A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 As Utilities Eléctricas Europeias e o Desafio Ambiental: uma perspectiva financeira SISEE – III Seminário Internacional do Sector de Energia Eléctrica.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 As Utilities Eléctricas Europeias e o Desafio Ambiental: uma perspectiva financeira SISEE – III Seminário Internacional do Sector de Energia Eléctrica."— Transcrição da apresentação:

1 1 As Utilities Eléctricas Europeias e o Desafio Ambiental: uma perspectiva financeira SISEE – III Seminário Internacional do Sector de Energia Eléctrica – GESEL/UFRJ 2008 M. Isabel Soares, CETE/FEP Patrícia Pereira da Silva, FEUC/INESC

2 2 O percurso... 1.A Política Energética Europeia e o Ambiente 2.Factos 3.Estratégia Empresarial e Investimento em ER 4.Conclusão

3 3 1- Política Energética Europeia e Ambiente: Competitividade (Lisboa), Ambiente (Kyoto), Segurança de Abastecimento. CAS

4 4 Instrumentos de Apoio às ER Tarifas Feed-in Quotas obrigatórias Sistema de leilões Incentivos Fiscais

5 5 Situação actual: Diferentes sistemas nacionais de apoio às ER Tarifas feed-in (compensação fixa pela electricidade e benefício renovável) Sistema de Prémios/Bonus (compensação fixa pelobenefício renovável) Cerificados Verdes (preço de mercado tanto para a electricidade como para o benefício renovável) Não existe sistema de comércio transfronteiriço, mas são possíveis acordos bilaterais.

6 6 Directiva das FER (propostas): 20% FER em targets nacionais vinculativos -alocação nacional;50% igual; 50% relativo ao PIB. -Targets internos a cada 2 anos – não vinculativos -Alocação do target nacional a três sectores: Electricidade (+- 34%); Aquecimento & Refrigeração; Transportes. Entrada em vigor em Março Planos Acção Nacionais.

7 7 Targets por países

8 8 Alternativas de Abate CO 2...(II FASE) semtargets Clean Development Mechanisms (CDM)- esquemas de redução de emissões em países em desenvolvimento sem targets de redução de emissões ( CHINA, INDIA,...) comtargets Joint Implementation (JI) – esquemas de redução de emissões em países industrializados com targets de redução de emissões ( Rússia, Ucrânia,...)

9 9 Opções de Abate... Demand Side Management (DSM): Porém, a escala da resposta industrial dependerá do preço do CO 2 (em vez de o determinar!!!). Dificilmente presente para preço de 10/ton. Muito significativo para 30/ton! Fuel Switching......em média, g.n. emite cerca de 0.35 ton/MWh enquanto o carvão emite 0.9 ton de CO 2 /MWh (

10 10 2- Factos Cenários de referência Cenários Alternativos Evidência empírica

11 11 Cenários De Referência De Referência: 1.Inexistência de novas políticas governamentais; 2.Avanços tecnológicos, mas sem descobertas fundamentais. Alternativo: Alternativo: 1.Política de segurança energética e política ambiental (actualmente em consideração) são adoptadas. 2.Pressupostos macroeconomicos, de população e de preços de petróleo e g.n. idênticos aos do Cenário de Referência.

12 12

13 13

14 14

15 15

16 16

17 17

18 18

19 19 Fase II do CO 2 ( ): O que significa para as empresas? Comércio anual de EU ETS: cap nas 2.08 biliões de toneladas. Limite do crédito anual de Kyoto: cap em 278 milhões. Previsão: gap anual de emissões de 109 milhões ou 5% das emissões de 2005! Pressão para subida dos preços electricidade…

20 20 Comércio anual de EU ETS: cap de 2.08 biliões de toneladas % menos do que a alocação cumulativa proposta pelos 27 Estados-Membro 9.5% menos do que o cap da fase I 1.9% menos do que as emissões de 2005.

21 M. Isabel R. T. Soares, FEP/CETE 21

22 22

23 23 3 – Estratégia Empresarial e Investimento em ER

24 24 As empresas e as emissões de CO2

25 25 Valor da Empresa e CO2

26 26

27 27

28 M. Isabel R. T. Soares, FEP/CETE 28 Impacto sobre EPS (earnings per share) 2008 de um aumento de 1MWh no preço da electricidade

29 29 Conclusões (e Interrogações)...

30 30

31 31 Produção concentrada Back to Nuclear? 1.Dimensão do parque... 2.Interligação... 3.Impacto sobre o endividamento 4.Reacção da sociedade civil Centrais de Ciclo Combinado Aproveitamento potencial hídrico

32 32

33 33 Produção descentralizada (ER Não- Hidro) Euforia actual...??? Ou talvez não! 1.Enquadramento regulatório favorável (eólica, biomassa,...) 2.Subida preço CO

34 34 Relação Inv. em ER e Estrutura Capitais nas eléctricas europeias Nível Endividamento: acompanharam tendência das restantes empresas europeias cotadas. Importância do WACC Modelização em curso... Maioria empresas não divulga valor emissões de CO 2

35 : WACC UTILITIES ? 6.1% (+-) E WACC DAS UTILITIES DE ENERGIA ?

36 36 EMPRESA 2007E Dív./ (Cap. PP.+Dív. ) S&P Rating CMPC ( WACC ) NATIONAL GRID plc 40% A 5.2% ENEL 46% A 5.2% KELDA GROUP 38% A 5.2% UNION FENOSA 35% BBB+ 5.3% UNITED UTILITIES 46% A 5.3% ENDESA 32% A 5.4% EDP 43% A 5.5% RWE AG 48% A+ 5.7% VEOLIA ENVIRONMENT 44% BBB+ 6.2% EDISON 18% BBB+ 6.4% E.ON 31% A 6.4% SUEZ 34% A- 6.6% CENTRICA 17% A 6.9% GAS NATURAL 16% A+ 7.1% FORTUM 23% A- 7.2% INTERNATIONAL POWER 41% BB- 7.2% GAZ DE FRANCE 7% AA- 7.4%

37 37 WACC Taxas de juro elevadas... Volatilidade mercados financeiros e mercadosdeprimidos... Trade-off mais difícil...

38 M. Isabel R. T. Soares, FEP/CETE 38 Contudo e apesar de: Pressupostos de agravamento: preço CO2, preço petróleo,custos de capital O CRESCIMENTO DOS LUCROS, NO MÉDIO PRAZO, DAS UTILITIES ELÉCTRICAS DEVE-SE MANTER ATRACTIVO... Especialmente se as condições macroeconómicas continuarem a deteriorar-se (pelo menos até final de 2008 e em 2009) F&A: fundamentais para a atractividade do sector!

39 39 OBRIGADA!


Carregar ppt "1 As Utilities Eléctricas Europeias e o Desafio Ambiental: uma perspectiva financeira SISEE – III Seminário Internacional do Sector de Energia Eléctrica."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google