A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ações de Livro e Leitura Coordenação-Geral de Livro e Leitura MAIS CULTURA Setembro/2008.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ações de Livro e Leitura Coordenação-Geral de Livro e Leitura MAIS CULTURA Setembro/2008."— Transcrição da apresentação:

1 Ações de Livro e Leitura Coordenação-Geral de Livro e Leitura MAIS CULTURA Setembro/2008

2 Mais Cultura

3 Ações de Livro e Leitura As ações de Livro e Leitura do Programa Mais Cultura surgem a partir do Eixo 1 do Plano Nacional do Livro e Leitura: Eixo 1.Democratização do acesso Implantação de novas bibliotecas; 1.2 Fortalecimento da rede atual de bibliotecas; 1.3. Conquista de novos espaços de leitura; 1.4 Distribuição de Livros gratuitos; 1.5. Melhoria do acesso ao livro e a outras formas de expressão da leitura. 1.6 Incorporação e uso de tecnologias de informação e comunicação; e 2.1. formação de mediadores de leitura

4 1. Implantação de bibliotecas 2. Modernização I - biblioteca de pequeno porte 3. Modernização II - bibliotecas de referência 4. Pontos de Leitura 5. Livros populares 6. Agentes de Leitura Mais Cultura 1.Implantação de novas bibliotecas 2. Fortalecimento da rede atual de bibliotecas 3. Incorporação e uso de tecnologias de informação e comunicação; 4. Conquista de novos espaços de leitura; 5. Distribuição de livros gratuitos 6. Formação de mediadores de leitura

5 1. Implantação de bibliotecas R$ unidades 2. Modernização biblioteca de pequeno porte R$ , unidades 3. Modernização Bibliotecas de referência R$ 10 milhões (já foram duas) 5 unidades 4. Pontos de Leitura R$12 milhões 600 pontos 5. Livros populares R$ , mil livros 6. Agentes de Leitura agentes Mais Cultura

6 1. IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS Mais Cultura

7 Implantação de bibliotecas

8 Metas para implantadas (segundo SNBP há 361 municípios municípios sem biblioteca no Brasil) R$ ,00 por biblioteca (kit de implantação) Atores internos SE SAI FBN - SNBP Atores externos Secretarias Estaduais e Municipais de Cultura União das Associações Comunitárias Febab - Bibliotecários Implantação de bibliotecas

9

10 Pessoas/Experiências Referências que podem nos ajudar Biblioteca de Santiago do Chile; Sistemas de Biblioteca do Chile, Argentina e Colômbia. Principais questões a serem respondidas no processo Qual será a composição dos kits? (2008, pronto); Rede Biblioteca Viva - Como se darão as relações entre as bibliotecas, Pontos de Leitura e Pontos de Cultura? (Pronto); Como se darão as relações com escolas, CRAS, estações de juventude etc.?; Quais critérios para implantação depois de zerarmos o número de municípios sem este tipo de equipamento? Implantação de bibliotecas

11 Dificuldades no MinC Não há suficiente estrutura organizacional no Minc Dificuldades de governabilidade do MinC Tanto para a implantação quanto para a modernização dependemos da ação dos gestores municipais e dos sistemas estaduais de bibliotecas públicasInstrumentos Termo de doação com encargos (assinado entre a FBN/SNBP e cada prefeitura); Necessária atenção ao processo de licitação, compra, mixagem e distribuição; Implantação necessita de atenção dos sistemas estaduais Implantação de bibliotecas

12 2. MODERNIZAÇÃO I Biblioteca de pequeno porte Mais Cultura

13 Modernização de bibliotecas

14 Metas para modernizadas nos municípios da territorialização do Programa Mais Cultura (menores Ideb e IDH e maiores índices de violência) R$ ,00 por unidade Atores internos SE SAI FBN/SNBP Atores externos Secretarias Estaduais e Municipais de Cultura Associações Comunitárias Febab Modernização de bibliotecas

15 Telecentro do Ministério das Comunicações com 11 PCs e acesso à internet faz parte do kit de modernização, junto com mil livros e mobiliário novo

16 Pessoas / Experiências Referências que podem nos ajudar a desenhar a ação Biblioteca de Santiago do Chile; Sistemas de Biblioteca do Chile, Argentina e Colômbia. Principais questões a serem respondidas no processo Qual será a composição dos kits? (Pronto) Quais serão as metas da modernização - por categorias de bibliotecas/municípios para 2009? Como se darão as relações entre o SNBP e os diversos tipos de Pontos de Leitura, Pontos de Cultura, Pontões? Como se darão as relações com escolas, CRAS, estações de juventude etc.? Como garantir programação para tornar essas bibliotecas em centros culturais? Modernização de bibliotecas

17

18 Dificuldades de capacidade do MinC Não há estrutura organizacional suficiente no Minc para esta ação. Dificuldades de Governabilidade do MinC Tanto para a implantação quanto para a modernização dependemos da ação dos gestores municipais.Instrumentos Termo de Doação com encargos, assinado entre FBN/SNBP e prefeitura municipal; É preciso o envolvimento do Estado para garantir efetividade desta ação (prefeituras devem inscrever ação no site Modernização de bibliotecas

19 3. MODERNIZAÇÃO II Bibliotecas referência Mais Cultura

20 Metas para Bibliotecas referência modernizadas nas capitais mais violentas de cada região (assim distribuídas: Nordeste – Recife; Sudeste - São Paulo e Rio de Janeiro; Sul - Porto Alegre; Norte - Belém (Pronasci); Centro-Oeste - Brasília (para 2009) R$ 2,5 milhões cada Atores internos SE SAI FBN/SNBP Atores externos Secretarias Estaduais e Municipais de Cultura Associações Comunitárias Febab Modernização de bibliotecas II

21 BIBLIOTECA PÚBLICA rea construída m²). Biblioteca pública de 2 pavimentos com salas direcionadas para desenvolvimento de artes (música e teatro), sala de informática com 100 computadores, videoteca para projeção de vídeos como instrumento de informação. Atendimento de 600 pessoas/dia (área construída m²). Modelo de Biblioteca Pública nas áreas do Pronasci do Rio de Janeiro, nas favelas de Manguinhos, Alemão e Rocinha

22 Pessoas / Experiências Referências para a ação Biblioteca de Santiago do Chile; Bibliotecas Referência na Colômbia; Sistemas de Biblioteca do Chile, Argentina e Colômbia. Principais questões a serem respondidas no processo Como se darão as relações entre essas bibliotecas referência, as bibliotecas municipais, os Pontos de Leitura, Pontos de Cultura e Pontões? (Pronto) Como se darão as relações com escolas, CRAS, estações de juventude etc.? (Pronto) Projetos precisam ser acompanhados até o final para garantir que essas bibliotecas se tornem centros culturais Modernização de bibliotecas II

23 Dificuldades de capacidade do MinC Estrutura organizacional Dificuldades de Governabilidade do MinC Tanto para a implantação quanto para modernizações I e II dependemos da ação dos gestores municipais e estaduaisInstrumentos Projeto arquitetônico e de acervamento; Convênio MinC e governo do Estado Modernização de bibliotecas II

24 4. BIBLIOTECAS COMUNITÁRIAS Mais Cultura

25 Biblioteca Comunitária Maria das Neves Prado, cidade Nova Soure (BA), rua São José do Paiaiá, com 50 mil volumes

26 Bibliotecas comunitárias Metas para bibliotecas comunitárias e populares R$ ,00 por unidade Atores internos SE SAI FBN/SNBP Atores externos Secretarias Estaduais e Municipais de Cultura Associações Comunitárias Febab

27 Bibliotecas comunitárias Pessoas / Experiências Referências para a ação Biblioteca de Santiago do Chile; Bibliotecas Referência na Colômbia; Sistemas de Biblioteca do Chile, Argentina e Colômbia. Principais questões a serem respondidas no processo Como se darão as relações entre as bibliotecas comunitárias, as bibliotecas municipais, os Pontos de Leitura, Pontos de Cultura e Pontões? (Pronto) Como se darão as relações com escolas, CRAS, estações de juventude etc? (Pronto) Projetos precisam ser acompanhados até o final para garantir que essas bibliotecas se tornem centros culturais e ajudem a articular a rede Biblioteca Viva

28 Bibliotecas comunitárias Dificuldades de capacidade do MinC Não há estrutura organizacional suficiente no Minc para esta ação. Dificuldades de Governabilidade do MinC Dependemos da qualidade dos projetos inscritosInstrumentos Edital nacional a ser lançado no dia 24 de setembro de 2008; É preciso o envolvimento do Estado para divulgação e garantia de que bibliotecas comunitárias referência disputem o edital.

29 5. PONTOS DE LEITURA Mais Cultura

30 1. Definição da ação: Kit com livros, mobiliário e equipamento de informática no valor de R$ 20 mil para cada ação cultural na área da leitura selecionadas por edital. 2. Objetivos: Disponibilizar material de leitura a áreas de periferia; Reconhecer ações da sociedade na área de leitura. 3. Metas para Pontos de Leitura. Pontos de leitura

31

32 4. Orçamento: R$ 12 milhões. 5. Público alvo: Populações de áreas de periferias Usuários de bibliotecas comunitárias e centros comunitários; Populações carceráreas; Usuários de postos de saúde e hospitais; Populações atendidas pelos CRAS. 6. Seleção: Edital público abre dia 24 de setembro Pontos de leitura

33

34 7. Status (e ou histórico) da ação:. Edital elaborado; Falta publicar material de divulgação; Publicar cartilha dos Pontos de Leitura, apresentando a Rede Biblioteca Viva e as articulações entre as demais ações; Criar comissão de avaliação e seleção; Pontos de leitura

35

36 8. Atores-chaves internos 8. Atores-chaves internos: SE, SAI, SPPC, DGI, FBN. 9. Atores-chaves externos 9. Atores-chaves externos:. Estados. União das Associações Comunitárias; ONGs da área da Leitura; FEBAB - bibliotecários; Câmara Setorial de Livro, Leitura e Literatura Organização dos Estados Ibero-americanos Pontos de leitura

37 10. Etapas do processo: Etapa 1 – Elaboração do edital; (Pronto) Etapa 2 – Elaboração da identidade visual (Pronto) Etapa 3 – Definição do kit e modelo de compra; (Pronto) Etapa 4 – Realização da licitação para compra dos kits; Etapa 5 – Lançamento do Edital; Etapa 6 – Acompanhamento da implantação; Etapa 7 – Avaliação. Pontos de leitura

38 Biblioteca Palafita Livroteca Guardiã, na Comunidade do Bode no bairro do Pina - Recife (PE) atende crianças da comunidade Pontos de Leitura

39 11. Dificuldades de capacidade e governabilidade: Estrutura organizacional e locus institucional insuficiente; Garantia de manutenção dos Computadores; Capacitação está na governabilidade da Secretaria Nacional de Juventude. 12. Pessoas/ Experiências de referência: Aproveitar lista de inscritos em três anos de Prêmio Vivaleitura; Aproveitar ações inscritas no site do PNLL; Sistemas de Biblioteca do Chile, México, Venezuela, Argentina e Colômbia; Pontos de leitura

40 6. LIVROS POPULARES Mais Cultura

41 Objetivo Contribuir para que o livro, sobretudo o de literatura, ocupe lugar de destaque no cotidiano dos brasileiros.Proposta Iniciar nos sistemas de transportes de algumas capitais, para, paulatinamente, expandir-se para outras localidades, seja pelos mesmos sistemas de transporte, bancos federias, estádios de futebol e outros meios.Meta Distribuir 500 mil exemplares de coletânea dos contos mais populares de Machado de Assis no ano de seu centenário. Livros populares

42 Principais questões a serem respondidas no processo - Será necessário a concepção e construção de um sistema e um fluxo de alimentação do Programa, em parceria com estados e municípios; - Ainda não há projeto gráfico para a coleção 2009; - A edição e a impressão dos livros em homenagem a Machado serão feitas centralizamente. Em 2009, ao considerar as 27 capitais, em edições posteriores do Programa, o melhor caminho parece ser a contratação de editoras-gráficas em cada estado; - Não está definido que instituição executará a ação em Livros populares

43 - Para a demais edições do Programa, faremos escolhas em torno de clássicos, consagrados e novos da literatura nacional. - Ocasionalmente, pode-se publicar algum clássico da literatura de língua portuguesa de outros países. - O que ainda fica em aberto é o mecanismo e o critério de escolha destes nomes. - Avaliação deve considerar sua efetividade na promoção do hábito de leitura e a eficiência de seus mecanismo de distribuição. Livros populares

44 Atores internos DGI, DGE, FBN, ACOM, SPPC Atores externos Governos estaduais e municipais, gestores privados dos sistemas de transporte, Ministérios do Esporte, da Saúde, da Educação, pontos de cultura. Pessoas / Experiências Referências que podem nos ajudar Experiências em países como a Colômbia, com o programa Libro al Viento, e o México, com Para leer de boleto en el metro, ambos focados na distribuição em metrôs, são referências importantes, podendo servir como exemplos para que se delineie esta ação. Livros populares

45 7. AGENTES DE LEITURA Mais Cultura

46 Agentes de leitura

47 Objetivo Formar agentes de leitura para atuarem nos 410 municípios onde estarão ocorrendo as ações de modernização I e de Pontos de Leitura.Proposta Formação de jovens agentes de 18 a 29 anos para o atendimento de famílias (potencial de atendimento – 40 famílias por agente) preferencialmente oriundas do Programa Bolsa Família. Mochila, acervo de 200 livros e uma bicicleta, uniformeMeta em 2008

48 Agentes de leitura

49 Edital Específico para os 410 municípios Parceiros internos FBN MDS Secretaria de Cultura dos Estados

50 Coordenação-Geral de Livro e Leitura Jéferson Assumção MAIS CULTURA


Carregar ppt "Ações de Livro e Leitura Coordenação-Geral de Livro e Leitura MAIS CULTURA Setembro/2008."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google