A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

I MPLEMENTAÇÃO E ACEITAÇÃO DE S ISTEMAS: UM ESTUDO COM BASE NO MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO U BIRATAN B UENO FACULDADE DE ECONOMIA,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "I MPLEMENTAÇÃO E ACEITAÇÃO DE S ISTEMAS: UM ESTUDO COM BASE NO MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO U BIRATAN B UENO FACULDADE DE ECONOMIA,"— Transcrição da apresentação:

1 I MPLEMENTAÇÃO E ACEITAÇÃO DE S ISTEMAS: UM ESTUDO COM BASE NO MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO U BIRATAN B UENO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

2 I. Introdução III. Estudo de Implementação e Aceitação de SI Agenda 1 – INTRODUÇÃO Evolução do uso da TI nas organizações Implementação de SI Aceitação de TI Uso obrigatório de Sistemas Estudo de Implementação e Aceitação de SI II. Desenvolvimento IV. Conclusão

3 Análise de sistemas Análise de problemas que a organização pretende resolver usando sistemas de informaçãoAnálise de problemas que a organização pretende resolver usando sistemas de informação Desenvolvimento de sistemas Atividades que fazem parte da produção de uma solução de sistema de informaçãoAtividades que fazem parte da produção de uma solução de sistema de informação 2 – ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SI Conceitos

4 Áreas e Sub- áreas de Sistemas de Informação 1 – INTRODUÇÃO

5 Bacon e Fitzgerald (2001), ao apresentar as principais áreas e seus relacionamentos, citam que um dos relacionamentos mais importante ocorre entre as áreas de Desenvolvimento, Aquisição e Suporte de SI e de Pessoas e Organização, onde a primeira pode ser determinada e especificada pela segunda. DESENVOLVIMENTO, AQUISIÇÃO E SUPORTE DE SI PESSOAS E ORGANIZAÇÃO X 1 – INTRODUÇÃO

6 Desenvolvimento, aquisição e suporte de SI A área de Desenvolvimento, aquisição e suporte de sistemas de informação é a principal área e tema para o campo dos sistemas de informação. Inicialmente, as principais pesquisas na área concentravam-se em análise e desenvolvimento de sistemas. Atualmente, há grande interesse em estudar os processos de aquisição e implementação. 1 – INTRODUÇÃO

7 Pessoas e Organização A área Pessoas e Organizações é reconhecida como uma das mais estudadas e surgiu pelo agrupamento de fundamentos teóricos de vários campos de conhecimento. O campo de SI tem como contexto o ambiente organizacional. Igualmente implícito, as pessoas fazem parte das organizações. Pessoas são os stakeholders. São elas na organização que determinam, especificam, desenvolvem, exploram, apóiam, autorizam, e confiam na informação, nos sistemas de informação e na informática. 1 – INTRODUÇÃO

8 Evolução de Uso da TI 2 – EVOLUÇÃO DO USO DE TI

9 CE BI e KM SCM CE BI e KM CRM Comunidades Virtuais Parceiros ClientesFornecedores Organização Gerenciamento da Informação Efficient Consumer Response Supply Chain ManagementCustumer Relationship Management Albertin, 2002 Hoje: CE 2 – EVOLUÇÃO DO USO DE TI

10 Grid Estratégico 2 – EVOLUÇÃO DO USO DE TI

11 Situação 1 – Denominada como ambiente de Suporte, nesse quadrante a empresa apresenta baixo nível de aplicações presentes e futuras, ou seja, a os recursos de TI existentes influenciam pouco as atividades atuais da organização e não há previsão de aplicações futuras. Situação 2 – Aqui, a empresa apresenta baixo nível de aplicações presentes, porém observa-se que aplicações em desenvolvimento influenciarão as atividades da organização no futuro, esse ambiente é denominado como Fábrica. Situação 3 – No ambiente de Reviravolta ou Transição, a empresa possui recursos de TI importantes para o desempenho de suas atividades, porém não é observado o desenvolvimento de aplicações futuras. Situação 4 – O ambiente Estratégico supõe que a empresa possui recursos importantes para o desempenho de suas atividades atuais e percebe a necessidade de pensar em aplicações futuras de TI, afetando diretamente o negócio da empresa. Grid Estratégico 2 – EVOLUÇÃO DO USO DE TI

12 COBERTURA FUNCIONAL VALOR ESTRATÉGICO ALTABAIXA ALTA PRIORIDADES MENORES PRIORIDADES VANTAGENS COMPETITIVAS NECESSIDADES OPERACIONAIS PRIORIZAÇÃOPRIORIZAÇÃO 2 – EVOLUÇÃO DO USO DE TI

13 ALIANÇA ESTRATÉGICA AQUISIÇÃO DE PACOTES DESENVOLVIMENTO INTERNO AQUISIÇÃO DE PACOTES DIFERENCIAÇÃO PARA O NEGÓCIO COMPLEXIDADE ALTA BAIXO BAIXA ALTO VALOR ESTRATÉGICO COMMODITIES SERVIÇOS ESTRATÉGICOS NICHOS DE MERCADO SERVIÇOS TECNOLÓGICOS DECISÃO ENTRE FAZER E COMPRAR DECISÃO ENTRE FAZER E COMPRAR 2 – EVOLUÇÃO DO USO DE TI

14 Componentes da Organização – Alinhamento Estratégico 2 – ENFOQUE SÓCIO-TÉCNICO

15 Componentes da Organização 2 – ENFOQUE SÓCIO-TÉCNICO

16

17 IMPLEMENTAÇÃO = Mudança = Processo sócio-técnico Processo Técnico Processo Técnico – Métodos e Técnicas Processo Social Processo Social – Ganhos e Perdas/Direitos Adquiridos 2 – ENFOQUE SÓCIO-TÉCNICO

18 Iniciação Iniciação – processo através do qual os problemas da organização e as possibilidades da TI são examinados até que se localize uma possibilidade de aplicação da TI como solução de um problema organizacional. Corresponde à etapa de início do modelo tradicional de ciclo de vida apresentado. Adoção Adoção – processo de negociação entre os interessados na empresa que termina com a aprovação do projeto de implementação e dos investimentos necessários. 2 – IMPLEMENTAÇÃO

19 Adaptação Adaptação – são todos os processos através dos quais a aplicação de TI é desenvolvida, instalada e manutenida. Nessa etapa os procedimentos organizacionais são revistos e os usuários são treinados tanto nos novos procedimentos como no uso da TI. Aceitação Aceitação – processo através do qual os usuários são induzidos a se comprometerem com o uso da aplicação, e ela torna-se empregada nos processos organizacionais. Rotinização (Uso) Rotinização (Uso) – processo através do qual o uso da aplicação é encorajado como uma atividade do dia-a-dia, deixando de ser responsabilidade do departamento de TI e de ser percebida como alguma coisa extraordinária. Incorporação Incorporação – processo através do qual a efetividade e eficiência organizacional são finalmente ampliadas pelo uso da TI. Através desse processo, obtêm-se o total potencial da tecnologia implementada. 2 – IMPLEMENTAÇÃO

20 VALOR ESTRATÉGICO, MEDIDO PELO GRAU DE DIFERENCIAÇÃO QUE O SISTEMA PODE INCORPORAR AOS NEGÓCIOS, PARA OBTENÇÃO DE VANTAGENS COMPETITIVAS IMPORTÂNCIA PARA O NEGÓCIO, MEDIDA PELA CRITICIDADE DAS FUNÇÕES SUPORTADAS PELO SISTEMA PARA A CONTINUIDADE OPERACIONAL DA EMPRESA 2 – MÉTRICAS Métricas Subjetivas na Avaliação de Sistemas

21 EXCELÊNCIA TÉCNICA, SOBRE OS PONTOS DE VISTA DO USUÁRIO E DO PROJETO COMPLEXIDADE, MEDIDO PELO NÍVEL TECNOLÓGICO DO SISTEMA QUALIDADE FUNCIONAL, PROCURANDO AVALIAR O NÍVEL DE SUPORTE PROPORCIONADO PELO SISTEMA ÀS FUNÇÕES AO QUAL O MESMO SE DESTINA PENETRAÇÃO, DEFINIDA PELO NÍVEL DE IMPLEMENTAÇÃO DAS FUNÇÕES DISPONIBILIZADAS PELO SISTEMA 2 – MÉTRICAS Métricas Passíveis de Scores

22 External Variables Perceived Usefulness Perceived Ease of use Attitude Towards Behavioural Intention to Use Actual System Use Fonte: Davis at al. (1989) 2 – MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA

23 External Variables Perceived Usefulness Perceived Ease of use Attitude Towards Behavioural Intention to Use Actual System Use Características de design do Sistema; 2 – MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA

24 External Variables Perceived Usefulness Perceived Ease of use Attitude Towards Behavioural Intention to Use Actual System Use O grau o qual um usuário acredita que usando o Sist.será livre de esforços. Minha interação com o Sist. é Clara? Interagir com o Sist. não requer muito de meu esforço mental? Eu acho o Sist. fácil de usar? Aprender a usar o Sist. é fácil? 2 – MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA

25 External Variables Perceived Usefulness Perceived Ease of use Attitude Towards Behavioural Intention to Use Actual System Use O grau o qual um usuário acredita que usando o Sist. irá melhorar sua performance Usar o Sist. melhora minha performance no meu trabalho? Usar o Sist. no meu trabalho aumenta minha produtividade? Usar o Sist. melhora minha eficiência no meu trabalho? Eu acho o Sist. útil para meu trabalho? 2 – MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA

26 External Variables Perceived Usefulness Perceived Ease of use Attitude Towards Behavioural Intention to Use Actual System Use Sentimento do usuário de estar favorável ou não em relação a usar o Sist. Eu acho que seria muito bom usar o Sist. em vez de usar o método atual? Na minha opinião seria muito desejável usar o Sist. em vez de usar o método atual? Seria muito melhor para mim, se eu usar o Sist. em vez de usar o método atual? 2 – MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA

27 External Variables Perceived Usefulness Perceived Ease of use Attitude Towards Behavioural Intention to Use Actual System Use A força da intenção de usar o Sist. no futuro Assumindo que eu tenha acesso ao Sist., eu pretendo usar o Sist.? Dado que eu tenha acesso ao Sist., eu prevejo que usuaria? 2 – MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA

28 External Variables Perceived Usefulness Perceived Ease of use Attitude Towards Behavioural Intention to Use Actual System Use A quantidade de uso sobre uma unidade fixa de tempo Quantas vezes eu uso o Sist. por semana? Quantas horas eu uso o sistema por semana? 2 – MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA

29 RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS RELAÇÃO POSITIVA RELAÇÃO NÃO SIGNIFICANTE RELAÇÃO NEGATIVA NÃO TESTADO PEOU – PU PU – AT PEOU – AT PU – BI PEOU – BI AT – BI AT – U BI – U PEOU – U PU – U Fonte: Legris et. al. (2003) Relação entre variáveis do TAM nos principais trabalhos 2 – MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA

30 TAM E WWW – (Leaderer et. al. 2000) Antecedentes de Utilidade Antecedentes de Facilidade de Uso Utilidade Percebida Facilidade de Uso Percebida Uso do Sistema 2 – MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA

31 TAM E COMÉRCIO ELETRÔNICO – (Pavlou, 2003) Transação Atual Intenção de Transação Risco Percebido Utilidade Percebida Facilidade Percebida Confiança 2 – MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA

32 E-TAM – (Heijen, 2000) Variáveis externas Percepção relativa de utilidade Percepção relativa de prazer Percepção de Facilidade de Uso Intenção de revisita ao Website Atual revisita ao Website 2 – MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA

33

34 Legris, Ingham e Collerette (2003) - algumas pesquisas que utilizaram o TAM, o uso real do sistema não foi medido, pois se avaliavam sistemas de uso obrigatório. Ajzen e Fishbein (1980) - o controle sobre a ação voluntária é obtido quando uma pessoa é razoavelmente hábil para expressar sua vontade, usualmente mensurada na forma de intenção em realizar uma dada ação. Quando o controle da ação voluntária é baixo, como no caso da obrigatoriedade, a relação intenção-comportamento é reduzida devido às pessoas não terem dificuldades em obtê-lo. Quando um sistema é de uso obrigatório 2 – USO OBRIGATÓRIO DE SI

35 2 – ESTUDO DE IMPLEMENTAÇÃO E ACEITAÇÃO

36 1 – O PROBLEMA DA PESQUISA Contexto Delimitação da Pesquisa Questão Principal da Pesquisa Q1 – Por que o total potencial do sistema implementado não é percebido pela organização? Justificativas Q2 – Como ocorreu a implementação do sistema em substituição a um processo de negócio realizado em papel? Q3 – Quais são as percepções, atitudes e intenções dos usuários em relação ao uso do sistema em substituição a um processo de negócio realizado em papel?

37 Finalísticos Apoio Operacional Apoio Administrativo Gerenciais Preparo Emprego Comando e Controle Logística Operacional Inteligência Preparação de RH Mobilização Comunicação Social Logística Organizacional Administração das Instalações Gestão de Pessoal Gestão Documental Gestão de TI Gestão de Legislação Gestão Orçamentária e Financeira Cerimonial Militar Registro de Atos e Fatos Adm Comando Gestão 2 – CONTEXTO

38

39 3 – METODOLOGIA DE PESQUISA BibliográficaDescritiva Pesquisa de Opinião Estudo de caso Modalidades da pesquisa M ODALIDADES DA P ESQUISA

40 3 – METODOLOGIA DE PESQUISA P ASSOS DA P ESQUISA Revisão Bibliográfica Estudo de CasoIdentificação de novos constructos Adaptação do Instrumento de pesquisa Pesquisa Bibliográfica Pesquisa Descritiva Survey Validação do Instrumento de pesquisa Aplicação do Instrumento de pesquisa Análise dos resultados e validação

41 3 – TAM MODIFICADO PARA A PESQUISA M ICRO A NÁLISE – M ODELO E STRUTURAL Característic as do Sistema Facilidade de Uso Percebida Utilidade Relativa Percebida Atitude em Relação ao Uso Intenção Comportament al de Uso

42 3 – METODOLOGIA DE PESQUISA M ODELO C ONCEITUAL DA P ESQUISA Pessoas Percepções Atitudes Intenções Organização Recursos de TI Área de TI Característica do Processo Tarefas de Implementação Tecnologia Características da TI Metas x Características CONTEXTO

43 3 – METODOLOGIA DE PESQUISA M ACRO A NÁLISE – E STUDO DE C ASO Pessoas Percepções Atitudes Intenções Organização Recursos de TI Área de TI Característica do Processo Tarefas de Implementação Tecnologia Características da TI Metas x Características CONTEXTO

44 2 – ESTUDO DE IMPLEMENTAÇÃO E ACEITAÇÃO

45 3 – METODOLOGIA DE PESQUISA M ICRO A NÁLISE – P ESQUISA DE O PINIÃO Pessoas Percepções Atitudes Intenções Organização Recursos de TI Área de TI Característica do Processo Tarefas de Implementação Tecnologia Características da TI Metas x Características CONTEXTO

46 3 – METODOLOGIA DE PESQUISA M ICRO A NÁLISE – P ESQUISA DE O PINIÃO

47 3 – METODOLOGIA DE PESQUISA A NÁLISE M ISTA Pessoas Percepções Atitudes Intenções Organização Recursos de TI Área de TI Característica do Processo Tarefas de Implementação Tecnologia Características da TI Metas x Características CONTEXTO

48 4 – ESTUDO DE CASO Organização Processo de Negócio Tecnologia da Informação O Sistema Implementação de Sistema

49 5 – PESQUISA DE OPINIÃO Questionário (Anexo I) Resultados obtidos Gráficos (Anexo II) Medidas de associação

50 6 – ANÁLISE Análise das proposições do Estudo de Caso Análise das hipóteses da Pesquisa de Opinião Discussão das questões secundárias Análise Mista

51 6 – ANÁLISE Proposições do Estudo de Caso P1 – Existe um modelo de gestão de SI/TI na organização. P2 – O processo de seleção do sistema foi baseado em critérios técnicos. P3 – Os recursos de TI são adequados ao sistema. P4 – As características do sistema satisfazem às necessidades da organização e dos usuários. P5 – A transição do processo realizado em papel para o sistema foi completa.

52 6 – ANÁLISE Hipóteses da Pesquisa de Opinião H1 – As características do Sistema têm efeito direto sobre Facilidade de Uso Percebida. H2 – Características do Sistema têm efeito direto sobre utilidade Relativa Percebida. H3 – Facilidade de Uso Percebida tem efeito direto sobre Utilidade Relativa Percebida. H4 – Facilidade de Uso Percebida tem efeito direto sobre Atitude em Relação ao Uso. H5 – Utilidade Relativa tem efeito direto sobre Atitude em Relação ao Uso. H6 – Atitude em Relação ao Uso tem efeito direto sobre Intenção Comportamental de Uso.

53 6 – ANÁLISE Questões Secundárias Q2 – Como ocorreu a implementação do sistema em substituição a um processo de negócio realizado em papel? Sob um modelo de gestão de recursos de TI inadequado. Inexistência de planejamento. Simples automação de procedimentos existentes. Sem avaliação das metas e das reais possibilidades do sistema. As tarefas de implementação foram realizadas de maneira inapropriada.

54 6 – ANÁLISE Questões Secundárias Q3 – Quais são as percepções, atitudes e intenções dos usuários em relação ao uso do sistema em substituição a um processo de negócio realizado em papel? As Características do Sistemas influenciaram direta e positivamente a Percepção de Facilidade de Uso do Sistema. A Percepção da Facilidade de Uso do Sistema influenciou direta e positivamente a Percepção de Utilidade do Sistema. A Percepção de Utilidade do Sistema influenciou o usuário de maneira que este demonstrou Atitude favorável ao uso do Sistema. Não foi observado relação entre a Atitude em Relação ao Uso e a Intenção Comportamental de Uso do Sistema. As Características do Sistemas influenciaram indireta e positivamente a Intenção Comportamental de Uso do Sistema.

55 6 – ANÁLISE Modelo estrutural e seus efeitos IC = β11ARU + e1 ARU = β21 FUP + β22 URP + e2 URP = β31 FUP + β32 CS + e3 FUP = β41 CS + e4 Caminhos diretos do modelo estrutural

56 A NALISE M ISTA Q1 – Por que o total potencial do sistema implementado não é percebido pela organização? Pessoas Percepções Atitudes Intenções Organização Recursos de TI Área de TI Característica do Processo Tarefas de Implementação Tecnologia Características da TI Metas x Características CONTEXTO

57 C ONCLUSÃO Implementação de TI e mudança organizacional. Benefícios são afetados não apenas por aspectos técnicos, como também pelo contexto organizacional e pelos indivíduos. A não revisão dos processo na fase inicial de implementação inviabilizou o total potencial. Inovação tímida, apesar do potencial revolucionário do sistema.


Carregar ppt "I MPLEMENTAÇÃO E ACEITAÇÃO DE S ISTEMAS: UM ESTUDO COM BASE NO MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO U BIRATAN B UENO FACULDADE DE ECONOMIA,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google