A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Camila Carbone Prado. Egípcios usavam esteróides cardioativos há 3000 anos Presentes em medicamentos e plantas Uso medicinal descrito desde 1785 para.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Camila Carbone Prado. Egípcios usavam esteróides cardioativos há 3000 anos Presentes em medicamentos e plantas Uso medicinal descrito desde 1785 para."— Transcrição da apresentação:

1 Camila Carbone Prado

2 Egípcios usavam esteróides cardioativos há 3000 anos Presentes em medicamentos e plantas Uso medicinal descrito desde 1785 para tratar edema e melhorar função cardíaca Atualmente usado para melhorar sintomas de insuficiência cardíaca congestiva (ICC) e tratar taquiarritmias atriais com alta resposta ventricular

3 Digoxina e Digitoxina Medicamentos com índice terapêutico estreito Grandes exposições agudas e o uso crônico terapêutico podem causas intoxicações Interações medicamentosas e condição clínica do paciente influenciam a toxicidade

4 Quinidina Verapamil Diltiazem Carvedilol Amiodarona Espirinolactona Furosemida: hipocalemia aumenta toxicidade Macrolídeos: Eubacterium lentum inativa a droga no intestino Aumentam a biodisponibilidade

5 DIGOXINA Biodisponibilidade80% ½ vida plasmática40 horas Volume de distribuição5,6L/kg Ligação a proteínas plasmáticas20% Eliminação60-80% renal DIGITOXINA Absorção oral>90% ½ vida plasmática7,5 dias Volume de distribuição0,5 L/kg Ligação a proteínas plasmáticas>90% Eliminação80% hepática

6 Digoxina Comprimidos: 0,25mg Solução oral: 500 g/mL Elixir pediátrico: 50 g/mL Dose terapêutica Digitalização: RN g/kg, lactente g/kg, pré-escolar g/kg, escolar g/kg, adolescentes e adultos g/kg ou 0,25mg 12/12h Manutenção:<10 anos 10 g/kg/dia em 2 doses, adolescentes e adultos 0,125-0,25mg/dia Risco de Intoxicações

7 Na + Ca ++ 3 Na + 2 K + 3 Na + Ca ++ Fibras Musculares Retículo

8 Aumento Ca celular Inotrópico positivo Retarda a condução Cronotrópico negativo

9 + Ca Redução do potencial de ação Sensibilização do miocárdio Aumento do tônus vagal Diminuição condutividade Inibição Na/K ATP-ase Hipercalemia Arritmias

10 Náuseas Dor abdominal Letargia Confusão Fraqueza Alucinações Ambliopia Xantocromia Anorexia Perda de peso

11 Ritmos ventriculares ectópicos(10-15%) Taquicardia ventricular bidirecional Bloqueios de diversos graus (30-40%) Bradicardia Choque Hipotensão Fibrilação atrial e ventricular Assistolia As manifestações clínicas podem aparecer em até 12 horas na ingestão aguda

12

13 Diminuição da FC Prolongamento do intervalo P-R Bloqueios de alto grau Encurtamento do intervalo Q-T Intervalo S-T deprimido com convexidade inferior: bigode de Dali ou pá de pedreiro Onda T isoelétrica, bifásica ou negativa

14 ST curvilíneo, QT curto, T negativo e PR aumentado

15 Bigode de Dali ou pá de pedreiro

16 Aspecto de pá de pedreiro

17 Taquicardia atrial com BAV, extrassístole ventricular bigeminada, taquicardia ventricular bidirecional e fibrilação atrial

18 Nível terapêutico: 0,5-2ng/mL Nível tóxico: >2ng/mL após 6h Ingestão >10mg em adultos e 4mg crianças(0,1mg/kg) Na intoxicação aguda o nível sérico não se relaciona a carga corporal total de digoxina Não ocorreu distribuição para tecidos Superdosagem aumenta a excreção renal da droga Nível sérico superestimado Na intoxicação crônica a concentração sérica reflete a carga corporal total

19 Suporte básico de vida Monitorização cardíaca e dos eletrólitos Manejo da hipercalemia Lavagem gástrica é pouco eficaz Carvão ativado seriado ? Fenitoína e lidocaína Atropina Marcapasso Anticorpo Específico Antidigoxina

20 Fenitoína: 100mg a cada 5 min até controle da arritmia ou máximo de 1g em adultos e 15-20mg/kg em crianças Manter dose oral de mg/d em adultos e 6-10mg/kg/d em crianças até resolução da quadro Lidocaína: 1-1,5mg/kg em bônus seguido por infusão de 1- 4 mg/min em adultos e g/kg/min em crianças

21 Atropina: Para bradiarritmias supraventriculares sintomáticas e bloqueios de alto grau Pouco efetiva nas bradicardias decorrentes de exposição crônica e naquelas de aparecimento tardio na exposição aguda 0,5mg em adultos ou 0,02mg/kg (mínimo 0,1mg) em crianças e repetido a cada 5 min se necessário

22 Hipercalemia: Usar solução polarizada, resinas de troca ou bicarbonato Não usar cálcio: pode precipitar arritmias

23 Intoxicação grave sem antídoto

24 ...It is estimated that approximately 7,500 cases of digoxin poisoning occur every year in Europe and the US, providing a market for digoxin antidotes estimated at between US$30-35 million per annum (company estimates)... 1 fco (38-40 mg) ~ US$ 500 1tto ~ US$ !!

25 Origem ovina Pode ser usado para intoxicações por medicamentos ou plantas Somente o fragmento Fab do anticorpo é utilizado Não se distribui para os tecidos Digitálico tem mais afinidade pelo anticorpo do que a bomba Na/K ATP ase Excreção do complexo digoxina-anticorpo é renal e sua meia-vida é de horas

26

27 Cardoso, Yamagushi & Moura da Silva, 2003 IgG

28 Indicação: Hipercalemia: >5 mEq/L Bradicardia sem resposta a atropina Arritmias ventriculares graves Ingestão maior de 10mg em adultos e 4mg em crianças Nível sérico >15ng/mL em qualquer tempo ou >10ng/mL após 6h da exposição Apresentação: Frasco contendo 40mg de fragmento Fab capaz de neutralizar 0,625 mg de digoxina Reconstituição com 4mL de AD (10mg/mL)

29 Carga Corporal =0,8 x dose ingerida de digoxina Carga Corporal =1 x dose ingerida de digitoxina Carga Corporal (mg) = S- Concentração µg x 5,6 L x kg ml x kg x Quando a dosagem sérica é conhecida, o cálculo é realizado supondo-se que a distribuição tecidual esteja completa

30 Carga Corporal (mg) = Carga Corporal (mg) = mg x 5,6 x peso µg x 5,6 L (Vd) x kg (peso) 1000 L kg

31 Concentração sérica de digoxina: 19,5 ng/ml = 19,5 µg/L = 0,0195 mg/L Carga corporal (mg) = 0,0195 x 5,6 x 75 = 8,19 mg 40 mg de Fab pode ligar 0,625 mg de digoxina 40 mg por frasco 8,19 : 0,625 = 13,104 frascos

32 Intoxicações agudas: frascos para qualquer idade Intoxicações crônicas: 3-6 frascos para adultos 1-2 frascos para crianças

33 A quantidade de anticorpo a ser infundida e a velocidade de infusão são controversos O cálculo visa proporcionar quantidade equimolar de anticorpo e digoxina Nível sérico é superestimado na intoxicação aguda Pacientes que fazem uso crônico terapêutico não necessitam neutralizar toda a droga circulante O anticorpo se liga a fração circulante da digoxina promovendo um gradiente que mobiliza a fração tecidual

34 Metade da dose calculada deve ser administrada em 1h observado a resposta clínica Se não há resposta em até 2h, repetir a mesma dose em uma infusão de 8h Se houver resposta clínica, só repetir se sintomas de toxicidade recorrerem Alternativa: mg em bôlus seguido por infusão contínua de 30mg/h Bateman,DN. Toxical Rev,2004 Aula Dr. Zilker - Congresso Brasileiro de Toxicologia Búzios, 2007

35

36

37

38 Reações alérgicas ao anticorpo heterólogo ou a papaína Hipocalemia Piora da doença cardíaca de base nos pacientes intoxicados crônicos com uso terapêutico OBRIGADA !!!!

39


Carregar ppt "Camila Carbone Prado. Egípcios usavam esteróides cardioativos há 3000 anos Presentes em medicamentos e plantas Uso medicinal descrito desde 1785 para."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google