A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Slides adaptados do professor Alexandre Maciel DIPLOMA: UMA LUTA DE 70 ANOS *Em 1938, durante o governo Getúlio Vargas, surge o decreto-lei 910, fixando.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Slides adaptados do professor Alexandre Maciel DIPLOMA: UMA LUTA DE 70 ANOS *Em 1938, durante o governo Getúlio Vargas, surge o decreto-lei 910, fixando."— Transcrição da apresentação:

1 Slides adaptados do professor Alexandre Maciel DIPLOMA: UMA LUTA DE 70 ANOS *Em 1938, durante o governo Getúlio Vargas, surge o decreto-lei 910, fixando em cinco horas a jornada dos jornalistas e criando escolas de jornalismo. Mas, por pressões dos donos de mídia, foi logo esquecido. *Na época, quem fazia jornalismo tinha a consciência de viver uma profissão de bico, mercado cheio de falsos jornalistas que promoviam verdadeiras chantagens com as fontes. *Na década de 1950 e 1960, industrialização do processo produtivo.

2 Histórico do diploma Em 1961, o então presidente Jânio Quadros lança o decreto , regulamentando finalmente o decreto 910, de Em 1961, o então presidente Jânio Quadros lança o decreto , regulamentando finalmente o decreto 910, de Pelo decreto do Jânio, apenas diplomados poderiam exercer o jornalismo a partir de então. Pelo decreto do Jânio, apenas diplomados poderiam exercer o jornalismo a partir de então. Decreto foi revogado pelo sucessor João Goulart, também diante de várias pressões para que ele agisse dessa forma. No entanto, politicamente Jango criou uma Comissão Legislativa para estudar o assunto. Decreto foi revogado pelo sucessor João Goulart, também diante de várias pressões para que ele agisse dessa forma. No entanto, politicamente Jango criou uma Comissão Legislativa para estudar o assunto.

3 Histórico do diploma O resultado do trabalho da comissão de Jango foi o decreto 1.177, de 1962, que restituiu a formação superior, mas também previu a formação autodidata e o reconhecimento do jornalista do interior, onde não havia faculdades de Jornalismo. O resultado do trabalho da comissão de Jango foi o decreto 1.177, de 1962, que restituiu a formação superior, mas também previu a formação autodidata e o reconhecimento do jornalista do interior, onde não havia faculdades de Jornalismo. Depois de muita mobilização da categoria, liderada pela Fenaj, finalmente, em 1969, foi editado o decreto 972, regulamentando a profissão e estabelecendo a obrigatoriedade da formação superior em Jornalismo. Depois de muita mobilização da categoria, liderada pela Fenaj, finalmente, em 1969, foi editado o decreto 972, regulamentando a profissão e estabelecendo a obrigatoriedade da formação superior em Jornalismo.

4 Como chegamos ao STF? Processo do diploma está no STF (Recurso Extraordinário ). Julgamento este ano. Processo do diploma está no STF (Recurso Extraordinário ). Julgamento este ano. Resultado: todos perdem a licença de trabalho de jornalista. Formação superior deixa de ser obrigatória. Até analfabetos, em tese, poderão se tornar jornalistas. Resultado: todos perdem a licença de trabalho de jornalista. Formação superior deixa de ser obrigatória. Até analfabetos, em tese, poderão se tornar jornalistas. Tudo começou em outubro de 2001, quando a juíza substituta da 16ª Vara Cível da Justiça Federal de São Paulo, Carla Rister, suspendeu obrigatoriedade do diploma universitário. Tudo começou em outubro de 2001, quando a juíza substituta da 16ª Vara Cível da Justiça Federal de São Paulo, Carla Rister, suspendeu obrigatoriedade do diploma universitário.

5 Como chegamos ao STF? Atendeu ação cível pública movida pelo procurador da República André de Carvalho Ramos, gerada pelos veículos de comunicação. Atendeu ação cível pública movida pelo procurador da República André de Carvalho Ramos, gerada pelos veículos de comunicação. No meio do caminho, 4ª Turma do TRF da 3ª Região deu vitória parcial à Fenaj: não há contradição entre o princípio legal da liberdade de expressão e a exigência do diploma No meio do caminho, 4ª Turma do TRF da 3ª Região deu vitória parcial à Fenaj: não há contradição entre o princípio legal da liberdade de expressão e a exigência do diploma Foi criada, então, a figura do jornalista precário. Todos, em tese, podem encaminhar um pedido formal ao Ministério do Trabalho e Emprego sem comprovar sequer se é alfabetizado. Foi criada, então, a figura do jornalista precário. Todos, em tese, podem encaminhar um pedido formal ao Ministério do Trabalho e Emprego sem comprovar sequer se é alfabetizado.

6 Como chegamos ao STF? Duas grandes derrotas recentes: proposta de criação do Conselho Federal dos Jornalistas, em 2004, acabou rejeitada na Câmara dos Deputados sem debate público. Duas grandes derrotas recentes: proposta de criação do Conselho Federal dos Jornalistas, em 2004, acabou rejeitada na Câmara dos Deputados sem debate público. Aprovada em 2006 no Congresso Nacional, projeto de Lei 79/04 que regulamenta a profissão, acabou vetado (conferir histórico) Aprovada em 2006 no Congresso Nacional, projeto de Lei 79/04 que regulamenta a profissão, acabou vetado (conferir histórico)

7 Outras lutas importantes Na verdade, no primeiro congresso dos jornalistas, em 1918, o tema já tinha sido pauta, para a gente ver como a história é antiga. Sempre o patronato nos colocando na berlinda com pressões incontáveis. Na verdade, no primeiro congresso dos jornalistas, em 1918, o tema já tinha sido pauta, para a gente ver como a história é antiga. Sempre o patronato nos colocando na berlinda com pressões incontáveis. Em 1987, no Congresso dos Jornalistas em Goiânia, 20 anos depois do decreto 972, a categoria aprovou a proposta de atualizar a regulamentação profissional. Em 1987, no Congresso dos Jornalistas em Goiânia, 20 anos depois do decreto 972, a categoria aprovou a proposta de atualizar a regulamentação profissional. Projeto foi apresentado no Congresso Nacional, em 1989, pela então deputada e jornalista Cristina Tavares (PMDB-PE). Projeto foi apresentado no Congresso Nacional, em 1989, pela então deputada e jornalista Cristina Tavares (PMDB-PE). Alterado, seis anos depois, a matéria foi reapresentada pelo deputado Marcelo Barbieri (PMDB-SP). Nas duas vezes, acabou arquivado. Alterado, seis anos depois, a matéria foi reapresentada pelo deputado Marcelo Barbieri (PMDB-SP). Nas duas vezes, acabou arquivado.

8 Outras lutas importantes Por iniciativa pessoal do deputado federal pastor Amarildo (PSC/TO), o projeto foi novamente apresentado, em 2002, na Câmara. Por iniciativa pessoal do deputado federal pastor Amarildo (PSC/TO), o projeto foi novamente apresentado, em 2002, na Câmara. A criação do Conselho Federal dos Jornalistas, em agosto de 2004, sofreu uma campanha covarde dos principais meios de comunicação, culminando com a rejeição do projeto na Câmara dos Deputados, sem qualquer debate público. A criação do Conselho Federal dos Jornalistas, em agosto de 2004, sofreu uma campanha covarde dos principais meios de comunicação, culminando com a rejeição do projeto na Câmara dos Deputados, sem qualquer debate público. Com acompanhamento da Fenaj, proposta foi aprovado em 2005, na véspera do Congresso de Ouro Preto, uma proposta de regulamentação da profissão. Em 15 dias, sob bombardeio dos barões da mídia e seus aliados, o presidente Lula foi obrigado, segundo a Fenaj, a vetar o projeto na íntegra. Com acompanhamento da Fenaj, proposta foi aprovado em 2005, na véspera do Congresso de Ouro Preto, uma proposta de regulamentação da profissão. Em 15 dias, sob bombardeio dos barões da mídia e seus aliados, o presidente Lula foi obrigado, segundo a Fenaj, a vetar o projeto na íntegra.

9 Outras lutas importantes Como compensação (olha a sombra do Jango aí, gente), o Lula criou um GT para discutir a nova regulamentação. Como compensação (olha a sombra do Jango aí, gente), o Lula criou um GT para discutir a nova regulamentação. Com a mediação da CUT, durante mais de um ano a Fenaj negociou uma atualização da profissão, com a inclusão de seis novas funções, especialmente a de assessor de imprensa. Os radialistas nunca responderam à proposta da Fenaj e o GT segue desativado. Os radialistas querem de volta para eles as funções de produtor de jornalismo e editor de imagem. Com a mediação da CUT, durante mais de um ano a Fenaj negociou uma atualização da profissão, com a inclusão de seis novas funções, especialmente a de assessor de imprensa. Os radialistas nunca responderam à proposta da Fenaj e o GT segue desativado. Os radialistas querem de volta para eles as funções de produtor de jornalismo e editor de imagem. O Conselho Federal de Relações Públicas (Conferp) também vem denunciando sistematicamente os jornalistas que exercem a função de assessores de comunicação e reivindicando o uso exclusivo destas atividades para os RPs. O Conselho Federal de Relações Públicas (Conferp) também vem denunciando sistematicamente os jornalistas que exercem a função de assessores de comunicação e reivindicando o uso exclusivo destas atividades para os RPs.

10 Outras lutas importantes Em 2006 tivemos aprovado no Congresso o No final de 2007, surge a famigerada proposta do deputado Beto Mansur (PPS/SP) que, a pretexto de atualizar a regulamentação dos radialistas, violenta a lei dos jornalistas. O projeto do Mansur trata de outro anterior, do deputado Wladimir Costa, que originalmente modificava a regulamentação profissional dos radialistas. que é de 1978, vendando a concessão de registro provisório para exercício da atividade. Mansur apresentou um substitutivo onde altera o teor do Artigo 4º da Lei 6.615, passando TODAS AS FUNÇÕES DE JORNALISTAS, EM RÁDIO E TELEVISÃO, PARA OS RADIALISTAS. Ou seja, oficializa a prática de algumas rádios e TVs que promovem o desvio de enquadramento na contratação de jornalistas. Em 2006 tivemos aprovado no Congresso o No final de 2007, surge a famigerada proposta do deputado Beto Mansur (PPS/SP) que, a pretexto de atualizar a regulamentação dos radialistas, violenta a lei dos jornalistas. O projeto do Mansur trata de outro anterior, do deputado Wladimir Costa, que originalmente modificava a regulamentação profissional dos radialistas. que é de 1978, vendando a concessão de registro provisório para exercício da atividade. Mansur apresentou um substitutivo onde altera o teor do Artigo 4º da Lei 6.615, passando TODAS AS FUNÇÕES DE JORNALISTAS, EM RÁDIO E TELEVISÃO, PARA OS RADIALISTAS. Ou seja, oficializa a prática de algumas rádios e TVs que promovem o desvio de enquadramento na contratação de jornalistas.

11 Outras lutas importantes Fenaj protestou e o deputado retirou a matéria da pauta, propondo um seminário, proposta de Luíza Erundina, atualmente deputada federal. Mas o parlamentar, que é dono de rádio e TV, disse que não vai desistir de sua intenção tanto que, segundo a Fenaj, não retirou ainda definitivamente o projeto. Fenaj protestou e o deputado retirou a matéria da pauta, propondo um seminário, proposta de Luíza Erundina, atualmente deputada federal. Mas o parlamentar, que é dono de rádio e TV, disse que não vai desistir de sua intenção tanto que, segundo a Fenaj, não retirou ainda definitivamente o projeto. Em 2007, ficamos fora do Simples, sistema de arrecadação de impostos da Receita Federal que estabelece alíquotas menores para profissionais liberais e prestadores de serviços. Os jornalistas que trabalham autonomamente também foram prejudicados com a exclusão. Em 2007, ficamos fora do Simples, sistema de arrecadação de impostos da Receita Federal que estabelece alíquotas menores para profissionais liberais e prestadores de serviços. Os jornalistas que trabalham autonomamente também foram prejudicados com a exclusão.

12 Liberdade de expressão Por que só jornalista pode fazer jornalismo? = Jornalismo não é opinião, e, sim, equilíbrio das verdades. Médico faria boas matérias de saúde, mas nunca denunciaria um colega corrupto por força do seu Código de Ética. Por que só jornalista pode fazer jornalismo? = Jornalismo não é opinião, e, sim, equilíbrio das verdades. Médico faria boas matérias de saúde, mas nunca denunciaria um colega corrupto por força do seu Código de Ética. Pessoas que defendem o espaço para escrever na mídia na verdade, querem opinar, não fazer jornalismo isento. Este processo já é garantido, no caso, o de comentarista, inclusive com carteira de colaborador. Pessoas que defendem o espaço para escrever na mídia na verdade, querem opinar, não fazer jornalismo isento. Este processo já é garantido, no caso, o de comentarista, inclusive com carteira de colaborador. Jornalismo exige habilidades e competências muito específicas, ainda mais com a abertura de novos leques com a modernização do processo produtivo e a chegada de novas tecnologias. Jornalismo exige habilidades e competências muito específicas, ainda mais com a abertura de novos leques com a modernização do processo produtivo e a chegada de novas tecnologias.

13 Liberdade de expressão Porque é tão específico e deve ter diploma o jornalismo? = Porque só com formação superior seremos capazes de interpretar, explicar, contextualizar as informações; ser exigentes na busca da verdade, com postura ética; capazes de identificar o que é informação de interesse público. Porque é tão específico e deve ter diploma o jornalismo? = Porque só com formação superior seremos capazes de interpretar, explicar, contextualizar as informações; ser exigentes na busca da verdade, com postura ética; capazes de identificar o que é informação de interesse público. A questão é que devemos ir além da defesa do diploma e da regulamentação da profissão por uma questão corporativa. JORNALISMO, NA VERDADE, É UM DIREITO DA SOCIEDADE. UM PROFISSIONAL QUALIFICADO PARA EQUILIBRAR AS VERDADES EM UM MUNDO COMPLEXO, DÚBIO. A questão é que devemos ir além da defesa do diploma e da regulamentação da profissão por uma questão corporativa. JORNALISMO, NA VERDADE, É UM DIREITO DA SOCIEDADE. UM PROFISSIONAL QUALIFICADO PARA EQUILIBRAR AS VERDADES EM UM MUNDO COMPLEXO, DÚBIO.

14 Fonte Todos os textos deste slide vieram de trechos na íntegra retirados do Caderno de Teses, especificamente teses aprovadas pela Fenaj, durante o 33 Congresso Nacional dos Jornalistas, que aconteceu em São Paulo entre os dias 20 e 24 de agosto de 2008 Todos os textos deste slide vieram de trechos na íntegra retirados do Caderno de Teses, especificamente teses aprovadas pela Fenaj, durante o 33 Congresso Nacional dos Jornalistas, que aconteceu em São Paulo entre os dias 20 e 24 de agosto de 2008


Carregar ppt "Slides adaptados do professor Alexandre Maciel DIPLOMA: UMA LUTA DE 70 ANOS *Em 1938, durante o governo Getúlio Vargas, surge o decreto-lei 910, fixando."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google