A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador – ProEMI.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador – ProEMI."— Transcrição da apresentação:

1 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador – ProEMI 1

2 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Dados preocupantes: No nível 200 da escala, considerado adequado para a 4ª série/ 5ºano, estão: 14% dos alunos brasileiros dessa série e 23% dos de 8ª série/9º ano; 74% dos alunos de 4ªsérie/5º ano e 29% dos de 8ª série/9º ano ainda não atingiram esse nível considerado adequado para a 4ª série. Segundo as metas estabelecidas pelo movimento Todos pela Educação, 200 é o nível mínimo a ser atingido por alunos da 4ª série/5º ano do E.F. É importante lembrar que a média dos alunos brasileiros de 4ª série/5º ano na Prova Brasil – 2005 foi 174,14. Delmanto et al (2007)

3 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Conceitos Básicos 1.Direito à educação = direito à aprender 2.Se não há aprendizado, não há atendimento aos direitos dos alunos. Aprender o que? Autonomia, Conviver com diferenças, Linguagens. Novoa, Delors, Competências da OECD, CF APRENDER O QUE NOS UNE E O QUE NOS LIBERTA.

4 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Pergunta importante A escola está atendendo os direitos de aprendizado de seus alunos? De TODOS e cada UM de seus alunos. Avaliação Externa pretende: Verificar o atendimento ao DIREITO.

5 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Papel do Gestor Garantir o direito do aluno de ser avaliado. Eu tenho uma dificuldade, se você não descobre qual é essa dificuldade como você vai me ajudar? Como vai garantir o meu direito?

6 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Como sintetizar os resultados de forma útil para se conhecer o sistema: INTERPRETAÇÃO: Pedagógica: Itens que ajudam entender o que os alunos classificados em cada um dos níveis sabem e são capazes de fazer; Normativa: Níveis de Desempenho – Olhando tenho que saber se está bom ou não. Insuficiente Básico Adequado Avançado Quantos alunos você tem no insuficiente ? Onde está o seu nível de excelência? Gerencial: Contextualização dos Resultados : Como eu estou? Só que considerando o que eu tenho. Qualidade e Equidade: A escola tem muito aluno no avançado, não pode ser a custa de muitos alunos no insuficiente.

7 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Que ações tomar depois de analisar os dados? Resultado – Palavra libertadora – fruto da escola Não há Projeto Pedagógico legítimo se o aluno não aprende. Números constatam, mas não explicam. A medida tem que ser usada para a ação e não para a desculpa.

8 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Avaliar implica levar em conta o conjunto de conhecimentos, crenças, hábitos, regras, sentimentos que regem o trabalho coletivo da e na escola. Este é um dos motivos pelos quais cada escola precisa desenvolver ações cotidianas que levem à construção, em seu interior, de uma cultura avaliativa com foco no sucesso do aluno e, conseqüentemente, no acompanhamento do seu desempenho.

9 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica é preciso que a escola avance na direção de sua auto-avaliação e da análise dos resultados alcançados pelos seus alunos nas avaliações externas, de forma articulada às avaliações internas que realiza. A importância de a avaliação ser encarada como um processo que serve para repensar a prática escolar e retornar a essa mesma prática, transformando-a; A construção da qualidade do trabalho escolar implica, dentre outras, a compreensão do papel e da importância dos resultados da avaliação externa, incorporando-os ao projeto pedagógico. Assim, é preciso que a escola avance na direção de sua auto-avaliação e da análise dos resultados alcançados pelos seus alunos nas avaliações externas, de forma articulada às avaliações internas que realiza.

10 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Era uma vez... Uma rainha que vivia em um grande castelo. Ela tinha uma varinha mágica que fazia as pessoas bonitas ou feias, alegres ou tristes, vitoriosas ou fracassadas. Como todas as rainhas, ela também tinha um espelho mágico. Um dia, querendo avaliar sua beleza, também, ela perguntou ao espelho: – Espelho, espelho meu, existe alguém mais bonita do que eu? O espelho olhou bem para ela e respondeu: – Minha rainha, os tempos estão mudados. Esta não é uma resposta assim tão simples. Hoje em dia, para responder a sua pergunta eu preciso de alguns elementos mais claros. Atônita, a rainha não sabia o que dizer. Só lhe ocorreu perguntar: – Como assim?

11 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica – Veja bem, respondeu o espelho. Em primeiro lugar, preciso saber por que Vossa Majestade fez essa pergunta, ou seja, o que pretende fazer com minha resposta. Pretende apenas levantar dados sobre o seu ibope no castelo? Pretende examinar seu nível de beleza, comparando-o com o de outras pessoas, ou sua avaliação visa ao desenvolvimento de sua própria beleza, sem nenhum critério externo? É uma avaliação considerando a norma ou critérios pré-determinados? De toda forma, é preciso, ainda, que Vossa Majestade me diga se pretende fazer uma classificação dos resultados. E continuou o espelho:

12 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica – Além disso, eu preciso que Vossa Majestade me defina com que bases devo fazer essa avaliação. Devo considerar o peso, a altura, a cor dos olhos, o conjunto? Quem devo consultar para fazer essa análise? Por exemplo: se consultar somente os moradores do castelo, vou ter uma resposta; por outro lado, se utilizar parâmetros nacionais, poderei ter outra resposta. Entre a turma da copa ou mesmo entre os anões, a Branca de Neve ganha estourado. Mas, se perguntar aos seus conselheiros, acho que minha rainha terá o primeiro lugar. Depois, ainda tem o seguinte – continuou o espelho: Como vou fazer essa avaliação? Devo utilizar análises continuadas? Posso utilizar alguma prova para verificar o grau dessa beleza? Utilizo a observação? Finalmente, concluiu o espelho: – Será que estou sendo justo? Tantos são os pontos a considerar... (Adaptado de PATTON, Michael Quinn. Utilization-Focused Evolution. Londres: Sage Pub, 1997, p.45-46)

13 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Certamente, em outras épocas, esperaríamos que o espelho da história se comportasse de forma convencional, respondendo pronta e de forma obediente a pergunta da rainha. Todavia, com base no desenrolar do apólogo, é possível refletir sobre algumas questões, considerando a complexidade da avaliação nos tempos atuais, concorda? Como você pode perceber, não basta qualquer avaliação: é preciso dar significado ao ato avaliativo, qualificando-o. Ao realizar a atividade proposta você deve ter observado que a própria qualidade das respostas do espelho evidencia uma mudança na forma como ele passa a encarar a avaliação de determinado objeto – a beleza da rainha –, bem como na maneira como a questiona sobre o uso dos resultados da avaliação esperada.

14 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica 14 Observe que o espelho, ao invés de responder, sem nenhum questionamento, a indagação da rainha, devolve-lhe uma avalanche de perguntas, reconhecendo a complexidade de avaliar algo que, outrora, era apreciado de forma tranqüila, para não dizer subserviente. Com efeito, a história apresentada, tratando da avaliação, chama a atenção para perguntas como: o que avaliar? como avaliar? por que avaliar? quais instrumentos adotar na avaliação? que critérios adotar para avaliar? quais os usos dos resultados da avaliação? Observe que, também no trabalho realizado pela escola, questões desta natureza são indispensáveis, considerando, sobretudo, a necessária articulação entre dois tipos de avaliações – auto-avaliação interna e avaliação educacional externa.

15 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica A avaliação precisa ser lâmpada, não apenas espelho. Precisa não apenas refletir a realidade, mas iluminá-la, criando enfoques, perspectivas, mostrando relações, atribuindo significado. Sem um eficiente trabalho interpretativo, os dados serão apenas marcas sobre tabelas e gráficos, sem utilidade Gerencial. M. H. Abrams

16 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Para ser referência em Gestão Escolar, qual seria o tipo de pessoa e de equipe escolar que procuramos? Existem três tipos de pessoas: as que deixam acontecer, as que fazem acontecer e as que perguntam o que aconteceu (John Richardson Jr.).

17 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador - ProEMI Orientações para o Redesenho Curricular Deverá apresentar ações relacionadas ao currículo estruturadas em diferentes formatos: disciplinas optativas; oficinas; clubes de interesse; seminários integrados; grupos de pesquisas; trabalhos de campos e demais ações interdisciplinares 17

18 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Slide 18 Poderão definir: aquisição de materiais e tecnologias educativas; incluir formação específica para os profissionais envolvidos na execução das atividades. Organização do PRC a partir do Macrocampo(obrigatório)Integração Curricular Conforme necessidades e interesses: da equipe pedagógica, dos professores, da comunidade escolar, mas, sobretudo dos adolescentes, jovens e adultos, alunos desta etapa de educação básica. Deve contemplar o macrocampo obrigatório e pelo menos três macrocampos a sua escolha.

19 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador - ProEMI 3. Macrocampos Definição 19 Constituem-se como um eixo a partir do qual se possibilita a integração curricular com vistas ao enfrentamento e à superação da fragmentação e hierarquização dos saberes.

20 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador - ProEMI 3. Macrocampos Macrocampo obrigatório Integração Curricular Leitura e Letramento Iniciação Científica e Pesquisa Macrocampos Línguas Estrangeiras Eletivos Cultura Corporal Produção e Fruição das Artes Comunicação, Cultural Digital e uso das Mídias Participação Estudantil 20

21 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador - ProEMI 3.1. Macrocampo Integração Curricular Princípios e Ações produzir maior diálogo e interação entre áreas do conhecimento/disciplinas os tempos, os espaços os sujeitos Princípios e Ações articulados Dimensões/ Eixos (DCNEM): Trabalho Ciência Cultura Tecnologia Indissociáveis da Formação Humana 21

22 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Slide 22 Que integrem o conjunto de conhecimentos – Currículo Integrado Atribuir novo sentido a escola Dinamizar as experiências Re-significar os saberes e experiências Pergunta: Em que medida cada disciplina, cada experiência curricular, estão articuladas ao eixo integrador?

23 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador - ProEMI 3.2. Macrocampo Leitura e Letramento Intrinsecamente relacionado a todas as áreas de conhecimento e do currículo habilidades de leitura; interpretação e produção de textos em diversos gêneros; criação de estratégias para desenvolvimento da leitura crítica; organização da escrita em formas mais complexas; ampliação das situações de uso da leitura e da escrita; inclusão de estudos científicos e literários. Sempre tendo em vista as expectativas dos estudantes em relação à sua trajetória de formação. 23

24 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador - ProEMI 3.3. Macrocampo Iniciação Científica e Pesquisa Aproximação com o modo pelo qual a ciência é produzida e socializada Vivência de práticas de produção de sentido; Experiência com diferentes formas e possibilidades de produção de conhecimento; Contato com as questões de ordem ética próprias do campo científico. Integração entre teoria e prática cultura e trabalho ciência e tecnologia. 24

25 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Slide 25 Atividades por meio de projetos de estudos e pesquisa de campo com vistas ao Aprofundamento e à investigação organizada sobre fatos, fenômenos e procedimentos Desenvolvimento de metodologias para a sistematização do conhecimento, por meio da Experimentação Vivência Observação dos fatos e fenômenos Coleta e análise de dados Organização das informações a partir da reflexão sobre os resultados mundo do trabalho tecnologias sociais e sustentáveis Interface economia solidária e criativa meio ambiente cultura outras temáticas presentes no contexto do estudante

26 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador - ProEMI 3.4. Macrocampo Línguas Estrangeiras Estudo de língua adicional/estrangeira (espanhol, inglês e outras) Foco desenvolvimento linguístico-comunicativo-discursivo; habilidades de compreensão oral prática da comunicação oral em situações de uso da língua interpretação/construção de sentidos na leitura, na comunicação e na prática escrita de textos por meio de atividades diversificadas estudo e a prática da língua em situações formais e informais introdução a textos literários e outras manifestações culturais ambientação própria para a utilização de metodologia e materiais diferenciados que potencializem os processos de aprendizagem 26

27 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador - ProEMI 3.5. Macrocampo Cultura Corporal Ações pedagógicas que promovam: desenvolvimento da consciência corporal e do movimento compreensão da relação entre o corpo e as emoções entre o indivíduo, o outro e o mundo ter atitudes saudáveis e sustentáveis ampliar a compreensão do sujeito sobre si mesmo e de seu lugar no mundo. 27

28 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador - ProEMI 3.6. Macrocampo Produção e Fruição das Artes Ações práticas de elaboração de conhecimentos nas diversas formas de expressão artística Linguagens pintura dança música escultura cinema teatro ecotécnicas contação de histórias literatura Apreciação Análise Fruição Crítica Produção Artística Apreciação Análise Fruição Crítica Produção Artística

29 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador - ProEMI 3.7. Macrocampo Comunicação, Cultura Digital e Uso de Mídias Desenvolvimento de processos relacionados à educomunicação criação de sistemas comunicativos abertos, dialógicos e criativos condições de acesso às diferentes mídias e tecnologias ferramentas, instrumentos e informações desenvolvimento e ampliação da cultura digital e suas múltiplas modalidades de comunicação. 29

30 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Slide 30 Atividades FanzineCordéis Informática e Tecnologia da Informação Rádio Escolar Jornal Escolar Histórias em Quadrinhos FotografiaVídeos Atividades de Pesquisa FanzineCordéis Informática e Tecnologia da Informação Rádio Escolar Jornal Escolar Histórias em Quadrinhos FotografiaVídeos Atividades de Pesquisa

31 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador - ProEMI 3.8. Macrocampo Participação Estudantil Ações de incentivo à atuação e organização juvenil processos de desenvolvimento pessoal, social e de vivência política. Utilização de metodologias que: assegurem a pluralidade e a liberdade de manifestações dos jovens estudantes, apresentem alternativas estruturadas de organização, representação e participação estudantil no contexto escolar e social 31

32 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Slide 32

33 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Slide 33

34 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Slide 34

35 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica (11) ramal Sala 59-A

36 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Obrigado! 36


Carregar ppt "SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Programa Ensino Médio Inovador – ProEMI."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google