A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 2009 Eletrobrás Termonuclear S.A.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 2009 Eletrobrás Termonuclear S.A."— Transcrição da apresentação:

1 Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 2009 Eletrobrás Termonuclear S.A.
Workshop: Presente e futuro da energia nuclear no Brasil ELETRONUCLEAR Eletrobrás Termonuclear S.A.

2 países em desenvolvimento Situação inferior ao Chile e Argentina
Consumo Per Capita de Energia Elétrica: 15 Maiores Geradores Mundiais 2.000 2.000 4.000 4.000 6.000 6.000 8.000 8.000 10.000 10.000 12.000 12.000 14.000 14.000 16.000 16.000 18.000 18.000 Canad Canad á á 16.531 16.531 16.531 16.531 16.531 16.531 16.531 16.531 Estados Unidos Estados Unidos 12.574 12.574 12.574 12.574 12.574 12.574 12.574 12.574 Austr Austr á á lia lia 10.170 10.170 10.170 10.170 10.170 10.170 10.170 10.170 Japão Japão 7.413 7.413 7.413 7.413 7.413 7.413 7.413 7.413 Fran Fran ç ç a a 7.205 7.205 7.205 7.205 7.205 7.205 7.205 7.205 Cor Cor é é ia do Sul ia do Sul 6.359 6.359 6.359 6.359 6.359 6.359 6.359 6.359 Alemanha Alemanha 6.188 6.188 6.188 6.188 6.188 6.188 6.188 6.188 Reino Unido Reino Unido 5.841 5.841 5.841 5.841 5.841 5.841 5.841 5.841 R R ú ú ssia ssia 5.665 5.665 5.665 5.665 5.665 5.665 5.665 5.665 90a Posição: Baixo consumo, mesmo em comparação a países em desenvolvimento Espanha Espanha 5.631 5.631 5.631 5.631 5.631 5.631 5.631 5.631 It It á á lia lia 5.262 5.262 5.262 5.262 5.262 5.262 5.262 5.262 Á Á frica do Sul frica do Sul 4.383 4.383 4.383 4.383 4.383 4.383 4.383 4.383 Brasil Brasil 2.081 2.081 2.081 2.081 2.081 2.081 2.081 2.081 China China 1.281 1.281 1.281 1.281 1.281 1.281 1.281 1.281 Í Í ndia ndia 487 487 487 487 487 487 487 487 Situa Situa Situação inferior ao Chile e Argentina ç ç ão inferior ao Chile e Argentina kilowatts .hora por habitante Fonte: International Energy / Annual 2006

3 IDH x Consumo per capita de eletricidade
BRASIL: 90ª posição BRASIL: 69ª posição Fonte: Lighting the way, InterAcademy Council, 2007 3 3

4 O desafio é de grandes proporções! mas temos como enfrentá-lo
HÍDRICA EÓLICA BIOMASSA Reservas energéticas nacionais estimadas (em milhões de barris equivalentes de petróleo) 100 anos: 100 anos: 100 anos: CARVÃO MINERAL URÂNIO PETRÓLEO GÁS NATURAL 63.560 55.633 16.453 3.249 Fonte: BEN 2007 – SEM DESCOBERTAS RECENTES DE “MEGA-CAMPOS” DE ÓLEO E GÁS 4 4

5 Para compor a matriz elétrica nacional em 2030
todas as fontes disponíveis serão necessárias NÃO EXISTE SOLUÇÃO ÚNICA: TODAS FAZEM PARTE DA SOLUÇÃO ELEVADA TAXA DE URBANIZAÇÃO: pequenos blocos de geração distribuída, como os de biomassa, eólica e solar não são suficientes para a expansão da oferta grande blocos de geração centralizada hídrica e térmica são também indispensáveis Demonizar (assim como santificar) alguma fonte contraria o bem-comum! 5

6 Matriz de Geração Elétrica no Brasil
Preponderância hídrica e renovável num mundo dominado pelos combustíveis fósseis Estados Unidos China Japão Predomínio de fontes fósseis no mundo Rússia França ... 10a maior gerador de energia elétrica BRASIL Itália 500 1.000 1.500 2.000 2.500 3.000 3.500 4.000 Bilhões de kilowatts.hora Hidroelétrica Nucleoelétrica Renováveis Termoelétrica Convencional Fonte: International Energy Annual 2005 6

7 EMISSÕES DE CO2 EVITADAS NO BRASIL
2000 – 2006 GERAÇÃO HIDRELÉTRICA: milhões de toneladas de CO2 ÁLCOOL COMBUSTÍVEL: 165 milhões de toneladas de CO2 GERAÇÃO NUCLEOELÉTRICA: 63 milhões de toneladas de CO2 38% Impacto Direto da Geração Nuclear no Brasil sobre Emissões de Efeito Estufa, Carlos Feu Alvim, Frida Eidelman, Olga Mafra, Omar Campos Fereira e Rafael Macêdo Economia & Energia Ano XI-No 63 Agosto - Setembro 2007 ISSN

8 EMISSÕES DE CO2 EVITADAS NO BRASIL
This slide illustrates what our energy looks like today, and the associated GHG emissions. Final energy: the energy we actually use in our cars, homes, offices and factories; note this is lower than the earlier primary energy figures; the difference between primary and final energy is the energy lost during transformation and distribution. 8

9 Recursos Naturais de Urânio
ITATAIA ATUAIS: 309 mil toneladas de U3O8 6a Reserva Mundial • Disponibilidade e estabilidade de preço para o combustível. • Domínio tecnológico sobre a fabricação do combustível. Apenas 30% Prospectado CAETITÉ ESTIMADAS: mil toneladas 1a ou 2a Reserva Mundial tons equivalem a 238 anos de operação do GASBOL (25 milhões m3 / dia) Fonte: BEN 2007 9 9

10 Recursos Naturais de Urânio
PNE – Geração Núcleoelétrica Recursos Naturais de Urânio 10

11 Volume de investimentos muito menor do que para usinas,
COMBUSTÍVEL NUCLEAR Volume de investimentos muito menor do que para usinas, porém de caráter estratégico 11

12 Matriz de Geração Elétrica no Brasil
SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL Manaus Brasília São Paulo Itaipu Porto Alegre Fortaleza Salvador Rio de Janeiro Belo Horizonte Recife Angra 4.000 km

13 Matriz de Geração Elétrica no Brasil
SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 13

14 Matriz de Geração Elétrica no Brasil
SAZONALIDADE DA OFERTA HÍDRICA 14

15 Necessidade de complementação térmica
Fonte: ONS 15 15

16 Necessidade de complementação térmica
Crescimento da potência instalada sem crescimento proporcional na capacidade de armazenamento Potência Hídrica Instalada (Valores em MW Instalado) Capacidade de Armazenamento (Usinas representando 75% do Armazenamento Total) estagnação do estoque Fonte: lista da ONS dos principais reservatórios 16 16

17 17 17 17

18 Necessidade de complementação térmica
A CRISE DE 2001 Fonte: ONS 18 18

19 Aumento na geração térmica
Necessidade de complementação térmica Crescimento da potência instalada sem crescimento proporcional na capacidade de armazenamento 2001 Redução de carga Aumento na geração térmica 19 19

20 Usinas com pequenos reservatórios
Potencial Hidrelétrico no Brasil Evolução do aproveitamento mapa de áreas relevantes para a biodiversidade Usinas com pequenos reservatórios (fio d´água) Fonte: Projeto ARPA - MMA 20

21 Necessidade de complementação térmica
Participação térmica na geração do Sistema Interligado Nacional – SIN Fonte: ONS 21 21

22 Necessidade de complementação térmica
Participação dos combustíveis na geração térmica do SIN Nuclear: Angra 1 e Angra 2 Fonte: ONS 22 22

23 GERAÇÃO POR FONTE MÊS A MÊS (2006 – 2008)
Capacidade nuclear Angra 1 e 2: 2,0 GW Angra 3: 1,4 GW 23

24 CUSTOS DAS OPÇÕES TÉRMICAS NACIONAIS
0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Fator de Capacidade (%) Custos (R$/MWh) Gás (US$5,5 MBTU) Óleo comb. Diesel Biomassa Carvão Angra 3 (US$7 MBTU) USINA 4 Tipo Receita fixa (R$/ano) Custo variável (R$/MWh) Energia Contratada (MWmed) 113,16 1.391 608,30 19 629,49 225 36,00 97 67,20 546 18,00 1.260 Usina leilão de A-5 (2005) 24

25 Expansão da Oferta para atendimento ao Crescimento da Demanda
GESTÃO DO PORTFÓLIO DE OPÇÕES diversificação para atender os objetivos: Modicidade tarifária Mix de fontes com menor preço Segurança de abastecimento Regulação da fonte hídrica Autonomia (produção local) Resistência à volatilidade de preços 25 25

26 Plano Nacional de Energia 2030
PREMISSAS PARA EXPANSÃO DA OFERTA NA REDE (GW instalados): Taxa de crescimento das renováveis é maior do que a taxa de crescimento das não-renováveis Fonte: MME (agosto 2007) 26 26

27 Plano Nacional de Energia 2030
PREMISSAS PARA EXPANSÃO DA OFERTA NA REDE: REFERÊNCIA cenário 1 cenário 2 1.360 MW Angra 3 1.000 MW NE 1 NE 2 2.000 MW SE 1+SE 2 4.000 MW INTERMEDIÁRIO cenário 3 cenário 5 NE 1+NE 2 3.000 MW SE 1+SE 2+NE 3 6.000 MW ALTO cenário 4 SE 3+SE 4+NE 4 8.000 MW 27 27

28 { Sistemas de base térmica Plano Nacional de Energia 2030 BRASIL 9.360
Comparação com os BRICS Cenário Alto MW Adicional Cenário Baixo BRASIL 9.360 5.360 RÚSSIA 33.760 26.760 ÍNDIA 32.160 16.260 CHINA 43.830 24.830 { Sistemas de base térmica 28 28

29 Situação Inicial METAS ANGRA 3 até NOV/09: Preparação do canteiro de obras e execução da concretagem de regularização do terreno para as fundações DEZ/09: início da concretagem da laje de fundação do Edifício do Reator (“marco zero” da construção) MAI/15: início da operação Situação 06-Ago-2009

30 Angra 3 - Situação Atual 30

31 31

32 Solicitado pelo CNPE e/ou MME
Orçamento para Conclusão: R$ 8,6 Bilhões Estudo FUSP Atualizado para Dez-2008 Estudos Anteriores Solicitado pelo CNPE e/ou MME ELETRONUCLEAR: 1998 EDF - França: Mar-1999 IBER - Espanha: Jun-1999 EPRI - EUA: Jun-2001 R U B R I C A R$ x 106 Licenciamento Nuclear e Ambiental 208,1 Engenharia 959,7 Suprimentos 3.196,3 Construção Civil 1.248,0 Montagem Eletromecânica e Comissionamento 1.432,9 Outras Despesas 852,9 Primeira Carga de Combustível 657,3 T O T A L 8.555,2 ESTUDO FUSP Base: Dez-2001 Atualizado p/ Dez-2008 CNPE + MME em 2007 Atualização Monetária confirmada pela FGV Orçamento confirmado pela COLENCO – Suíça 70% dos gastos a realizar no Brasil Base: Dez-2008 EUR 1 = USD 1,35 / USD 1 = R$ 2,30 / EUR 1 = R$ 3,105 32

33 Viabilidade Econômico-Financeira
Tarifa de Equilíbrio: Grupo de Trabalho Eletrobrás/ Casa Civil / MME / Eletronuclear Custo de Implantação + Custos Efetivos já Realizados + Custos de O&M + Custo de Combustível + Gerenciamento de Rejeitos + Custo de Descomissionamento Balizamento para a Tarifa ENERGIA RESERVA leilão de 14/08/09 R$ 155 por MWh R$ 151,37 / MWh (TIR = 10%) Compatível com o Mercado de Energia sem considerar iniciativas que poderiam reduzir a tarifa Compatível com o Mercado de Energia Térmica Grupo de Trabalho ELB / Casa Civil / MME / ETN 33

34 Prazo de Construção Obras Civis + Montagem + Comissionamento
5 anos (até início dos testes de potência) + 6 meses (testes) Cronograma compatível com a experiência internacional e respaldado pelos prazos de montagem e comissionamento de Angra 2 Concretagem da Laje do Prédio do Reator: 01-Dez-2009 Fim de Construção / Início de Operação: 31-Maio-2015 34

35 Benefícios à Indústria Nacional Diversos contratos já assinados com
Fortalecimento da indústria nacional, através da colocação de cerca de R$ 1,4 bilhão em encomendas com elevado valor tecnológico agregado. Diversos contratos já assinados com a indústria nacional CONFAB / BARDELLA / COBRASMA NUCLEP / INEPAR / SIEMENS BR / KSB / EBSE 35

36 Geração de Empregos Até 9.000 empregos diretos
e indiretos durante a construção. Cerca de 500 empregos diretos na fase de operação. 36

37 Angra 2 Angra 1 Angra 3 37

38 EXPANSÃO DA OFERTA NUCLEAR
Central Nuclear do Nordeste EXPANSÃO DA OFERTA NUCLEAR CENTRAIS 6 x MW (IMPLANTADAS 2 a 2) Ulchin MW CORÉIA VANTAGENS Local licenciamento Aceitação pública Ganhos de escala Infra-estrutura construção operação manutenção gestão de rejeitos TENDÊNCIA MUNDIAL Gravelines 5,706 MW FRANÇA Zaporizhzhya 6.000 MW UCRÂNIA 38

39 METAS NOVAS USINAS EXPANSÃO DA OFERTA NUCLEAR
CENTRAIS 6 x MW (IMPLANTADAS 2 a 2) NOVAS USINAS METAS Seleção de locais para novas CENTRAIS NUCLEARES NORDESTE SUDESTE Locais selecionados para até 6 USINAS POR CENTRAL Cada central equivalendo a ½ ITAIPU NORDESTE SUDESTE 39

40 METAS NOVAS USINAS EXPANSÃO DA OFERTA NUCLEAR
Central Nuclear do Nordeste EXPANSÃO DA OFERTA NUCLEAR META DE NACIONALIZAÇÃO: 70% (Angra 3: 54% - Angra 2: 50,4%) METAS NOVAS USINAS OUT/08: Início da seleção de local para a Central Nuclear do Nordeste EM ANDAMENTO 2010: Início da seleção de local para a Central Nuclear do Sudeste 2019: Início da operação da primeira usina Central Nuclear do Nordeste 2021: Início da operação da segunda usina Central Nuclear do Nordeste 2023: Início da operação da primeira usina Central Nuclear do Sudeste 2025: Início da operação da segunda usina Central Nuclear do Sudeste 40

41 PNE – Geração Núcleoelétrica
41

42 ESTIMATIVA PRELIMINAR DE INVESTIMENTOS
PNE – Geração Núcleoelétrica ESTIMATIVA PRELIMINAR DE INVESTIMENTOS 42

43 PROCEDIMENTO DE SELEÇÃO
em andamento REGIÃO NORDESTE Pernambuco Alagoas Sergipe Bahia Sítios Potenciais (até 20) Sítios Primários (até 10) Sítios Propostos (até 5) ESCOLHA POLÍTICA (até 10) 2009 2010 2011 43

44 PROCEDIMENTO DE SELEÇÃO DE SÍTIOS
PNE – Geração Núcleoelétrica PROCEDIMENTO DE SELEÇÃO DE SÍTIOS 44

45 SELEÇÃO DE TECNOLOGIA REQUISITOS DA ELETRONUCLEAR EM ELABORAÇÃO
PNE – Geração Núcleoelétrica REQUISITOS DA ELETRONUCLEAR EM ELABORAÇÃO requisito de integração ao SIN estudo CEPEL e consulta ao ONS sobre potência máxima SELEÇÃO DE TECNOLOGIA UTILITIES REQUIREMENT DOCUMENT (URD/EPRI – USA) EUROPEAN UTILITIES REQUIREMENTS (EUR) 45

46 CONCORRENTES INTERNACIONAIS
PNE – Geração Núcleoelétrica “ILHA NUCLEAR” PWR 1.000MW: CONCORRENTES INTERNACIONAIS WESTINGHOUSE / TOSHIBA AP1000 AREVA / MITSUBISHI ATMEA1000 ROSATOM VVER1000 Os 3 concorrentes já fizeram apresentação dos seus projetos na ELETRONUCLEAR Carta-consulta formal aos fornecedores em elaboração 46

47 “ILHA NUCLEAR” PWR >1.000MW: CONCORRENTES INTERNACIONAIS
PNE – Geração Núcleoelétrica “ILHA NUCLEAR” PWR >1.000MW: CONCORRENTES INTERNACIONAIS MITSUBISHI US-APWR 1.700 MW KHNP APR 1.400 MW AREVA EPR 1.700 MW 47

48 HIPÓTESE DE PLANEJAMENTO 2030 – 2100
CAPACIDADE INSTALADA NA FRANÇA HOJE A população estabilizada em 250 milhões de habitantes; O potencial hídrico nacional estaria praticamente esgotado, havendo uma capacidade de hidrelétrica instalada de MW; A capacidade instalada de geração elétrica seria da ordem de 1 kW por habitante; para um fator de utilização médio de 50%, esta capacidade equivaleria a um consumo de eletricidade de 4380 Kw.hora por habitante, similar ao atual consumo de Portugal. A participação nuclear nesta capacidade instalada de geração seria de 24%, o que equivaleria a um parque de usinas nucleares similar ao existente hoje na França. Não foram consideradas outras fontes de geração fóssil e renovável de forma que sua participação possa vir a compensar erros de estimativa das hipóteses anteriores. 48

49 CONSUMO ACUMULADO DE COMBUSTÍVEL CENÁRIO SUPERIOR DO PNE2030 + PROJEÇÃO 2100
49

50 Eletrobrás Termonuclear S.A.
MUITO OBRIGADO ELETRONUCLEAR Eletrobrás Termonuclear S.A. 50 50


Carregar ppt "Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 2009 Eletrobrás Termonuclear S.A."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google