A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 1 Eficiência na Comunicação Rodrigo Magnabosco

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 1 Eficiência na Comunicação Rodrigo Magnabosco"— Transcrição da apresentação:

1 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 1 Eficiência na Comunicação Rodrigo Magnabosco Professor do Departamento de Engenharia Mecânica da FEI

2 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 2 PROBLEMA NA EMPRESA Identificação do problema Proposição de solução com base no... Conhecimento acumulado Proposta de solução Teste da solução e levantamento de dados que permitam a Análise dos resultados gerados com a solução proposta Conclusões

3 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 3 Metodologia Científica é ferramenta para a RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E se surgir um problema na empresa, como poderei resolvê-lo? Profissional: O profissional solucionará o problema? Empresa:

4 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 4 METODOLOGIA CIENTÍFICA Introdução ao tema de estudo Objetivo do estudo Revisão Bibliográfica Metodologia Coleta e descrição de Resultados Discussão de Resultados Conclusões PROBLEMA NA EMPRESA Identificação do problema Proposição de solução com base no... Conhecimento acumulado Proposta de solução Teste da solução e levantamento de dados que permitam a Análise dos resultados gerados com a solução proposta Conclusões

5 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 5 Materiais para Fabricação de Digestor do Processo de Polpação Kraft Elevada Temperatura (170°C) Elevada Pressão (7,5~9,8 atm ) Licor Branco Limpeza com HCl ou ácido muriático (60°C) Materiais de construção: 3,16% Na 2 S 6,84% NaOH 1,67% Na 2 CO 3 300ppm NaCl 50pmm Na 2 S 2 CO 3 Aço carbono Aço carbono revestido de aço inoxidável Aços inoxidáveis fonte: Exemplo para INTRODUÇÃO ao tema e JUSTIFICATIVA D. C. SANTOS et al.. ESTUDO COMPARATIVO DA CORROSÃO DOS AÇOS UNS S30400(AISI 304), UNS S31603(AISI 316L) E UNS S31803(SAF2205) NO DIGESTOR DO PROCESSO DE POLPAÇÃO KRAFT. Trabalho de Conclusão de curso – Graduação em Engenharia Química – Centro Universitário da FEI, dez. 2007, 94 p.

6 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 6 Como há grande gama de materiais para a construção de um digestor, justifica-se o estudo dos possíveis materiais, suas vantagens e desvantagens, nos aspectos construtivos, de durabilidade, e custo. Desta forma, a INTRODUÇÃO faz com que o leitor seja conduzido ao OBJETIVO do trabalho. Como estruturar o texto introdutório? A introdução deve ser embasada em referências: Artigos técnicos Livros Dados estatísticos Relatórios técnicos de domínio público Notícias de jornais ou revistas Sítios da internet

7 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 7 Artigos técnicos: trazem conteúdo ATUALIZADO, e muitos periódicos contam com renomado corpo editorial qualidade assegurada. Livros: discorrem sobre temas já estabelecidos; excelentes para embasamento teórico de temas consolidados. Dados estatísticos, notícias de jornais ou revistas: auxiliam nas justificativas de estudo, mas fontes e métodos devem ser confiáveis. Relatórios técnicos de domínio público: podem expor problemas específicos que mereçam estudo aprofundado. Sítios da internet: podem ser excelente fonte de material atualizado, mas podem trazer problemas como ausência de revisão (qualquer pessoa pode publicar dados na internet!) e impossibilidade de retorno à mesma informação. Qualidade das Referências...

8 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 8 Bases de dados reconhecidas e sítios de bibliotecas renomadas... Metadex

9 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 9 Revisão Bibliográfica Ao contrário do que muitos acreditam, uma revisão bibliográfica não pode se resumir simplesmente a uma compilação de dados e citações de alguns autores. Numa revisão bibliográfica, deve-se analisar criticamente as informações contidas nas referências bibliográficas, inserindo-as no contexto do objetivo proposto, permitindo que as conclusões sejam construídas ao longo da elaboração do texto.

10 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 10 Ainda no assunto Qualidade da Revisão Bibliográfica...

11 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 11 Duplicidade - Plágio Além de não contribuir para o avanço ou sedimentação do conhecimento numa área específica, o plágio é CRIME. A cópia de trechos transforma o texto de uma revisão bibliográfica numa colcha de retalhos, que na grande maioria dos casos não serve para atingir os objetivos do trabalho.

12 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 12 Como estruturar uma revisão bibliográfica? Revisões bibliográficas CRONOLÓGICAS podem ajudar a ESTRUTURAR o conhecimento da mesma forma com que este foi CRIADO. Para tal, é preciso: 1)utilizar ferramentas de busca que permitam relacionar as publicações em ordem cronológica; 2)consultar as referências de textos consagrados, ou textos contemporâneos, construindo a linha do tempo.

13 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 13 Qual o objetivo da referenciação? Para o autor: Sistematização do próprio conhecimento: onde encontrar a informação utilizada? A citação está em qual contexto? Pode-se generalizar? Qual a atualidade da informação? Para o leitor: Como saber mais sobre o tema? A citação está em qual contexto? Pode-se generalizar? Qual a responsabilidade da referência usada? Qual a atualidade da informação? NORMALIZAÇÃO e DISCIPLINA são essenciais.

14 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 14 Deve descrever todo o trabalho desenvolvido, sem deixar margem a dúvidas, e deste modo: Permitir a interpretação segura de resultados Permitir que experimentos/trabalho seja reproduzido Metodologia

15 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 15 Figuras são muito mais eficientes que tabelas! Apresentação de resultados

16 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 16 São a principal contribuição do autor. Pode ser necessária a comparação com resultados de pesquisas prévias. Sua redação conduzirá às CONCLUSÕES do trabalho. Discussão de resultados

17 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 17 Conclusões Não podem surgir de elementos não utilizados previamente no texto! São do autor, e portanto não precisam (e não devem) ter textos referenciados! Devem discorrer sobre quais objetivos foram alcançados, e em qual grau. Podem ser estruturadas na forma de texto contínuo ou em tópicos. Deve-se ter em mente que as conclusões são o ponto principal do trabalho.

18 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 18 Resumo Apesar de ser o primeiro elemento textual, é sempre o último a ser escrito, pois precisa resumir o trabalho feito (como criar o resumo sem ter o trabalho elaborado?) Muitas vezes, propostas de trabalho para apresentação em congressos e simpósios pedem um resumo antes do envio do trabalho final. Neste caso, o resumo funciona como uma carta de intenções. É uma parte vital do trabalho, pois sintetizará a um leitor que procura informações/opiniões no tema em questão quais foram os OBJETIVOS do trabalho, e a quais CONCLUSÕES se chegou. Funciona como um convite a conhecer o trabalho.

19 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 19 Resumo Deve-se, num resumo, ser o mais direto possível. Um resumo de tamanho razoável tem aproximadamente 300 palavras, normalmente escritas num único parágrafo, onde devem ser evitados caracteres especiais e fórmulas, facilitando a cópia e reprodução nos mais diferentes meios. Nele há a sintetização do trabalho do autor: deste modo, num resumo não há indicação de referências. É comum que um resumo seja acompanhado de palavras-chave, que auxiliam futuros leitores a buscar textos semelhantes. Uma técnica para a elaboração do resumo é utilizar o texto dos objetivos, seguido das conclusões principais do trabalho.

20 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 20 Padrões de redação para um texto claro e objetivo. O texto deve ser claro e preciso. Parágrafos devem ser usados para agrupar idéias semelhantes. Parágrafos muito longos dificultam o entendimento e a seqüência do raciocínio, ao passo que parágrafos curtos indicam idéias soltas. Vírgulas, pontos-e-vírgulas e pontos devem ser usados para a introdução de pausas corretas em sentenças longas; se usadas incorretamente, prejudicam o entendimento.

21 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 21 Padrões de redação para um texto claro e objetivo. O texto deve ser impessoal, usando-se terceira pessoa do singular e voz passiva SEMPRE. Verbos na 1ª pessoa (e particulamente na 1ª pessoal do plural) devem ser BANIDOS do texto. Erros gramaticais, além de prejudicar o entendimento do texto, não transmitem segurança ao leitor: como pode um especialista num dado assunto, com formação superior, não conhecer a linguagem formal? ESCREVER BEM não é ESCREVER DIFÍCIL

22 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide conhecer o que vai ser apresentado..... conhecer qual é a sua audiência.... conhecer os recursos disponíveis e como utilizá-los de modo eficaz.... causar uma boa impressão. Para realizar uma boa apresentação é preciso...

23 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 23 A ESTRUTURAÇÃO da apresentação deve conduzir às CONCLUSÕES do trabalho realizado. Conhecer o trabalho é fundamental. É preciso conhecer o que vai ser apresentado. A apresentação surge de trabalho PREVIAMENTE realizado. O OBJETIVO da apresentação deve ser claro. A CONTRIBUIÇÃO dos autores deve ficar clara.

24 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 24 É preciso conhecer a sua audiência. Qual o conhecimento da platéia sobre o tema? Qual o poder de decisão dos ouvintes? Qual a expectativa daqueles que assistirão à sua apresentação?

25 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 25 Slides são um recurso gráfico! Textos nos slides devem se resumir a sentenças-chave: - Estruturam os pontos principais para orientar o apresentador. - Reforçam na platéia os tópicos principais. - Orientam uma platéia desatenta. No entanto, é possível convidar a platéia a acompanhar a leitura de pequenos trechos, destacados no slide, para reforçar tópicos fundamentais, como o objetivo ou as conclusões. É preciso conhecer os recursos...

26 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 26 Se o slide é um recurso gráfico, deve ser cuidadosamente elaborado: Fundos brancos e letras pretas vencem qualquer projetor ruim, e qualquer iluminação deficiente. Fundos brancos e fontes pretas vencem qualquer projetor ruim, e qualquer iluminação deficiente. O contraste entre fonte e fundo é importantíssimo, mas se mal escolhido pode prejudicar a impressão posterior. É preciso conhecer os recursos...

27 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 27 Se o slide é um recurso gráfico, deve ser cuidadosamente elaborado: O tamanho de fonte ideal é aquele que permite a leitura do slide impresso no tamanho A4 a uma distância de aproximadamente 1,6 m. É preciso conhecer os recursos...

28 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 28 Se o slide é um recurso gráfico, deve ser cuidadosamente elaborado: O estilo da fonte deve ser o mesmo em toda a apresentação (demonstra organização e padronização). É preciso conhecer os recursos... O estilo da fonte deve permitir leitura sem dúvidas: Arial Trebuchet MS Monotype Corsiva Comic Sans Ms Lucida Sans Console Batang Times New Roman As diferentes fontes acima estão com corpo 28

29 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 29 Animações devem ajudar, não atrapalhar: É preciso conhecer os recursos...

30 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 30 É preciso causar uma boa impressão. Padronização na apresentação demonstra organização, e transmite segurança a audiência. O uso correto da gramática é fundamental. Um projeto gráfico bem elaborado estimula a platéia. O discurso deve ser seguro e firme.

31 Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 31 OBRIGADO! Eficiência na Comunicação Rodrigo Magnabosco Professor do Departamento de Engenharia Mecânica da FEI


Carregar ppt "Eficiência na comunicação © 2009 – Rodrigo Magnabosco – Slide 1 Eficiência na Comunicação Rodrigo Magnabosco"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google