A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

01) Já se afirmou ser a Pré-História uma continuação da História Natural, havendo uma analogia entre a evolução orgânica e o progresso da cultura. Sobre.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "01) Já se afirmou ser a Pré-História uma continuação da História Natural, havendo uma analogia entre a evolução orgânica e o progresso da cultura. Sobre."— Transcrição da apresentação:

1 01) Já se afirmou ser a Pré-História uma continuação da História Natural, havendo uma analogia entre a evolução orgânica e o progresso da cultura. Sobre a Pré-História, qual das alternativas abaixo é incorreta? A) Várias ciências auxiliam o estudo, como a Antropologia, a Arqueologia e a Química. B) A Pré-História pode ser dividida em Paleolítico e Neolítico, no que se refere ao processo técnico de trabalhar a pedra. C) Sobre o Paleolítico, podemos afirmar que foi o período de grande desenvolvimento artístico, cujo exemplo são as pinturas antropomorfas e zoomorfas realizadas nas cavernas. D) O Neolítico apresentou um desenvolvimento artístico diferente do paleolítico, através dos traços geométricos do desenho e da pintura. E) Os primeiros seres semelhantes ao homem foram os Australopitecus e o Homem de Java que eram bem mais adaptados que Homem de Neanderthal.

2 Australopithecus: Apesar do crânio pequeno, possuía traços característicos dos Hominideos, como a forma dos dentes; era bípede e tinha postura ereta. Pithecantrropus erectus: Javantropo-Indonésia; Sinantropo-China(Pequim); Paleantropo-Alemanha(Heidelberg). Dica: Possía maxilares maciços e dentes grandes, cérebros mais bem adaptados à postura ereta. Homo Neanrthalensis Caracterizava por acentuado desenvolvimento das margens superiores das órbitas, testa fugidia, maxilares maciços e sem queixo e aspecto anguloso na região occipital; capacidade craniana elevada. Já vivia em cavernas.

3 02) Poder e saber têm entrelaçamentos importantes na formação da cultura e construção histórica da humanidade. Na Antiguidade Oriental, os sacerdotes das religiões dominantes. A) influenciavam em muitas das decisões políticas, embora, no Egito, sua importância fosse secundária. B) centralizavam a produção do saber, sem darem importância às questões econômicas e políticas. C) conseguiam grande prestígio junto aos governantes, muitas vezes facilitando suas políticas de guerra. D) criaram condições para a existência do saber filosófico, muito expressivo para o mundo da época. E) foram grandes adversários das injustiças sociais, mantendo critérios éticos nos governos mais religiosos.

4 Egito: Nordeste da África; Rio Nilo; Teocrático; Faraó; Religião Politeísta, acreditava na vida após a morte; Forma antropozoomórfica. Mesopotâmia: Atual Iraque; Rios Tigre e Eufrates; Teocrático Patesi; Religião Politeísta, não acreditava na vida após a morte; Forma antropomórfico.

5 03) A filosofia grega teve grande influência no mundo ocidental, não sendo esquecida como ponto de reflexão para o homem contemporâneo. Entre seus filósofos, merece atenção a atuação dos sofistas que: A) defenderam o centralismo político e acompanharam os valores do pensamento socrático. B) demonstraram ser contrários à existência de uma verdade universal, favorecendo o relativismo ético. C) tiveram influência na formulação do pensamento aristotélico devido à sua ligação com a democracia. D) ocuparam espaços políticos nos governos da época, criando leis renovadoras e democráticas. E) afirmaram o valor da cidadania, dando importância à verdade política vinda das assembleias.

6 A filosofia grega: Pré-socráticos: Tales de Mileto, Pitágoras, etc. Sócrates- Filosofia Humanista; Platão- Principal discípulo de Sócrates; Aristóteles- Sistematizou os princípios da Lógica formando uma ciência que ele chamou de Analítica. Obs. Os sofistas se serviam da reflexão para atingir fins imediatos, ainda que por falsos argumentos. O maior dos sofistas foi Protágoras.

7 04) A Reforma Protestante não apenas abalou os poderes da Igreja Católica como também contribuiu para: A) a colonização inglesa na América. B) o fortalecimento do poder da nobreza na Europa. C) a radicalização das ideias liberais. D) a manutenção do analfabetismo na Europa. E) as fortes mudanças políticas na Península Ibérica.

8 Sabe-se que, durante a Idade Média, a Igreja Católica se destaca por certas práticas abusivas, que lhe dão prestígio e riqueza. São elas: - venda de indulgências; - venda de cargos eclesiásticos; - venda de relíquias sagradas (simonia). Causas Gerais da Reforma - abusos cometidos pela Igreja Católica, nas esferas política, econômica e cultural; - ambição política e econômica dos reis, sobre o poder e as riquezas do Papa; - reação burguesa às proibições de lucro exagerado, impostas pela Igreja.

9 Luteranismo (Alemanha) Martinho Lutero(agostiniano) Fatores: - a Igreja Católica detém ¾ das terras do país; - a descentralização política; - o aumento da venda de indulgências na região. Calvinismo (Suíça) Segundo Calvino, apenas alguns privilegiados são predestinados por Deus ao Reino dos Céus (Teoria da Predestinação Absoluta) e o sinal divino dessa predestinação é a boa situação material e financeira do indivíduo.

10 05) Sobre o Renascimento, pode-se afirmar: A) pode ser visto como uma revolução religiosa, resultado das profundas transformações que ocorrerem na transição entre o feudalismo e o capitalismo; B) Florença e Roma, Pequim e Bagdá foram centros de irradiação do movimento renascentista; C) O Renascimento valorizada o anonimato e fortalecia o sentimento nacionalista; D) o Renascimento foi um movimento artístico, literário e científico defensor do humanismo, baseado no ontropocentrismo e no espírito crítico em oposição ao teocentrismo; E) o Renascimento fez renovar toda a tradição islâmica da península Ibérica reprimida pelas Cruzadas.

11

12 CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO - Humanismo: valorização da figura humana na terra. - Materialismo: valorização dos aspectos materiais da vida terrena, como o dinheiro, as descobertas, o estudo e a natureza. - Individualismo: desligamento das imposições de comportamento da Igreja Medieval – o homem torna-se mais independente e voltado para si. - Ceticismo: descrença na religiosidade medieval e nos valores impostos pela Igreja. - Racionalismo: valorização da razão em substituição à fé. - Hedonismo: prazer pela vida e satisfação pelos progressos e descobertas. - Classicismo: inspiração no passado clássico (Grécia e Roma). - Elitismo: origem burguesa (elitista) do movimento. - Mecenato: apoio fornecido pelos mecenas aos letrados e artistas.

13 PRINCIPAIS ARTISTAS

14 06) O mundo moderno fez crescer os desejos de liberdade e provocou muitas lutas políticas até mesmo fora da Europa. A conquista dos povos da América: I. trouxe a abertura de mercados e novas ideias de mundo, sem o uso da violência e da força política. II. modificou, de imediato, a vida dos países conquistadores, tornando-os potências internacionais e imbatíveis. III. fortaleceu a Igreja Católica, mantendo seu poder religioso em toda a América, sem oposições de outros grupos. IV. consolidou o capitalismo já no século XVI, com a afirmação da mão-de- obra assalariada e o fim da escravidão europeia. V. facilitou o contato entre povos de culturas diferentes, baseado na supremacia dos valores europeus. Somente está CORRETO o que se afirma em A) I, III, IV e V. B) I e V. C) II, III e V. D) V. E) I, II e V.

15 07) O historiador aprofunda seus conhecimentos sobre a sociedade, utilizando-se da pesquisa e das análises teóricas, dialogando com as diferentes culturas existentes. Nesse sentido, o conhecimento histórico é: A) importante para facilitar a convivência social, embora esteja restrito às reflexões sobre o passado e a suas culturas. B) resultado de pesquisas em fontes escritas, nas quais se destaca a objetividade e a neutralidade científicas. C) determinado pela singularidade das suas regras metodológicas, sem se articularem com outros saberes acadêmicos. D) constituído de análises que permitem uma troca de conceitos entre os saberes diversos e atualizados. E) fundamental para fazer uma projeção do futuro, afirmando princípios básicos para a construção das utopias.

16 08) A relação com a natureza é uma das mais definidoras dos caminhos seguidos da construção do fazer histórico. O trabalho humano é significativo para entender essas relações, pois: A) favorece uma contínua luta por melhores condições, aumentando a competição entre as pessoas. B) promove a expansão da cultura, exercitando a criatividade e a capacidade de superar obstáculos. C) ajuda o crescimento do capitalismo, com a consolidação do individualismo produtivo e enriquecedor. D) realiza mudanças significativas nos espaços da natureza, trazendo sempre benefícios para a cultura. E) oferece condições para firmar a exploração da natureza, proporcionando um equilíbrio social definitivo.

17 09) Um estudo histórico da ocupação territorial do Brasil até os nossos dias nos mostra a: A) homogeneidade étnica na formação da sua cultura. B) formação de sociedades com culturas insignificantes. C) multiplicidade de hábitos e organizações sociais. D) falta de criatividade artística devido à mistura étnica. E) prevalência das relações harmoniosas com a natureza.

18 10) Com a chegada dos colonizadores, houve um encontro de culturas e muitos choques marcados pela violência e incompreensão dos significados diferentes das organizações sociais em confronto. Na época da chegada de Portugal ao Brasil e das primeiras décadas da colonização, os indígenas brasileiros. A) viviam em harmonia com a natureza, havendo uma grande homogeneidade entre seus grupos, impossibilitando a violência entre eles. B) consideravam as mulheres seres inferiores, razão por que eram afastadas dos trabalhos na agricultura e no artesanato. C) tinham uma cultura marcada pela oralidade, cultivando mandioca, milho, conhecendo o trabalho agrícola. D) foram parceiros dos portugueses em muitas atividades, aceitando, sem problemas, a catequese dos jesuítas. E) possuíam estruturas sociais semelhantes ao povo azteca, explorando já algumas riquezas minerais.

19 Os indígenas, no período da chegada dos colonizadores, já possuíam o desenvolvimento do trabalho agrícola com o cultivo do milho e da mandioca, utilizando-se da prática da coivara (queimada). A transmissão da cultura entre os povos era, em sua essência, oral.

20 11) As contribuições da cultura grega foram importantes para a formação do Ocidente e têm ressonâncias até a contemporaneidade. Um dos seus filósofos mais conhecidos, Platão, defendia o(a): A) fim da aristocracia política. B) instalação de governos democráticos. C) realismo no estudo da vida humana. D) aceitação da mitologia como verdadeira. E) existência do mundo das idéias.

21 O filósofo Platão defendia a teoria de que as coisas que nossos sentidos percebem seriam cópias imperfeitas do que chamamos de Mundo das Idéias, onde estariam os modelos idealizados do que vemos e pensamos aqui na Terra.

22 12) No Antigo Oriente Próximo, as religiões tiveram grande penetração na construção das sociedades. Entre os hebreus, a religião: A) era importante para manutenção da unidade cultural. B) foi significativa para justificar seus governos autoritários. C) ficou restrita à consolidação do poder dos seus sacerdotes. D) firmou-se, apenas, na fase monoteísta de forma superficial. E) tinha semelhanças com a dos persas pelo antropomorfismo.

23 13) A colonização portuguesa foi decisi­va para assegurar o domínio das terras sempre ameaçadas por outras potências europeias. Na gestão da colonização, a Igreja Católica ajudou o governo portu­guês, A) emprestando valores monetários para firmar a exploração na cana-de- açúcar. B) defendendo o uso de escravos até o século XVII, para depois lutar pela sua emancipação. C) ensinando concepções de mundo europeias, facilitando a dominação dos colonos no seu cotidiano. D) conseguindo convencer os índios, sem violência e opressão, de que era mensageira da salvação. E) deixando a política para Portugal do­minar, preocupando-se, apenas, com as questões culturais.

24 14) As dificuldades do feudalismo resultaram em mudanças na organização social e econômica da Europa. Essas mudanças: A) favoreceram o desenvolvimento de uma agricultura descentralizada, voltada para as colônias da América. B) trouxeram transformações na vida ur­bana, com renovações nas relações de trabalho. C) fortaleceram a nobreza e a Igreja Ca­tólica, donas dos grandes territórios agrí­colas da época. D) descentralizaram, mais ainda, a eco­nomia, com o fim imediato dos latifúndios e o crescimento rápido das cidades. E) refizeram os princípios culturais da época, provocando o surgimento de uma arte sem qualquer influência do catolicis­mo.

25 As principais características do Feudalismo: Economia: primária, de base agrícola, natural (à base de trocas) e de subsistência. Sociedade: rural, estamental (clero, nobreza e campesinato), baseada nos privilégios do nascimento, na imobilidade social e nas obrigações dos servos para com seus senhores. Política: poder descentralizado (sob os senhores feudais), local (os feudos são unidades autosuficientes), com laços de suserania e vassalagem (entre os nobres). Cultura: teocêntrica, com predomínio da Igreja Católica determinando o modo de vida da sociedade.

26 15) O tráfico negreiro paralisou o crescimento da população na África. No século XVII, a população africana equivalia à da Europa e representava manos menos da décima terceira parte da população mundial, segundo Maurice Halbwachs. Através do tráfico, o Brasil recebeu grandes contingentes de escravos africanos, que se distribuíram, no território, da seguinte forma: A) na produção do café, em São Paulo, desde o século XVII; a partir do século XVIII, na Bahia e em Pernambuco; B) os maiores contingentes de escravos africanos vieram para as áreas produtoras de açúcar, posteriormente para a região das minas e, só mais tarde, para São Paulo, na produção do café; C) para Minas, logo no início do século XVI; em seguida para o Espírito Santo, Pará e Alagoas, com a produção de açúcar e, por último, para Pernambuco e Bahia; D) na região algodoeira, onde o modo escravista de produção foi dominante e, em seguida, para a região da borracha; E) no Rio de Janeiro, com a vinda da família real e no Rio Grande do Sul, como mão de obra de uma agricultura de tipo familiar.

27 A esperança não murcha, ela não cansa, também como ela não sucumbe a crença. Vão-se sonhos nas asas da descrença, voltam sonhos nas asas da esperança. (Augusto dos Anjos)


Carregar ppt "01) Já se afirmou ser a Pré-História uma continuação da História Natural, havendo uma analogia entre a evolução orgânica e o progresso da cultura. Sobre."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google