A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LIVING LAB CIDADANIA DIGITAL www.ncd.ufes.br. A Questão da Inclusão Digital Como é visto: empresas e governos falam em democratização do acesso e inclusão.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LIVING LAB CIDADANIA DIGITAL www.ncd.ufes.br. A Questão da Inclusão Digital Como é visto: empresas e governos falam em democratização do acesso e inclusão."— Transcrição da apresentação:

1 LIVING LAB CIDADANIA DIGITAL

2 A Questão da Inclusão Digital Como é visto: empresas e governos falam em democratização do acesso e inclusão digital sem critérios e sem prestar atenção se a tal inclusão promove os efeitos desejados. A Inclusão Sócio Digital: melhorar as condições de vida de uma determinada região ou comunidade com ajuda da tecnologia

3 Equívocos Normalmente Cometidos muita gente acha que incluir digitalmente é colocar computadores na frente das pessoas e apenas ensiná–las a usar Windows e pacotes de escritório comunidades ou escolas que recebem computadores novinhos em folha, mas que nunca são utilizados porque não há telefone ou rede de comunicação de dados para conectar à internet ou porque faltam professores qualificados para repassar o conhecimento necessário

4 a idéia tipicamente governamental de empurrar computadores em todas as casas pode ser um tiro no pé e gerar um efeito exatamente contrário à melhoria social. Disponibilização de acesso à Internet para toda a população e empresas de uma cidade Implantação de Telecentros sem preocupação com Capacitação Equívocos Normalmente Cometidos

5 Porque a Inclusão Sócio Digital? incluir digitalmente não é apenas alfabetizar a pessoa em informática, mas também melhorar os quadros sociais a partir do manuseio dos computadores Somente colocar um computador na mão das pessoas ou vendê–lo a um preço menor não é, definitivamente, inclusão digital. É preciso ensiná–las a utilizá–lo em benefício próprio e coletivo

6 Não adianta apenas oferecer acesso à internet e editor de textos. É preciso transformar a perspectiva de vida das pessoas, buscar soluções práticas que melhorem a vida desses novos usuários: Possibilitar a criação de novos empreendimentos e a geração de emprego e renda Os agricultores e artesãos, por exemplo, podem vender seus produtos e trabalhos pela internet. Jovens da comunidade podem usar salas de bate–papo para aprender outros idiomas Porque a Inclusão Sócio Digital?

7 democratização da informação, universalização da tecnologia As regiões menos desenvolvidas e em desenvolvimento, sobretudo as mais pobres, estão perdendo o bonde da informação apropriação social das tecnologias de informação e comunicação (TIC), cuja relação direta é a tomada de consciência e cidadania nas comunidades o computador é uma ótima diversão, mas também é uma fonte de renda e de cidadania Porque a Inclusão Sócio Digital?

8 8 Descrição do Living Lab A Infraestrutura do Living Lab Cidadania Digital é uma Rede de Telecentros localizados principalmente em áreas residenciais de baixa renda e com sérios problemas sócio-econômicos. O Living Lab presta serviços orientados aos usuários voltados às necessidades sociais da população de todas as idades que é digitalmente excluída. Os serviços providos e a metodologia desenvolvida objetivam superar as desigualdades sócio-econômicas provendo acesso a informação de diferentes tipos que afetam diretamente o público alvo (saúde, educação, emprego, meio ambiente). O bem estar social e os serviços de atendimento são totalmente baseados sobre a inovação orientada para os usuários e sustentada pelas comunidads de interesse nos diversos aspectos da vida.

9 Perspectiva Geral do Acesso Público e Serviços

10 10 Descrição do Living Lab

11 11 Criação do Serviço e Modelo de Negócio Os serviços são co-criados com os usuários finais alvos do LL. Eles são envolvidos em todo o ciclo de inovação incluindo a produção dos próprios conteúdos. Living Lab Cidadania Digital tem parcerias estabelecidas com as seguintes organizações: Universidade Federal do Espírito Santo Diretório Central dos Estudantes da UFES (DCE) Governo do Estado do Espírito Santo Prefeitura de Vitoria Petrobras Fundação Ceciliano Abel de Almeida Outras ONGs Provedores de Serviço Empresas de Informática Os serviçõs são prestados gratuitamente e são financiados com recursos públicos e privados além de contribuição de empresas.

12 12 Envolvimento dos Usuários e Cidadãos

13 13 Expertise Living Lab Cidadania Digital tem desenvolvido expertize nas seguintes áreas : Produção de Facilidades para os usuários, equipamentos e ambientes de prototipagem para atender as necessidades dos usuários alvo e co-criar com eles serviços e atividades. Promover a colaboração, os resultados obtidos e as informações científicas entre membros associados, entidades de P&D, ONGs, autoridades Governamentais e outras fontes de financiamento. Facilitar o processo de inovação da co-criação de novos serviços com um forte envolvimento dos cidadãos. Treinamento sobre novos serviços, ferramentas e metodologias. Estimular a responsabilidade social da e-participação no processo de decisão das comunidades específicas, local e regional. Envolvimento, preparação e monitoração de trabalhos de campo e trabalhos virtuais alvo das melhorias sociais. Envolvimento e coordenação de times de voluntários multidisciplinares visando cobrir as áreas de: saúde, abuso de drogas, AIDS, delinquência juvenil, adolescência e violência urbana.

14 14 Métodos, Ferramentas e Processos O Living Lab tem desenvolvido e refinado metodologias, ferramentas e processos para: Desenvolvimento de projetos pilotos inovativos, voltados para os usuários atendendo necessidades específicas de indivíduos, grupos de indivíduos e a comunidade. Facilitar o processo co-criativo orientado aos usuários através da comunidade engajada no projeto. O Living Lab tem adquirido um perfil para suportar completamente novas iniciativas que podem ser absorvidas pelos usuários da comunidade, tais como instrumentação musical, participação virtual em eventos remotos, etc. Projetar em conjunto com os usuários alvo novos conteúdos e produzi-los para suportar novos serviços tal qual orientado pelos usuários. Campo de trabalho social fortemente articulado com serviços de TIC em termos de preparação, operação e monitoração dos resultados. Organização de eventos públicos, seminários, workshops, etc, para promoção da Cidadania Digital.

15 A Proposta do Living Lab: Avaliação Experiência operacional Existência de uma Comunidade significativa de utilizadores / cidadãos / clientes. Processo de motivação Envolvimento dos agentes de: investigação, empresas, financiamento, desenvolvimento e utilizadores. Processo de Inovação Serviços de apoio ao Processo de Inovação Experiência de trabalho em rede setorial / regional / nacional / europeia / internacional Modelo de gestão sustentável Experiência operacional Existência de uma Comunidade significativa de utilizadores / cidadãos / clientes. Processo de motivação Envolvimento dos agentes de: investigação, empresas, financiamento, desenvolvimento e utilizadores. Processo de Inovação Serviços de apoio ao Processo de Inovação Experiência de trabalho em rede setorial / regional / nacional / europeia / internacional Modelo de gestão sustentável

16 Financiamento dos Living Labs Programa ICT – Pesquisa de Tecnologias TIC, Metodologias e Processos. Programa CIP – Aplicação de Tecnologias. Projectos Piloto. Programa PCP (Pre-Commercial Procurement of Innovation) – Novo instrumento de Financiamento (2010). Joint Calls Europa – Brasil (2010) Programa ICT – Pesquisa de Tecnologias TIC, Metodologias e Processos. Programa CIP – Aplicação de Tecnologias. Projectos Piloto. Programa PCP (Pre-Commercial Procurement of Innovation) – Novo instrumento de Financiamento (2010). Joint Calls Europa – Brasil (2010)

17 Inclusão Digital da Comunidade Indígena Desenvolvimento de programas de ensino a distância para capacitação dos professores das escolas indígenas; Desenvolvimento de programas de ensino a distância para preservação da cultura indígena; Desenvolvimento de programas de capacitação básica em informática para os demais membros da comunidade indígena com tecnologias tradicionais da rede sem fio (Wi-Fi); Desenvolvimento de programas específicos estruturados a partir das demandas da comunidade indígena; Implantação de Telecentros Comunitários na Comunidade Indígena; Disponibilização do acesso a internet para a comunidade indígena; Desenvolvimento de site para divulgação dos costumes e artes do povo indígena; Desenvolvimento de programas de trabalhos colaborativos entre a comunidade indígena de Aracruz e dessa com outras comunidades indígenas do Brasil e do Exterior.

18 Impactos Esperados Fortalecimento do ambiente escolar, incentivando aos jovens e toda a comunidade a dele fazer parte; Melhoria das condições de vida da comunidade indígena de Aracruz; Redução das desigualdades sociais do povo indígena; Geração de renda a partir de empreendimentos com recursos da própria comunidade indígena; Apoio a preservação dos costumes e cultura indígena (artesanato, alimentação, música, etc.); Maior acesso informacional da comunidade indígena.

19 Parcerias Prefeitura Municipal de Aracruz, através de suas diversas secretarias; SEBRAE-ES, através de seus programas de capacitação; SEDU, através de seus programas de formação de professores e de melhoria das condições de ensino e aprendizado nas escolas; Programa Luz para Todos, através de suas ações transversais; SECT, através de seus programas de bolsas de incentivo a formação de jovens.

20 Solução Funai Esboço

21 Conclusões 1. Importância fundamental para as Parcerias Público-Privadas 2. Promoção da Cidadania Informacional 3. Fazer com que as tecnologias promovam a efetiva Inclusão Sócio-Digital 4. Necessidade de um Projeto de Engenharia de Redes e Telecomunicações 5. Construção de um Modelo de Negócio com garantias de Sustentabilidade: Política, Financeira, Operacional, Recursos Humanos

22 Conclusões 6. A Iniciativa privada, principalmente as MPE de TIC dos pequenos municípios e os ISPs dos municípios maiores, cuidando da Operação, Administração, Manutenção e Aprovisionamento da Infra-estrutura 7. Observação ao Marco Regulatório 8. Elaboração de Projetos integrando as ICTs, Governo, SEBRAE e Iniciativa Privada para busca de financiamentos públicos 9. Estimular os Projetos de Inovação com foco nos Living Labs

23 23 Contatos e Localização Contatos: Anilton Salles Garcia: Alexandre Zon: Localização UFES – Campus de Goiabeiras, Centro de Vivência Vitória, ES - Brazil


Carregar ppt "LIVING LAB CIDADANIA DIGITAL www.ncd.ufes.br. A Questão da Inclusão Digital Como é visto: empresas e governos falam em democratização do acesso e inclusão."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google