A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Transferências Federais: Constitucionais e Legais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Transferências Federais: Constitucionais e Legais."— Transcrição da apresentação:

1 Transferências Federais: Constitucionais e Legais

2 Tópicos: èFundo de Participação dos Estados - FPE èFundo de Participação dos municípios - FPM èFundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério – FUNDEF èContribuição de Intervenção no Domínio Econômico - CIDE èCompensações Financeiras - Royalties do Petróleo èOutras Transferências (ITR/IOF-OURO, SALÁRIO EDUCAÇÃO, IPI-EXPORTAÇÃO, LEI KANDIR e Transferências Automáticas)

3 Fundo de Participação dos Municípios - FPM èO FPM é constituído de 22,5% da arrecadação líquida do IR e do IPI, sendo distribuído nas mesmas datas do FPE. è10% pertencem às capitais; 86,4% pertencem aos municípios do Interior; e 3,6%, constituem o fundo de reserva, que é distribuído entre os municípios do interior com mais de habitantes. O TCU calcula os coeficientes individuais do FPM, com base nas populações estimadas dos Estados e municípios e na renda per capita de cada Estado. Ambas as informações são fornecidas ao Tribunal pela fundação IBGE.

4 Fundo de Participação dos municípios - FPM èOs dados populacionais serão informados pela fundação IBGE, de acordo com a seguinte programação: 1A fundação IBGE publica no Diário Oficial da União, até o dia 31 de agosto de cada ano, a relação das populações por Estados e municípios. 2Os interessados, dentro do prazo de 20 dias da publicação, podem apresentar reclamações junto à fundação IBGE. Não cabe ao TCU alterar dados populacionais, já que essa competência é exclusiva da fundação IBGE. 3A relação final com o número de habitantes (após a apreciação dos recursos) é enviada ao Tribunal até 31 de outubro pela fundação IBGE, conforme o disposto no art. 102 da Lei nº 8.443/92.

5 Coeficientes dos municípios do Interior èOs coeficientes do FPM - Interior são obtidos a partir da população de cada município estimada anualmente pela fundação IBGE, classificada de acordo com as faixas de número de habitantes do Decreto-Lei n.º 1.881/81.

6 Ganho Adicional e Redutor Financeiro èOs municípios cujo coeficiente vigente em 1997 for maior do que o coeficiente populacional calculado de acordo com o Decreto-lei n.º 1.881/81 têm um ganho adicional eqüivalente a diferença entre esses dois coeficientes. èSobre esse ganho adicional incide redutor financeiro, em percentual que diminui o ganho adicional progressivamente. O redutor financeiro é de 70% em 2005, 80% em 2006, 90% em 2007, encerrando-se em 2008, quando os coeficientes passarão a ser fixados, exclusivamente, de acordo com o Decreto-Lei n.º 1.881/1981.

7 èAplicado o redutor, o ganho adicional ajustado (reduzido) é somado ao coeficiente populacional calculado, resultando no coeficiente final do município beneficiado para o exercício de cálculo. èOs municípios que não apresentam ganho adicional são beneficiários da redistribuição do valor total reduzido dos ganhos adicionais pela aplicação de redutor financeiro. Ganho Adicional e Redutor Financeiro

8 èA repartição entre os Estados do montante do FPM destinado aos municípios do interior está definida pela LC n.º 62/89 e pela Resolução - TCU n.º 242/90, observando a seguinte distribuição: Fundo de Participação dos municípios - FPM

9 Coeficientes das Capitais èDo valor total do FPM, 10% é destinado às capitais, de acordo com sua população e com o inverso da renda per capita do Estado a que pertence. èO coeficiente apurado para as capitais resulta do produto entre o fator população e o fator renda per capita do Estado a que a capital pertence. ífator população = fator correspondente à relação entre a população de cada ente e o somatório das populações das capitais na tabela FPM - fator população (CTN, art. 91, § 1º). ífator renda per capita = fator correspondente ao inverso do valor da relação entre a renda per capita de cada Estado e a renda per capita do país na tabela FPM - fator renda per capita (CTN, art. 90). èAplica-se às capitais, no mínimo, o mesmo coeficiente do exercício de 1997, sendo os ganhos adicionais sujeitos a redutor financeiro.

10 Coeficientes do Fundo de Reserva èO fundo de reserva corresponde a 3,6% do valor total do FPM. èOs municípios participantes do fundo de reserva são aqueles com coeficientes populacionais calculados pelo Decreto-lei nº 1881/81 de 3,8 e 4,0, seja nos dias atuais, seja em èAos municípios beneficiários do fundo de reserva aplica-se redutor financeiro quando verificada a existência de ganho adicional. èA distribuição dos recursos da reserva baseia-se em coeficientes calculados a partir da população atual de cada município participante e da renda per capita do respectivo Estado, seguindo a mesma metodologia empregada para a distribuição de recursos às Capitais. èOs municípios beneficiários do fundo de reserva também recebem recursos do FPM a título de distribuição aos municípios do Interior.

11 Fixação e Contestação dos coeficientes do FPM è Até o último dia útil de cada exercício, o TCU publica no Diário Oficial da União Decisão Normativa específica contendo os coeficientes individuais de participação dos municípios no FPM que terão vigência durante todo o exercício seguinte. Além de publicada no DOU, essa DN também é divulgada no site do TCU na internet (http://www.tcu.gov.br) è Os municípios podem contestar os coeficientes fixados pelo TCU, ocorrendo preclusão desse direito após um mês da publicação dos coeficientes no Diário Oficial da União. è Observação: í15% dos montantes distribuídos a título de FPM são destinados ao Fundo de Manutenção e Desenv. do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério – FUNDEF, de acordo com o art. 1º, § 1º da Lei n.º 9.424/96. íOs valores transferidos a título de FPM podem sofrer bloqueio sob a ordem da SRF, PGFN, INSS e STN.

12 Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério – FUNDEF èFundo de natureza contábil destinado exclusivamente ao Ensino Fundamental, instituído no âmbito de cada Estado e do Distrito Federal, cujo principal objetivo é assegurar a universalização e a qualidade do ensino fundamental e a manutenção condigna do seu magistério. èO FUNDEF é composto de pelo menos 15% dos seguintes recursos (Lei n.º 9.424/96, art. 1º): FPE, FPM, ICMS / Estadual, ICMS / Desoneração das Exportações - LC n.º 87/96 (Lei Kandir) e IPI- Exportação. èAlém desses recursos, o FUNDEF pode ser complementado pela União quando o valor mínimo por aluno em cada Estado for inferior ao valor mínimo definido nacionalmente. Esse valor é fixado anualmente por ato do Presidente da República, não podendo ser inferior ao resultado da divisão da previsão anual da receita do Fundo pelo total das matrículas no ensino fundamental no ano anterior, acrescida do total estimado de novas matrículas.

13 Coeficientes do FUNDEF èOs recursos do FUNDEF são distribuídos com base no Censo Escolar do ensino fundamental, realizado anualmente pelo MEC, e publicado no Diário Oficial da União até o dia 30 de novembro de cada ano, podendo ser contestado pelos interessados junto ao MEC no prazo de 30 dias da sua publicação. èA tabela de coeficientes do FUNDEF é elaborada pelo MEC e publicada no DOU até o último dia útil de cada ano. Existindo qualquer inconsistência no cálculo dos coeficientes, os Estados, o DF e os municípios podem apresentar contestação junto ao TCU no prazo de 30 dias a partir da publicação da tabela (IN TCU n.º 36/00), observado-se que a revisão dos coeficientes só é admitida quando determinada pelo TCU (Decreto n.º 2.264/97, art. 2º).

14 Aplicação dos Recursos do FUNDEF èPelo menos 60% dos recursos do FUNDEF, incluído o complemento da União, quando for o caso, deverão ser aplicados na remuneração dos profissionais do magistério em efetivo exercício de suas atividades no ensino fundamental público (Lei n.º 9.424/96, art. 7º), sendo os valores salariais definidos em cada sistema de ensino. èCom os recursos restantes podem ser pagos os trabalhadores da educação não integrantes do magistério, como, por exemplo, o pessoal de apoio ou técnico-administrativo, entre outras despesas previstas no art. 70 da Lei n.º 9.394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação). èA fiscalização da aplicação dos recursos do FUNDEF é exercida pelos órgãos centrais do sistema de ensino municipal e estadual, e pelos órgãos de controle externo e interno Federais, Estaduais e municipais.

15 Artigo 212 da Constituição Federal A correta aplicação dos recursos do FUNDEF não isentam os entes federados da obrigatoriedade de, na forma prevista no art. 212 da Constituição Federal, aplicar na manutenção e desenvolvimento do ensino os seguintes percentuais (Lei n.º 9.424/96, art. 8º): pelo menos 10% do montante de recursos originários do ICMS, FPE, FPM, da parcela do IPI-Exportação e ICMS-Desoneração, de modo que os recursos do FUNDEF, somados a esses recursos, garantam a aplicação do mínimo de 25% desses impostos e transferências, em favor da manutenção e desenvolvimento do ensino; pelo menos 25% dos demais impostos e transferências, sendo 60% desses recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino fundamental. Ou seja, devem ser aplicados 10% das demais receitas de impostos e transferências não incluídos no FUNDEF na manutenção e desenvolvimento do ensino.

16 Despesas de manutenção e desenvolvimento do ensino As seguintes despesas são consideradas despesas de manutenção e desenvolvimento do ensino, entre outras: a) remuneração e aperfeiçoamento do pessoal docente e demais profissionais da educação; b) aquisição, manutenção, construção e conservação de instalações e equipamentos necessários ao ensino; c) uso e manutenção de bens e serviços vinculados ao ensino; d) levantamentos estatísticos, estudos e pesquisas visando precipuamente ao aprimoramento da qualidade e à expansão do ensino; e) realização de atividades-meio necessárias ao funcionamento dos sistemas de ensino; f) concessão de bolsas de estudo a alunos de escolas públicas e privadas; g) aquisição de material didático-escolar e manutenção de programas de transporte escolar; h) amortização e custeio de operações de crédito destinadas a atender ao disposto nos tópicos anteriores.

17 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico - CIDE èA União entregará aos Estados e ao Distrito Federal 29% do total dos recursos arrecadados da CIDE para aplicação obrigatória em programas de infra-estrutura de transportes (art. 159, inciso III da Constituição Federal, com redação dada pela Emenda Constitucional n.º 44, de 30/06/04). èEsse valor inclui os adicionais, juros e multas moratórias cobrados administrativa ou judicialmente, sendo deduzidos os valores previstos no art. 8º da Lei n.º /01 e a parcela de 20% relativa à Desvinculação de Receitas da União (art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias). èDo montante dos recursos que cabe a cada Estado, 25% serão destinados aos seus municípios, nas formas e condições estabelecidas em lei federal (art. 159, inciso III, § 4º, da Constituição Federal).

18 Critérios de distribuição da CIDE aos Estados e DF èOs critérios de distribuição da CIDE aos Estados e DF são os seguintes: í40% proporcionalmente à extensão da malha viária federal e estadual pavimentada existente em cada Estado e DF, conforme estatísticas elaboradas pelo Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes - DNIT; í30% proporcionalmente ao consumo, em cada Estado e no DF, dos combustíveis a que a CIDE se aplica, conforme estatísticas elaboradas pela Agência Nacional de Petróleo - ANP; í20% proporcionalmente à população, conforme apurado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE; í10% distribuídos em parcelas iguais entre os Estados e o DF. èOs recursos serão distribuídos pela União aos Estados e ao Distrito Federal, trimestralmente, até o quinto dia útil do mês subseqüente ao do encerramento de cada trimestre, mediante crédito em conta vinculada aberta para essa finalidade no Banco do Brasil S.A.

19 Critérios de distribuição da CIDE aos municípios èEnquanto não for sancionada a lei federal a que se refere o art. 159, § 4º, da Constituição Federal, a distribuição da CIDE entre os municípios observará os seguintes critérios: í50% proporcionalmente aos mesmos critérios previstos na regulamentação da distribuição dos recursos do Fundo de Participação dos municípios - FPM; e í50% proporcionalmente à população apurada pela Fundação IBGE. èO cálculo referente aos primeiros 50% observa o seguinte procedimento: íCapitais = 5% do valor da CIDE distribuído aos municípios do seu respectivo estado (FPM - Capitais = 10%); ímunicípios da Reserva = distribuição de 1,8% do valor da CIDE do seu respectivo estado (FPM - Reserva = 3,6%); ímunicípios do Interior = distribuição de 43,2% do valor da CIDE do seu respectivo estado, quando existirem municípios do respectivo estado integrantes da Reserva, ou 45% em caso contrário ( FPM - Interior = 86,4% do valor global).

20 Publicação e Divulgação dos percentuais da CIDE èA competência para a realização do cálculo dos percentuais individuais de participação de Estados, DF e municípios nos recursos da CIDE foi atribuída ao Tribunal de Contas da União pelo § 2º do art. 1ºB da Lei n.º /01, acrescido pela Lei n.º /04. èOs percentuais individuais de participação são calculados pelo TCU de acordo com os critérios apresentados anteriormente, com base nas estatísticas referentes ao ano imediatamente anterior, fornecidas até o último dia de janeiro pelo DNIT, ANP e IBGE. èOs percentuais de distribuição da CIDE serão publicados pelo Tribunal de Contas da União no Diário Oficial da União até o dia 15 de fevereiro de cada ano.

21 Royalties do Petróleo e Gás Natural èOs Royalties do Petróleo e do Gás Natural são uma compensação financeira devida a Estados, Distrito Federal e municípios pelo resultado da exploração de petróleo, xisto betuminoso e gás natural nos seus territórios. èA Lei n.º 9.478/97 (Lei do Petróleo) estabeleceu em no máximo 10% a alíquota básica dos Royalties, correspondendo a 10% do total da produção de petróleo e gás natural de um campo durante o mês de apuração multiplicado pelos preços de referência vigentes naquele mês. èA apuração financeira dos Royalties é mensal, cabendo a empresa concessionária repassar os valores financeiros à STN até o último dia útil do mês subseqüente àquele da produção, que, por sua vez, repassa os recursos aos beneficiários através do Banco do Brasil èO controle dos valores pagos a título de Royalties cabe à Agência Nacional do Petróleo - ANP.

22 Alíquotas dos royalties èA alíquota básica de 10% poderá ser reduzida pela ANP, até um mínimo de 5%, tendo em conta os riscos geológicos, as expectativas de produção e outros fatores. O percentual a ser adotado para o cálculo dos royalties deve constar, obrigatoriamente, do contrato de concessão firmado entre a ANP e as empresas exploradoras. èA alíquota básica dos royalties divide-se em duas parcelas: uma, fixa, de 5% da produção (valor mínimo) e outra, excedente aos 5%, representada pela diferença entre a alíquota total e os 5% mínimos. èTanto para os primeiros 5%, quanto para a parcela acima de 5%, a legislação prevê diferentes formas de distribuição, quando a lavra ocorre em terra (ou em lagos, rios, ilhas fluviais e lacustres) ou quando a lavra ocorre na plataforma continental (mar).

23 Distribuição dos royalties do petróleo èParcela de 5% (Lei n.º 7.990/89 e Decreto n.º 01/91) íLavra em terra F 70%estados produtores F 20%municípios produtores F 10%municípios com instalação de embarque e desembarque de petróleo e gás natural íLavra na plataforma continental F 30%estados confrontantes com poços F 30%municípios confrontantes com poços e suas respectivas áreas geoeconômicas F 20%Comando da Marinha F 10%Fundo Especial (estados e municípios) F 10%municípios com instalação de embarque e desembarque de petróleo e gás natural

24 Parcela acima de 5% (Lei n.º 9.478/97 e Decreto n.º 2.705/98) Lavra em terra F 52,5% Estados produtores F 25% Ministério da Ciência e Tecnologia F 15% municípios produtores 7,5% municípios afetados por operações nas instalações de embarque e desembarque de petróleo e gás natural íLavra na plataforma continental F 25% Ministério da Ciência e Tecnologia F 22,5% Estados confrontantes com campos F 22,5% municípios confrontantes com campos F 15% Comando da Marinha F 7,5% Fundo Especial (estados e municípios) F 7,5% municípios afetados por operações nas instalações de embarque e desembarque de petróleo e gás natural Distribuição dos royalties do petróleo

25 Participação Especial èA participação especial constitui compensação financeira extraordinária devida aos Estados, DF e municípios nos casos de grande volume de produção ou de grande rentabilidade. èSeu valor é obtido aplicando-se alíquotas progressivas sobre a receita líquida da produção trimestral de cada campo, que corresponde a receita bruta deduzidos os royalties, os investimentos na exploração, os custos operacionais, a depreciação e os tributos previstos na legislação em vigor, observada a localização da exploração (lavra), o número de anos de produção, e o respectivo volume de produção trimestral fiscalizada. èEsse valor é apurado trimestralmente pela empresa exploradora (concessionária), e recolhido à STN até o último dia útil do mês subseqüente a cada trimestre, que fará a distribuição aos beneficiários.

26 Distribuição da Participação Especial èOs recursos correspondentes à participação especial são distribuídos na seguinte proporção: í40% ao Ministério de Minas e Energia; í10% ao Ministério do Meio Ambiente; í40% ao Estado onde ocorre a produção em terra, ou confrontante com a plataforma continental onde se realizar a produção; í10% ao município onde ocorrer a produção em terra, ou confrontante com a plataforma continental onde se realizar a produção. èAtualmente, com o advento da Lei n.º 9.478/97, não existe restrição para a utilização dos recursos do petróleo, exceto quanto à proibição de pagamento de dívida e de pagamento do quadro permanente de pessoal ( Lei n.º 7.990/89, art. 8º, com a redação dada pelo art. 3º da Lei n.º 8.001/90). èSão vedadas as transferências, ainda que temporárias, da conta que movimenta os recursos do petróleo para outras contas.

27 Outras transferências aos Municípios èSobre o Imposto Territorial Rural - ITR : Critério: 50% ao município da localização do imóvel. èSobre o Imposto s/ OP. Crédito, Câmbio, Seguro e Títulos e Valores Mobiliários IOF - OURO (Ouro definido como Ativo Financeiro ou Instrumento Cambial): Critério: 70% para o município de Origem. èFEX - Fundo de Fomento à Exportação èLei Complementar 87/96 (Lei Kandir ): 25% do total da compensação pela desoneração de ICMS nas exportações. èSobre IPI - Exportação : 25% sobre o valor que deveria ser transferido aos Estados ( Obs.: esta transferência aos municípios é efetivada pelos respectivos estados ).

28 Outras transferências aos Municípios (Continuação) èSobre o Salário Educação : Transferência, feita pelo FNDE, de 2/3 sobre 90% da parcela líquida do SE às secretarias de educação dos estados, DF e municípios, proporcionalmente ao nº de alunos matriculados no Ensino Fundamental. èTRANSFERÊNCIAS AUTOMÁTICAS: èPrograma Nacional de Alimentação Escolar - PNAE èPrograma Dinheiro Direto na Escola - PDDE èSistema Única de Saúde - SUS èFundo Nacional de Assistência Social - FNAS

29 SECEX -AP Endereço: Rua Cândido Mendes, Macapá/AP Telefone: /31 Site:


Carregar ppt "Transferências Federais: Constitucionais e Legais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google