A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Roteiro Multimídia Dauro Veras Janeiro de 2002. Atualizado em fevereiro de 2003.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Roteiro Multimídia Dauro Veras Janeiro de 2002. Atualizado em fevereiro de 2003."— Transcrição da apresentação:

1

2 Roteiro Multimídia Dauro Veras Janeiro de Atualizado em fevereiro de 2003.

3 Definições de roteiro (1) Doc Comparato: É a forma escrita de qualquer projeto audiovisual. Syd Field: História contada em imagens, diálogo e descrição, dentro do contexto de uma estrutura dramática. Frank Daniel: [Escrever roteiros] é contar histórias interessantes sobre gente interessante de uma forma interessante.

4 Definições de roteiro (2) Aurélio: roteiro. [De rota 2 + -eiro.] (...) 2. Descrição pormenorizada de uma viagem; itinerário. (...) 4. Relação dos principais tópicos que devem ser abordados num trabalho escrito, numa discussão de trabalhos, etc.: roteiro para discussões. (...) 6. Cin. Rád. Telev. Documento que contém o texto de filme cinematográfico, vídeo, programa de rádio, etc., ger. estruturado em seqüências e com indicações técnicas destinadas a orientar a direção e a produção da obra. [Cf., nesta acepç., script, storyboard e decupagem.] 7. Guia.

5 Definição de multimídia zMultimídia Inform. Combinação de diversos formatos de apresentação de informações, como textos, imagens, sons, vídeos, animações, etc., em um único sistema. 2. Comun. Inform. Apresentação de informações em uma multiplicidade de formatos, ou o conjunto de informações assim apresentadas. [Cf. hipermídia.] (...) (Aurélio)

6 O roteiro no processo de design instrucional AnáliseEstratégia Avaliação Contextos de aprendizagem Aprendizes Conteúdo a ser aprendido Redigir o plano de ensino-aprendizagem Um modelo de processo de design instrucional: Determinar estratégias: - organizacionais - de distribuição - de gerenciamento Escrever e produzir instrução Conduzir avaliação formativa Revisar instrução (Smith e Tillman, 1999)

7 Uma representação mais realista: Avaliação Estratégia Análise (Smith e Tillman, 1999)

8 Na prática: zO roteiro faz parte do processo de design instrucional. zAnálise, estratégia e avaliação não são lineares. zO cliente paga as contas, mas o público é o rei. zUm bom roteiro depende de uma boa análise e de uma boa estratégia. zO roteiro tem vida curta: é um meio, não um fim. zTrabalho colaborativo é fundamental. zA tarefa do roteirista é contar histórias, não fazer histórias. zUm bom roteiro não é a garantia de um bom filme [curso]. Mas sem um bom roteiro não existe um bom filme [curso].

9 Etapas da criação do roteiro 1. Briefing do projeto 2. Análise e estruturação do conteúdo 3. Redação

10 Etapas da criação do roteiro 1. Briefing do projeto: levantamento das informações relevantes para o trabalho do roteirista. 2. Análise e estruturação do conteúdo: preparação dos caminhos a serem percorridos no processo de criação. 3. Redação: escolha de modelos, propostas de interatividade, revisões e validação final.

11 1. Briefing do projeto 1.1. Público 1.2. Conteúdo 1.3. Objetivos de aprendizagem 1.4. A instituição 1.5. Mídias 1.6. Avaliação de aprendizagem 1.7. Prazo de duração do curso 1.8. Processo de trabalho

12 1.1. Público Quantos alunos participarão? Qual é a faixa etária? Onde vivem? Estão todos no mesmo local? Já se conhecem? O que fazem (trabalho, estudo, lazer)? Qual é o grau de escolaridade? São portadores de necessidades especiais? Qual é seu contexto sócio-cultural-político-econômico? Quais são as demandas de aprendizagem? Quais são as expectativas sobre o curso? Qual é o tempo de que dispõem para a aprendizagem? Qual é a relação dos alunos com a instituição que oferece o curso? Como é o acesso a tecnologia? Qual é a familiaridade? Qual é o conhecimento prévio sobre o tema? Briefing do projeto

13 Qual é o assunto? Já existe material disponível? Em que mídias? Em que grau de profundidade vai ser abordado? Quais as mídias mais adequadas para apresentá-lo? Temos acesso ao conteudista? É necessário fazer pesquisa complementar? Existem cursos similares sobre o mesmo assunto? Como funcionam e como o nosso pode ser melhor? Quais são as referências adicionais a serem indicadas (livros, vídeos, links, artigos, reportagens de jornais e revistas, CDs, obras de arte, programas de tv, listas de discussão, eventos)? Briefing do projeto 1.2. Conteúdo

14 Há objetivos de aprendizagem a serem atingidos? Quais são os objetivos gerais do curso? Quais são os objetivos específicos de cada tópico do conteúdo? Que habilidades e conhecimentos o aluno deve ter ao concluir o curso? Todos os alunos precisam atingir as mesmas metas? Briefing do projeto 1.3. Objetivos de aprendizagem

15 A instituição já desenvolve projetos de educação multimídia? Como funcionam? Existe um padrão a ser seguido? Qual é a proposta pedagógica? As sessões de aprendizagem são presenciais, a distância ou híbridas? O aprendizado é individual ou em turmas? Existe prazo de conclusão? Os alunos têm oportunidades para cooperação e colaboração? Existe a figura do professor? Qual é o seu papel? A instituição conta com tutoria e monitoria? Qual é o papel de cada uma? Que profissionais de apoio estão envolvidos (revisores, designers, programadores, serviço de atendimento institucional ao aluno)? 1. Briefing do projeto 1.4. A instituição

16 Que mídias podem ser utilizadas? Haverá uso consorciado? Exemplos: internet e material impresso; intranet e teleconferência etc. (um bom artigo sobre avaliação de características das mídias: ) Quais são os recursos disponíveis para uso em computador? Exemplos: animação, texto, vídeo, áudio, rádio online etc. Qual é o sistema de gerenciamento da aprendizagem (learning management system - LMS), no caso de curso baseado em rede de computador? Exemplos: (42 ferramentas analisadas)http://www.edutools.info/course/ Que recursos que o LMS possui? ( , chat, fórum, lista de discussão, sistema de trocas de mensagens, busca, quadro de avisos, perfil dos usuários, blog etc.) 1. Briefing do projeto 1.5. Mídias

17 Haverá avaliação? Quais são as formas de avaliação? Exemplos: questões objetivas, jogos, questões subjetivas, atividades em grupo, seminários, projetos, participação em debates, entrevistas, contribuições para o conteúdo do curso etc. Em que momentos a avaliação irá ocorrer? Que ferramentas automatizadas para avaliação estão disponíveis? Que feedback o aluno irá receber? 1. Briefing do projeto 1.6. Avaliação de aprendizagem

18 Quantas horas-aula são previstas? Existem datas para começar e para concluir? Todos os alunos têm o mesmo prazo? Existem datas-chave no curso? Exemplo: eventos, chat, avaliação etc. 1. Briefing do projeto 1.7. Prazos do curso

19 Quais são as etapas do processo? Quem são os membros da equipe e quais são suas atribuições? Quais são os telefones e s dos membros da equipe? Qual é o cronograma de execução? Qual é a linguagem comum a ser utilizada junto a conteudista e equipe de produção? Como será a validação do roteiro e do curso? 1. Briefing do projeto 1.8. Processo de trabalho

20 Segundo encontro

21 Etapas da criação do roteiro 1. Briefing do projeto 2. Análise e estruturação do conteúdo 3. Redação

22 2. Análise e estruturação do conteúdo Um bom roteiro deve possuir três aspectos fundamentais: LogosPathosEthos zLogos é a palavra, o discurso, a organização verbal de um roteiro, sua estrutura geral. zPathos é o drama, a vida, a ação, o conflito cotidiano. zEthos é a ética, a moral, o significado último da história, suas implicações sociais, políticas, existenciais e anímicas. (Doc Comparato)

23 2. Análise e estruturação do conteúdo 2.1. Análise 2.2. Estrutura narrativa 2.3. Linguagem 2.4. Busca de informação complementar

24 2.1. Análise A partir dos dados do briefing: zSelecionar o conteúdo Definir o que é essencial, o que é secundário e o que é dispensável. zIdentificar pontes Verificar as possíveis linhas de desenvolvimento para associações com temas correlatos dentro do próprio curso e em outras fontes. zEscolher a estrutura narrativa e a linguagem mais adequadas Como o conteúdo vai ser apresentado ao público. Estrutura e linguagem andam juntas. 2. Análise e estruturação do conteúdo

25 2.2. Estrutura narrativa O que é Estrutura é a fragmentação da história em momentos dramáticos. É o como explicaremos nossa história ao público. É a engenharia do roteiro, que tem um encadeamento dramático escolhido pelo autor. (Doc Comparato) 2. Análise e estruturação do conteúdo

26 2.2. Estrutura narrativa Ver a produção na sua totalidade: zA seqüência de eventos serve aos objetivos? zQue efeitos ela provoca? Surpresa? Curiosidade? Déjà-vu? zO que está faltando e o que está sobrando? zHá encadeamento entre frases, parágrafos, capítulos? z Análise e estruturação do conteúdo

27 Um subsídio da pedagogia: fases da aprendizagem e eventos do ensino. zMotivação: conectar os alunos com o objetivo da aprendizagem; criar um desequilíbrio para motivar os alunos. zAtenção e percepção seletiva: dirigir e focalizar a atenção do aluno; zAquisição de conhecimentos: apresentar as informações de forma estruturada; promover a metacognição (aprender a aprender); ajudar o aluno a apreender conceitos em contextos significativos; zRetenção ou acumulação: ajudar a organizar a informação, relacionando-a com estruturas preexistentes, e/ou pela repetição; zRecuperação da informação: ativar a memória permanente, estimulando o uso do conhecimento adquirido; zGeneralização: aplicar o conhecimento a situações novas; zRetroalimentação: feedback, avaliação. (Oliveira e Clifton, 2001) 2. Análise e estruturação do conteúdo 2.2. Estrutura narrativa

28 Proposta de atividade Tente identificar em um produto educacional multimídia as fases da aprendizagem e eventos do ensino. zMotivação zAtenção e percepção seletiva zAquisição de conhecimentos zRetenção ou acumulação zRecuperação da informação zGeneralização zRetroalimentação

29 zEstruturas míticas para contar histórias: z Jornada do Herói 1. Os heróis são apresentados no MUNDO COMUM, onde 2. recebem um CHAMADO À AVENTURA. 3. Primeiro, ficam RELUTANTES ou RECUSAM O CHAMADO, mas 4. num Encontro com o MENTOR são encorajados a fazer a 5. TRAVESSIA DO PRIMEIRO LIMIAR e entrar no Mundo especial, onde 6. encontram TESTES, ALIADOS E INIMIGOS. 7. Na APROXIMAÇÃO DA CAVERNA OCULTA, cruzam um segundo limiar 8. onde enfrentam a PROVAÇÃO SUPREMA. 9. Ganham sua RECOMPENSA e 10. são perseguidos no CAMINHO DE VOLTA ao Mundo Comum. 11. Cruzam então o Terceiro Limiar, experimentam uma RESSURREIÇÃO e são transformados pela experiência. 12. Chega então o momento do RETORNO COM O ELIXIR, a benção ou o tesouro que beneficia o Mundo Comum. 2. Análise e estruturação do conteúdo 2.2. Estrutura narrativa

30 zJornada do Herói - resumo: 1. MUNDO COMUM 2. CHAMADO À AVENTURA 3. RECUSA DO CHAMADO 4. ENCONTRO COM O MENTOR 5. TRAVESSIA DO PRIMEIRO LIMIAR 6. TESTES, ALIADOS E INIMIGOS 7. APROXIMAÇÃO DA CAVERNA OCULTA 8. PROVAÇÃO SUPREMA 9. RECOMPENSA 10. CAMINHO DE VOLTA 11. RESSURREIÇÃO 12. RETORNO COM O ELIXIR Fonte: Vogler, Christopher. A Jornada do Escritor. Ampersand, 1997 (baseado em O Herói das Mil Faces, de Joseph Campbell). 2. Análise e estruturação do conteúdo 2.2. Estrutura narrativa

31 Proposta de atividade: zTente identificar em um filme ou fábula as etapas da Jornada do Herói. zSugira aplicações educacionais para esta estrutura mítica.

32 zEstruturas de organização: (Yale Style Manual) 2. Análise e estruturação do conteúdo 2.2. Estrutura narrativa

33 zEstrutura hierárquica: (Yale Style Manual) Muito rasa O menu principal se torna uma lista de tópicos não relacionados Pesquisas de psicologia cognitiva indicam que a maioria das pessoas só conseguem reter de quatro a sete blocos de informação na memória de curto prazo. 2. Análise e estruturação do conteúdo 2.2. Estrutura narrativa

34 zEstrutura hierárquica: (Yale Style Manual) Muito profunda Os menus são numerosos e vão afunilando. Para chegar à informação o usuário precisa navegar muito. 2. Análise e estruturação do conteúdo 2.2. Estrutura narrativa

35 zEstrutura hierárquica: (Yale Style Manual) Equilibrada Facilita o acesso rápido à informação e ajuda o usuário a entender como você organizou as coisas 2. Análise e estruturação do conteúdo 2.2. Estrutura narrativa

36 O que é Linguagem: Ling. Todo sistema de signos que serve de meio de comunicação entre indivíduos e pode ser percebido pelos diversos órgãos dos sentidos, o que leva a distinguir-se uma linguagem visual, uma linguagem auditiva, uma linguagem tátil, etc., ou, ainda, outras mais complexas, constituídas, ao mesmo tempo, de elementos diversos. (Aurélio) 2. Análise e estruturação do conteúdo 2.3. Linguagem

37 zVerificar as possibilidades: História em quadrinhos, reportagem, drama, comédia, animação gráfica, jogo, fábula, novela, simulação, música etc. zMotivar: Despertar a curiosidade, surpreender, desafiar, criar polêmica, usar humor, abrir oportunidades de envolvimento, fazer pontes entre o conteúdo e a realidade do aluno etc. zCriar situações de interatividade: Diálogo, entrevista coletiva, debate, trabalho em grupo, visitas a ambientes interativos, produção e compartilhamento de textos, imagens etc. 2. Análise e estruturação do conteúdo 2.3. Linguagem

38 2.4. Busca de informação complementar zElementos audiovisuais: Mapas, fotos, música, animações gráficas, vídeos etc. zEntrevistas prévias com alunos e outros especialistas, se possível. zPesquisa: links, bibliografia, listas de discussão e outras fontes. zTradução, se necessário. zExpressões artísticas, literárias, poéticas, que mexam com sensações e emoções. 2. Análise e estruturação do conteúdo

39 Terceiro encontro

40 Etapas da criação do roteiro 1. Briefing do projeto 2. Análise e estruturação do conteúdo 3. Redação

41 3. Redação 3.1. Modelos de roteiro 3.2. Informações do roteiro 3.3. Estratégias de redação para EAD 3.4. Revisões e validação 3.5. Avaliação do trabalho

42 zO roteiro é um meio de comunicação entre os membros da equipe. É fundamental que seja claro para todos os envolvidos. zA escolha do modelo deve ser feita em conjunto com os profissionais que irão participar do processo de produção. Algumas alternativas: y4 colunas y3 colunas y2 colunas y1 coluna ypowerpoint yRoteiro híbrido 3. Redação 3.1. Modelos de roteiro

43 yRoteiro multimídia 4 colunas (desvantagens: complicado; desperdiça papel) Cabeçalho [título, autor, data, unidade e outras referências] 3. Redação 3.1. Modelos de roteiro Imagem [foto, charge, infográfico etc.] VídeoÁudio Texto links

44 yRoteiro multimídia 3 colunas (desvantagem: a coluna comentários é desnecessária) 3. Redação 3.1. Modelos de roteiro Imagem/ Vídeo Comentários Texto/ Áudio links Cabeçalho

45 yRoteiro multimídia 2 colunas (formato semelhante ao do roteiro de vídeo) 3. Redação 3.1. Modelos de roteiro Imagem/ Vídeo Texto/ Áudio links Cabeçalho

46 yRoteiro em Powerpoint (facilita visualizar a interface gráfica) 3. Redação 3.1. Modelos de roteiro Personagem X convida o aluno a utilizar a barra de navegação (esq.) e assistir ao vídeo sobre o tema. Texto do balão HQ:....

47 zRoteiro aberto, uma experimentação de interatividade É o roteiro escrito enquanto o curso está sendo realizado. A partir da intervenção dos alunos, o roteirista propõe novos caminhos. Implicações práticas: yé preciso ter tempo hábil e agilidade de produção. ya equipe precisa estar sintonizada com a proposta de interatividade. yopção: pré-produzir parte do material, que poderá ser utilizado ou não, conforme as preferências dos alunos; yopção: usar objetos de aprendizagem (ver artigo nº 43 no Boletim EAD da Unicamp: ).http://www.ead.unicamp.br/php_ead/boletim.php yos custos são mais elevados. ynão se aplica a todo tipo de conteúdo. 3. Redação 3.1. Modelos de roteiro

48 zIdentificação: nome do roteiro, autor, unidade, versão, página A identificação correta reduz a possibilidade de erros e facilita a produção, principalmente se há muitos roteiros sendo redigidos simultaneamente por diversos roteiristas. zEstratégias de sinalização para os leitores: Uso de cores distintas, storyboards, negritos e sublinhados, maiúsculas, quadros, tabelas, gráficos, fotos, ilustrações. É importante que o código seja compreendido por todos. Atenção ao recurso da cor - a distinção pode desaparecer se a impressão for em p & b 3. Redação 3.2. Informações do roteiro

49 zAntes de começar a escrever: zO que se pode dizer do tema? zPor que escrevo sobre ele? zPara quem escrevo? zQue estilo de texto vou utilizar? 3. Redação 3.3. Estratégias de redação para EAD

50 zImportante: zO que posso mostrar em vez de escrever? 3. Redação 3.3. Estratégias de redação para EAD

51 zAlgumas características recomendáveis para o texto: Adequação - ao contexto, ao curso e aos alunos, ao tempo requerido para o estudo. Precisão e atualidade - deve-se oferecer representações fiéis dos fatos, princípios, leis, procedimentos que estão sendo expostos. Integração - deve formar uma unidade com os demais materiais do curso. Abertura e flexibilidade - deve convidar à crítica, à reflexão, à complementação em outras fontes, deve sugerir problemas e questionar por meio de perguntas que levem à análise e à elaboração de respostas. >> 3. Redação 3.3. Estratégias de redação para EAD

52 zAlgumas características recomendáveis para o texto: (cont.) Coerência - entre os distintos elementos de ensino-aprendizagem do texto. Eficácia - deve facilitar a aprendizagem por meio do estudo independente do aluno, esclarecendo dúvidas e propiciando a auto-avaliação. Transferibilidade e aplicabilidade - deve propiciar a transferência positiva do que foi aprendido, bem como a utilidade e aplicação prática, favorecendo uma aprendizagem significativa. Interatividade - deve manter um diálogo permanente com o aluno, que convide ao intercâmbio de opiniões. 3. Redação 3.3. Estratégias de redação para EAD

53 zAlgumas dicas de estilo e legibilidade: zAdote um estilo claro, conciso, preciso, fluido. Deixe claros os objetivos e faça um resumo no início. zEvite o uso excessivo do "que", dê preferência às frases curtas. Use no máximo duas idéias por parágrafo. Prefira verbos ativos e diretos, evite a voz passiva e o gerúndio. zUse palavras concretas. Corte os adjetivos que não informam. Evite o uso excessivo de palavras impessoais como "este", "isso" ou "o qual". Não use negações em excesso. >> 3. Redação 3.3. Estratégias de redação para EAD

54 zAlgumas dicas de estilo e legibilidade: (cont.) zExplique todos os termos técnicos. Evite clichês, frases feitas e jargão acadêmico. Seja coloquial. Use "você", "eu" e "nós". zAo adaptar textos complexos, alterne trechos abstratos com formas mais simples de contar. Ative o conhecimento prévio do aluno. Use analogias, repetições, exemplos e comparações. zEmpregue estruturas retóricas para explicar os temas: enumeração, descrição, seqüência temporal, seqüência causal, problema/solução etc. 3. Redação 3.3. Estratégias de redação para EAD

55 zReescrever, reescrever, reescrever O ideal é fazer no mínimo três tratamentos (versões). Trabalho em camadas: na primeira você faz o esboço; na segunda faz correções e acrescenta novos elementos; na terceira dá o polimento. zValidação Quem valida? O cliente deve ou não ler o roteiro? 3. Redação 3.4. Revisão e validação

56 zO produto final nunca é igual ao que o roteirista imaginou. É preciso estar preparado(a) para entregar a criança. zFeedback de conteudistas, equipe, cliente e alunos. - Pontos positivos e negativos. - Eficácia do modelo de roteiro e da linguagem. - Ambigüidades a evitar. - O que pode ser melhor da próxima vez. zUma questão fundamental: houve aprendizagem? 3. Redação 3.5. Avaliação do trabalho

57 PARA CONCLUIR Dicas de dois mestres Não há verdadeira criação sem riscos e, portanto, sem uma cota de incertezas (Gabriel García Márquez) A arte verdadeira está em fazê-la (Jean Renoir)

58 Referências Bibliográficas Comparato, Doc. Da Criação ao Roteiro. Ed. Rocco, 5a. edição, Graells, Pere Marquès. Elaboración de Materiales Formativos Multimedia. Criterios de Calidad. Acessado em http://dewey.uab.es/paplicada/profess/sep2000.htm Hollanda, Aurélio Buarque de. Dicionário Aurélio. Oliveira, João Batista Araujo e Chadwick, Clifton. Aprender e Ensinar. Ed. Global, Silva, Marco. Sala de Aula Interativa. Quartet, 2a. edição, Smith, Patricia e Ragan, Tillman. Instructional Design. Segunda Edição. Wiley, Vogler, Christopher. A Jornada do Escritor. Ampersand, Comparative Analyses of Online Educational Delivery Applications. Acessado em Yale Style Manual: Acessado em


Carregar ppt "Roteiro Multimídia Dauro Veras Janeiro de 2002. Atualizado em fevereiro de 2003."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google