A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FTS na Seguridade Social Maria Helena Machado São Paulo, maio de 2013 6 CONGRESSO CNTSS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FTS na Seguridade Social Maria Helena Machado São Paulo, maio de 2013 6 CONGRESSO CNTSS."— Transcrição da apresentação:

1 FTS na Seguridade Social Maria Helena Machado São Paulo, maio de CONGRESSO CNTSS

2 Ao longo das duas décadas do SUS ocorreu forte inversão do parque sanitário brasileiro, especialmente aquele sob o comando público: houve uma descentralização dos órgãos, hospitais, ambulatórios, leitos e empregos em saúde, que passaram a ter centralidade nos municipios. Três movimentos estruturais são identificados neste período: 1)Expansão do setor; 2)Encolhimento da rede hospitalar relativamente ao crescimento populacional; 3)Expansão dos empregos de saúde.

3 1.Expansão do setor saúde, tanto no privado como no público. Na década de 1970 existian estabelecimentos de saúde; em 1980, ; e 2002 passa para , gerando mais de dois milhões de empregos diretos. Dados atualizados do IBGE (2009) mostram que setor saúde continua crescendo. Contabilizam-se mais de 94 mil estabelecimentos de saúde; leitos hospitalares e mais 3 milhões de empregos de saúde. O setor publico municipal continua em expansão, sendo, registrando estabelecimentos de saúde e empregos de saúde.

4 2- Encolhimento da rede hospitalar, configurando-se assim, na desospitalização do sistema, que começa a adotar a nova orientação que prioriza a assistência ambulatorial. Contudo, isso não resultou na diminuição da demanda hospitalar, ao contrário, hoje se tem um déficit de leitos na rede. (1976= leitos); (2002= leitos). 3- Expansão dos empregos de saúde na esfera municipal que, na década de 1970 contava com pouco mais de 25 mil empregos, chegando a mais de 1 milhão e 200 nesta década 2010, tornando-se o maior empregador do SUS.

5 Paralelamente ao processo de municipalização do Sistema de saúde, o Brasil experimentou um crescimento de municípios sem precedentes. Em 50 anos ( ), o país dobra o numero de municípios, passando de para mais Observa-se outra onda paralela a da municipalização, a onda da urbanização. O país se tornou, irremediavelmente, urbano. Destacam-se 3 fenômenos relacionados a esse processo: Concentração de mais de 90% de municípios com população com menos de 50 mil habitantes. 48% municípios têm menos de 10 mil habitantes;

6 Concentração populacional: apenas 4% dos municípios (com mais de 100 mil habitantes) concentram-se mais de 50% da população do país; por outro lado, 50% dos municípios respondem por apenas 8% da população; Correlação assimétrica da população X empregos de saúde: apenas 4% de municípios detém 65% dos empregos de saúde. Por outro lado, 73% de municípios detém apenas 13%. ESSE É O CENÁRIO QUE SE ESTRUTURA O SUS: SAÚDE, DIREITO DE TODOS E DEVER DO ESTADO.

7 A COMPLEXIDADE DO SUS NO ÂMBITO DA GESTÃO DO TRABALHO NO SUS 48% dos municípios têm menos de 10 mil habitantes 90% dos municípios têm menos de 50 mil habitantes 0,6% dos municípios têm mais de 500 mil habitantes 61% do Território Nacional constitui a Amazônia Legal; 12% da população brasileira vivem na Amazônia Legal 12% dos empregos de saúde estão na Amazônia Legal Menos de 10% dos médicos, dos enfermeiros e dos odontólogos estão na Amazônia Legal Dos mais 2 milhões e meio empregos de saúde, mais de 50% estão nas Regiões Sul e Sudeste ( 7 estados).

8 Fonte: IBGE, Estimativas Populacionais para 2009 AMS/IBGE, 2009 NORTE Total: Superior Téc/auxiliar Elementar Administrativos SUDESTE Total: Superior Téc/auxiliar Elementar Administrativos SUL Total: Superior Téc/auxiliar Elementar Administrativos Distribuição de empregos em saúde por escolaridade segundo Regiões - Brasil, 2010 BRASIL Total de empregos em saúde Superior Tec/aux Elementar Administrativos NORDESTE Total: Superior Téc/auxiliar Elementar Administrativos CENTRO-OESTE Total: Superior Téc/auxiliar Elementar Administrativos

9 (*)- Não estão inclu í dos os empregos administrativos Fonte: IBGE, Pesquisa Assistência M é dico Sanit á ria ( v á rios anos) Evolução dos Empregos de saúde -Brasil,

10 Evolução dos Empregos de saúde por setor- Brasil, Fonte:IBGE, Pesquisa Assistência M é dico Sanit á ria ( v á rios anos)

11 A FTS no contexto sanitário brasileiro Contingente com predomínio de pessoal qualificado (técnico e superior (+70%); Hegemonia feminina (+ 70% FTS); Multiemprego crescente em diversas categorias profissionais; Prolongamento das jornadas de trabalho; FTS concentrada nos grandes centros;

12 Grande defasagem salarial gerando insegurança entre os trabalhadores (presente e futuro), atingindo a FTS atual, a reposição e a aposentadoria; Precárias condições de trabalho especialmente na rede pública; Adoção no processo de trabalho (regular) do sistema de Plantões pelos profissionais; Sinais de adoecimento da FTS; Trabalhadores com forte sentimento de vida contrariada;

13 Explosão de escolas de formação de profissionais de saúde, gerando desequilíbrio entre oferta e demanda; Pulverização da formação dos profissionais de nível técnico; Surgimento de novas demandas no Congresso Nacional por criação de novas profissões (superior e técnico); Surgimento de novas demandas no Congresso Nacional por piso salarial e jornadas de trabalho por profissões (superior e técnico); Fragmentação do movimento sindical;

14 I Conferência de RHS I Conferência de RHS – 1993 III Conferência de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde CRONOLOGIA DAS CNRHS

15 Período caracterizado por incentivo à formação profissional, especialmente nível superior; estratégias de expansão de empregos privados com financiamento público; incentivo de contratação de médicos e atendentes de enfermagem; incentivo à hospitalização e especialização. Período caracterizado ( ) pelo surgimento de dispositivos institucionais para reverter o quadro existente; e de , pela sua implementação: aumento da participação do setor público (ambulatorial e hospitalar); aumento da formação do pessoal técnico e sua incorporação nas equipes de saúde. CRONOLOGIA DAS POLITICAS DE RH

16 Período 1987 em diante- caracterizado pelas mudanças estruturais rumo à Reforma Sanitária, marcadas especialmente pelo processo de descentralização da assistência e, consequentemente, dos trabalhadores que integram o sistema. A década de 1990 foi marcada pela adoção de políticas neoliberais, constituindo-se em anti-políticas para os trabalhadores de saúde. Década de 1990: década perdida para os trabalhadores da saúde.

17 A NOB-RH, construída na década de 1990 – pouco influenciou positivamente na formulação de politicas de RH nessa década. Ela só vai ser adotada, na década seguinte, no governo Lula com a criação da SGTES- SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO EM SAÚDE, em Inicia-se ai, um novo tempo para a Gestão do Trabalho buscando reverter os efeitos deletérios das politicas neoliberais que tanto afetaram negativamente os trabalhadores da saúde.

18 A gestão do trabalho tem merecido, na atualidade, atenção por parte de todas as instituições que buscam a correta adequação entre as necessidades da população usuária e seus objetivos institucionais. Pensar em gestão do trabalho como eixo da estrutura organizacional dos serviços de saúde significa pensar estrategicamente, uma vez que a produtividade e a qualidade dos serviços oferecidos à sociedade serão, em boa parte, reflexos da forma e das condições com que são tratados os que atuam profissionalmente na organização. Daí, a importância de se estruturar uma efetiva política para a área nas três esferas de governo, envolvendo os setores públicos e privados que compõem o sistema de saúde e contribuindo, dessa forma, para a promoção da melhoria e humanização do atendimento ao usuário do SUS.

19 O que precisamos avançar?

20 Antes de mais nada, assegurar a manutenção e o aperfeiçoamento das políticas de gestão do trabalho elaboradas e aprovadas em todas as instâncias do SUS nos últimos anos: Desprecarização do Trabalho; consolidação do Sistema Nacional de Negociação no âmbito do SUS; institucionalização da Mesa Nacional de Negociação com dotação de estruturas formais e permanentes no âmbito do MS; implantação das Diretrizes do PCSS-SUS; consolidação da Política Nacional de Promoção e Saúde do Trabalhador da Saúde; aperfeiçoamento do sistema regulatório; ampliação das atividades do CNS/CIRH na elaboração dos pareceres para os cursos de saúde, entre outras.

21 Além disso, devemos urgentemente promover: Por iniciativa do executivo em comum acordo com gestores das três esferas de governo e com os trabalhadores a aprovação no Congresso Nacional de uma carreira nacional no âmbito do SUS com foco municipal tomando como base as Diretrizes do PCSS-SUS. Discussão com os trabalhadores e gestores das três esferas de gestão do SUS para instituição do piso salarial regional/ nacional dos trabalhadores, reduzindo com a deletéria disputa por quem paga mais, bem como as iniciativas coorporativas presentes hoje no Congresso Nacional.

22 Necessidade de estudar o custo financeiro e político da recuperação salarial dos trabalhadores da saúde, com a pactuação de um Programa Nacional de Recuperação Salarial dos Trabalhadores da Saúde em todo âmbito do SUS; Necessidade de discutir e aprovar no Congresso Nacional a proposta de Serviço Civil Optativo ou Obrigatório para as profissões da saúde em consonância com as necessidades sociais do SUS;

23 Necessidade de enfrentar o grande desafio de resolver a desassistência que hoje ainda persiste nos lugares de difícil acesso e provimento (especialmente na Amazônia Legal e áreas indígenas), criando, para esta situação, uma carreira especial que atenda especifica e definitivamente essa necessidade e demanda social e estrutural; É preciso formular políticas específicas e consistentes para a qualificação e reprofissionalização de um expressivo contingente de trabalhadores de nível auxiliar e técnico que se encontram à margem desse processo, que conta aproximadamente 25% da FTS que dedicam a gestão e gerência do SUS.

24 No inicio da década de 2000 se iniciou um processo de reprofissionalização da enfermagem com a elevação da escolaridade e mudança de suas funções técnicas através do PROFAE. Contudo, é preciso ir além, dando condições também à este enorme contingente de trabalhadores para a possibilidade de, também, fazer a mudança funcional através de medidas legais de ascensão profissional. É imperioso ter um diagnóstico da real situação do contingente de nível médio no que tange a formação e qualificação e a partir deste diagnóstico, elaborar políticas específicas estruturantes que objetivem a adequação da FT à missão do SUS e em comum acordo com gestores e trabalhadores construir políticas de inclusão social destes trabalhadores, dando-lhes possibilidade real e legal de ascensão funcional/profissional no âmbito de sua carreira.

25 Promover a expansão da Negociação do Trabalho no SUS, constituindo um arcabouço jurídico-legal no âmbito do SUS; Adotar medidas legais para eliminar o trabalho precário; Adotar medidas legais para implantação das Diretrizes do PCCS-SUS; Adotar medidas legais para implantação das Diretrizes da Saúde e Promoção dos trabalhadores do SUS.


Carregar ppt "FTS na Seguridade Social Maria Helena Machado São Paulo, maio de 2013 6 CONGRESSO CNTSS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google