aumento de produtividade da produção agroindustrial e do importante processo de diversificação da agroindústria da cana-de açúcar (açúcar , álcool e agora diesel). Brasil é o único país que tem capacidade de ampliar a produção de biomassa a baixo custo e sem danificar o meio ambiente ( expansão sobre 70 milhões de há de pecuária extensiva).

20 Redes de pesquisa público-privadas e alianças entre empresas privadas e universidades garantem a inovação tecnológica. Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) – organizão de base privada:melhoramento contínuo de variadades. Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento da Indústria Sucroalcooleira (RIDESA): rede de pesquisa entre nove universidades e o setor privado. As empresas do setor industrial sucroalcoleiro estão entra as poucas que realmente investem em P&D no Brasil. 20

21 Pontos Altos Canavialis and Allelyx – empresas apoiadas por venture capital (melhoramento tradicional, biotecnologia, genética e genômica) Cristalsev tem alianças importantes com Amyris e Votorantim Novos Negócios para pesquisa e produção de diesel a partir da cana de açúcar ( 1 bi litros em 2012) Fapesp / Dedini – parceria para desenvolver ethanol hydrolysis

22 Start-Ups Inovações Genéticas e Genómicas relacionadas ao desenvolvimento do Agronegócio: soja, citrus, uvas, eucalipto Berço: UNICAMP Adquirida pela Monsanto Genética e Genômica: novas variedades de cana- de-açúcar ( Campinas) Adquirida pela Monsanto

23 Joint Ventures entre a Amyris e a Crysralsev/Santa Elisa (com apoio da Votorantim Novos Negócios)
Modificações genéticas em linhagens comerciais de leveduras Saccharomyces cerevisiae que transformam o caldo de açúcar em etanol durante o processo de fermentação nas usinas.  Secreta farneceno ( e não etanol) que pode ser utilizado em qualquer motor diesel (inclusive caminhões, ônibus e tratores) e no futuro pode prporcionar querosene de aviação, gasolina e outros insumos para a petroquímica.

24 Pesquisa possibilitada por:
Conhecimento das usinas brasileiras em fermentação em grande escala Existência de fonte barata de sacarose e carbono O processo de preparação exige poucas modificações no processo e na infra-estrutura industrial já instalada Processo de produção substitui destilação e desidratação do etanol 24

25 Processo de produção substitui destilação e desidratação do etanol
CANA (Moagem) ↓ ClarificaçãoCentrifugação  Açúcar FermentaçãoDestilaçãoDesidratação Etanol Tratamento do Caldo Fermentação Separação Finalização Quim.Diesel A LEVEDURA GENETICAMENTE MODIFICADA ATUA NA FASE DA FERMENTAÇÃO 25

26 Planta Piloto com metas elevadas de produção
Instalação no Technopark em Campinas (2009). Planta Industrial na usina Santa Elisa em Sertãozinho em 2010, com produção de 10 milhões de litros. Em 2011 produção atingirá 50 a 60 milhões de litros 26

27 P&D- Universidaes integradas no esforço de pesquisa
USP e UNICAMP- CBMEG (Genoma da Cana) SÃO CARLOS- Departamento de Biologia Vegetal  Programa de Melhoramento Genético da Cana e Departamento de Recursos Naturais e Proteção Ambiental/Ridesa Nordeste: UFAL e Centro de CARPINA em Pernambuco 27

28 Inovações Agroindustriais
Aumento no teor de sacarose, proteção de pestes e doenças e aumento de resistência ao stress hídrico são pontos pontos fortes da pesquisa novas variedades de cana-de açúcar Contínua oferta de novas variedades: os programas de melhoramento genético são responsáveis pelo lançamento de mais de 50 variedades nos últimos 10 anos 28

29 CTC Variedades de 2a Geração
                                                                                                                                   CTC 6 Destaca-se pela alta produtividade, com alta resistência às principais doenças sendo recomendada para colheita do meio para o final da safra, em ambientes de boa a média produção. Apresenta fibra baixa, pouco florescimento CTC 7 Destaca-se pela precocidade, com alto teor de sacarose e resistência às principais doenças, sendo recomendada para colheita no início da safra, em ambientes de alta a média produção. Apresenta fibra média, pouco florescimento CTC 8 Destaca-se pela ótima brotação de soqueira e porte ereto, sendo recomendada para colheita do meio para o final da safra, em ambientes de média produção. Apresenta fibra alta, pouco florescimento e pouca isoporização. CTC 9 Destaca-se pelo alto teor de sacarose e precocidade, sendo recomendada para colheita no início da safra, em ambientes de média a baixa produção. Apresenta fibra média, pouco florescimento e pouca isoporização.                              

30 Uso mais eficiente da biomassa derivada de Cana-de Açúcar.
Proximos Passos Produção mais diversificada (acúcar, etanol, diesel, energia elétrica) e ganhos de economia de escopo. Uso mais eficiente da biomassa derivada de Cana-de Açúcar. Brasil está incorporando os melhoramentos obtidos linearmento no passado através da pesquisa transgênica (variedades trangênicas). 30

31 Genoma da Cana-de Açúcar
Fonte: CBEMEG/UNICAMP in Brito(2006) 31

32 Obrigada! 32


Carregar ppt "Estrutura Industrial e Mudança Tecnológica na Economia Sucroalcooleira"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google