A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Física para o Brasil Física para o Brasil Pensando o Futuro Desenvolvimento da Física e sua inserção na vida social e econômica do País 2005 – Ano Mundial.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Física para o Brasil Física para o Brasil Pensando o Futuro Desenvolvimento da Física e sua inserção na vida social e econômica do País 2005 – Ano Mundial."— Transcrição da apresentação:

1 Física para o Brasil Física para o Brasil Pensando o Futuro Desenvolvimento da Física e sua inserção na vida social e econômica do País 2005 – Ano Mundial da Física Comissão Física para o Brasil Sociedade Brasileira de Física

2

3 Comissão Física para o Brasil Alfredo Gontijo de Oliveira Anna Maria Pessoa de Carvalho Celso Pinto de Melo Daniel Mario Ugarte José Ademir Lima Luis Davidovich Marcus Martinez de Aguiar Marina Nielsen Paulo Murilo de Castro Oliveira Raul Donangelo Renata Zukanovich Funchal Ricardo Galvão Rita Maria Cunha de Almeida Roberto Farias Ronald Cintra Shellard Susana de Souza Barros Sylvio Canuto Coordenador: Alaor Silvério Chaves

4 Palavras chave AGENDA BRASILEIRA INSERÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL SALTO QUALITATIVO LIDERANÇA E COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO

5 Motivação Física no Brasil e no mundo Grandes desafios científico Áreas de liderança Apoio a pesquisa Condições para salto qualitativo

6 Motivação Formação de recursos humanos Inclusão científica e tecnológico Mercado de trabalho não-acadêmico Problemas brasileiros Física parte da solução

7 Introdução A física no mundo contemporâneo A física no dia-a-dia Relações com a indústria O escopo da física Matéria e forças Do macro ao microcosmo Reducionismo e universalidade A natureza da pesquisa científica Investimento, empresas e avaliação Educação científica e inovação Breve panorama brasileiro

8 A natureza da pesquisa científica Gera o conhecimento necessário para os avanços tecnológicos que sustentam o desenvolvimento econômico Contribui decisivamente para a montagem da infraestrutura tecnológica e provê pessoal capacitado para enfrentar os desafios das novas descobertas e utilizar os frutos dos avanços científicos Contribui para a melhoria da qualidade de vida da população Estabelece paradigmas de competição/cooperação que são referências para o balisamento das relações internacionais É uma peça essencial na democratização da sociedade, pela dispersão do conhecimento científico e de seus métodos de investigação e análise

9 DESAFIOS CIENTÍFICOS

10 Processos fundamentais da natureza Raios cósmicos Simetrias espaço-temporais Modelo padrão Interações eletrofracas Cromodinâmica quântica QCD na rede Neutrinos Teoria da estrutura nuclear Física fotonuclear Supersimetria e grande unificação Detecção, massa e oscilação dos neutrinos Física a altas energias e densidades Astrofísica e partículas Astrofísica nuclear Astropartículas Matéria escura

11 Estrutura e evolução do universo Big Bang Radiação de fundo do Universo Matéria escura Energia escura Estrutura do Universo

12 Manipulação quântica de átomos, moléculas e fótons Testes de física fundamental Lasers atômicos Chips atômicos Computadores quânticos Criptografia quântica Informação Quântica

13 Materiais novos e avançados A tecnologia do silício Fibras ópticas Materiais magnéticos Materiais poliméricos Polímeros aplicados a dispositivos eletromecânicos Polímeros eletrônicos Polímeros fotônicos Sistemas supramoleculares Materiais cerâmicos Cerâmicas avançadas Cerâmicas supercondutoras Polímeros eletrônicos e sistemas supramoleculares orgânicos

14 Sistemas complexos Ordem e desordem Modelagem de sistemas Sistemas caóticos

15 Desafios multidisciplinares e problemas brasileiros Energia Consumo e demanda mundial Situação brasileira Fontes alternativas Eletrônica Spintrônica Sistemas orgânicos e supramoleculares Dispositivos optoeletrônicos Transistores de filmes finos orgânicos Circuitos integrados Dispositivos fotônicos Metrologia Científica Instrumentação científica Nanociências e nanotecnologia Principal suporte da N&N Métodos de nanofabricação Auto-organização na escala nanométrica Nanotubos de carbono Nanoestruturas com magneto-resistência gigante N&N no diagnóstico e tratamento médico Partículas magnéticas porosas Física Molecular Breve histórico Proximidade de áreas Simulações computacionais

16 Desafios multidisciplinares e problemas brasileiros Física médica Diagnóstico por imagem Radioterapia Proteção radiológica e vigilância sanitária Radiações não ionizantes Outras áreas Principais desafios Simulação e modelagem Previsão do tempo e descrição climática Ecologia e meio ambiente Tráfego em grandes cidades Física em economia e finanças Biofísica Monitoramento atmosférico Poluição atmosférica urbana Poluição atmosférica global Balanço de radiação planetária Ecologia e meio ambiente Modelagem atmosférica e de poluentes Queimadas e poluição hídrica A pesquisa em ensino de física Pesquisas sobre ensino e aprendizagem Pesquisas em alfabetização científica Tecnologia e ensino de física A pesquisa em formação de professores Enovelamento de proteínas Inibidores enzimáticos Fotobiologia

17 Desafios estruturais Infra-estrutura e pesquisa Compartilhamento da infra-estrutura Pesquisa induzida, básica e iniciativas individuais Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa Pesquisa fora da academia Oportunidades perdidas Teoria e experimento

18 Formação de recursos humanos Formação científica Resultado preocupante Formação de pesquisadores Cursos de graduação mais flexíveis Ênfase nas físicas moderna e Contemporânea Formação para a tecnologia e inovação Programa de interação com a indústria Formação de professores Dois modelos de currículos Vestibular e reformulação da licenciatura

19 Inclusão científica e tecnológica Educação para a ciência e tecnologia O ensino de física e a escola fundamental e média Programas de formação continuada O potencial de formação de professores de física Alfabetização científica Divulgação científica e o ensino formal da ciência Quadro brasileiro

20 Recomendações

21 Fundos setoriais Fundos Setoriais devem contemplar a cadeia do conhecimento Bancada do laboratório produto numa vitrine Sem isso,desenvolvimento de novas tecnologias não tem fôlego Limite na possibilidade de avanço tecnológico

22 Laboratórios nacionais Expandir a rede de Laboratórios Nacionais Estruturas de apoio à comunidade de pesquisa do País Foco em problemas estratégicos Corpo científico limitado, corpo técnico adequado

23 Centros temáticos de pesquisa Sub-tema dos laboratórios nacionais Rede de Institutos Temáticos interdisciplinares Foco em temas de relevância científica e de interesse nacional Mecanismos de avaliação adequados para identificação dos temas Descentralização geográfica

24 Projetos internacionais Participação brasileira em grandes projetos internacionais de pesquisa Estratégico para o País Projetos e equipes brasileiras avaliados criteriosamente Compromissos honrados

25 Editais universais Instrumento de apoio ao pesquisador indivíduo e pequenos grupos Sistema eficiente de uso de recursos Essencial para a expansão do sistema de C&T Demanda reprimida

26 Apoio institucional Saúde das instituições saúde do sistema de C&T Apoio institucional sucesso do mecanismo usado pela FINEP no passado

27 Distribuição regional Distribuição da atividade científica Equilíbrio regional Laboratórios Nacionais Institutos Temáticos com especificidades regionais

28 Teoria e experimento Melhor balanço entre atividades experimentais e teóricas Formação de maior número de físicos experimentais Bolsas de doutorado diferenciadas, mais atenção às ciências experimentais Doutorado no exterior em áreas de física experimental de ponta

29 Institutos de pesquisa tecnológica Rede de institutos tecnológicos com base científica Cooperação com as empresas – solução de gargalos tecnológicos Temas de teses de pós-graduação em Física, com conexão a temas interesse de empresas

30 Bolsas de Produtividade em Pesquisa Sucesso do programa de BPq do CNPq Expansão significativa do programa Grande impacto no sistema universitário ao custo de 1% R$ 100 milhões/ R$ milhões Todos os pesquisadores produtivos deveriam ter a BPq

31 Formação de recursos humanos: ciclo básico Implantação do ciclo básico nas universidades Flexibilidade e eficiência na formação Evita a especialização precoce Escolha das grandes áreas do conhecimento

32 Alfabetização científica Ciência parte da cultura Programa consistente de alfabetização científica Essencial para exercício da cidadania Temas científicos implicam em decisões democráticas

33 Licenciatura Revisão nos cursos de licenciatura em Física Maior ênfase na física moderna e contemporânea Preparação dos professores para práticas experimentais Atenção aos equipamentos para laboratórios

34 Formação interdisciplinar Mais ênfase em cursos que transponham as fronteiras tradicionais das disciplinas Graduação e pós-graduação

35 Flexibilidade profissional Estruturas dos cursos devem refletir a variedade de carreiras necessárias e disponíveis Flexibilidade em alicerces sólidos (cursos básicos) Simplicidade em mudar de foco Pós-graduações abertas para estudantes formados em áreas diferentes Estímulo para a formação multidisciplinar

36 Sumário e conclusões


Carregar ppt "Física para o Brasil Física para o Brasil Pensando o Futuro Desenvolvimento da Física e sua inserção na vida social e econômica do País 2005 – Ano Mundial."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google