A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ENGENHARIA DE CONHECIMENTO: PRINCÍPIOS E MÉTODOS

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ENGENHARIA DE CONHECIMENTO: PRINCÍPIOS E MÉTODOS"— Transcrição da apresentação:

1 ENGENHARIA DE CONHECIMENTO: PRINCÍPIOS E MÉTODOS
“Knowledge Engineering: Principles and Methods” Autores: Rudi Studer, V.Richard Benjamins and Dieter Fensel Disciplina: DAS 6607 – Prof. Guilherme Bittencourt Alunos: Ronny A. Caytano Terán Dalvir Maguerroski

2 Introdução Nos inícios da pesquisa sobre Inteligência Artificial (AI) foi focalizado no desenvolvimento de formalismos, mecanismos de inferência e ferramentas para operar Sistemas Baseados em conhecimento (Knowledge-Based Systems - KBSs). Os esforços do desenvolvimento foram restringidos à realização de KBSs pequeno a fim de estudar a praticabilidade das diferentes aproximações. Embora estes estudos ofereceram resultados prometedores, A transferência desta tecnologia no uso comercial a fim de construir KBSs grandes falhou em muitos casos. Nos últimos anos, a KE tem buscado métodos e ferramentas adequados para construir KBSs em um modo sistemático e controlável. A pesquisa nesta área tem resultado em grandes avanços com respeito a estruturação de modelos de conhecimento, bem como a construção e reuso desses modelos. Mais recentemente , modelos de conhecimento de KBSs estão sendo bastante discutidos, pois o conhecimento está sendo identificado como um dos principais fatores de produção nas instituições , além de trabalho e capital. KBSs podem ser compreendidos como sistemas de computador que lidam com problemas complexos fazendo uso de conhecimento. (Este conhecimento pode ser adquirido de humanos ou automaticamente derivado com técnicas de raciocínio). 21-Ago-2006

3 Engenharia de conhecimento (KE)
O objetivo desta disciplina é fazer o processo de construir KBSs de uma arte em uma disciplina da engenharia, de uma maneira sistemática e controlável. Isto requer o análises do processo de construção, manutenção e desenvolvimento de métodos apropriados, de línguas, e de ferramentas especializadas para desenvolver KBSs. O objetivo da KE é similar ao objetivo da Engenharia de Software construir sistemas de uma maneira controlável. 21-Ago-2006

4 Processo de transferência
Onde o conhecimento humano era transferido para uma base de conhecimento. Esta transferência foi baseada na suposição que o conhecimento que é requerido pelo KBSs já existe e apenas tem que ser coletado e implementado. Este conhecimento foi implementado em algum tipo de regras de produção que foram executadas por um intérprete de regras associado. Nos anos 80 o desenvolvimento de KBSs era visto como um processo de transferência. Este conhecimento era obtido por uma estrutura de entrevista a um experto para resolver uma tarefa especifica. Esse conhecimento era, e ainda é implementado em alguma linguagem de representação tal como (regras, frames, lisp, etc. considerara tanto compreensíveis tanto para humanos quanto para computadores. 21-Ago-2006

5 Processo de transferência
Uma análise cuidadosa das várias regras mostrou que: Diferentes tipos de conhecimento são representados de maneira uniforme. Alguns tipos de conhecimento não são representados. Nível de detalhe é muito alto para o modelo conceptual. A descrição do problema em si é constantemente misturada com aspectos de implementação. Conseqüentemente, esta aproximação de transferência era somente praticável para o desenvolvimento de sistemas pequenos e protótipos, mas fracassou no desenvolvimento de bases de conhecimento grandes. 21-Ago-2006

6 Processo de transferência
Além disso, A aquisição de conhecimentos de fontes de conhecimento previamente existentes, como proposto pelo processo de transferência, não permite modelar de forma adequada a importância de conhecimento tácito, para as capacidades de solução de problemas de especialistas humanos. Para tentar modelar algumas destas capacidades, a recente visão da KE tem sido compreendida como um processo de modelagem. 21-Ago-2006

7 Processo de modelagem O conhecimento é modelado de forma independente de aspectos de implementação, permitindo implementar e modelar explicitamente diferentes tipos de conhecimentos na solução de um problemas comparáveis com um experto humano. Isto no intenta criar modelo exato de conhecimento para simular o processo cognitivo para um experto em geral, pero sim criar um modelo que tenha resultados similares na solução de um problema, para um problema na área de interesse. Dessa forma, um engenheiro de conhecimento desenvolve um KBSs especificando e detalhando um conjunto de modelos que buscam realizar as capacidades de solução de problemas comparáveis as de um especialista humano. Por tanto o processo de aquisição de conhecimento, bem como o desenvolvimento de KBSs como um todo, pode ser sintetizado como um processo de construção de modelos. 21-Ago-2006

8 Caracterização do processo de modelagem
Como todo modelo o conjunto de modelos de conhecimento é somente uma aproximação da realidade. O processo de modelagem é um processo cíclico. O processo de modelagem é dependente de interpretações, muitas vezes subjetivas, do engenheiro de conhecimento. 2: Processo cíclico: onde novas observações sobre a realidade podem levar a refinamentos ou modificações dos modelos construídos. 3: Dessa forma, tal processo está sujeito a falhas, requerendo uma avaliação dos modelos com respeito a realidade. A focalização da KE como um processo de modelagem foi principalmente estruturada a partir do conceito de nível de conhecimento (Knowledge Level KL) Segundo esse conceito, a descrição do processo de solução de problemas deve de ser especificada em termos de objetivos a serem alcançados, ações necessárias para alcançar esses objetivos e conhecimento necessário para executar essas ações. 21-Ago-2006

9 Método de solução de problemas ( Problem- Solution Method-PSMs)
Clancey: Abstraiu este comportamento comum a um padrão genérico de inferência chamado Classificação Heurística, que descrevem o comportamento na solução do problema deste sistema um nível abstrato, chamado Nível de Conhecimento (Knowledge Level – KL). Descrição de processo de solução de problemas deve de ser especificada em termos de: Objetivos. Ações. Conhecimento necessário. Clancey: Usando diferentes formalismos de representação (Regras de produção, Frames, LISP). Descobriu um comportamento comum na solução de problemas. Segundo esse conceito, a descrição do processo de solução de problemas deve de ser especificada em termos de objetivos a serem alcançados, ações necessárias para alcançar esses objetivos e conhecimento necessário para executar essas ações. Nesse nível de abstração, a discussão envolve a analise de qual conhecimento é necessário para executar uma tarefa e como o conhecimento pode ser usado. Esta noção tem como objetivo o desenvolvimento de modelos de conhecimento e raciocínio reusáveis entre diferentes domínios e tarefas. O primeiro PSM proposto no literatura foi o PSM classificação Heurística, a figura apresenta a descrição do processo de solução de problemas do PSM HC. Tal descrição está especificada como uma estrutura de inferência. Em resumo uma estrutura de inferência modela todos os caminhos possíveis de solução de um problema, mas não indica uma estratégia de solução particular. 21-Ago-2006

10 Método de solução de problemas (PSMs) Classificação Heurística
Confrontar Heurístico Solução abstrata ou Hipóteses Abstração de dados Abstrair Especificar Um PSM pode ser caracterizado por: 1: Especifica que tipo de ação de inferência tem que ser realizada para resolver uma tarefa dada. 2: Determina a seqüência na qual estas ações podem ser ativadas. 3: Função de conhecimento determina que função de domínio de conhecimento joga em cada ação de inferência, isto também define um domínio de terminologia. O detalhamento de um PSM envolve descobrir um comportamento de solução de problema comum a uma classe de problemas e abstrair esse comportamento em um padrão de inferência genérico em diferentes domínios. Uma estrutura de inferência modela todos o caminhos possíveis de solução de um problema, mas não indica uma estratégia de solução particular, O PSM é descrito por 4 papeis de conhecimento e 3 passos de inferência. O PSM HC é descrito por 4 papeis de conhecimento e 3 passos de inferência. (um passo de abstração de dados (abstrair) que abstrai valores concretos como por exemplo “Temperatura=40C para valores abstratos de dados como febre alta, um casamento de padrões (confrontar heurístico que usa a descrição abstrata dos dado para heuristicamente estabelecer possíveis classe de hipóteses, como exemplo “clases de doenças, Um passo de especificação que encontra soluções por discriminação, por exemplo “gripe” a partir de esta classe de hipoteses. Dados Soluções Papel de conhecimento. Ação de inferência. Fluxo de dados e conhecimento. 21-Ago-2006

11 Métodos de desenvolvimento de KBSs
Método de limitação de papeis (RLM). Tarefas genéricas (GT). CommonKADS. Mike. Protégé – II. 21-Ago-2006

12 Método de limitação de papeis (Role Limiting Methods - RLM)
O RLM pode ser caracterizado como uma ferramenta (Shell) de desenvolvimento de KBSs. Onde esta ferramenta contem a implementação de um PSM específico. A estrutura predefinida de base de conhecimento de enfoque RLM pode ser usada para orientar o processo de aquisição de conhecimento, pois o tipos de conhecimento que dedem ser fornecidos pelo especialista de domínio são especificados apriori. Primeira tentativa de suportar o desenvolvimento de KBSs explorando a noção de PSMs reusáveis. Somente esse PSM pode ser usado na solução de diferentes tipos de tarefas, as quais o PSM implementado está apto a resolver. Porem, em situações reais, é difícil determinar se uma tarefa particular pode ser resolvida usando um RLM. Alem disso, o enfoque RLM tem uma estrutura fixa, não fornecendo uma base adequada para casos onde uma tarefa particular é resolvida pela combinação de vários PSMs. 21-Ago-2006

13 Método de limitação de papeis configurável (CRLM)
UM PSM complexo pode ser decomposto em varias subtarefas, estas podem ser resolvidas por métodos alternativos. Como tarefas podem possuir subtarefas em comum. CRLM disponibiliza um conjunto pré-definido de diferentes métodos para resolver diferentes subtarefas (pode ser configurado pela seleção de um método para cada subtarefa identificada). Para tornar mais flexivel, o conceito de RLM configurável foi adotado. O enfoque CRLM disponiviliza meios de configurar a ferramenta CRLM para diferentes tipos de tarefas. Essa ferramenta contem um esquema fixo de tipos de conhecimento, onde este pode ser estendido/modificado para permitir a introdução de um novo metodo. 21-Ago-2006

14 Tarefas Genéricas (Generic Task - GT)
São blocos de desenvolvimento que podem ser reutilizados para a construção de KBSs. Uma GT é associada com uma descrição genérica de suas entradas e saídas. Uma GT tem um esquema fixo de tipos de conhecimento especificando a estrutura de conhecimento de domínio necessária para resolver uma tarefa. Uma GT inclui uma estratégia de solução de problema detalhando passos de inferência bem como uma seqüência em que esses passos devem ser executados. Nos anos 80 o analises e construção de varios KBSs para diagnostico e desenho de tarefas desenvolvei a noção de GT. A idéia dessa abordagem de KE pode ser sintetizada como: 21-Ago-2006

15 Tarefas Genéricas - GT Portanto, uma GT contem uma estratégia de solução de problemas e uma coleção de estruturas de conhecimento fixas. Alem disso, uma ferramenta genérica denominada arquiteturas especifica de tarefa pode implementar KBS específico como instancia de tipos de conhecimento pré-definidos, utilizando termos específicos de domínio. Esse enfoque é baseado na hipóteses de que a estrutura e representação de conhecimento de domínio é completamente determinada pelo seu uso. Porém esta abordagem apresenta algumas desvantagens, pois a noção de tarefa se confunde com a do PSM usado para resolver a tarefa, visto que cada GT inclui uma estratégia de solução de problemas pre-finidas. 21-Ago-2006

16 Classificação Estatística
Estrutura de tarefa Diagnóstico Arvore de Decisão Classificação Estatística Arvore de Decisão Baseado nessa desventagem, enfoque donominado estrutura de tarefa foi proposto, esta estrutura distingue uma tarefa, que é usada para referir um tipo de problema , de PSM, que é o modo de atender uma tarefa. Abstrair Refinar Confrontar Tarefa / Subtarefa. Método de solução de problemas (PSM). 21-Ago-2006

17 CommonKADS Propõe a construção de um conjunto de modelos, onde cada modelo captura deferentes aspectos do KBS, bem como seu ambiente. Essa metodologia é composta pelos modelos descritos a seguir: 21-Ago-2006

18 Modelo de conhecimento. Modelo de projeto.
CommonKADS Modelo de organização. Modelo de tarefa. Modelo de agente. Modelo de comunicação. Modelo de conhecimento. Modelo de projeto. Modelo de organização: permite identificar características de uma organização, no sentido de identificar problemas e oportunidades para KBSs, bem como os impactos de uso explicito de conhecimento. A partir disso e possível identificar melhorias que podem ser obtidas como a introdução de KBSs. Modelo de tarefa: identifica a estrutura global de tarefa, suas entradas e saídas, precondições e critérios de eficiência. Bem como os recursos e competências requeridos. Modelo agente: especifica as capacidades de cada agente (considerados executores de tarefas) envolvidos na execução de uma tarefa. Em geral, agentes podem ser humanos, sistemas oi qualquer outra entidade capaz de executar uma tarefa. Modelo de comunicação: Especifica as interações entre os diferentes agentes envolvidos na execução de uma tarefa. ( como tipos de informação entre agentes) Modelo de conhecimento: é fundamentado em diferentes tipos de conhecimento, conhecimento de tarefa, de inferência e de domínio. Esses tipos de conhecimentos são organizados em diferentes camadas . Modelo de projeto: apresenta uma especificação técnica para o sistema, descrita em termos de arquitetura, plataforma de implementação e outros mecanismos computacionais necessários para implementar a funcionalidade requerida.. 21-Ago-2006

19 Modelo de conhecimento
Tem três camada, onde cada uma representa uma categoria de conhecimento: Conhecimento de tarefa: descreve os objetivos de uma aplicação, e como podem ser satisfeitos através de uma decomposição. Conhecimento de inferência: um exemplo de inferências podem ser: estabelecer relações entre sintomas e doenças, verificar a existência de exames para as doenças. Conhecimento de dominio: permite especificar os tipos de informação e o conhecimento da aplicação que podem ser utilizados. Essa divisão tem como objetivo viabilizar algum tipo de reuso do modelo de conhecimento. 21-Ago-2006

20 Model-Based and incremental knowledge Engineering - MIKE
Engenharia de Conhecimento Incremental e Baseada em Modelo - MIKE Fornece um método de desenvolvimento de KBSs com o objetivo de integrar técnicas de especificação semi-formal, formal e prototipação em um estrutura de KE. A integração de prototipação e suporte para um processo de desenvolvimento integral e reversivel em uma estrutura baseada em modelos é a principal distinção entre MIKE e CommonKADS: Mike utiliza o modelo de conhecimento de KADs como um padrão de modelo. 21-Ago-2006

21 Elicitação Especialista Interpretação Formalização Operacionalização
Protocolos de conhecimento Interpretação KBS Modelo de estrutura Formalização Operacionalização Implementação O processo de desenvolvimento de MIKE pode ser sintetizado pelas seguintes atividades: Eliciação: envolve a aquisição de conhecimento, basicamente realizada com técnicas de entrevistas estruturadas, como resultado dessa o conhecimento e expresso em linguagem natural, assim denominados de protocolos de conhecimento. Interpretação: representa o protocolos de conhecimento em uma especificação semi-formal de modelo de conhecimento denominada de modelo de estrutura. Formalização: é aplicada sobre o modelo de estrutura, resultando em um modelo de conhecimento formal. O modelo KARL. Projeto: envolve detalhar os requisitos funcionais especificados segundo aspectos computacionais tais como: eficiências e facilidade de manutenção entre outros. Implementação: por fin implementar o KBS em um ambiente de software e hardware. O processo inteiro é executado em um ciclo de desenvolvimento, onde cada ciclo produz um protótipo de KBS, o qual já pode ser avaliado. O resultado das avaliações podem então ser usados nos proximos ciclos para corrigir, modificar ou entender o portotipo corrente. Dessa forma mike pode ser considerado restrito a modelagem de um KBS sob desenvolvimento. Esse conjunto de relacionamento permitem preservar a estrutura do modelo de conhecimento durante a fase de projeto do KBS. Modelo KARL Projeto Modelo de projeto Atividade Avaliação Documentar 21-Ago-2006

22 PROTÉGÉ - II O principal objetivo do enfoque PROTÉGÉ-II é o desenvolvimento de KBSs pelo reuso de PSMs e ontologias. PROTÉGÉ-II está baseado em uma estrutura de decomposição de tarefa-métodos, onde uma tarefa é decomposta em subtarefas pela aplicação dos métodos. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

23 Ontologias em PROTÉGÉ - II
Método de entrada Método de solução de problemas (PSMs) Método de saída Ontologia de Método Ontologias de Método Fornece a definição dos conceitos e relações relevantes usados na especificação de um processo de raciocínio destinado a resolver uma tarefa. Corresponde a uma terminologia genérica como descrita nos papeis de conhecimento de um PMS. Ontologias de Domínio Onde algum conhecimento de senso comum de um domínio pode ser definido. Ontologia de Aplicação Contem o conhecimento necessário para modelar uma aplicação particular. Estas ontologias estendem ontologias de domínio com conceitos e relacionamentos específicos de PSMs, assim viabilizando o mapeamento de uma ontologia de domínio para uma ontologia de método. Ontologia de Domínio Ontologia de Aplicação 21-Ago-2006

24 Especificações em Engenharia de Conhecimento
Conhecimento requerido pelo sistema; Processo do raciocínio que usa este conhecimento resolver a tarefa que é atribuída ao sistema; Abstração da execução detalha; Documentação associada; Necessidade geral para uma linguagem de especificações para KBSs (convergência) => importância atual e futura. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

25 Necessidade de aprimoramento Anos 80
O conhecimento foi codificado diretamente usando linguagens de execução baseado em regras ou sistemas baseados em frames. “A suposição (implícita) era que estes formalismos da representação seriam adequados para expressar o conhecimento, o raciocínio, e a funcionalidade de um KBS de em uma maneira que fosse compreensível para seres humanos e para computadores.” Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

26 Problemas Observados Os tipos diferentes de conhecimento foram representados uniformemente; Tipos de conhecimento não foram apresentados explicitamente; O nível de detalhamento era elevado apresentar modelos abstratos do KBS; Aspectos de conhecimento confundidos ou misturados com aspectos da execução. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

27 Aproximações KADS e de CommonKADS Introdução do conceitual (“Expertise Model”) para descrever KBSs em um sumário e em um nível do independente da execução, o qual distingue os diferentes tipos de conhecimento camadas e fornece-os para cada tipo primitivos diferentes do conhecimento (slide 19); Algumas aproximações visam formalização e operacionalização. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

28 A essência das linguagens de especificações - KBS
A maior parte das linguagens emprega um modelo conceitual forte para estruturar as especificações. Isto reflete o fato que estas línguas motivadas pelo formalismo de notações para descrever KBS. Estas Linguagens oferecem mais do que apenas uma notação matemática para definir um programa de computador, mas também o relacionamento do input-output. Raciocínio dinâmico do KBS porque estabelece uma parte significativa da “Expertise” requerida por tais sistemas. KBS usa um corpo grande do conhecimento. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

29 Formalismo de um Modelo Conceitual
Os objetivos e os processos para consegui-los; A funcionalidade das ações de inferência; A semântica precisa dos elementos, diferentes do conhecimento do domínio; Clareza e precisão. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

30 Especificação do Raciocínio
Interação como usuário; Projeto de execução – funcionabilidade; Aquisição do conhecimento sobre que solução para um problema dado => saber como derivar tal solução em uma maneira eficiente; Além, o nível do símbolo tem que fornecer uma descrição de soluções e de estruturas de dados algorítmicas eficientes para executar um programa de computador de forma eficiente. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

31 PSM – Problem Solving Methods Métodos de Soluções Problemas
Descrevem o processo de raciocínio de um KBS de forma independente da implementação e domínio; Componentes de raciocínio com comportamento que permitem reutilizações em aplicações; Expressa de modo abstrato e independente de implementação, a forma de que uma inferência deve acontecer como um padrão de raciocínio reusável entre domínios. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

32 Seleção do PSM Se suas exigências no conhecimento do domínio não forem cumpridas; Se não puder entregar o que a tarefa requer, isto é, se sua competência ou funcionalidade não forem suficientes para a tarefa. Nós podemos supor que estão cumpridas ou para adquirir o conhecimento extra do domínio, e aplicamos ao PSM; Se a competência do PSM não for suficiente para que a tarefa seja realizada, nós podemos enfraquecer a tarefa de tal maneira que o PSM entregue a exigência da tarefa. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

33 Ex. Biblioteca do CommonKADS
• A dimensão do tamanho. A biblioteca geral a mais detalhada é o CommonKADS biblioteca que contêm PSM para o diagnóstico, predição do comportamento, a avaliação, projeto, planejamento, atribuição e programar e projetar modelar. O a maioria a biblioteca extensiva para o diagnóstico contem 38 PSM para realizar 14 tarefas relacionadas a diagnóstico Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

34 Declaração X Especificações Operacionais dos PSM’s
Estilo operacional => decomposição de uma tarefa em sub tarefas, fluxos de dados e papéis do conhecimento e um controle de execução (Entretanto, do ponto de vista reusar estes não são os aspectos os mais importantes). Os aspectos principais decidem-se a aplicabilidade de um PSM. Se o método é capaz de conseguir o objetivo da tarefa e se o conhecimento do domínio requerido pelo o método está disponível. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

35 Ontologias - KSB Conhecimento: processamento e representação e Linguagem. Informação inteligente, integração, recuperação de informação e gerência do conhecimento. Compreensão compartilhada e comum de algum domínio que possa ser comunicada através dos povos e dos computadores. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

36 Ontologia (definições)
Ontologia: Especificação de uma conceitualização; “Uma ontologia é uma especificação explícita e formal de uma conceitualização compartilhada” [Studer et al 98]; Especificação explícita: definições declarativas de conceitos, instâncias, relações, restrições e axiomas; Formal: declarativamente definida, sendo compreensível e manipulável para agentes e sistemas; Conceitualização: modelo abstrato de uma área de conhecimento ou de um universo limitado de discurso; Compartilhada: conhecimento consensual, seja uma terminologia comum da área modelada, ou acordada entre os desenvolvedores dos agentes que se comunicam. (aula GB – Julho/2006) Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

37 Ontologia nos KSB’s Construção do modelo do domínio e do problema a resolver; Termos, significados, relações e limitações; Tipos: Genérica, do domínio, aplicações, representações e do Método(PSM). Compromisso Ontológico => Termos definidos estarão sendo aplicados nos KSB’s. Ferramentas e Ontolínguas. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

38 Considerações Separação clara dos tipos diferentes de conhecimento;
Modelo de perícia; Tarefa e método de solução do problema; Reuso e compartilhamento; Integração de fontes de informações parcialmente incompatíveis; Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

39 Considerações Gerência do Conhecimento
A gerência do conhecimento requer aproximação interdisciplinar incluindo a sustentação tecnológica, mas também a gerência de recurso humano. Um aspecto técnico central da gerência do conhecimento é a construção e a manutenção de uma Memória Organizacional como meio para a conservação,, a distribuição e reuso do conhecimento. Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. 21-Ago-2006

40 Outras Referências: Disciplina IA Obrigado rcaytano@gmail.com
Esta estrutura de decomposição é refinada até um nivel no qual metodos primitivos são usadas para resolver subtarefa. Obrigado 21-Ago-2006


Carregar ppt "ENGENHARIA DE CONHECIMENTO: PRINCÍPIOS E MÉTODOS"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google