A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Dinâmica de íons em canais transmembranares Franco Valduga de Almeida Camargo, Yan Levin, Alexandre Diehl Grupo Fluidos Complexos, Inst. de Física, UFRGS,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Dinâmica de íons em canais transmembranares Franco Valduga de Almeida Camargo, Yan Levin, Alexandre Diehl Grupo Fluidos Complexos, Inst. de Física, UFRGS,"— Transcrição da apresentação:

1 Dinâmica de íons em canais transmembranares Franco Valduga de Almeida Camargo, Yan Levin, Alexandre Diehl Grupo Fluidos Complexos, Inst. de Física, UFRGS, Porto Alegre - Brasil Introdução Canais iônicos usualmente conduzem milhares de íons em poucos milisegundos. No entanto, como a constante dielétrica da membrana celular é em torno de 40 vezes menor que a da água e o canal é muito fino, a barreira eletrostática encontrada por um único íon para atravessar o canal é proibitivamente grande. Surge então a pergunta sobre o que possibilita aos canais iônicos uma condutividade tão alta. Representação molecular do modelo atômico para o canal KcsA em uma membrana fosfolipídica em uma solução aquosa de KCl a 150 mM [2]. Condutividade Potencial de interação Referências [1] KUYUCAK, S.; ANDERSEN, O. S.; CHUNG, S. H. Rep. Prog. Phys. 64 (2001) [2] BERNÈCHE, S.; ROUX, B. Nature 414 (2001) 73. [3] LEVIN, Y. Europhys. Lett. 76 (2006) 163. [4] LEVIN, Y. Rep. Prog. Phys. 65 (2002) [5]ZHANG, J.; KAMENEV, A.; SHKLOVSKII, B.I. Phys. Rev. E 73 (2006) [6] JACKSON, J. D., Classical Electrodynamics (Wiley, New York) 1999 Para sobreviver, seres vivos precisam de proteção do caos que reina no mundo exterior. No caso de uma única célula, essa função é proporcionada pela membrana plasmática, um mosaico composto de bicamadas lipídicas, cuja espessura varia entre 4 e 8 nanômetros. Caso um íon esteja localizado em uma posição arbitrária na região interna do canal, ali o potencial elétrico satisfaz à equação de Poisson, enquanto na região externa (z > L e z < 0), o potencial satisfaz a equação de Debye-Hückel [4,6]: Perspectivas A transferência de material e informação através da membrana celular é catalisada por proteínas, ditas transmembranares. A classe mais simples de tais proteínas é a dos canais iônicos, que são poros, preenchidos com água, ligando o interior ao exterior da célula [1]. Figura 1 A fim de estudar a condutividade de um canal iônico de maneira quantitativa, a opção que fornece a melhor relação custo-precisão é a simulação por dinâmica browniana. Porém, a necessidade de uma nova solução da equação de Poisson a cada passo temporal exige um grande esforço computacional ainda muito grande. No entanto, a recente obtenção de uma solução analítica para a equação de Poisson [3] para uma distribuição arbitrária de íons dentro de um canal cilíndrico finito veio a permitir a realização de simulações por dinâmica browniana de maneira muito mais eficiente, ainda que para um modelo simplificado. A membrana é modelada como uma placa, de constante dielétrica ε p 2, localizada entre z=0 e z=L. Em ambos os lados da membrana há uma solução eletrolítica de íons pontuais caracterizados pelo inverso do comprimento de Debye, κ. O canal é um poro cilíndrico de raio a, preenchido por água ( ε w 80)., se 0 < z < L, se z L Com as condições de contorno de que o potencial se anule no infinito e seja contínuo em todas as interfaces é garantida a unicidade da solução. C aso o íon esteja localizado no eixo de simetria do canal, o potencial no interior deste é da forma, com: onde é a função de Bessel da 1ª espécie e ordem zero, e são respectivamente as funções modificadas de Bessel de 1ª e 2ª espécies. Os autovalores e as funções α(k) e β(k) são dados por:,,,. Já na região na qual ρ > a, o potencial é dado por: A intenção do trabalho a ser realizado é a de investigar os mecanismos físicos que possibilitam a estes canais taxas de condução de íons tão altas, com base em simulações por dinâmica browniana e utilizando o modelo de canal iônico apresentado acima. sendo o interesse neste justificado pelo fato de encontrarem-se, em canais iônicos reais, aminoácidos contendo radicais carregados [5]. A inclusão destes, que pode ser feita, no nosso caso, através da colocação de cargas fixas na região ρ > a, é essencial para um estudo da dinâmica de íons nestes canais.,


Carregar ppt "Dinâmica de íons em canais transmembranares Franco Valduga de Almeida Camargo, Yan Levin, Alexandre Diehl Grupo Fluidos Complexos, Inst. de Física, UFRGS,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google