A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Rafael Faria Música Popular Brasileira. Definição de música popular: - Erudito X Popular A música erudita é aquela em que há a necessidade de um.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Rafael Faria Música Popular Brasileira. Definição de música popular: - Erudito X Popular A música erudita é aquela em que há a necessidade de um."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Rafael Faria Música Popular Brasileira

2 Definição de música popular: - Erudito X Popular A música erudita é aquela em que há a necessidade de um estudo acadêmico, hierárquico e racional das regras execução e composição. A música popular advém das manifestações culturais espontâneas do interior da tradição e costumes de um determinado povo. Sua reprodução ocorre por meio da oralidade, dos rituais e demais práticas de coesão identitária. Adquire com o tempo a característica de ser mais facilmente comercializada.

3 O POVO BRASILEIRO PortuguesaIndígenaAfricana MATRIZES

4 A amálgama cultural da nossa formação enquanto povo é o que podemos traçar de mais geral na busca de um conceito sobre as características da música popular brasileira. Cada região e sub região do país realizou, a partir dessa mistura, produções culturais locais que assumem o formato de regionalismos. Temos uma miríade de ritmos e melodias que tornam impossível traçar com exatidão uma genealogia da música popular brasileira.

5 Outro fator que contribui para a dificuldade de traçar a genealogia da música popular brasileira é a própria essência da música popular, ou seja, a falta de uma documentação objetiva que registrasse suas formas, reproduções e progressos ao logo do tempo, algo que sempre foi feito pela oralidade e representações ritualísticas/folclóricas.

6 Não obstante, a tradição oral é confiável e têm suas maneiras de tornar reproduzível as características da música local através dos rituais, danças e comemorações tradicionais. Diante disso, é possível reconhecer alguns ritmos regionais brasileiros. - Região Norte: marajuadas, cirandas, carimbó - Região Nordeste: côco, congada, xaxado, Baião. - Região Centro Oeste: cururu, polca, catira, setanejo. - Região Sudeste: Lundu, Maxixe, choro, música caipira - Região Sul: Fandango, Vanerão, Chula, Chamamé

7 O alcance nacional Século XIX – a cultura de âmbito nacional tinha como principal centro difusor a capital do Brasil – Rio de Janeiro. Os ritmos do sudeste são os primeiros a se tornarem abrangentes. Além disso, a convergência dos ritmos causada pelo caldeamento de nossas matrizes culturais iniciais, facilita a assimilação de um ritmo regional por outras regiões. Ainda assim, é impossível falar de uma música genuinamente regional, principalmente no Rio de Janeiro. LUNDU http://youtu.be/a7BqQrEy5qQ http://youtu.be/iUqorvESjQI http://youtu.be/SRyU4uNRR1A http://youtu.be/DGGrBFIu2WM MAXIXE http://youtu.be/whBAJCWfdn4 http://youtu.be/KnhP-1BOw2M MODINHA http://youtu.be/AM5aCIcBgTU CHORO http://youtu.be/7swsLj9i8jE RUGENDAS. LUNDU.

8 O papel de Chiquinha Gonzaga Nasceu da união de José Basileu Neves Gonzaga, militar de ilustre linhagem no Império, com a forra Rosa, filha de escrava. A compositora e maestrina carioca Chiquinha Gonzaga (1847-1935) destaca-se na história da cultura brasileira e da luta pelas liberdades no país pelo seu pioneirismo. A coragem com que enfrentou a opressora sociedade patriarcal e criou uma profissão inédita para a mulher, causou escândalo em seu tempo. Atuando no rico ambiente musical do Rio de Janeiro do Segundo Reinado, no qual imperavam polcas, tangos e valsas, Chiquinha Gonzaga não hesitou em incorporar ao seu piano toda a diversidade que encontrou, sem preconceitos. (1847-1935)

9 PIXINHGUINHA (1897-1973) Também considerado fundador da música popular brasileira, compõe o choro canção “carinhoso”, uma de nossas canções mais conhecidas. “Meu coração, não sei por quê Bate feliz quando te vê E os meus olhos ficam sorrindo E pelas ruas vão te seguindo, Mas mesmo assim foges de mim...”

10 SAMBA “Pelo telefone” (1917) – Donga. Marca o início de uma maior profissionalização da Música Popular Brasileira. Seu autor registrou, pela primeira vez, letra e melodia na Biblioteca Nacional. http://youtu.be/X99_DMzHPNghttp://youtu.be/X99_DMzHPNg

11 A Era do Rádio Década de 1930. Meio pelo qual se fez possível uma aliança entre política e cultura em larga escala. Getúlio Vargas utiliza-o como forma de promover a integração nacional. Há uma procura por vozes suaves e melódicas que soariam bem através da nova tecnologia. Eliseth Cardoso. Carmem Miranda

12 Outros nomes importantes da era do rádio SinhôLamartine BaboNoel Rosa Ataulfo Alves http://youtu.be/K7qWQ8d6Uy0

13 Pós Guerra (1945) Diversificação. Junto com a música dos grandes centros aparece o BAIÃO. Ritmo regional do nordeste que é “urbanizado”, recriado por Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. O primeiro é considerado o maior representante da cultura nordestina por cantar a dor, a alegria, os sentimentos mais profundos do nordestino. Baião “Eu vou mostrar pra vocês Como se dança o baião E quem quiser aprender É favor prestar atenção”

14 Samba Canção Boêmia melancólica e trágica. Presença do existencialismo europeu na música popular brasileira. http://youtu.be/Wk9_AwG-TQ8

15 Final dos anos 50 Ritmo brasileiro mais tocado no mundo. Um jeito de cantar sussurrado, letras leves e descontraídas. Mistura de samba, jazz e poesia pelo amor. http://youtu.be/XjJuItOQIkohttp://youtu.be/ue4_VM5jxTU

16 O samba só retornaria a cena musical com Cartola. Artista que reuniu artistas da favela e artistas da bossa nova. Com uma linguagem refinada, cantava as dificuldades da vida na favela, a alegria da estação primeira.

17 A tradição nordestina continua forte com JACKSON DO PANDEIRO, conhecido como o rei do ritmo. Compositor de forró e samba, assim como de seus diversos subgêneros, a citar: baião, xote, xaxado, coco, arrastapé, quadrilha, marcha, frevo, dentre outros. http://youtu.be/EWjLg74cS4A

18 O golpe militar de 64 A arte assume um papel de rebeldia, protesto. A música deveria ter um viés nacionalista, dos instrumentos aos temas. Alguns nomes importantes foram: Geraldo Vandré, Chico Buarque de Holanda, Taiguara. http://youtu.be/82dRs2z6iQshttp://youtu.be/09bZl8Rr-NQ

19 Festivais de Música Popular Brasileira (A televisão) Série de programas transmitidos por algumas emissoras de televisão brasileira (TV Excelsior, TV Record, TV Rio, Rede Globo) entre os anos de 1965 a 1985. Esses festivais consolidaram a música popular brasileira, além de revelar e consolidar grandes compositores e interpretes da nossa música (Elis Regina, Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Geraldo Vandré, Nara Leão, Edu Lobo, Jair Rodrigues, Tom Jobim, Oswaldo Montenegro, Guilherme Arantes entre outros).

20 Jovem Guarda Influências externas diretas. Assimilação dos valores culturais estadunidenses e ingleses. Surgida em agosto de 1965, a partir de um programa televisivo exibido pela TV Record, em São Paulo, apresentado pelo cantor e compositor Roberto Carlos, conjuntamente com o também cantor e compositor Erasmo Carlos e da cantora Wanderléa, a Jovem Guarda deu origem a toda uma nova linguagem musical e comportamental no Brasil.

21 TROPICÁLIA Movimento surgido dos festivais. Misturava o brasil tropical com as guitarras do rock. Embora tenha sofrido críticas dos nacionalistas de violão. Realizou aquilo que a Jovem Guarda negligenciou: a antropofagia cultural.


Carregar ppt "Prof. Rafael Faria Música Popular Brasileira. Definição de música popular: - Erudito X Popular A música erudita é aquela em que há a necessidade de um."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google