A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Universidade do Vale do Paraíba Colégio Técnico Antônio Teixeira Fernandes Disciplina Telemática Curso Técnico em Eletrônica Material IV-Bimestre Modems.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Universidade do Vale do Paraíba Colégio Técnico Antônio Teixeira Fernandes Disciplina Telemática Curso Técnico em Eletrônica Material IV-Bimestre Modems."— Transcrição da apresentação:

1 1 Universidade do Vale do Paraíba Colégio Técnico Antônio Teixeira Fernandes Disciplina Telemática Curso Técnico em Eletrônica Material IV-Bimestre Modems Digitais, Protocolos e Inteligentes,Interface de Comunicação de Dados Tipos de Ligação,Circuito Dedicado e Circuito Comutado,Unidades de Medidas Multiplexação,Concentrador/Conversor,Unidade de Derivação Digital e Unidade de Derivação Analógica,Protocolos de Comunicação Site : Prof. Responsáveis Newton Sun Jun Wagner Santos C. de Jesus

2 2 Modens A palavra Modem vem da junção das palavras modulador e demodulador. Ele é um dispositivo eletrônico que modula um sinal digital em uma onda analógica, pronta a ser transmitida pela linha telefônica, e que demodula o sinal analógico e o reconverte para o formato digital original. Utilizado para conexão à Internet, BBS, ou a outro computadormoduladoreletrônico sinal digitallinha telefônicasinal analógico InternetBBScomputador

3 3

4 4 Modens Análogicos - transforma o sinal digital em analógico para transmissão na rede telefônica. - podem ser usados em comunicações sem limite de distância telefônica. - possuem custo maior devido a complexidade de seus circuitos eletrônicos. - podem ser usados em circuitos dedicados ou comutados.

5 5 Modens Digitais (banda base) - transforma o sinal digital em sinal digital codificado - devem ser usados apenas em distâncias curtas e com linhas de boa qualidade. - custo bem acessível devido a sua pouca complexidade. - utilizados em circuitos dedicados, não podendo ser usado numa rede pública de telefonia (circuitos comutados) - o alcance (distância) diminui conforme aumenta a velocidade de transmissão: 1200 bps - alcança até 30 km 4800 bps - alcança até 13 km bps - alcança até 6 km

6 6 Análise Modens Digitais x Analógico

7 7 modem interno x modem externo modem interno - em formato de placa instalada dentro do gabinete do computador (placa fax- modem). - a energia é alimentada pela fonte do próprio computador - instalação é um pouco mais complexa (necessita abrir o computador).

8 8 modem externo - equipamento inserido dentro de um gabinete próprio. - necessita de uma fonte de energia exclusiva - facilmente transportado de um equipamento para outro.

9 9 Tipos de Modens Data modem: modens exclusivos para transmitir dados Fax modem ou Data/fax modem: modens utilizados para transmitirem dados e fax Voice modem ou Data/fax/voice modem: transmissão e recepção de voz e dados. Ex.: * jogos via modem – permitem transmitir dados e manter conversação

10 10 serviço de secretária eletrônica – respondem chamadas, armazenam digitalizando as mensagens recebidas. Modem-mux : multiplexadores que possuem um modem incorporado Modem rádio : modens utilizados em transmissões através de ondas de rádio Cable modem ou modem à cabo : modens utilizados para conexões através da rede de TV a cabo

11 11 Cartões modem ou PC card (PCMIA) : modens utilizados em computadores móveis * são em formatos de cartões para serem encaixados no notebook

12 12 Estrutura do modem

13 13 características dos modens resposta automática e chamada automática – automaticamente responde uma chamada ou faz uma chamada. dial back - capacidade de verificação da origem da chamada; rediscagem - retorna a ligação para o transmissor com o intuito de verificar a localização da chamada de origem – medida de segurança.

14 14 fallback e fallforward - capacidade do modem de reduzir a velocidade de transmissão (fallback) quando a qualidade da linha decai e de aumentar (fallforward) quando a qualidade da linha melhora. modens compatíveis com o Hayes – aceita a programação Hayes.

15 15 modens inteligentes: HAYES podem ser programados através de comandos emitidos pelo computador, diferentemente dos outros que são programados fisicamente, através de straps(estar duro);

16 16 Os modens são programados via comandos HAYES. permite discagem e re-discagem; seleciona taxa de transmissão; outras funções internas

17 17 principais comandos básicos: AT - início de comando - DT comando de discar o numero em uma linha telefônica de tom (centrais novas) - DP comando de discar o numero em uma linha telefônica de pulso (centrais antigas) - Z - resetar a ligação - H - desligar - E - ativar eco na tela - L - ativar volume do alto-falante (0 – baixo até 3 - alto) Exemplos dos comandos: ATZ, ATDT , ATH, ATL3

18 18 EIA – Associação Industrial Eletrônica CCITT – Comitê Consultivo Internacional de telegrafia e telefonia. Interface serial - conecta o DTE ao DCE DTE – Computador; DCE – Modem.

19 19 Conector DB25 - conector de 25 pinos Exemplo de uma ligação ponto a ponto comutada:

20 20

21 21 Ligação cross-over quando se faz necessário ligar dois equipamentos semelhantes (ex.: terminal X terminal) usando a interface RS232; Executa a inversão dos sinais.

22 22 Interfaces de Comunicação São dispositivos criados com características importantes para a transmissão de dados e informações.

23 23 ATA 100 Este é o padrão de interfaces IDE predominante no final de O desempenho é suficiente mesmo para os HDs topo de linha atuais mas, claro, fatalmente vai tornar-se um gargalo nos HDs do futuro. Atualmente poucos HDs conseguem superar a marca de 30 MB de transferência interna (quando os dados são lidos pelas cabeças de leitura e transferidos), mas a taxa pode subir bastante ao ser utilizado cache de disco, onde uma pequena quantidade de dados é transferida na velocidade máxima suportada pela interface. É por isso que existe sempre algum ganho (apesar de muito pequeno) ao utilizar interfaces ATA 100 mesmo em HDs relativamente lentos.

24 24 FireWire - USB Com mais de 30 vezes a largura de banda do USB 1.1, o FireWire 400 transformou-se no padrão da indústria para transferência de dados de alta velocidade. Com sua alta velocidade de transferência de dados, o FireWire é a interface preferida para os dispositivos de áudio e vídeo atuais, assim como para discos rígidos externos ou outros periféricos de alta velocidade. Agora, transferindo dados a até 800 Mbps, o FireWire 800 proporciona mais do que o dobro da largura de banda efetiva do padrão de periféricos USB 2.0, o que o torna a escolha perfeita para armazenamento de alta velocidade e captura de vídeo de alta qualidade. Isso significa que você pode enviar mais do que o dobro do conteúdo de dados de um CD a cada 10 segundos. O FireWire 400 transfere dados através de cabos de até 4,5 metros de comprimento. Utilizando cabos de fibra otica de categoria profissional, o FireWire 800 pode enviar dados através de cabos de até 100 metros de comprimento.Além disso, nem são necessários computador ou dispositivo novos para atingir essa distância.Desde que ambos os dispositivos estejam conectados a um hub FireWire 800, você pode conectá-los com um cabo de fibra ótica.

25 25 POSIX Portable, Operating System Interface for Unix ou interface de sistema portável para Unix. O padrão POSIX é constituído por uma série de regras que determinam como o programador deve escrever o código-fonte de seu sistema de modo que ele possa ser portável entre os sistemas operacionais baseados no Unix. Portável neste caso significa que bastará recompilar o programa, usando o compilador adequado para torna-lo compatível com o sistema desejado, sem a necessidade de fazer alterações no código fonte. É graças à Interface POSIX que existe um razoável nível de compatibilidade entre os programas escritos para o Linux, FreeBSD e para outras versões do UNIX.

26 26 RS232 RS é uma abreviação de "Recommended Standard". Ela relata uma padronização de uma interface comum para comunicação de dados entre equipamentos, criada no início dos anos 60, por um comitê conhecido atualmente como "Electronic Industries Association" (EIA). Naquele tempo, a comunicação de dados compreendia a troca de dados digitais entre um computador central(mainframe) e terminais de computador remotos, ou entre dois terminais sem o envolvimento do computador. Estes dispositivos poderiam ser conectados através de linha telefônica, e consequentemente necessitavam de um modem em cada lado para fazer a decodificação dos sinais. Dessas idéias nasceu o padrão RS232. Ele inclui as características do sinal elétrico(níveis de tensão), características de interface mecânica(conectores), descrição funcional de circuitos interligados(a função de cada sinal elétrico) e alguns tipos comuns de conexões terminal para modem.

27 27 Tipos de Ligações

28 28 Tipos de Ligação Wireless Exemplo de uma Rede Interna

29 29 Exemplo de uma Rede Externa

30 30 Conexão multiponto

31 31 Unidade de Medida de Informação Não é possível medir a quantidade de informação armazenada por um computador utilizando as unidades de medida convencionais. Para esta finalidade, foram criadas unidades de Medidas específicas: BIT – Binário Digit (Digito Binário)

32 32 BIT - é a menor unidade de medida. O computador não interpreta os caracteres, para ele existe apenas duas situações possíveis, SIM ou NÃO; CERTO ou ERRADO; 0 (zero) ou 1 (um). Ele só entende a presença de pulso elétrico, 1 (um) e a falta dele 0 (zero).

33 33 BYTE - é o conjunto de 8 Bit´s que combinados formam 1 (um) caractere ( uma letra, um número, um símbolo, um acento, etc). Ex: = 3. Portanto a palavra São Paulo é formada por 9 bytes, contando o espaço em branco. Como as unidades de medida de informação são baseadas em bit´s, todo cálculo é baseado no resultado de um cálculo exponencial, no caso do Byte é 2³ = 8.

34 34 Unidades de medida da Informação KILOBYTE - é o conjunto de Byte = caracteres. MEGABYTE - é o conjunto de Kilobyte = caracteres. GIGABYTE - é o conjunto de Megabyte = caracteres. TERABYTE - é o conjunto de Gigabyte = caracteres. PETABYTE - é o conjunto de Terabyte = caracteres. EXABYTE - é o conjunto de Petabyte = caracteres. ZETABYTE - é o conjunto de Exabyte = caracteres. YOTABYTE - é o conjunto de Zetabyte = caracteres.

35 35 UDD e UDA Unidade de Derivação Digital : Deriva o sinal digital de entrada em várias saídas. possibilitando o acesso a vários terminais. Unidade de Derivação Analógica (UDA): Deriva o sinal analógico proveniente de uma unidade modem por vários outros modems.

36 36 Protocolos de comunicação Um protocolo de comunicação é um conjunto de convenções usado para mover informações entre dois equipamentos. Os principais objetivos de um protocolo é cuidar do endereçamento (no caso de ligações multiponto) e garantir a integridade das informações. Embora isto não seja muito visível atualmente, a comunicação à distância está sujeita a grande quantidade de erros. A maioria dos equipamentos atuais (inclusive modems) possuem protocolos embutidos que detectam e recuperam erros de forma quase transparente. No começo da comunicação via modem, os erros de comunicação eram mais evidentes. Antes da internet, a vida on- line era feita através das BBSs (computer Bulletin Board Systems) que enviavam os textos sem protocolo, era comum caracteres sumirem, mudarem ou mesmo surgirem do nada. Um bom protocolo de comunicação precisa ter uma boa resistência a estas ocorrências.protocolo de comunicaçãovida on- lineBBS

37 37 UDD Um equipamento capaz de interligar alternadamente até 6 terminais de comunicação com um único link. possibilitando que terminais, controladoras,CPU's síncronas se conectem aos modens de alta velocidade, de interface V36. Este equipamento detecta a solicitação de transmissão feita pelo DTE, interligando-o ao DCE de alta velocidade (desde que este já não esteja interligado a um outro DTE), não havendo nenhum tipo de prioridade por canal.

38 38 Protocolos de Comunicação Um protocolo de comunicação é um conjunto de convenções usado para mover informações entre dois equipamentos. Os principais objetivos de um protocolo é cuidar do endereçamento (no caso de ligações multiponto) e garantir a integridade das informações.protocolo de comunicação

39 39 Verificação de erros em pacotes Alguns sistemas utilizam códigos de correção de erro (ECC) que além de detectar erros pode corrigir uma parte deles. O mais comum entretanto, é recuperar uma situação de erro solicitando a retransmissão do pacote.

40 40 Funcionamento do pacote ACK – (Acknoledge ) – A cada pacote recebido o receptor envia um caracter que determina se o pacote foi recebido corretamente. Ou com erro. NACK – (NonAcknoledge) – Se na transmissão do pacote for detectado algum erro será retornado um NACK.

41 41


Carregar ppt "1 Universidade do Vale do Paraíba Colégio Técnico Antônio Teixeira Fernandes Disciplina Telemática Curso Técnico em Eletrônica Material IV-Bimestre Modems."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google