A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MÍDIA E EDUCAÇÃO Um casamento indissolúvel. OBJETIVOS DA OFICINA Apresentar alguns conceitos que permeiam a mídia-educação como novo campo de pesquisa;

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MÍDIA E EDUCAÇÃO Um casamento indissolúvel. OBJETIVOS DA OFICINA Apresentar alguns conceitos que permeiam a mídia-educação como novo campo de pesquisa;"— Transcrição da apresentação:

1 MÍDIA E EDUCAÇÃO Um casamento indissolúvel

2 OBJETIVOS DA OFICINA Apresentar alguns conceitos que permeiam a mídia-educação como novo campo de pesquisa; Apresentar argumentos para que a escola aceite e utilize o recurso midiático (foco no jornal) como instrumento de informação, formação, análise e interpretação; Apresentar instrumentos que ajudem o professor desenvolver trabalhos com a mídia impressa na escola;

3 A MÍDIA E A EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI GLOBALIZAÇÃO EDUCAÇÃO TECNOLOGIA COMUNICAÇÃO EDUCOMUNICAÇÃOEDUCOMUNICAÇÃO

4 ONDE ESTÁ A RELAÇÃO MÍDIA-ESCOLA? Na sua forte presença e influência sobre a sociedade e, em especial, sobre o cotidiano escolar; Na forma como a mídia reflete imagens de mundo, e nos leva, direta e indiretamente, a construir a nossa imagem particular sobre fatos e acontecimentos; No papel de mediadora e formadora de opinião; Na construção de valores, hábitos de consumo, modelos de comportamento e cultura trazidos pela comunidade escolar para dentro da escola.

5 POR QUE A ESCOLA DEVE APROPRIAR-SE DA MÍDIA? Porque a escola é o principal centro de confluência e decodificação da maior parte das informações as quais os alunos têm acesso; Porque é uma iniciativa que extrapola e enriquece os métodos tradicionais de ensino-aprendizagem; Porque pode contemplar tanto o que o que acontece dentro, quanto fora da escola; Porque contribui para formar cidadãos mais críticos, capazes de tomar decisões e interferir na realidade; Porque democratizar o acesso à informação também é função social da escola; Porque legitima e transmite valores que a escola não pode ignorar em seu processo formativo;

6 O avanço da mídia nos processos educacionais, principalmente em decorrência das novas tecnologias, não substituem o professor, mas modificam algumas das suas funções. O grande desafio diante deste novo cenário é levar o professor a perceber-se como parte ativa de um processo que está apenas começando, não pode ser ignorado, e terá impactos positivos e negativos sobre suas práticas. Quer ele queira ou não. PORQUE O PROFESSOR DEVE APROPRIAR-SE DA MÍDIA?

7 COMO AJUDAR A ESCOLA A FAZER BOM USO DA MÍDIA? Mostrando as possibilidades da mídia na perspectiva da análise crítica, reflexão e interpretação da informação; Dando subsídios aos professores para que possam aprimorar a análise e interpretação da informação; Ampliado a visão utilitária da escola sobre a mídia como instrumento, garantindo, com isso, um maior e melhor aproveitamento da informação no universo escolar; Oferecendo sugestões de práticas que envolvam o uso dos conteúdos como apoio midiático de informação e formação.

8 MÍDIA E EDUCAÇÃO Mídia-Educação é um campo de pesquisa e intervenção relativamente novo e bastante abrangente, que tem como objetivo promover uma educação: com a mídia pela mídia sobre a mídia

9 DIMENSÕES DA MÍDIA NA ESCOLA Objeto de Estudo e Análise Recurso Pedagógico Forma de Expressão

10 A formação de cidadãos críticos e atuantes, um dos atributos da escola, passa hoje obrigatoriamente pela habilitação do indivíduo para ler os meios de comunicação, suas entrelinhas e para reconhecer os posicionamentos ideológicos presentes nos veículos da mídia. ESCOLA E CIDADANIA DIMENSÃO DA LEITURA CRÍTICA DA MÍDIA

11 Leitura Atividade mental construtiva nos processos de aquisição do conhecimento ModificaçãoReorganizaçãoConstrução O QUE É LER?

12 O QUE QUEREMOS? Mostrar a importância e relevância do papel da imprensa para a democracia e manutenção dos Direitos do Homem, e da liberdade de expressão; Promover a análise crítica da informação; Tornar o meio jornal conhecido e reconhecido; Reduzir qualquer tipo de rejeição ou prevenção social que possa haver em relação ao meio ou a um veículo específico;

13 A habilitação para ler e entender o mundo é resultado, sempre, da capacidade de estabelecer uma relação dialética entre o texto (autor) e o leitor (decodificador), percebendo os conteúdos, vozes e discursos presentes. É esta relação que promove a leitura crítica e amplia a inferência do leitor sobre a intencionalidade do autor. É esta relação que permite ao leitor tomar para si as possibilidades que sempre foram suas, de interpretação, questionamento, análise e conclusões. PARA LER O MUNDO...

14 Que não existe veículo totalmente isento. Todos os meios de comunicação são regidos por valores comerciais, pessoais e humanos, que influenciam no tipo informação que divulgam. Que não existe texto totalmente isento - O jornalista (autor) sofre as influências do meio, tem valores e crenças pessoais. Que nenhum veículo de comunicação ou texto é dono da verdade absoluta - Toda a história (informação) contém várias vozes, discursos e perspectivas. É PRECISO INFORMAR...

15 Não é uma cópia fiel da realidade. Não é 100% isento. Mas oferece um universo de tipologias textuais PORTANTO O JORNAL...

16 Reconhecendo que o mundo editado pela mídia, é necessário disposição para ensinar a ler além das aparências; e a compreender as diversas vozes presentes na narrativa jornalística. A tarefa é árdua mas indispensável para ler o mundo com os olhos da educomunicação. E pressupõe... uma discussão sobre a responsabilidade social da imprensa e do jornalista; compreender as relações de poder que estão por trás da composição dos veículos; Decodificar os signos implícitos na linha editorial. BUSCA ESSENCIAL

17 ENTÃO, O QUE PEDIR À ESCOLA? Que não ignore a influência da informação na construção do conhecimento; Que explore, analise, critique ou elogie os conteúdos, na perspectiva da construção da cidadania; Que enfatize que as notícias relatadas nos textos jornalísticos não são exatamente o fato, mas a versão do jornal sobre o fato; Que auxilie os alunos a fazerem leitura global; Que ouça o que alunos têm a dizer (eles pensam e têm suas opiniões); Que fomente a leitura crítica da informação;

18 DIMENSÃO DAS FORMAS DE EXPRESSÃO ESCOLA E COMUNICAÇÃO Despertar potencialidades e tornar os alunos protagonistas de ações e atividades que envolvam a mídia como forma de expressão é também um dos atributos da escola que atua na perspectiva da construção da cidadania.

19 O QUE QUEREMOS? Familiarizar com o meio jornal mostrando seus elementos, conteúdos e funcionamento; Que a escola crie seu próprio jornal; Encorajar a pesquisa, a produção de textos e a criatividade; Encorajar o trabalho em equipe e multidisciplinar; Ampliar a vivência no âmbito da escola e da comunidade, mostrando novas possibilidades profissionais; Contribuir para a formação de leitores e redatores; Estimular o senso crítico para o exercício da cidadania; Tornar o aluno agente e reagente da comunicação ativa, que tem significado e importância; Identificar e valorizar os talentos dos alunos nas diversas atividades e funções necessárias à produção de um jornal;

20 POR QUE UM JORNAL? Jornal – caminho para fortalecer a identidade e a interação da escola com a comunidade:.. que aproxima professor e aluno do seu ambiente social;.. Que favorece as relações pessoais e interpessoais;.. Que amplia e fortalece o trabalho individual e coletivo;.. Que possibilita o desenvolvimento de atividades diversificadas, dinâmicas e inovadoras;.. Que ajuda a transformar a sala de aula em um espaço atrativo de aprendizado;.. Que estimula a criatividade e o interesse pela leitura;.. Que atua como complemento à educação formal;.. E que contribui para a formação de cidadãos capazes de compreender a sua realidade e nela interferir.

21 ENTÃO, O QUE PEDIR À ESCOLA? Que facilite e estimule a produção do jornal escolar como forma de estimular a coragem social, moral, ética e cidadã; Que trabalhe o jornal na dimensão da comunidade escolar, ampliando a relevância dos temas abordados; Que facilite o acesso aos recursos disponíveis; Que valorize a iniciativa como um todo.

22 DIMENSÃO DO RECURSO PEDAGÓGICO PROGRAMA JORNAL E EDUCAÇÃO

23 3 RELAÇÕES BÁSICAS Jornal/Escola Coordenador/Professor Professor/Aluno

24 PARA REFLETIR O professor só terá condições de ensinar os alunos a pensarem, refletirem sobre os conteúdos noticiosos e, então, desenvolverem formas autônomas de pensar o mundo, quando eles próprios compreenderem o poder da mídia e o papel ocupado pelos diferentes veículos no espaço público. (CALDAS, 2006)

25 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BACCEGA, M. A. Comunicação e linguagem. Discursos e ciência. São Paulo: Moderna, BELLONI, M. O que é mídia-educação? São Paulo: Autores Associados, CITELLI, A. Comunicação e Educação. São Paulo: Editora SENAC, FREINET, C. O Jornal Escolar. Lisboa: Editora Estampa, 1974 GAIA, R. Educomunicação e Mídias. Alagoas: Edufal, 2001 SOARES, I. de O. Sociedade da informação ou da comunicação?. São Paulo: Cidade Nova, FONSECA, C. C. Os Meios de Comunicação vão à Escola?. Belo Horizonte: Autentica. Cruzeiro: FUMEC/FCH, 2004.


Carregar ppt "MÍDIA E EDUCAÇÃO Um casamento indissolúvel. OBJETIVOS DA OFICINA Apresentar alguns conceitos que permeiam a mídia-educação como novo campo de pesquisa;"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google