A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TERAPIA COMUNITÁRIA: UMA PRÁTICA A SERVIÇO DA SAÚDE E DIGNIDADE DA PESSOA Marilene Grandesso INTERFACI /NUFAC 2009 70o Fórum do Comitê Paulista para a.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TERAPIA COMUNITÁRIA: UMA PRÁTICA A SERVIÇO DA SAÚDE E DIGNIDADE DA PESSOA Marilene Grandesso INTERFACI /NUFAC 2009 70o Fórum do Comitê Paulista para a."— Transcrição da apresentação:

1 TERAPIA COMUNITÁRIA: UMA PRÁTICA A SERVIÇO DA SAÚDE E DIGNIDADE DA PESSOA Marilene Grandesso INTERFACI /NUFAC o Fórum do Comitê Paulista para a Década da Cultura de Paz parceria UNESCO – Palas Athena

2 COMO SURGIU?

3 3Marilene Grandesso INTERFACI - br A HISTÓRIA DE UMA PRÁTICA Adalberto Barreto Airton Barreto CRIADORES INÍCIO – 1987 LOCAL – COMUNIDADE 4 VARAS APOIOS – Associação dos Direitos Humanos do Pirambu Pró-reitoria de Extensão e Dep. de Saúde Comunitária da UFC

4 O CONTEXTO GERADOR Intenso movimento migratório do sertão para a cidade de Fortaleza Bolsões de pobreza e miséria Dificuldades para moradia, trabalho e sobrevivência em geral Problemas de saúde / Consumo de drogas e suicídios Falta de acesso aos serviços de atenção à saúde

5 5 PRÁTICAS DE TERAPIA EM CONTEXTOS PÚBLICOS E NÃO CONVENCIONAIS TC – CONTEXTO GERADOR

6 6Marilene Grandesso INTERFACI - br Modelo da dependência para a autonomia Modelo da dependência para a autonomia Informação da concentração para a circulação = empoderamento Informação da concentração para a circulação = empoderamento Valorização do saber adquirido pelo vivido Valorização do saber adquirido pelo vivido Resgate de valores culturais – multicultura brasileira Resgate de valores culturais – multicultura brasileira Ênfase nas competências - pessoas e comunidades Ênfase nas competências - pessoas e comunidades Alcance - sistemas amplos Alcance - sistemas amplos QUESTÕES NORTEADORAS

7 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI 7 O QUE É A TERAPIA COMUNITÁRIA? UMA PRÁTICA QUE POSSIBILITA A CRIAÇÃO DE REDES SOLIDÁRIAS MOBILIZANDO OS RECURSOS E COMPETÊNCIAS DAS PESSOAS DAS FAMÍLIAS E COMUNIDADES, SUCITANDO A DIMENSÃO TERAPÊUTICA DO GRUPO

8 8Marilene Grandesso INTERFACI - br TERAPIA COMUNITÁRIA DO MODELO DO SALVADOR DA PÁTRIA, FUNDAMENTADO NOS DÉFICITS AO MODELO SISTÊMICO BASEADO NAS COMPETÊNCIAS

9 Organizador da conversação, um especialista na organização do processo terapêutico Facilitador das trocas de experiências vividas – dos dilemas e sofrimentos às competências e aprendizados - formas descobertas pelas pessoas para transformar sofrimento em aprendizado Diferentes atores sociais como terapeutas comunitários incluindo lideranças e agentes comunitários de saúde

10 Marilene Grandesso10 TERAPEUTA COMUNITÁRIO catalisador das soluções emergentes da comunidade garimpeiro de recursos Promotor de vínculos sociais e valorização da identidade cultural e da multicultura brasileira

11 TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA SISTÊMICA Pensamento sistêmico Teoria da Comunicação Antropologia cultural Pedagogia de Paulo Freire Enfoque Narrativo Resiliência Pilares teóricos:

12 Capacitação – 360 horas – teoria / prática de TC / vivencias e intervisões

13 INTERFACI – PÓLO FORMADOR EM TC (11) Mais informações 31 pólos formadores Teia Paulistana – 12 pólos

14 14 Estruturada em etapas AC OLHIMENTO ESCOLHA DO TEMA CONTEXTUALIZAÇÃO PROBLEMATIZAÇÃO RITUAIS DE AGREGAÇÃO APRECIAÇÃO MOTE REGRAS

15 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI 15 NÃO REQUER UM CONTEXTO FÍSICO DAS SALAS DE TERAPIA TRADICIONAIS PODE SER REALIZADO EM ESPAÇOS PÚBLICOS E NOS LOCAIS ONDE AS PESSOAS VIVEM OU FREQUENTAM Parques / clubes / salas de espera de ambulatórios / ginásios desportivos / salas de aula / igrejas / cadeias / presídios / anfiteatros

16 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI 16

17 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI 17

18 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI 18

19 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI 19

20 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI 20

21 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI 21 Distintas populações Diferentes níveis sócio-econômicos e culturais Diferentes faixas etárias

22 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI 22 CADA SESSÃO CARACTERIZA-SE COMO UM ATO TERAPÊUTICO - não requer continuidade das mesmas pessoas CONTINUIDADE DAS SESSÕES CARACTERIZA- SE COMO UM PROCESSO TERAPÊUTICO PARA O GRUPO DA COMUNIDADE -Criação de vínculos e redes sociais - Inclusão social e fortalecimento da auto-estima

23 Marilene Grandesso23 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE DE INDIGNAR-SE DIANTE DO SOFRIMENTO E DE CONDIÇÕES DE VIDA AVILTANTES RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS E TRANSFORMAÇÃO DA EXPERIÊNCIA EM APRENDIZADO FAVORECE A AUTONOMIA AO CRIAR UM CONTEXTO REFLEXIVO

24 Marilene Grandesso24 INCENTIVO E PROMOÇÃO DE REDES SOLIDÁRIAS PROMOÇÃO DA INCLUSÃO SOCIAL

25 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI 25 INDIVÍDUO FAMÍLIA COMUNIDADE TERAPIA DA COMUNIDADE A PARTIR DOS PROBLEMAS DO INDIVÍDUO

26 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI Idosos Terapeuta – Marilene Grandesso Co-terapeuta – Liz Verônica Luisi TC-violeira – Tereza Celestino

27 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI idosos Terapeuta – Marilene Grandesso Co-terapeuta – Liz Verônica V. Luisi TC-violeira – Tereza Celestino

28 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI idosos Terapeuta – Marilene Grandesso Co-terapeuta – Liz Verônica V. Luisi TC-violeira – Tereza Celestino

29 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI policiais Terapeuta – Marilene Grandesso Co-terapeuta – Ceneide Cerveny TC-violeira – Tereza Celestino

30 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI policiais Terapeuta – Marilene Grandesso Co-terapeuta – Ceneide Cerveny TC-violeira – Tereza Celestino

31 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI 31 Terapeuta – Marilene Grandesso Co-terapeuta – Ceneide Cerveny TC-violeira – Tereza Celestino

32 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI policiais Terapeuta – Marilene Grandesso Co-terapeuta – Ceneide Cerveny TC-violeira – Tereza Celestino

33 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI policiais femininas Terapeuta – Marilene Grandesso Co-terapeuta – Ceneide Cerveny TC-violeira – Tereza Celestino Cantor - Mário

34 Marilene Grandesso NUFAC-PUC / INTERFACI policiais femininas Terapeuta – Marilene Grandesso Co-terapeuta – Ceneide Cerveny TC-violeira – Tereza Celestino Cantor - Mário

35 TERAPIA COMUNITÁRIA COMO POLÍTICA PÚBLICA

36 COINVÊNIO COM O MINISTÉRIO DA SAÚDE terapeutas capacitados: 86,8% sexo feminino 45% ACS 55% médicos / psicólogos / odontólogos / enfermeiros / terapeutas ocupacionais 124 municípios - 5 regiões 7943 Rodas de Terapia pessoas atendidasERATER

37 TEMAS MAIS FREQUENTES 1.Conflitos familiares 2.Estresse 3.Abandono e rejeição 4.Depressão 5.Problemas com álcool e outras drogas 6.Violência

38 Temas Escolhidos Raiva, paixão, ansiedade pela privação de liberdade, injustiça, confiança, medo de não mudar de vida, medo de não conseguir parar com as drogas, como alcançar os sonhos, perda de familiares, morte, ausência da família, amor, medo do futuro, saudades de pessoas queridas, culpa pela situação de confinamento, arrependimento e descriminação sexual.

39 Aprendizado Força para mudar, união, confiança, amizades, alegria, brincadeiras, alívio por compartilhar, agir mais pela razão do que pela emoção, paz, não desistir dos sonhos, aprender a expressar emoções, esperança, Fé, amor, dialogar... (Adolescentes privados de liberdade)

40

41 Nesse lugar de encontro que a Terapia comunitária promove, aproveitando as idéias de Paulo Freire, não há ignorantes, nem sábios absolutos: há homens que em comunhão buscam saber mais. (FREIRE, 1983, p.95).

42 INTERFACI PÓLO FORMADOR EM TC OBRIGADA !


Carregar ppt "TERAPIA COMUNITÁRIA: UMA PRÁTICA A SERVIÇO DA SAÚDE E DIGNIDADE DA PESSOA Marilene Grandesso INTERFACI /NUFAC 2009 70o Fórum do Comitê Paulista para a."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google