A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A MULHER Adriane Coeli Medeiros Ginecologista – Coordenadora do PAVAS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A MULHER Adriane Coeli Medeiros Ginecologista – Coordenadora do PAVAS."— Transcrição da apresentação:

1 VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A MULHER Adriane Coeli Medeiros Ginecologista – Coordenadora do PAVAS

2 VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER Qualquer ato ou conduta baseada no gênero, que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto na esfera pública como na esfera privada. Convenção de Belém do Pará (Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher, adotada pela OEA em 1994)

3 TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: Violência doméstica - ocorre no ambiente doméstico, seja na própria casa ou em residência vizinha (próxima), provocada por pessoa com uma relação de familiaridade, afetividade ou coabitação (vizinhos, amigos próximos, gente da família que vem como visita) Violência intrafamiliar - violência que acontece dentro da família, ou seja, nas relações entre os membros da comunidade familiar, formada por vínculos de parentesco natural (pai, mãe, filha etc.) ou civil (marido, sogra, padrasto ou outros), por afinidade (por exemplo, o primo ou tio do marido) ou afetividade (amigo ou amiga que more na mesma casa) - geralmente é praticada por um membro da família que viva com a vítima e incluem: abuso físico, sexual e psicológico, a negligência e o abandono. Violência física - ação ou omissão que coloque em risco ou cause dano à integridade física de uma pessoa.

4 Violência institucional – é aquela exercida nos/pelos próprios serviços públicos ou privados por ação ou omissão; geralmente envolve relações de poder desiguais entre usuários e profissionais das instituições. Violência patrimonial - ato de violência que implique dano, perda, subtração, destruição ou retenção de objetos, documentos pessoais, bens e valores. Violência moral - ação destinada a caluniar, difamar ou injuriar a honra ou a reputação da mulher. Outras: Violência política, cultural, simbólica

5 VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER Fenômeno universal e destituído de fronteiras PIMENTEL S PIMENTEL S etetal. al. --Estupro: Crime o Cortesia?, SAFE, Maior prevalência estatística (85% a 90%) PEDERSEN W & SKRONDAL A --AddictionAddiction, 91, 1996, Predominância entre adolescentes e adultas jovens HYMEL KP & JENNY C -- Del. MedMed., 69, 1997 Sub-notificação: 80% a 95% não são denunciados NVCCVRT – Rape in America: A Report to the Nation, 1992

6 VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E DIREITOS HUMANOS Conferência Mundial sobre Direitos Humanos, Viena (1993) - os direitos das mulheres e meninas são parte inalienável, integral e indivisível dos direitos humanos universais. Conferência do Cairo (1994) Conferência de Beijing (1995) RECONHECIMENTO PÚBLICO DO PROBLEMA

7 MARCOS LEGAIS Código Penal Brasileiro (1940) – Artigo 128 Lei Nº 8,069/90 - Estatuto da criança e do adolescente - ECA Lei Nº /03 – notificação compulsória dos casos de violência contra a mulher Lei Maria da Penha – 07/08/2006 Portaria 104 de 25/01/2011 – MS – inclui a Violência doméstica, sexual e outras na Lista Nacional de Doenças de Notificação Compulsória

8 VIOLÊNCIA SEXUAL Ação que obriga uma pessoa a manter contato sexual, físico ou verbal, ou a participar de outras relações sexuais com uso da força, intimidação, coerção, chantagem, suborno, manipulação, ameaça ou qualquer outro mecanismo que anule ou limite a vontade pessoal. Considera-se como violência sexual também o fato de o agressor obrigar a vítima a realizar alguns desses atos com terceiros. Exs: estupro, sexo forçado no casamento, abuso sexual infantil, incesto e assédio sexual.

9 VIOLÊNCIA SEXUAL – IMPACTO PSICOSSOCIAL Maior índice de suicídio, abuso de drogas e álcool Menores cuidados com a saúde sexual e reprodutiva Comportamento sexual mais vulnerável e menos protegido Maior risco de infecção pelas DST e HIV Maior freqüência de gestação indesejada e de abortamento inseguro Maior risco de sofrer violência no futuro, incluindo a violência sexual Fontes: McCauley et al, 1995; ULLMAN & SIEGEL, 1995

10 VIOLÊNCIA SEXUAL E SAÚDE DA MULHER: CONSEQUÊNCIAS Imediatas Traumas físicos e emocionais (Síndrome do trauma pós-estupro); Gravidez indesejada; DST A longo prazo Transtornos/sequelas psicológicos: depressão, fobias, ansiedade, cefaléia crônica, fadiga, transtornos do sono e apetite, pesadelos. Alterações menstruais, dor pélvica crônica, dispareunia, disf. sexuais

11 VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A MULHER NO BRASIL PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA - PROGRAMAS DE SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA PARTICIPAÇÃO DE EQUIPE MULTIDISCIPLINAR INCLUSÃO DO TEMA NA FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE 43% das mulheres brasileiras referem ter sofrido alguma forma de violência sexual e doméstica, 13% relatam ter sofrido estupro conjugal ou abuso e 11% sofreram assédio sexual;

12 VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A MULHER 1(uma) a cada 3 (três) mulheres, é objeto de violação sexual ou tentativa de violação em algum momento de sua vida.

13 Antes: Constranger mulher a conjunção carnal, mediante violência ou grave ameaça

14 Atualmente: Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso

15 Constranger alguém a praticar ato libidinoso diverso da conjunção carnal Foi suprimido e incluso no art. 213

16 a vítima é menor de 14 anos, é alienada ou débil mental e o agressor conhece esta circunstância; ou quando não pode, por qualquer outra causa, oferecer resistência Atualmente: Estupro de vulnerável

17 Ao registro de ocorrência policial, ao inquérito policial e à realização de exames periciais junto ao ITEP. Entretanto, a mulher que sofre violência sexual não tem o dever legal de noticiar o fato à polícia; Ao recebimento gratuito de assistência médica; À indicação e recebimento de contracepção de emergência para evitar gravidez indesejada; Ao recebimento de profilaxia para HIV e para Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST);

18 À informação sobre o direito ao aborto legal, e/ou a realização do aborto legal em caso de gravidez decorrente de estupro (Código Penal art.128). Direito ao apoio psicológico gratuito, devido ao trauma decorrente da violência sexual

19 Violência Sexual Gravidez DST/HIV Traumas Dano Emocional

20 Normatiza a atenção e qualifica a situação de agravo em que se encontra a pessoa para que os procedimentos clínicos sejam realizados com maior efetividade. QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA AVANÇOS EM SAÚDE PÚBLICA:

21

22 Documento que institui a forma e os procedimentos para atendimento intersetorial e multiprofissional a mulheres em situação de violência. PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA

23 VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DE PROTOCOLOS : Padronização de condutas humanizadas no atendimento; Melhoria da qualidade da atenção à população em situação de violência; Acompanhamento e avaliação dos serviços.

24 Suspeitar/diagnosticar; Investigar; Assistir; Tratar; Documentar; Notificar; Proteger; Orientar; Acolher, Apoiar/acompanhar Encaminhar.

25 Dentro do próprio serviço de urgência Profissionais envolvidos: - recepção, - equipe médica, - enfermagem, - Serviço Social. - Psicólogo PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA

26 (PROGRAMA DE ATENDIMENTO ÀS VÍTIMAS DE AGRESSÃO SEXUAL) HISTÓRICO: - IMPLANTAÇÃO DO PAVAS – CONTEXTO ATUAL: 20 casos de atendimentos a vítimas de estupro; 02 casos de abortamento previsto em Lei (pós-estupro)

27 Assistência 24 horas com equipe multidisciplinar e laboratório para exames de urgência Protocolo de condutas Equipe coordenadora Administração de medicações para profilaxia de DST, HIV e contracepção de emergência Assessoria de outras especialidades médicas nos casos mais graves

28 Ficha única multiprofissional para o atendimento inicial – médico, enfermagem, Serviço Social Gravidez decorrente de estupro Encaminhamento para a DEAM pelo Serviço Social Notificação dos casos em livro próprio e arquivamento das fichas Ficha do SINAN

29 Presente em todos os municípios Gera informação - poder Conhecimento do fenômeno no serviço, na rede, no município. Pode ser utilizado não só pela saúde Promove relação com as outras violências, e com as outras redes de cuidado (idoso, pessoas com deficiência, violência doméstica contra mulheres e crianças)

30 Médico – c.o. Enfermagem c.o Medicações Serviço Social Laboratório DEAM

31 ACOLHIMENTO, EXAME FÍSICO – FICHAS SOLICITAÇÃO DE EXAMES PROFILAXIA DE DST CONTRACEPÇÃO DE EMERGÊNCIA TRATAMENTO DE LESÕES

32 NATAL: 2009-Assinatura do Pacto de Enfrentamento à Violência Criação da SEMUL 2011-FORUNS E SEMINÁRIOS- Rede de atendimento às Mulheres ENCAMINHAMENTO À DEAM, NOTIFICAÇÃO AO CONSELHO TUTELAR

33 CONCLUSÕES A violência sexual é uma problema de saúde pública Urgência no cuidado/ antes de 72hs. Trabalhar em rede. Evitar a revitimização. Intervir na cadeia de violência sexual. Notificação compulsória obrigatória

34 As vítimas de violência sexual esperam mais que a simples aplicação de protocolos. Esperam receber um atendimento digno, respeitoso e acolhedor, que as protejam da revitimização. Cabe ao médico e demais profissionais de saúde o reconhecimento de seu importante papel, com um exercício ético e responsável de medidas protetoras de sua saúde e de seus direitos humanos. Cristião Fernando Rosas, Ética em Ginecologia e Obstetrícia, 2004

35 Obrigada! Obrigada!


Carregar ppt "VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A MULHER Adriane Coeli Medeiros Ginecologista – Coordenadora do PAVAS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google