A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MBA Decisão Financeira em Condição de Risco Análise de Projetos Prof. Luiz Brandão IAG PUC-Rio.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MBA Decisão Financeira em Condição de Risco Análise de Projetos Prof. Luiz Brandão IAG PUC-Rio."— Transcrição da apresentação:

1 MBA Decisão Financeira em Condição de Risco Análise de Projetos Prof. Luiz Brandão IAG PUC-Rio

2 Métodos de Avaliação de Projetos

3 CNO T3 IAG PUC - Rio 3 Princípios de Aplicação do Capital Determine as alternativas viáveis. Converta os resultados das alternativas para um denominador comum. Só as diferenças entre as alternativas são relevantes. O valor do dinheiro no tempo deve ser considerado sempre. Decisões separáveis devem ser tomadas isoladamente. Considerar incerteza associada as previsões. Leve em conta também os efeitos não monetários do projeto.

4 CNO T3 IAG PUC - Rio 4 Metodologia Projetar os fluxos de caixa gerados ao longo da vida econômica do projeto. Determinar a taxa de desconto apropriada, que deve levar em conta o custo de capital e o risco do projeto. Calcular o VP do fluxo projetado, utilizando a taxa de desconto determinada em (2). Calcular o VPL, subtraindo o valor do investimento inicial. Se VPL > 0, investir no projeto.

5 Oportunidades de Investimento Oportunidades de Investimento Ativos Financeiros Ativos Reais Empresa Acionistas Empresa investe Empresa distribui Dividendos Acionista Investe A B

6 CNO T3 IAG PUC - Rio 6 Métodos de Avaliação de Projetos Valor Presente Líquido (VPL): É o valor presente dos fluxos de caixa futuros do projeto descontados ao custo de oportunidade do capital. É o método mais recomendado Reconhece o valor de dinheiro no tempo Reflete o aumento de riqueza do acionista

7 CNO T3 IAG PUC - Rio 7 Taxa Interna de Retorno (TIR): É a taxa de desconto que faz o VPL ser zero. Reconhece o valor do dinheiro no tempo Pode induzir a erro em projetos longos Em determinados casos conflita com o VPL. Nesse caso, usar a TIRM Métodos de Avaliação de Projetos

8 CNO T3 IAG PUC - Rio 8 Taxa Interna de Retorno Modificada (TIRM) Utilizada quando o cálculo da TIR conflita com o VPL, falha ou não é confiável. Cálculo: Cria-se outro fluxo de caixa, equivalente ao original, onde todos os fluxos negativos são agrupados no instante zero, e todos os fluxos positivos no último período, utilizando-se a taxa de desconto do projeto A TIRM é a TIR desse novo fluxo Métodos de Avaliação de Projetos

9 Fluxo de Caixa de Projeto

10 CNO T3 IAG PUC - Rio 10 Fluxo de Caixa Relevante Fluxo Incremental x Fluxo Total

11 CNO T3 IAG PUC - Rio 11 Depreciação Custos de Oportunidade Efeitos Colaterais Custos passados Capital de Giro Custos Indiretos Juros Inflação Fluxo de Caixa Relevante

12 Problemas na Projeção de Fluxos de Caixa

13 Estudo de Caso: Projeto Iridium

14

15 CNO T3 IAG PUC - Rio 15 Iridium World Comunications Projeto de telefonia móvel mundial por satélite idealizado pela Motorolla Conceito: Permitir acesso à rede mundial de telefonia de qualquer lugar do globo terrestre. Investimento previsto: US$ 2,5 bilhões, incluindo 66 satélites de comunicação e sete estações terrenas. Previsão: 5 milhões de assinantes até o ano 2002

16 CNO T3 IAG PUC - Rio 16 Iridium 1991: Motorola estabelece a Iridium como uma empresa independente para desenvolver e operar a rede. 1992: A Iridium contrata a Motorola por US$ 3.37 bilhões para o desenvolver, construir e implantar o sistema. A Motorolla passa a ser a principal fornecedora da Iridium.

17 CNO T3 IAG PUC - Rio 17 O Consórcio Foi formado um Consórcio Internacional de 19 empresas para viabilizar o projeto Motorola, Siemens, Raytheon, HP Industria Grande Muralha da China S.A Centro Espacial Khrunichev da Rússia Korea Mobile Telecommunications Corp Lockheed, McDonnell Douglas, Sprint STET Italiana e outros 15 franquias regionais de operação

18 CNO T3 IAG PUC - Rio 18 Project Financing Com o estabelecimento da Iridium LLC a Motorola reduziu sua participação para 25% Diversidade geográfica e tecnológica dos partici- pantes 1993: Sócios aportam $800 milhões de dólares 1994: $1.6 bilhões equity, mais $800 milhões de dívida. 1995: Iridium recebe licença de operação

19 CNO T3 IAG PUC - Rio 19 Project Financing 1997: Linha de crédito de US$750 milhões é assegurada, e são ofertadas ao público pela primeira vez $240 milhões em ações da companhia ao preço de $21 por ação. Em poucos meses o valor da ação sobe para $70. Dificuldades técnicas elevam o custo do projeto para $5.5 bilhões de dólares. 1998: Todos os satélites já em órbita e início da operação comercial. Lançada uma campanha mundial de marketing de US$160 milhões

20 CNO T3 IAG PUC - Rio 20 Mercado e Público Alvo Público Alvo: Viajantes que necessitam de acesso telefônico constante, como homens de negócios e profissionais liberais. População de áreas remotas sem outra forma de ligação telefônica com o mundo. Ponto de equilíbrio: assinantes necessários até o final do ano de 1999.

21 CNO T3 IAG PUC - Rio 21 Problemas Atrasos na disponibilidade dos aparelho portáteis para entrega aos assinantes. Iridium exigia uma linha de visada direta, não funcionava dentro de ambientes fechados, como veículos e escritórios Erro de marketing ao oferecer Iridium como substituto de telefone celular Os preços altos, cerca de 10X celular comum, e aparelho que pesava 1/2 kilo afastaram os clientes

22 CNO T3 IAG PUC - Rio 22 Problemas Motorola patrocinou o projeto com objetivo de vender equipamentos Iridium é empresa de prestação de serviços Alto custo do serviço o colocava fora do alcance de parte do seu público alvo

23 CNO T3 IAG PUC - Rio 23 Problemas Até julho/99 as vendas haviam sido de apenas unidades. Receita mensal esperada: $30 milhões de dólares, receita efetiva: $1,5 milhões Em julho/99 a dívida de curto prazo era de $800 milhões Em agosto/99 entrou em concordata e a sua falência foi decretada em mar/2000

24 CNO T3 IAG PUC - Rio 24 Conclusões Dificuldades técnicas em um projeto ambicioso aumentaram substancialmente os custos orçados inicialmente. Erro de marketing ao oferecer o Iridium, que não operava bem em áreas urbanas, como substituto do celular comum. A continua evolução tecnológica do celular digital durante os dez anos de maturação do projeto o tornaram um sério concorrente do Iridium, que era um sistema analógico de baixa capacidade. Fluxo de caixa real totalmente diverso das previsões iniciais do projeto.

25 Análise de Risco

26 CNO T3 IAG PUC - Rio 26 Métodos de Avaliação de Risco Análise de Sensibilidade Análise de Cenário Análise do Ponto de Equilíbrio Árvores de Decisão Modelos de Simulação

27 CNO T3 IAG PUC - Rio 27 Simulação Simulação é um processo que envolve a criação de um modelo em computador de um problema da vida real, realizar os cálculos e armazenar e tabular os resultados. O objetivo de uma simulação é determinar a distribuição estatística de um resultado. O processo de simulação envolve: Definição da distribuição de cada uma das variáveis relevantes do projeto. Realizar uma série de cálculos repetitivos para obter um resultado esperado (lucro, custo, valor, etc.) Utilização dos valores computados para determinar a distribuição estatística dos resultados desejados

28 CNO T3 IAG PUC - Rio 28 Uma vez escolhida a distribuição de probabilidades, é necessário obter valores aleatórios desta distribuição. Duas maneiras de se fazer isso são: Usar as funções internas do Excel juntamente com a função RAND(). Utilizar funções disponíveis em programas e Crystall Ball. Mostraremos a seguir um exemplo que utiliza as funções Simulando Distribuições

29 CNO T3 IAG PUC - Rio 29 Simulação da Evolução do Preço de uma Ação Steps

30 CNO T3 IAG PUC - Rio 30 Simulação da Evolução do Preço de uma Ação Steps

31 CNO T3 IAG PUC - Rio 31 Simulação da Evolução do Preço de uma Ação Steps

32 CNO T3 IAG PUC - Rio 32 Simulação da Evolução do Preço de uma Ação Steps

33 CNO T3 IAG PUC - Rio 33 Simulação da Evolução do Preço de uma Ação

34 Distribuições

35 CNO T3 IAG PUC - Rio 35 Distribuição Uniforme RiskUniform (Mínimo, Máximo, ) Todos os valores no intervalo tem a mesma probabilidade de ocorrência. Pode ser modelado com a função RAND() em Excel.

36 CNO T3 IAG PUC - Rio 36 Distribuição Triangular RiskTriang (Mínimo, Mais Provável, Máximo) Fácil de usar, requer apenas três dados de entrada: valor mínimo, valor mais provável e valor máximo. A probabilidade do valor mais provável é determinada automaticamente de tal forma que a área total seja equivalente a 1 (100%).

37 CNO T3 IAG PUC - Rio 37 Distribuição Normal RiskNormal (Média, Desvio Padrão). Fácil de usar, requer apenas dois parametros.

38 Exemplo Motochoque

39 CNO T3 IAG PUC - Rio 39 MotoChoque: Tabela de Variáveis VariávelPess.NormalOtimista Mercado 900K 1.000K1.100K Fatia de Mercado 4% 10% 16% Preço$3.500 $3.750$3.800 Custo Variável $2.750 $3.000 $3.600 Custo Fixo$20M $30M$40M A tabela a seguir mostra os valores que essas variáveis podem tomar

40 CNO T3 IAG PUC - Rio 40 VariávelPess.NormalOtimista Mercado Fatia de Mercado Preço Custo Variável Custo Fixo MotoChoque: Tabela de Variáveis A sensibilidade do VPL do projeto em relação a cada uma das variáveis é mostrada abaixo:

41 CNO T3 IAG PUC - Rio 41 Motochoque Para fazer o modelo de simulação de Monte Carlo do projeto, modelamos as cinco principais incertezas Cada fonte de incerteza é modelada como uma distribuição de probabilidades O tipo e os parâmetros de cada distribuição são estimados pelos responsáveis pelo projeto O objetivo final é obter uma distribuição de probabilidades do VPL do projeto As distribuições de cada uma das variáveis aleatórias são apresentadas nos próximos slides

42 CNO T3 IAG PUC - Rio 42 MotoChoque: Distribuições Distribuições das variáveis aleatórias Distribuição de Preço (Discreto) Mercado =Distrib Triangular:9001,0001,100 Fatia de Mercado =Distrib Triangular: Custo Variável =Normal:3, Custo Fixo =Distrib Uniforme:20,00040,000 PreçoProb

43 CNO T3 IAG PUC - Rio 43 Motochoque: Resultados da Simulação Estes resultados são aproximados e irão variar a cada nova simulação. Média =21,943Desvio Padrão =117,590 Mínimo = -386,935Maximo =569,387

44 CNO T3 IAG PUC - Rio 44 Motochoque Suponha que os gerentes da MotoChoque estejam preocupados com a possibilidade do projeto ter um VPL negativo. Qual é a probabilidade disso ocorrer? Isso pode ser determinado observando os valores na janela Detailed Statistics no item Target headings. Entrando com o valor de 0 obtemos a probabilidade do VPL ser negativo. Neste caso, obtemos 45.8% de probabilidade.

45 CNO T3 IAG PUC - Rio 45 Projetos de Investimento Análise de projetos de investimento é mais do que apenas calcular VPLs. É necessário entender a essência do projeto e avaliar quais os seus riscos. Todo projeto contém incertezas nas suas previsões. A análise das incertezas do projeto permite avaliar os quais os riscos envolvidos. Na análise das incertezas, estude o efeito das diversas situações possíveis, mesmo que improváveis. Não aceite um projeto com VPL positivo se não conseguir identificar qual ou quais as vantagens competitivas que garantiram isso.

46 CNO T3 IAG PUC - Rio 46 Como Gerar Valor? Projetos podem apresentar VPL > 0 se possuem alguma vantagem competitiva. Indústrias em equilíbrio competitivo de longo prazo tem TIR igual ao seu custo de capital. Vantagens competitivas que se prolongam por muito tempo são incomuns. Um projeto ou empresa pode ter TIR acima do custo de capital se possui vantagens competitivas em relação aos seus concorrentes como: Capital, Administração Projeção no mercado, marca, tecnologia, patentes Monopólio, oligopólio, cartel Reserva de mercado, Corpo técnico, Qualidade agilidade, eficiência, produtividade, etc.

47 Avaliação de Empresas

48

49 CNO T3 IAG PUC - Rio 49 Definições NOPAT = Lucro Operacional Líquido - Impostos FCLE= Fluxo de Caixa Livre Empresa =NOPAT + [Depreciação - Novos Investimentos] = NOPAT - Investimento líquido

50 CNO T3 IAG PUC - Rio 50 Terminologia Receita CMV( ) - Depreciação(2.000) - Desp Vendas, G&A(7.000) Lucro Operacional Impostos (40%) (2.400) NOPAT Depreciação Investimentos (3.000) FCLE 2.600

51 CNO T3 IAG PUC - Rio 51 Valoração da Empresa FCL Empresa Fluxo Credores FCL Acionistas = +

52 CNO T3 IAG PUC - Rio 52 Valor da Empresa: VP do Fluxo de Caixa da Empresa (FCLE) descontado ao seu custo de capital (WACC) Valor para os Credores: VP do Fluxo devido aos Credores, descontado ao custo de capital de terceiros (K T ). Esse valor é igual ao Passivo da empresa Valor para os Acionistas: VP do Fluxo de Caixa devido aos Acionistas (FCLA), descontado ao custo de capital próprio (Ks). Definições

53 CNO T3 IAG PUC - Rio 53 Valor da Empresa = Valor para os Credores + Valor para os Acionistas

54 CNO T3 IAG PUC - Rio 54 Valor das Operações da Empresa Ativos não Operacionais –Ativo Circulante não Operacional –Ativo Permanente Não Operacional

55 Horizonte de Projeção

56 CNO T3 IAG PUC - Rio 56 Quantos períodos utilizar? Qual o número de períodos a considerar no fluxo de caixa da empresa? Qual o tempo de vida útil de uma empresa? Como avaliar uma empresa que detém ativos como jazidas ou outras reservas com duração de centenas de anos?

57 CNO T3 IAG PUC - Rio 57 Calcule o valor de uma empresa que tem um FCL de $100 por ano, e custo de capital de 10% a.a., para os seguintes casos: Vida útil de 10 anos. Vida útil de 30 anos. Vida útil de 100 anos. Vida útil indeterminada. Quantos períodos utilizar?

58 CNO T3 IAG PUC - Rio 58 Divisão do Fluxo em dois períodos Valor = VP fluxo até o horizonte + VP perpetuidade pós horizonte Valor = VP fluxo até o horizonte + Valor Residual

59 MBA Decisão Financeira em Condição de Risco Análise de Projetos Prof. Luiz Brandão IAG PUC-Rio


Carregar ppt "MBA Decisão Financeira em Condição de Risco Análise de Projetos Prof. Luiz Brandão IAG PUC-Rio."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google