A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Cortiço, de Aluízio Azevedo. O contexto histórico O Brasil dependente de escravos para produzir café. A Inglaterra proíbe O tráfico de escravo. Χ

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Cortiço, de Aluízio Azevedo. O contexto histórico O Brasil dependente de escravos para produzir café. A Inglaterra proíbe O tráfico de escravo. Χ"— Transcrição da apresentação:

1 O Cortiço, de Aluízio Azevedo

2 O contexto histórico O Brasil dependente de escravos para produzir café. A Inglaterra proíbe O tráfico de escravo. Χ

3 Atirou-se muito às especulações; durante a guerra do Paraguai ainda ganhara forte, chegando a ser bem rico; mas a roda desandou e, de malogro em malogro, foi-lhe escapando tudo por entre as suas garras de ave de rapina... [Botelho] Andava sempre de preto, com um guarda-chuva debaixo do braço e um cha- péu de Braga Enterrado nas orelhas. Fora em seu tempo empregado do comércio, de- pois corretor de escravos; contava mesmo que estivera mais de uma vez na África ne- gociando negros por sua conta.

4 Crescimento da lavoura cafeeira. Decadência da lavoura canavieira E algodoeira. Tráfico interno Reflexo: - Vinda de trabalhadores estrangeiros. - Proposta de libertação dos escravos.

5 Assim, eram às vezes muito quentes as Sobremesas do Miranda, quando, entre outros assuntos palpitantes, vinha à discussão o movimento abolicionista que principiava a formar-se em torno da Lei Rio Branco. Então o Botelho ficava possesso e vomitava frases terríveis, para a direita e para a esquerda, como quem dispara tiros sem fazer alvo, e vociferava imprecações, aproveitando aquela válvula para desafogar o velho ódio acumulado dentro dele.

6 Você agora não tem mais senhor! declarou em seguida à leitura, que ela ouviu entre lágrimas agradecidas. Agora está livre. Doravante o que fizer é só seu e mais de seus filhos, se os tiver. Acabou-se o cativeiro de pagar os vinte mil-réis à peste do cego!

7 As cidades cresciam Fábricas : chapéu, tecido,cerveja. Bancos. Companhias de navegação. Estradas de ferro. Transporte urbano. Iluminação a gás Reflexo: - Crescimento urbano. - Proliferação de favelas

8 [...] as casinhas do cortiço, à proporção que se atamancavam, enchiam-se logo, sem mesmo dar tempo a que as tintas secassem. Havia grande avidez em alugá-las; aquele era o melhor ponto do bairro para a gente do trabalho. [...]

9 [...] a rua lá fora povoava-se de um modo admirável. Construía-se mal, porém muito; surgiam chalés e casinhas da noite para o dia; subiam os aluguéis; as propriedades dobravam de valor. Montara-se uma fábrica de massas Italianas e outra de velas, [...]

10 Novo quadro social Cortiço Burguesia João Romão Sobrado Proletariado Miranda Χ

11 [...] Ainda antes de terminar o segundo ano de matrimônio, o Miranda pilhou-a [Estela] em flagrante delito de adultério; ficou furioso e o seu primeiro impulso foi de mandá-la para o diabo junto com o cúmplice; mas a sua casa comercial garantia-se com o dote que ela trouxera, uns oitenta contos em prédios e ações da dívida pública, de que se utilizava o desgraçado tanto quanto lhe permitia o regime dotal. Além de que, um rompimento brusco seria obra para escândalo, e, segundo a sua opinião, qualquer escândalo doméstico ficava muito mal a um negociante de certa ordem.

12 Desde que a febre de possuir se apoderou dele [João Romão] totalmente, todos os seus atos, todos, fosse o mais simples, visavam um interesse pecuniário. Só tinha uma preocupação: aumentar os bens. [...] Aquilo já não era ambição, era uma moléstia nervosa, uma loucura, um desespero de acumular; de reduzir tudo a moeda.

13

14 Um romance naturalista Focalização do homem natural. Ênfase na coletividade. Gosto pelas patologias sociais. Determinismos: Mesológico ( meio) Genético. Histórico

15 Entretanto, das portas surgiam cabeças congestionadas de sono; ouviam-se amplos bocejos, fortes como o marulhar das ondas; pigarreava-se grosso por toda parte; começavam as xícaras a tilintar; o cheiro quente do café aquecia, suplantando todos os outros; trocavam-se de janela para janela as primeiras palavras, os bons-dias; [...]

16

17 Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas. Uns, após outros, lavavam a cara, incomodamente, debaixo do fio de água que escorria da altura de uns cinco palmos. [...]

18

19 O português abrasileirou-se para sempre; fez- se preguiçoso, amigo das extravagâncias e dos abusos, luxurioso e ciumento; fora-se-lhe de vez o espírito da economia e da ordem; perdeu a esperança de enriquecer, e deu-se todo, todo inteiro, à felicidade de possuir a mulata e ser possuído só por ela, só ela, e mais ninguém.

20

21


Carregar ppt "O Cortiço, de Aluízio Azevedo. O contexto histórico O Brasil dependente de escravos para produzir café. A Inglaterra proíbe O tráfico de escravo. Χ"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google