A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Www.roginei.com.br QUINHENTISMO – BRASIL – * LITERATURA DE INFORMAÇÃO Crônicas de viagens e cartas. * LITERATURA JESUÍTICA A arte como catequese.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Www.roginei.com.br QUINHENTISMO – BRASIL – * LITERATURA DE INFORMAÇÃO Crônicas de viagens e cartas. * LITERATURA JESUÍTICA A arte como catequese."— Transcrição da apresentação:

1 QUINHENTISMO – BRASIL – * LITERATURA DE INFORMAÇÃO Crônicas de viagens e cartas. * LITERATURA JESUÍTICA A arte como catequese.

2 * LITERATURA DE INFORMAÇÃO Tratado de Terra do Brasil, de Pêro de Magalhães Gândavo; Tratado descritivo do Brasil, de Gabriel Soares de Souza; A história do Brasil de Frei Vicente do Salvador; Carta do Achamento do Brasil (carta de Pero Vaz de Caminha).

3 OBJETIVO: * Fazer um levantamento da terra nova, de sua fauna, de sua flora, de sua gente. * Literatura descritiva sem grande valor literário (maior valor histórico e documental). *Textos repletos de fantasias e moldados pela visão medieval.

4 * LITERATURA JESUÍTICA A arte como catequese. José de Anchieta (cartas, sermões, uma gramática da língua Tupi, 12 textos teatrais, poemas em latim, autos)

5 Características: A figura do diabo é associada a algum chefe ou sacerdote indígena contrário aos portugueses. A língua e a religiosidade tupi são exploradas. Preocupação didática e moralizante. Adaptação às necessidades práticas da vida no Brasil colonial.

6 Oscar Pereira da Silva, Desembarque de Cabral em Porto Seguro, SP, Museu Paulista

7

8

9 Carta do Achamento Carta de Pero Vaz de Caminha

10 Carta de Pero Vaz de Caminha (fragmentos) Senhor, posto que o Capitão-mor desta Vossa frota, e assim os outros capitães escrevam a Vossa Alteza a notícia do achamento desta Vossa terra nova, que se agora nesta navegação achou, não deixarei de também dar disso minha conta a Vossa Alteza, assim como eu melhor puder, ainda que -- para o bem contar e falar -- o saiba pior que todos fazer! Todavia tome Vossa Alteza minha ignorância por boa vontade, a qual bem certo creia que, para aformosentar nem afear, aqui não há de pôr mais do que aquilo que vi e me pareceu. (...)

11 A feição deles é serem pardos, um tanto avermelhados, de bons rostos e bons narizes, bem feitos. Andam nus, sem cobertura alguma. Nem fazem mais caso de encobrir ou deixa de encobrir suas vergonhas do que de mostrar a cara. Acerca disso são de grande inocência. Ambos traziam o beiço de baixo furado e metido nele um osso verdadeiro, de comprimento de uma mão travessa, e da grossura de um fuso de algodão, agudo na ponta como um furador. Metem-nos pela parte de dentro do beiço; e a parte que lhes fica entre o beiço e os dentes é feita a modo de roque de xadrez. E trazem- no ali encaixado de sorte que não os magoa, nem lhes põe estorvo no falar, nem no comer e beber. (...) Ali andavam entre eles três ou quatro moças, bem novinhas e gentis, com cabelos muito pretos e compridos pelas costas; e suas vergonhas, tão altas e tão cerradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as nós muito bem olharmos, não se envergonhavam.

12 (...) Entre todos estes que hoje vieram não veio mais que uma mulher, moça, a qual esteve sempre à missa, à qual deram um pano com que se cobrisse; e puseram-lho em volta dela. Todavia, ao sentar-se, não se lembrava de o estender muito para se cobrir. Assim, Senhor, a inocência desta gente é tal que a de Adão não seria maior -- com respeito ao pudor. Ora veja Vossa Alteza quem em tal inocência vive se se convertera, ou não, se lhe ensinarem o que pertence à sua salvação. Acabado isto, fomos perante eles beijar a cruz. E despedimo-nos e fomos comer. (...)

13 Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza em ela deve lançar. E que não houvesse mais do que ter Vossa Alteza aqui esta pousada para essa navegação de Calicute bastava. Quanto mais, disposição para se nela cumprir e fazer o que Vossa Alteza tanto deseja, a saber, acrescentamento da nossa fé! E desta maneira dou aqui a Vossa Alteza conta do que nesta Vossa terra vi. E se a um pouco alonguei, Ela me perdoe. Porque o desejo que tinha de Vos tudo dizer, mo fez pôr assim pelo miúdo. E pois que, Senhor, é certo que tanto neste cargo que levo como em outra qualquer coisa que de Vosso serviço for, Vossa Alteza há de ser de mim muito bem servida, a Ela peço que, por me fazer singular mercê, mande vir da ilha de São Tomé a Jorge de Osório, meu genro -- o que d'Ela receberei em muita mercê. Beijo as mãos de Vossa Alteza. Deste Porto Seguro, da Vossa Ilha de Vera Cruz, hoje, sexta- feira, primeiro dia de maio de Pero Vaz de Caminha.

14 Paródia da Carta de Caminha - Oswald de Andrade Pero Vaz de Caminha a descoberta Seguimos nosso caminho por este mar de longo Até a oitava da Páscoa Topamos aves E houvemos vista de terra os selvagens Mostraram-lhes uma galinha Quase haviam medo dela E não queriam pôr a mão E depois a tomaram como espantados as meninas da gare Eram três ou quatro moças bem moças e bem gentis Com cabelos mui pretos peles espáduas E suas vergonhas tão altas e tão saradinhas Que de nós as muito bem olharmos Não tínhamos nenhuma vergonha Oswald recria, poeticamente, a Carta de Caminha a D. Manuel. Veja em As meninas de Gare a justaposição do histórico ao moderno as indígenas a que Pero Vaz se refere são vistas como as meninas da gare (gare, palavra francesa que significa estação de estrada de ferro).

15 IX CARTA PRAS ICAMIABAS (in: Macunaíma, Mário de Andrade) Às mui queridas súbditas nossas, Senhoras Amazonas. Trinta de Maio de Mil Novecentos e Vinte e Seis, São Paulo. Senhoras: Não pouco vos surpreenderá, por certo, o endereço e a literatura desta missiva. Cumpre-nos, entretanto, iniciar estas linhas de saudades e muito amor, com desagradável nova. É bem verdade que na boa cidade de São Paulo a maior do universo, no dizer de seus prolixos habitantes não sois conhecidas por "icamiabas", voz espúria, sinão que pelo apelativo de Amazonas; e de vós, se afirma, cavalgardes ginetes belígeros e virdes da Hélade clássica; e assim sois chamadas. Muito nos pesou a nós, Imperator vosso, tais dislates da erudição porém heis de convir conosco que, assim, ficais mais heroicas e mais conspícuas, tocadas por essa platina respeitável da tradição e da pureza antiga. Mas não devemos esperdiçarmos vosso tempo fero, e muito menos conturbarmos vosso entendimento, com notícias de mau calibre; passemos pois, imediato, ao relato dos nossos feitos por cá.

16 Paródia da Carta de Caminha Olá meu amado Rei, aqui quem fala é o Pero Vaz. Está me ouvindo bem? Peguei emprestado o celular de um nativo aqui da nova terra. Tudo bem, Capitão Pedro está lhe mandando um abraço. Chegamos na terça, 21 de abril, mas deixei para ligar no Domingo porque a ligação é mais barata. É aqui tem dessas coisas. Os nativos ficaram espantados com a nossa chegada por mar, não achavam que éramos Deuses, Majestade. Acharam que éramos loucos de pisar em um mar tão sujo. A ligação está boa? Pois é, essa terra é engraçada. Tem telefonia celular digital, automóveis importados, acesso gratuito à Internet mas ainda tem gente que morre de malária e está cheia de criança barriguda de tanto verme. É meio complicado explicar.

17 Se já encontramos o chefe? Olha Rei, tá meio complicado. Aqui tem muito cacique para pouco índio. Logo que chegamos à Porto Seguro tinha um cacique lá que dizia que fazia chover, que mandava prender e soltar quem ele quisesse. É, um cacique bravo mesmo... Mais para o Sul encontramos outra tribo, uma aldeia maravilhosa e muito festiva, com lindas nativas quase nuas. Seguindo em direção ao Sul, saímos do litoral e adentramo-nos ao planalto. Lá encontramos uma tribo muito grande. A dos índios Sampa. Conhecemos seu cacique, que tinha apito mas que não apitava nada, coitado. Dizem até que ele apanha da mulher. O senhor está rindo, Majestade? Juro que é verdadeiro o meu relato. Como vossa Majestade pode perceber, é uma terra fácil de se colonizar, pois os nativos não falam a mesma língua.

18 Sim, são pacíficos sim. É só verem um coco no chão para eles começarem a chutá-lo e esquecerem da vida. Sabem, sabem ler, mas não todos. A maioria lê muito mal e acredita em tudo que é escrito. Vai ser moleza, fica frio.. Parece que há um "Cacicão Geral", mas ele quase não é visto. O homem viaja muito. Dizem que se a intenção for evitar encontrá-lo, é só ficar sentado no trono dele. Engraçado mesmo é que a "indiaiada" trabalha a troco de banana. É banana!!! Todo mês eles recebem no mínimo 151 bananas. Não é piada, Majestade.!! É sério!! Só vindo aqui prá ver. Olha, preciso desligar. O rapaz que me emprestou o telefone celular precisa fazer uma ligação. Ele é comerciante. Disse que precisa avisar ao povo que chegou um novo carregamento de farinha. Engraçado... eles ficam tão contentes em trabalhar... A cada mercadoria que chega, eles sobem o morro e soltam rojões. É uma terra muito rica, Majestade. Acho que desta vez acertamos em cheio. Isso aqui ainda vai ser o país do futuro..

19 JOSÉ DE ANCHIETA

20 JOSÉ DE ANCHIETA – Auto de São Lourenço – Fragmento SEGUNDO ATO (Eram três diabos que querem destruir a aldeia com pecados, aos quais resistem São Lourenço, São Sebastião e o Anjo da Guarda, livrando a aldeia e prendendo os tentadores cujos nomes são: Guaixará, que é o rei; Aimbirê e Saravaia, seus criados) GUAIXARÁ Esta virtude estrangeira Me irrita sobremaneira. Quem a teria trazido, com seus hábitos polidos estragando a terra inteira? Só eu permaneço nesta aldeia como chefe guardião. Minha lei é a inspiração que lhe dou, daqui vou longe visitar outro torrão.

21 Família Tupinambá Jean Léry

22 Theodore de Bry

23 Albert Eckhout 100 anos após o descobrimento A convite de Maurício de Nassau Índia Tapuia Índio Tapuia Índia Tupi Mameluco Índio Tupi

24 Frans Post


Carregar ppt "Www.roginei.com.br QUINHENTISMO – BRASIL – * LITERATURA DE INFORMAÇÃO Crônicas de viagens e cartas. * LITERATURA JESUÍTICA A arte como catequese."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google