A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS RACIOCÍNIO FISIOLÓGICO APLICADO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS RACIOCÍNIO FISIOLÓGICO APLICADO."— Transcrição da apresentação:

1

2 FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS RACIOCÍNIO FISIOLÓGICO APLICADO

3 Reinaldo O. Sieiro RFA 11 SISTEMAS DE CONTROLE DA PRESSÃO ARTERIAL RFA 11 SISTEMAS DE CONTROLE DA PRESSÃO ARTERIAL

4 CONCEITOS BÁSICOS Pequenas variações no vol LEC causam acentuadas variações na PAPequenas variações no vol LEC causam acentuadas variações na PA vol LEC PAM RPT PA DC e RV vol LEC PAM RPT PA DC e RV

5 MECANISMOS DE CONTROLE Nervosa(seg):BarorreceptoresQuimiorreceptores Resposta isquêmica do SNC Transparência

6 MECANISMOS DE CONTROLE Circulatória (minutos)Circulatória (minutos) - Troca de líquidos capilares (relaxamento por stress)

7 MECANISMOS DE CONTROLE Renal (horas/dias)Renal (horas/dias) - Diurese por pressão - Sistema renina-angiotensina-aldosterona

8 CONCEITOS BÁSICOS PA Na + H 2 0 REGULAÇÃO A LONGO PRAZO DA PAREGULAÇÃO A LONGO PRAZO DA PA Excreção de Na+ H20Excreção de Na+ H20

9 CONCEITOS BÁSICOS A longo prazo a PA é determinada pela INGESTÃO X EXCREÇÃO DE LÍQUIDOSA longo prazo a PA é determinada pela INGESTÃO X EXCREÇÃO DE LÍQUIDOS

10 CONCEITOS BÁSICOS PA = DC X RPT ?

11 CONCEITOS BÁSICOS DC E RPT NÃO SÃO FATORES PRIMÁRIOS DE CONTROLE POIS SÃO CONTROLADOS POR OUTROS FATORES: - INGESTÃO X EXCREÇÃO DE LÍQUIDOS - SISTEMA RENINA- ANGIOTENSINADC E RPT NÃO SÃO FATORES PRIMÁRIOS DE CONTROLE POIS SÃO CONTROLADOS POR OUTROS FATORES: - INGESTÃO X EXCREÇÃO DE LÍQUIDOS - SISTEMA RENINA- ANGIOTENSINA

12 CONCEITOS BÁSICOS DC E RPT NÃO SÃO FATORES PRIMÁRIOS DE CONTROLE POIS SÃO CONTROLADOS POR OUTROS FATORES: - INGESTÃO X EXCREÇÃO DE LÍQUIDOS - SISTEMA RENINA- ANGIOTENSINADC E RPT NÃO SÃO FATORES PRIMÁRIOS DE CONTROLE POIS SÃO CONTROLADOS POR OUTROS FATORES: - INGESTÃO X EXCREÇÃO DE LÍQUIDOS - SISTEMA RENINA- ANGIOTENSINA

13 CONCEITOS BÁSICOS A SIMPLES VARIAÇÃO DA RPT e do DC não alteram a PA a longo prazo, a menos que ao aumento da RPT atingir também os rins

14 CONCEITOS BÁSICOS Fatores que aumentam a eficácia do sistema rim-líquido corporal no controle da PA: - Renina-angiotensina - SNA

15 PA e/ou Hipovolemia PA e/ou Hipovolemia PERFUSÃO RENAL PERFUSÃO RENAL CONSTRIÇÃO DA ARTERÍOLA AFERENTE CONSTRIÇÃO DA ARTERÍOLA AFERENTE NaCl NA MÁCULA DENSA NaCl NA MÁCULA DENSA Tônus SNAS Tônus SNAS RENINA RENINA SUBSTRATO DE RENINA SUBSTRATO DE RENINA ANGIOTENSINA I ANGIOTENSINA II ECA ALDOSTERONA ALDOSTERONA REABSORÇÃO Na REABSORÇÃO Na VOLUME LEC VOLUME LEC PRESSÃO SISTÊMICA PRESSÃO SISTÊMICA RENINA RENINA

16 PRESSÃO ARTERIAL E VOLUME DE LEC PRESSÃO ARTERIAL EXCREÇÃO RENAL DE [ Na + H 2 0 ] VOLUME: - LEC - SANGUÍNEO PRESSÃO MÉDIA DE ENCHIMENTO TAXA DE ACÚMULO [ Na + H20 ] INGESTÃO DE Na+ H20 QUANTIDADE TOTAL Na+ H20 RV + DC ART RPT

17 PA IDEAL SNA SIMPÁTICO PERFUSÃO RENAL PRESSÃO PERIFÉRICA PRESSÃO ARTERIA RENAL PRESSORECEPTORES QUIMIORECEPTORES PERFUSÃO SNC CONTROLE DA RPT CONTROLE FUNÇÃO CARDÍACA PA REAL ALTERAÇÃO VOL. LEC AO NÍVEL CAPILAR - FLUXO FILTRAÇÃO GLOMERULAR - ALTERACÃO DA ALDOSTERONA

18 HIPERTENSÃO ARTERIAL Em 95% dos casos há aumento da RPT pois os fatores que alteram a curva de excreção renal também elevam a RPTEm 95% dos casos há aumento da RPT pois os fatores que alteram a curva de excreção renal também elevam a RPT (por ex. angiotensina)(por ex. angiotensina)

19 CURVA DE EXCREÇÃO RENAL A angiotensina e em menor grau a aldosterona deslocam a curva de excreção renal para maiores pressões, podendo ter efeitos no aumento a longo prazo da PAA angiotensina e em menor grau a aldosterona deslocam a curva de excreção renal para maiores pressões, podendo ter efeitos no aumento a longo prazo da PA GRÁFICO EXCREÇÃO X PA (angiot)GRÁFICO EXCREÇÃO X PA (angiot)

20 HIPERTENSÃO ARTERIAL PA Na + H 2 0 EXCREÇÃO NORMAL ANGIOTENSINA ANGIOTENSINA ANGIOTENSINA Normal

21 RINS – CONTROLE DO VOLUME RENAL OS RINS DETERMINAM O VOLUME SANGUÍNEO NECESSÁRIO PARA MANTER A PA EM CONDIÇÕES DE CONTROLAR A INGESTÃO / EXCREÇÃO DE H20 ANGIOTENSINA VASOCONSTRIÇÃO GENERALIZADA VOLUME SANGUÍNEO DC (PORÉM COM PA) ANGIOTENSINA VASOCONSTRIÇÃO GENERALIZADA VOLUME SANGUÍNEO DC (PORÉM COM PA)

22 DISTÚRBIO RENAL E HIPERTENSÃO QUANDO OS RINS NÃO FUNCIONAM ADEQUADAMENTE, UM EXCESSO DE LÍQUIDOS QUANDO OS RINS NÃO FUNCIONAM ADEQUADAMENTE, UM EXCESSO DE LÍQUIDOS RV DC RPT PA RV DC RPT PA EM DIAS OU ANOS: RPT (ART) NORMALIZA DO DC MANTENDO A PA ELEVADA (HIPERTENSÃO) RPT (ART) NORMALIZA DO DC MANTENDO A PA ELEVADA (HIPERTENSÃO)

23 QUAL A IMPORTÂNCIA DO Na + ? Os rins não conseguem reter água sem reter NaOs rins não conseguem reter água sem reter Na A ingestão de Na eleva a osmolaridade do LEC desidratação LIC estimula o centro da sede (osmorreceptores) ingestão de águaA ingestão de Na eleva a osmolaridade do LEC desidratação LIC estimula o centro da sede (osmorreceptores) ingestão de água + +

24 TIPOS DE HIPERTENSÃO POR AUMENTO DE RPT: RPT E PA VOL SANGUE DC RPT E PA VOL SANGUE DC (FEOCROMOCITOMA, TUMOR PRODUTOR DE RENINA) POR SOBRECARGA DE VOLUME: VOLUME RV DC (ART) RPT NORMALIZA O DC COM MANUTENÇÃO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL VOLUME RV DC (ART) RPT NORMALIZA O DC COM MANUTENÇÃO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL

25 EFEITOS DA HIPERTENSÃO ARTERIAL 97% DOS CASOS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SÃO DE CAUSA DESCONHECIDA (ESSENCIAL OU PRIMÁRIA)

26 CAUSAS SECUNDÁRIAS DA HIPERTENSÃO ARTERIAL Hipertensão na toxemia gravídicaHipertensão na toxemia gravídica (espessamento da membrana glomerular) Hipertensão neurogênciaHipertensão neurogência (estímulo SNA, ansiedade, dor, etc) Aldosteronismo primárioAldosteronismo primário (tumor produtor de aldosterona – há desvio da curva de excreção renal para a direita) Hipertensão de GoldblattHipertensão de Goldblatt (isquemia renal aumento de renina- angiotensina)(isquemia renal aumento de renina- angiotensina)

27

28 HIPERTENSÃO ARTERIAL - TRATAMENTO Indivíduo jovemIndivíduo jovem Hipertensão leve 150x100 (confirmada)Hipertensão leve 150x100 (confirmada) AssintomáticoAssintomático Pratica esportes regulamentePratica esportes regulamente Sem passado mórbidoSem passado mórbido Deve ter o diagnóstico de hipertenso arterial com cid, etc (doença incurável com controle contínuo) Deve ter o diagnóstico de hipertenso arterial com cid, etc (doença incurável com controle contínuo)???????

29 EFEITOS A LONGO PRAZO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL Sobrecarga cardíacaSobrecarga cardíaca Aceleração da arteriosclerose (obstrução e rupturas)Aceleração da arteriosclerose (obstrução e rupturas) As elevação da pressão diastólica é transmitida à microcirculação arterioscleroseAs elevação da pressão diastólica é transmitida à microcirculação arteriosclerose A hipertensão sistólica decorrente da arteriosclerose no idoso não acarreta maiores danos à microcirculaçãoA hipertensão sistólica decorrente da arteriosclerose no idoso não acarreta maiores danos à microcirculação

30 HAS TRATAMENTO - DIURÉTICOS - VASODILATADORES - INIBIDORES CANAIS CÁLCIO - INIBIDORES DA ECA - INIBIDORES DA ANGIOTENSINA II - BETABLOQUEADORES

31 CONTROLE DE TRATAMENTO O exame de fundo de olho O exame de fundo de olho Mapa // Holter Mapa // Holter Provas de função renal Provas de função renal ECG, ECO, Teste esforço, Cineangio, TC ECG, ECO, Teste esforço, Cineangio, TC


Carregar ppt "FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS RACIOCÍNIO FISIOLÓGICO APLICADO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google