A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Ana Valéria Dacielle Elvys Wagner Rinaldo Robenilson UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CURSO DE ESP. EM.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Ana Valéria Dacielle Elvys Wagner Rinaldo Robenilson UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CURSO DE ESP. EM."— Transcrição da apresentação:

1 EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Ana Valéria Dacielle Elvys Wagner Rinaldo Robenilson UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CURSO DE ESP. EM FUDAMENTOS DA MATEMÁTICA

2 Tendências Temáticas da Pesquisa em Educação Matemática

3 HISTÓRIA E TENDÊNCIAS TEMÁTICAS DA PESQUISA INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Segundo Kilpatrick (1994) 1. Processo ensino-aprendizagem da Matemática 2. Mudanças curriculares 3. Utilização de Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) no ensino e na aprendizagem da Matemática 4. Prática docente, crenças, concepções e saberes práticos; 5. Conhecimentos e formação/desenvolvimento profissional do professor; 6. Práticas de avaliação; 7. Contexto sociocultural e político do ensino- aprendizagem da Matemática;

4 1.Processo ensino-aprendizagem da Matemática Foco de pesquisa de conteúdos específicos da área Processo de contagem, sistema de numeração e as operações fundamentais de N, nas séries inicias. Outros enfoques Racionais, álgebra, geometria, estatística e probabilidade e cálculo diferencial e integral.

5 2. Mudanças curriculares Fatores que provocam as mudanças curriculares: 1.Pressões Sociais, econômicas e políticas 2.Utilização de novas tecnologias e novas aplicações no ensino da Matemática; 3.Os professores produzindo inovações curriculares que julgam necessário.

6 3. Utilização de Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) no ensino e na aprendizagem da Matemática As TICs permitem aos estudantes e professores a estudar temas tradicionais e aprofundamento; A comunidade da Educação Matemática estuda os prós e contras da utilização das TICs nas escolas, especialmente, nas salas de aula.

7 4. Prática docente, crenças/concepções e saberes práticos Até meados dos de 1970 as pesquisas em EM focalizavam mais a aprendizagem que o processo de ensino ou a prática docente em sala de aula. Década de 1980 os pesquisadores passaram a se interessar sobre como os professores manifestam seus conhecimentos e suas crenças no processo de ensino.

8 Thompson (1997) deu início às investigações sobre as concepções/crenças dos professores e sua prática pedagógica. Isso quer dizer que o conhecimento e as crenças dos professores se transformam continuamente afetando de modo significativo a forma como os professores organizam e ministram suas aulas.

9 5. Conhecimento e formação/desenvolvimento profissional do professor Baixos níveis de compreensão e domínio do conhecimento matemático a ser ensinado levam a investigações do tipo:  Professor principiante x professor experiente;  Aprimoramento da prática pedagógica do professor;  Estudo das crenças e concepções do professor;  Programas de formação continuada ou permanente.

10 A Avaliação do processo ensino-aprendizagem da Matemática tem sido muito pouco investigada pelos educadores matemáticos. 6. Práticas de Avaliação

11 7. Contexto sociocultural e político do ensino aprendizagem da Matemática Relação entre a cultura da Matemática escolar, a cultura matemática que o aluno traz para a escola e a cultura matemática produzida pelos trabalhadores (adultos e crianças trabalhadoras) ao realizar suas atividades profissionais. Etnomatemática – linha de investigação desenvolvida por Ubiratan D’Ambrosio.

12 ALGUMAS LINHAS INTERNACIONAIS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA  Resolução de problemas;  Informática, computadores e ensino- aprendizagem da Matemática;  Geometria;  Álgebra;  Desenvolvimento curricular

13 Metodologia da Investigação em Educação Matemática

14 Pesquisa Científica Pesquisa é a investigação feita com objetivo expresso de obter conhecimento específico e estruturado sobre um assunto preciso. Tem por objetivo descobrir algo novo ou mesmo explicar e esclarecer um fato que ainda não está muito claro pelas pessoas.

15 Pesquisa de Campo ou de Laboratório PROBLEMAS RESULTADOSRESULTADOS Coleta/ organização de documentos e tratamento analítico de informações Coleta e análise de dados/material empírico ou experimental CONCLUSÕES Pesquisa Teórica ou Bibliográfica QUESTÃO Estrutura de uma investigação O que diz a literatura ou realidade X O que inquieta o pesquisador Prática Profissional Área de Conhecimento Desenvolvimento profissional do pesquisador Sustentação teórica e epistemológica

16 Algumas modalidades de pesquisa Modalidades de pesquisa segundo os objetivos da investigação A pesquisa pode assumir uma perspectiva: # Teórica # Exploratória (diagnóstica) # Descritiva # Explicativa.

17 Quando tem por objetivo a (re)construção e desenvolvimento de teorias, conceitos, idéias, ideologias, polêmica, tendo como ponto de vista aprimorar fundamentos teóricos ou desenvolver quadros de referência (DEMO, 2000, p. 20) Perspectiva Teórica

18 Diante de uma problemática ainda pouco conhecida, resolve realizar um estudo com o intuito de obter informações ou dados mais esclarecedores e consistentes sobre ela. Perspectiva Exploratória (diagnóstica)

19 Quando o pesquisador deseja descrever ou caracterizar com detalhes uma situação, um fenômeno ou um problema. Perspectiva Descritiva Perspectiva Explicativa Quando o pesquisador procura explicitar as causas dos problemas ou fenômenos, isto é, busca o porquê das coisas.

20 A pesquisa pode assumir 3 modalidades: # Histórica (bibliográfica) # Experimental (laboratório) # Naturalista (campo) Modalidades de pesquisa segundo o processo de coleta de dados

21 A pesquisa na perspectiva dos professores escolares  O modo de produção de conhecimentos (ou de investigação) do professor pode ser diferente do modo como os cientistas ou acadêmicos procedem?  Haveria um caminho diferente ou o que muda é o modo de caminha em busca do conhecimento?

22 Como educador, o objetivo do professor é desenvolver uma prática pedagógica invadora matemática (exploratória, investigativa, problematizadora, etc) que eficaz possível do ponto de vista da educação/formação dos alunos.

23 Enquanto que como pesquisador o objetivo é sistematizar, analisar e compreender como acontece esse processo educativo dos alunos ou quais os limites e as potencialidades didático- pedagógicas dessa prática inovadora.

24 Ser professor-pesquisador configura-se como uma opção profissional. Opção essa que exige do investigador envolvimento, tempo para se dedicar a esse tipo de empreendimento, paixão, investimento intelectual e emocional e muita disciplina e cuidado na coleta e tratamento de informações.

25 Fases da pesquisa 1ª fase: Planejamento – momento que compreende a fase exploratória e preparatória da pesquisa. 2ª fase: Coleta de dados – momento de constituir o material de análise do estudo.

26 3ª fase: Análise – momento em que o pesquisador tenta organizar, sistematizar e tratar interpretativa e analiticamente os dados e informações. 4ª fase: Elaboração do relatório final da pesquisa – momento em que o pesquisador tenta descrever o processo desenvolvido, apresenta os principais resultados e produz as conclusões.


Carregar ppt "EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Ana Valéria Dacielle Elvys Wagner Rinaldo Robenilson UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CURSO DE ESP. EM."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google