A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mestrado UFRJ/NCE - 2002 Memória e Representação do Conhecimento Professora: Adriana Benevides Soares Aluno: Ilan Chamovitz Computadores, Mentes e Conduta.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mestrado UFRJ/NCE - 2002 Memória e Representação do Conhecimento Professora: Adriana Benevides Soares Aluno: Ilan Chamovitz Computadores, Mentes e Conduta."— Transcrição da apresentação:

1

2 Mestrado UFRJ/NCE Memória e Representação do Conhecimento Professora: Adriana Benevides Soares Aluno: Ilan Chamovitz Computadores, Mentes e Conduta Os autores deste novo e instigante livro apresentam uma crítica radical da Ciência Cognitiva, argumentando que seu "fetichismo do computador" está baseado em pressupostos filosóficos fundamentalmente confusos. Utilizando-se das idéias de Ryle e Wittgenstein, os autores examinam detalhadamente alguns tópicos centrais em Ciência Cognitiva, como o conexionismo, o debate a respeito da psicologia fenomenológica (folk psychology) e o problema da possibilidade em computadores de pensamento e competência lingüística em linguagens naturais. Fonte:

3 Capítulo 5 Capítulo 5 Pode uma máquina pensar?Pode uma máquina pensar? Wittgenstein (só ser humano)Wittgenstein (só ser humano) CD - Gravação x ao vivoCD - Gravação x ao vivo Objetivo do Teste de TuringObjetivo do Teste de Turing Entendimento x desempenhoEntendimento x desempenho Ex: árvore que respondeEx: árvore que responde Conclusão: Pode ou não pode?Conclusão: Pode ou não pode?

4 Pode uma máquina pensar? Pode uma máquina pensar? Wittgenstein (só ser humano)Wittgenstein (só ser humano) CD - Gravação x ao vivoCD - Gravação x ao vivo Objetivo do Teste de TuringObjetivo do Teste de Turing Entendimento x desempenhoEntendimento x desempenho Ex: árvore que respondeEx: árvore que responde Conclusão: Pode ou não pode?Conclusão: Pode ou não pode?

5 Wittgenstein Wittgenstein Pode uma máquina pensar?Pode uma máquina pensar? Wittgenstein (só ser humano pode pensar)Wittgenstein (só ser humano pode pensar)

6 CD - Gravação x ao vivo CD - Gravação x ao vivo

7 Objetivo do Teste de Turing Entendimento x desempenhoEntendimento x desempenho Ex: árvore que responde?Ex: árvore que responde?

8 Conclusão: Pode ? Conclusão: Pode ? Fonte

9 Capítulo 6 – O Não cumprimento das Programáticas Uso da linguagem ordináriaUso da linguagem ordinária Obediência mecânica às regrasObediência mecânica às regras Processamento sintático Processamento semântico e Lógica Linguistica computacional

10 Programas Eliza ( Joseph Weizenbaum)Eliza ( Joseph Weizenbaum) SHRDLU (1972 Winograd – 1972)SHRDLU (1972 Winograd – 1972) PROLOGPROLOG Department of Intelligent Systems Jozef Stefan Institute Jamova Ljubljana Slovenia

11 Processamento Sintático Sintático: regrasSintático: regras SN - Sintagma NominalSN - Sintagma Nominal SV – Sintagma VerbalSV – Sintagma Verbal Verbo, substantivo, artigo.Verbo, substantivo, artigo. BUSCA X AMBIGÜIDADEBUSCA X AMBIGÜIDADE Solução: look aheadSolução: look ahead

12 Processamento Semântico Semântico: significadoSemântico: significado Gramáticas semânticasGramáticas semânticas Teoria da dependência conceitual: Como os seres humanos processam a linguagem?Teoria da dependência conceitual: Como os seres humanos processam a linguagem? Wes ATIROU O CAMUNDONGO EM JeffWes ATIROU O CAMUNDONGO EM Jeff Wes apanhou o camundongo e o atirou (passou?) a Jeff. Atirou, porque estava com raiva (inferência)Wes apanhou o camundongo e o atirou (passou?) a Jeff. Atirou, porque estava com raiva (inferência)

13 Processamento Semântico –São processos –São governados por regras –Envolvem aplicações de roteiros armazenados –Exigem atribuição de um plano e de uma meta a uma atividade A significação e o entendimento...


Carregar ppt "Mestrado UFRJ/NCE - 2002 Memória e Representação do Conhecimento Professora: Adriana Benevides Soares Aluno: Ilan Chamovitz Computadores, Mentes e Conduta."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google