A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Adriano Valenga Arruda Era Vargas Era Vargas "É preciso plasmar na cara virgem, que é a alma da criança, a alma da própria pátria. Getúlio Vargas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Adriano Valenga Arruda Era Vargas Era Vargas "É preciso plasmar na cara virgem, que é a alma da criança, a alma da própria pátria. Getúlio Vargas."— Transcrição da apresentação:

1 Adriano Valenga Arruda Era Vargas Era Vargas "É preciso plasmar na cara virgem, que é a alma da criança, a alma da própria pátria. Getúlio Vargas

2 Adriano Valenga Arruda 41 s

3 Adriano Valenga Arruda Getúlio Vargas no Palácio do Catete em 31 de outubro de 1930, alguns dias após a Revolução de 1930.

4 Adriano Valenga Arruda Os chefes da Revolução de 1930: Getúlio Vargas (à direita), Miguel Costa (à esquerda) e o Tenente Coronel Góis Monteiro, futuro Ministro da Guerra, em pé.

5 Adriano Valenga Arruda Divisões históricas Governo Constitucional – 1934 / Estado Novo – 1937 / Após os primeiros quinze anos de governo, Getúlio Vargas apoiou um governo democrático. Governo Democrático – 1950 / Governo Provisório – 1930 / 1934.

6 Adriano Valenga Arruda Quem foi que disse que em 1930 houve uma revolução? Sem dúvida, a partir de 1930, aconteceram mudanças significativas na sociedade brasileira: A autoridade do Estado foi ampliada. A cafeicultura foi diminuindo a importância e a indústria começou a crescer. A vida urbana começou foi se tornando mais destacada. Houve a criação de leis sociais e a busca do apoio do proletariado.

7 Adriano Valenga Arruda O Governo Provisório – 1930 / 1934 Após a revolução de 1930, rompeu-se o círculo vicioso dos governos oligárquicos e abriu caminho para a ascensão e atuação de novas formas sociais. Base de apoio: Oligarquias dissidentes. Setores da burguesia. Classes médias. Classes populares. Jovens militares.

8 Adriano Valenga Arruda Medidas do governo Nomeação dos interventores para substituir os governadores estaduais; Dissolução das câmaras municipais, das assembléias legislativas e fechou o Congresso Nacional; Criação de novos ministérios, como o da Educação e Saúde Pública, e do Trabalho, Indústria e Comércio; Centralização completa da política econômico-financeira e da administração do comércio exterior. Queima das bandeiras dos Estados

9 Adriano Valenga Arruda O populismo Estratégia política que marca toda a era de Vargas, de 1930 a Uma estratégia difícil e complicada com a qual Getúlio procuraria firmar o Estado no duplo papel de árbitro dos conflitos sociais, econômicos e políticos e do principal agente de modernização geral do país.

10 Adriano Valenga Arruda

11

12

13 Na economia Por causa da crise do café, o governo queimou 80 milhões de sacas. Houve o incentivo à diversificação – frutas, algodão. A indústria ganha razoável impulso. Entre os vários fatores destacaram-se: Diminuição das importações - protecionismo; Atendimento ao mercado externo.

14 Adriano Valenga Arruda Contradições do governo: #O governo provisório não parecia tão provisório. Getúlio demorava a convocar a Assembléia Constituinte. #Em São Paulo o descontentamento era maior; além de ter um interventor que era nordestino, os fazendeiros de café estavam ansiosos para recuperar o poder.

15 Adriano Valenga Arruda Revolução Constitucionalista de São Paulo Inconformismo da burguesia paulista, por verem enfraquecida sua influência. Nomeação dos interventores. Interesse na reconstitucionalização do regime.

16 Adriano Valenga Arruda 30 seg

17 Adriano Valenga Arruda

18 O estopim Em 23 de maio de 1932, realizou-se um ato de protesto onde milhares de pessoas participaram. No ato morreram Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo. Do nome dessas quatro primeira vítimas, foi tirada a sigla MMDC, símbolo da revolução. Em 9 de julho de 1932, esperando apoio de outros estados inicia-se a Revolução.

19 Adriano Valenga Arruda

20 Vencidos, os paulistas renderam- se em 28 de Setembro de Saldo do conflito Embora derrotados, os revolucionários paulistas, conseguiram a concretização de um dos objetivos de sua luta. Em 3 de maio de Foi realizada a eleição para a escolha dos membros da Assembléia Constituinte, que elaborou Constituição de 1934.

21 Adriano Valenga Arruda 1 min

22 Adriano Valenga Arruda A Constituição de 1934 Da Constituição de 1891, manteve a Federação, as eleições diretas e o mandato presidencial de quatro anos. No entanto a eleição do próximo presidente deveria ser indireta: ganhou Getúlio Vargas. Medidas Constitucionais Extinção do cargo de vice-presidente; limitação do habeas- corpus e criação do mandado de segurança; Plenária da Assembléia Constituinte de 34.

23 Adriano Valenga Arruda Instituição da Justiça do Trabalho, salário mínimo, jornada de 8 horas, repouso semanal obrigatório, férias remuneradas, indenização por dispensa sem justa causa; Nacionalização das riquezas do subsolo; Direito ao governo de estatizar empresas nacionais ou estrangeiras de acordo com o interesse geral;

24 Adriano Valenga Arruda Voto universal e direto (menos para analfabetos e soldados); Direito de voto estendido às mulheres.

25 Adriano Valenga Arruda Governo Constitucional – 1934 / 1937 No dia seguinte à promulgação da Constituição, Vargas foi eleito presidente, o governo provisório dava lugar a um governo constitucional com duração de quatro anos.

26 Adriano Valenga Arruda Aliança Nacional Libertadora Reunia intelectuais, operários, estudantes e militares de tendência democrática, socialista ou comunista. Entre os seus preceitos defendia: A formação de um governo antiimperialista; A reforma agrária Ampliação das liberdades democráticas. O seu presidente de honra era Luís Carlos Prestes.

27 Adriano Valenga Arruda Ação Integralista Brasileira Liderada por Plínio Salgado, inspirava-se no modelo nazi- fascista e propunha: Um governo totalitário; Extinção das democracias representativas; Destruição do movimento operário independente. Sua principal base de apoio era a classe média urbana. Vestiam camisas verdes e tinham o grito ANAUÊ (do Tupi, você é meu irmão) e a letra Sigma do alfabeto grego como símbolo.

28 Adriano Valenga Arruda Motivações do golpe de Estado Novo Em julho de 1935, foi lançado por Prestes o manifesto que proclamava: Todo o poder à ANL!, o governo interpretou como um chamado à insurreição e colocou-a na clandestinidade. Prestes preso

29 Adriano Valenga Arruda O chefe de polícia Filinto Müller exibe os documentos apreendidos do PCB, 1935

30 Adriano Valenga Arruda Em Novembro ocorreu a Intentona Comunista, quando esta tenta chegar ao comando dos quartéis em todo país. No entanto, o movimento fica restrito a Natal, Rio de Janeiro e Pernambuco, sendo derrotado facilmente. Casa em que Prestes foi preso.

31 Adriano Valenga Arruda Com a supressão do movimento, Getúlio decreta estado de sítio, reprimindo e, perseguindo violentamente todos ligados à ANL. Prestes é preso juntamente com Olga, esta última é extraditada grávida para a Alemanha nazista. Prestes fica preso até o final do Estado Novo.

32 Adriano Valenga Arruda Em 1937, é descoberto o Plano Cohen, documento este que falava da eclosão de um movimento comunista no Brasil. O plano é falso, mas é o pretexto para o golpe que estabelece o Estado Novo no Brasil. Em 1937 é estabelecida uma nova Constituição copiada da polonesa de cunho fascista. Esta é apelidada de polaca, o autoritarismo agora era letra da lei.

33 Adriano Valenga Arruda


Carregar ppt "Adriano Valenga Arruda Era Vargas Era Vargas "É preciso plasmar na cara virgem, que é a alma da criança, a alma da própria pátria. Getúlio Vargas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google