A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE SEMICONDUTORES 2007 João Antonio Zuffo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE SEMICONDUTORES 2007 João Antonio Zuffo."— Transcrição da apresentação:

1 ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE SEMICONDUTORES 2007 João Antonio Zuffo

2

3 MSI – 100K Hz clock 1Kbit 1 sr calculator, 1 st Proc. 16K RAM Proc. – 1MHz clock 64K RAM 1M RAM 64M RAM 16M RAM 1G RAM 4G RAM 16G RAM 64G RAM 1 Terabit RAM Proc. 32 bits – 10MHz 50 MHz clock 2000 MHz clock Proc. with 25M comp. 400 MHZ clock P 500MHz 50M. P 625MHz 100M com Número de Componentes Ano 1E+0 0 1E+02 1E+01 1E+03 1E+05 1E+04 1E+06 1E+08 1E+07 1E+09 1E+11 1E+10 1E+12 1E+13 Capacidade de Integração em Microeletrônica e Relógios

4 Figura 3. Projeção a longo prazo da tendência de redução das dimensões dos dispositivos eletrônicos, contidos numa pastilha de silício associada com a tendência de aumento de área física dessas pastilhas para os próximos 70 anos Redução de dimensões e tamanhos das pastilhas de silício

5 Largura Mínima na Produção Industrial m ,5 0,4 0,3 0,2 0, Ano Previsto em 1977 Evolução real Fonte Sem. Int. Janeiro 95 Resolução/Microns Fontes Originais: IBM Corporation 1977, Eletronics April 1980, Atualização Sem. Int. Janeiro 1995 Fig. 5

6

7 Fonte:FiberSystems International Vol.3 N.1 pg.29 February 2002

8 Base Mundial de Computadores Micros multi- núcleos de 64 a 256 bits

9 Lei de Haltz Lumens Fluxo/Carcaça ano Figura 8. Pela lei de Hartz que em média tem-se mantido nos últimos 30 anos, a luminosidade dos LEDs tem dobrado a cada 18 para 24 meses, como ocorre com a Lei de Moore na microeletrônica.

10 Evolução da Inteligência inserida Ano Computadores Centrais Sistemas de Compu- tação Pessoal e estações de trabalho Sistemas e pastilhas inseridos

11 PASTILHAS INSERIDAS UM NOVO PARADIGNA NA INDUSTRIA DE MICROELETRÔNICA

12 UM NOVO PARADIGMA EM MICROELETRÔNICA ESTÁ MUDANDO DRASTICAMENTE O MERCADO DE CIRCUITOS INTEGRADOS PASTILHAS INSERIDAS O MERCADO DE COMMODITIES DESTINA-SE INTEGRALMENTE A EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE PROCESSAMENTO, EXIGINDO TECNOLOGIA DE MICROELETRÔNICA DE PRIMEIRA LINHA. O MERCADO DE PASTILHAS INSERIDAS (EMBEDDED) DESTINAR-SE PREPONDERANTEMENTE À PRODUTOS E À OBJETOS INTELIGENTES, OU SEJA À COISAS DE MODO GERAL, SENDO UM MECÂNISMO FUNDAMENTAL PARA A INOVAÇÃO. SERÀ UM MERCADO CENTENAS DE VEZES SUPERIOR AO MERCADO CONVENCIONAL DE EQUIPAMENTOS DO CHAMADO COMPLEXO ELETRÔNICO. NÃO VILUMBRAR ESTA POSSIBILIDADE NUMA POLITICA NACIONAL DE MICROELETRÔNICA È CONDENA-LA A ESTAR À REBOQUE DAS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS. SISTEMAS NA PASTILHA :CASO ESPECIAL DE PASTILHAS INSERIDAS

13 A MUDANÇA DE PARADIGMA DE COMMODITIES PARA PASTILHAS INSERIDAS APLICADA EM COISAS REPRESENTA UMA OPORTUNIDADE ÚNICA PARA O BRASIL E PARA AS EMPRÊSAS NACIONAIS INSERIREM-SE NO CONTEXTO INTERNACIONAL, INOVAREM E VECEREM SEUS COMPETIDORES EXTERNOS. AMPLIAR O CONTEXTO DESTA POLITICA DESFOCALIZANDO O OBJETIVO ORIGINAL DA POLITICA DE SEMICONDUTORES, CONSTITUI UMA FORMA EFICIENTE DE IMPOSSIBILITAR A IMPLATAÇÃO DE UMA INDUSTRIA DE CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS, DEVIDO A PULVERIZAÇÃO DE RECURSOS,NUM SETOR ESTRATÉGICO DOMINADO POR MULTINACIONAIS, QUE PRODUZEM APENAS PRODUTOS E EQUIPAMENTOS PROJETADOS NO EXTERIOR E ASSIM AGREGANDO INSIGNIFICANTE ACERVO INTELECTUAL A CULTURA TECNOLÓGICA NACIONAL. UM NOVO PARADIGMA EM MICROELETRÔNICA ESTÁ MUDANDO DRASTICAMENTE O MERCADO DE CIRCUITOS INTEGRADOS PASTILHAS INSERIDAS

14 K 4K 64K 250K 1M 4M 16M 64M 256M 1G 64G Custo/Mbit tempo Violenta queda de custos dos setores de alta tecnologia de informática

15 PONTOS FUNDAMENTAIS PERVASIVIDADE NÃO É NECESSÁRIA MICROELETRÔNICA DE PRIMEIRA LINHA NANOTECNOLOGIAS DOWN TO TOP SÓ TERÃO IMPORTÂNCIA INSDÚSTRIAL DAQUI A VINTE ANOS EFEITO MULTIPLICATIVO EMPRESAS DE COMMODITIES MICROELETRÔNICA COMO ELEMENTO CHAVE DA INOVAÇÃO INDUSTRIAL MICROELETRÔNICA COMO ELEMENTO CHAVE DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE DE TODA A SOCIEDADE

16 PERVASIVIDADE Em dez anos as pastilha de silício estarão colocadas em praticamente todos os objetos serão invisíveis ao olho humano, e se multiplicarão e se distribuirão por todos os lugares de convivência e freqüência humana. O vetor desta evolução serão os Sistemas na Pastilha SnPs (SoCs).

17 PARA AS PASTILHAS INSERIDAS (EMBEDDED) NÃO É NECESSÁRIA UMA MICROELETRÔNICA DE PRIMEIRA LINHA Focadas em tecnologias do sílicio Fundamentais para a inovação e competividade global das empresas brasileiras. Instalação de parque industrial de custo relativamente baixo e que pode ser implementada paulatinamente dentro de um plano de etapas de domínio tecnológico à médio prazo. Alta disponibilidade tecnológica internacional. Mercado virtualmente inexplorado. Exemplos de sucesso internacional.

18 NÃO È NECESSÁRIA UMA MICROELETRÔNICA DE PRIMEIRA LINHA e UMA INSTALAÇÃO INDUSTRIAL, CLASSE MUNDIAL, COMPETITIVA INTERNACIONALMENTE, QUE DISPONHA DE TECNOLOGIA DE MICROELETRÔNICA DE DEZ ANOS ATRÁS, PODERÁ ATENDER DE 96% A 98% das NECESSIDADES INOVADORAS DA PEQUENA E MÉDIA INDUSTRIA NACIONAL, TANTO NA ÁREA CIVIL COMO NA ÁREA MILITAR. AMPLIARÁ CONSIDERAVELMENTE A CAPACIDADE COMPETITIVA INTERNACIONAL DE NOSSAA EMPRÊSAS COLOCADO-AS NO MESMO NIVEL QUE AS EMPRESAS CHINESAS. AGREGARÁ CONSIDERAVEL VALOR AOS PRODUTOS NACIONAIS E PERMITIRÁ QUE ACOMPANHEM MAIA FACILMENTE OS DESENVOLVIMENTOS E AGREGAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM NIVEL MUNDIAL. REALÇADA A CRIATIVIDADE NATURAL DO POVO BRASILEIRO NO SENTIDO DE LANÇAMENTO DE PRODUTOS INÉDITOS NO MERCADO PLANETÁRIO..

19 NANOTECNOLOGIAS É NECESSARIO RESSALTAR DOIS TIPOS DE ABORDAGEM DAS NANOTECNOLOGIAS : AS NANOTECNOLOGIAS DO TIPO DOWN TO TOP E AS TECNOLOGIAS DO TIPO TOP TO DOWN. É FUNDAMENTAL CARACTERIZAR-SE O TIPO DE NANOTECNOLOGIA NÃO GENERALIZANDO O CONCEITO DE NANOTECNOLOGIA PARA TODOS OS SETORES DE ATIVIDADES HUMANAS.AQUI CONSIDERAMOS NANOTECNOLOGIA ATIVIDADES EM ALTISSIMA TECNOLOGIA COMO MICROELETRÔNICA, MAQUINAS MOLECULARES, NANOTUBOS DE CARBONO ETC. A GENERALIZAÇÂO SEM LIMITES DÁ MARGEM A PICARETAGENS.

20 NANOTECNOLOGIAS DOWN TO TOP AS NANOTECNOLOGIAS AVANÇADAS DOWN TO TOP NÃO TERÃO IMPORTÂNCIA SIGNIFICATIVA NO MÍMINO NOS PRÓXIMOS 10 ANOS. ESTE TIPO DE NANOTECNOLOGIAS INCLUE :MÁQUINAS MOLECULARES, COMPONENTES CONSTRUIDOS a PARTIR DE ELEMENTOS BIOLÓGICOS, TRANSISTORES DE UM ÚNICO ELETRON ETC.ETC..... AS NANOTECNOLOGIAS DESTE TIPO TEM APENAS IMPORTÂNCIA PARA PUBLICAÇÔES ACADÊMICAs NO EXTERIOR E EM NOSSA OPINIÃO NOSSO PAÍS NÃO DEVE APLICAR RECURSOS SIGNIFICATIVOS NESTA ÁREA. LEMBRAMOS QUE O BRASIL APESAR DA FORMAR 6000 DOUTORES POR ANO, É AINDA UM ANÃO EM TERMOS TECNOLÓGICOS POR EXCESSO DE ACADEMICISMO EM ALGUMAS ÁREAS.

21 NANOTECNOLOGIAS TOP TO DOWN AS TECNOLOGIAS DE MICROELETRÔNICA ATUAIS JÁ ATIGIRAM O NIVEL NANO. A AMD UTILIZA EM SEUS MICROPROCESSADOES A TECNOLOGIA MOS DE 65 nm. A INTEL UTILIZA EM SEUS MICROPROCESSADORES TECNOLOGIA MOS DE 45 nm E PARA O FINAL DE 2008 PREVÊ A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIA de 30 nm. Em 2020 PREVÊ-SE A UTILIZAÇÃO DE UMA TECNOLOGIA DE 5 nm EM COMMMODITIES. EMPRÊSAS COMO A SANSUNG FABRICANTES DE MEMÓRIAS COM DE 4 GBITS A 16 GBITS UTILIZAM CORRENTEMENTE TECNOLOGIAS COM ESTAS DIMENSÔE SUBMICRON. TODAS ESTAS TECNOLOGIAS SÃOBASEADAS EM SÍLICIO, ´TECNOLOGIAS EQUIVALENTES ESTÃO DISPONÍVEIS PARA OUTROS MATERIAIS SEMICONDUTORES,PORÉM NÃO ENCONTRAM GRANDE ESPAÇO DE MERCADO.

22 EFEITO MULTIPLICATIVO DA MICROELETRÔNICA INSERIDA EMBORA COM UM MERCADO DIRETO IMPORTANTE OS SISTEMAS NA PASTILHA TERÃO UM EFEITO MULTIPLICATIVO QUE PODERÁ AFETAR A PRODUTIVIDADE E A COMPETIVIDADE DE PELO MENOS US 400 BILHÕES DE DO PIB BRASILEIRO. Na Agricultura conjuntamente com satélites promovendo a agricultura de precisão e otimização de adubos e agrotóxicos. Na Agropecuária promovendo a identificação e o monitoramento do gado. Na Avicultura. Nos transportes na monitoração de veículos e automação de estradas. Na saúde pelo desenvolvimento de sensores e atuadores na monitoração de pacientes e desenvolvimento de drogas inteligentes. Na instrumentação cientifica e industrial.

23 EMBORA COM UM MERCADO DIRETO IMPORTANTE OS SISTEMAS NA PASTILHA TERÃO UM EFEITO MULTIPLICATIVO QUE PODERÁ AFETAR A PRODUTIVIDADE E A COMPETIVIDADE DE PELO MENOS US 600 BILHÕES DE DO PIB BRASILEIRO No desenvolvimento de aparelhos e eletrodomésticos inteligentes. No controle de processos industriais e medidas destrutivas. No setor de serviços com escritórios inteligentes Nos serviços de comunicação e controle sem fio. Na Identificação e monitoramento de animais domésticos. Nos brinquedos e entretenimentos. Na área Militar Etc. etc e etc. EFEITO MULTIPLICATIVO DA MICROELETRÔNICA INSERIDA

24 MERCADOS JÁ EXISTENTES PORÉM COM ALTA TAXA DE ATUALIZAÇÃO Telefonia Celular US 040 milhões Industria automobilística US 210 milhões Equipamentos e instrumentação médica US 180 milhões Entretenimento US 300 milhões Equipamentos e utilidades domésticas US 500 milhões Diversos US 170 milhões TOTAL US 1400 milhões MERCADO DIRETO ANUAL DA MICROELETRÔNICA INSERIDA

25 MERCADOPOTENCIAL DIRETO ANUAL DA MICROELETRÔNICA INSERIDA NOVOS MERCADOS AINDA INEXPLORADOS GADO BOVINO 180 milhões de Cabeças. Dois dólares por Pastilha : US 360 milhões. AGRICULTURA Monitoramento do solo e Agricultura de precisão :( 5 dólares por hectare) US 300milhões Objetos industrializados de uso pessoal inteligentes, desde sapatos, canetas vestimentas, dentre outros US 500 milhões Industria de brinquedos US 200 milhões TV digital e entretenimento US 420milhões Diversos US 270 milhões TOTAL US2050 milhões

26 PROPOSITALMENTE TODAS AS ÁREAS CITADAS COM EXCEÇÃO DA TELEFÔNIA CELULAR E POSSIVELMENTE ALGUNS BRIQUEDOS SÃO ÁREAS NÂO PRESENTES EM NOSSA INDUSTRIA ATUAL DE ELETROELETRÔNICOS

27 INDUSTRIA DE COMMODITIES EMBORA NÂO EXCLUSIVA A INDUSTRIA DE COMMODITIES NÂO DEVERIA SER PRIORIDADE NA IMPLANTAÇÂO DE UMA INDUSTRIA BRASILEIRA DE SEMICONDUTORES. RAZÔES: O BRASIL NÂO ESTÁ NA ROTA COMERCIAL EUROPA-EUA –ASIA NÂO SENDO INTERESSE IMEDIATO DAS MULTINACIONAIS DO RAMO. NÂO EXISTE DE IMEDIATO MÂO DE OBRA ESPECIALIZADA COM EXPERIÊNCIA INDUSTRIAL PARA A IMPLEMENTAÇÂO DE UMA EMPRESA DE PRIMEIRA LINHA EM MICROELETRÔNICA. SE IMPLANTADA NAS CONDIÇÔES ATUAIS UMA MULTINACIONAL DESTE TIPO AGREGARIA POUCO VALOR NACIONAL A SEUS PRODUTOS NÂO RESOLVENDO NENHUM DOS PROBLEMAS ESTRUTURAIS DA ÁREA. AS DECISÔES DE INVESTIMENTO E PESQUISAS NÂO COINCIDIRIAM COM OS INTERRESSES NACIONAIS. TODAS INICIATIVAS DE SUCESSO E PERMANÊNCIA EM TERRITÓRIO BRASILEIRO FORAM FEITAS EXATAMENTE POR BRASILEIROS.

28 MICROELETRÔNICA COMO ELEMENTO CHAVE DA INOVAÇÃO INDUSTRIAL NA INFOERA A INOVAÇÂO E CONDIÇÂO SINE QUA NON PARA A SOBREVIVÊNCIA INDUSTRIAL. A PERVASIVIDADE DA MICROELETRÔNICA A TORNARÁ INSTRUMENTO INDISPENSAVEL NO PROCESSO DE INOVAÇÂO INDUSTRIAL.SEU PAPEL É EQUIVALENTE AO PAPEL EXERCIDO PELA SIDERURGIA NA DÈCADA DE 1940 NO BRASIL. ALÉM DE GRANDE EMPREGADORA A MÉDIA, PEQUENA E MICROEMPRÊSA SÂO O CELEIRO DA CRIATIVIDADE E DA INOVAÇÂO. INSTRUMENTADAS POR UMA FUNDIÇÂO DE MICROELETRÔNICA MUITAS DELAS TORNAR-SE-AO FORTES COMPETIDORAS NO MERCADO INTERNACIONAL ALAVANCABNDO NOSSAS EXPORTAÇÔES.

29 MICROELETRÔNICA COMO ELEMENTO CHAVE DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE DE TODA A SOCIEDADE Quando falamos de microeletrônica brasileira estamos pensando na estruturação de todo um sistema voltado para esta área industrial focalizada no silicio e e em todo suporte de industria periférica que irá paulatinamente aderindo ao sistema nacional. A Introdução de parâmetros industriais de microeletrônica significará um salto tecnológico para nossa industria colocando-a em condições de vencer seus competidores internacionais. Estes parâmetros deverão ser transferidos para a média pequena e microempresa já que estas são a melhor promessa para nosso desenvolvimento autóctone.

30 Cenário das MPE em São Paulo 98% das Empresas Instaladas Fonte:Junta Comercial 1,3 milhão MPEs Fonte:Junta Comercial 67% da Mão de Obra Empregada Fonte: RAIS 20% PIB (Estatística Nacional) Exportação 12% (Est. Nacional) Índice de Permanência no Mercado –82% primeiro ano –44% terceiro ano –29% quinto ano

31 GEM – Babson College EUA e London Business Scholl - England Fonte: Relatório Global 2002 – Global Entrepreneurship Monitor Atividade Empreendedora

32 Fonte: Relatório Global 2002 – Global Entrepreneurship Monitor Atividade Empreendedora

33 Incubadoras 43 Incubadoras 479 empresas empregos Universidades Prefeituras Ciesp Aci Fapesp Finep Capital de Risco ONGs

34 POLITICA INDUSTRIAL DE SEMICONDUTORES MITOS NACIONAIS: DEPENDE DA SUBSTITUIÇÂO DE COMPONENTES DA ÁREA DE ELETROELETRÔNICOS DECIDIDOS POR MULTINACIONAIS.NONSENSE.NOVOS PRODUTOS E NOVOS MERCADOS SUSTENTARÂO UM EMPREENDIMENTO DESTE TIPO. DEVE_SE PENSAR EM COMPETIÇÂO INTERNACIONAL E NÃO SUBSTITUIR COMPONENTES EM USO PELAS EMPRESAS MULTINACIONAIS NO BRASIL. NECESSITA DE ALTISSIMOS INVESTIMENTOS E DEVE SER DE PRIMEIRA LINHA DE PESQUISA MUNDIAL.NONSENSE A COMPETIVIDADE NA ÁREA NÂO É FUNÇÂO UNIVOCA DA ÚLTIMA TECNOLOGIA. DEPENDE DO TIPO DE MERCADO EM QUE SE VAI ATUAR E DA UMA ADMISTRAÇÃO EFICIENTE.

35 POLITICA INDUSTRIAL DE SEMICONDUTORES DOWN TO TOP PARA ALIMENTAR A INDUSTRIA. UMA GRANDE MENTIRA. PODE SER BASEADA EM APENAS MITOS NACIONAIS :. REQUER NA CONSTITUIÇÂO DE SEU SISTEMA DE UM CENTRO EM NANOTECNOLOGIA UM CENTRO UNIVERSITARIO SEM A PRESENÇA DE UNIDADE INDUSTRIAL. OUTRO NONSENSE. É IMPRECINDIVEL A VINDA DA UMA MULTINACIONAL NA ÀREA. OUTRO NOM SENSE FATAL. AS MULTINACIONAIS POSSUEM ESQUEMA ESTRATÉGICO PRÓPRIO EM NÍVEL PLANETÁRIO.EVENTUALMENTE PODERÃO VIR FATURAR NO BRASIL MAS NUNCA SE FIXAR DEFINITIVAMENTE SE NÃO HOUVER RAZÕES DE MERCADO E CONDIÇÕES PROPÍCIAS DE PRODUÇÃO COMPETITIVA NA SUA ÁREA DE ATUAÇÃO.

36 O QUE DEVE SER ou TER : FOCADA EM TECNOLOGIA DE SILICIO INDUSTRIAL NO SENTIDO ESTRITO DE CONSTRUÇÂO DE UMA UNIDADE FABRIL, COM TECNOLOGIA MOS, NÂO NECESSARIAMENTE DE PRIMEIRA LINHA. CAPITAL DOMINANTE BRASILEIRO. NÂO DEVE BASEAR-SE EM CENTROS DE PESQUISAS SEMI- ESTATAIS PARA SUA LINHA PRINCIPAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. DEVE SER SISTÊMICA NO SENTIDO DE FORMAÇÂO DE RECURSOS HUMANOS, E DE DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS NA UNIVERSIDADE E EM CENTROS DE PESQUISAS. PORÉM ACREDITAR QUE UM ÚNICO CENTRO DE PESQUISA PODERÁ SUBSISTITUIR UMA UNIDADE INDUSTRIAL DE MICROELETRONICA INSERIDA É ESTAR CONDENADO AO FRACASSO. POLITICA INDUSTRIAL DE SEMICONDUTORES

37 MAIS MITOS : ACREDITAR QUE SEJA POSSIVEL MONTAR UM CENTRO EFICIENTE DE MICROELETRÔNICA COM EQUIPAMENTOS INCOMPLETOS E OBSOLETOS DOADOS POR UMA MULTINACIONAL QUE JÀ SAIU DA ÁREA. EQUIPAMENTOS ESSES CUJA MANUTENÇÂO ERA TERCERIZADA E QUE JÁ NÂO EXISTEM DOCUMENTOS CONFIAVEIS SOBRE SUA INSTALAÇÂO E MANUTENÇÂO. MAIS GRAVE AINDA ACREDITAR QUE UM CENTRO DESSES IRÀ ABASTECER AS EMPRESAS BRASILEIRAS. ACREDITAR QUE A COMPETITIVIDADE INDUSTRIAL É FUNÇÂO ÚNICA DE SUA TECNOLOGIA MAIS AVANÇADA. ACREDITAR QUE O MOTO PROPULSOR DA INDUSTRIA DE SEMICONDUTORES SEJA APENAS A INDUSTRIA DE ELETRÔNICA CONVENCIONAL. CONFUNDE-SE CONDIÇÃO NECESSÁRIA COM CONDIÇÃO SUFICIENTE.

38 O ATAQUE AO PROBLEMA SEM DÙVIDA DEVE SER SISTÊMICO ABRANGENDO ÀREAS PERIFÉRICAS AO SÌLICIO COMO COMPOSTOS III-V e II-VI.PORÈM NUNCA SE DEVE ESQUECER QUE A PRIORIDADE SÂO AS TECNOLOGIAS DE SÌLICIO E ISTO SE DEVE TRADUZIR CLARAMENTE NA ALOCAÇÂO DE RECURSOS. QUERER AMPLIAR O ESCÔPO DA ÁREA DE SEMICONDUTORES PARA OUTRAS ÁREAS NUM PAIS CARENTE DE RECURSOS COMO O BRASIL É CONDENAR A PRESENTE INCIATIVA DO GOVERNO À UM ROTUNDO FRACASSO. POLITICA INDUSTRIAL DE SEMICONDUTORES

39 O PRINCIPIO DO DESENVOLVIMENTO DE QUALQUER PLANO DE IMPLATAÇÂO DE UM SISTEMA COMPLEXO É LEVANTAR AS LINHAS NECESSÁRIAS PARA SEU DESENVOLVIMENTO QUE PODEM CORRER EM PARALELO, EM TERMOS DOS RECURSOS DISPONIVEIS, VERIFICAR QUAIS SÃO OS PONTOS QUE PODEM SER AUTOSUFICIENTES E DETERMINAR OS GARGALOS CONCENTRANDO RECURSOS NESTES GARGALOS DE FORMA A SUPERA-LOS DENTRO DOS PRAZOS ESTABELECIDOS. O MAIOR GARGALO PARA O DESENVOLVIMENTO E ATUALIZAÇÃO DA INDUSTRIA BRASILEIRA É A ÁREA DE SEMICONDUTORES E MAIS A ÁREA DE MICROELETRÔNICA. ESTAS ÁREAS SERÃO MOTO PROPULSOR DA INOVAÇÃO E DA COMPETIVIDADE INTERNACIONAL DE NOSSAS EMPRESAS. POLITICA INDUSTRIAL DE SEMICONDUTORES

40 DESPERDIÇAR ESFORÇOS AMPLIANDO O ESCÔPO DO PLANO NACIONAL PARA ÁREAS QUE PODEM AUTOSSUSTENTAR-SE COMO O COMPLEXO ELETRÔNICO OU ÁREAS AFINS SIGNIFICA DESFOCALIZAR O PROBLEMA E CONDENA-LO AO FRACASSO. NÃO SE DEVE ESQUECER ONDE ESTÃO OS GARGALOS AO DESENVOLVIMENTO E ATACA-LOS DE FORMA DECIDIDA : O GOVERNO CONSIDEROU AS ÁREAS DE SEMICONDUTORES E SOFTWARE COMO PRIORITÁRIAS.AMPLIAR O ESCOPO DESSAS ÁREAS PARA TODA a ELETRÔNICA NO CASO DE SEMICONDUTORES OU PARA TODA GERAÇÃO DE CONTEÚDO NO CASO DE SOFTWARE É CONDENA-LAS AO FRACASSO. POLITICA INDUSTRIAL DE SEMICONDUTORES

41 PROVIDÊNCIAS: CRIAR LEGISLAÇÂO AMIGÀVEL PARA A ATRAÇÂO DE CAPITAL E EMPRESAS PARA A ÁREA DE SEMICONDUTORES COM ENFASE EM MICROELETRÔNICA. CRIAR UMA EMPRESA BRASILEIRA DE MICROELETRÔNICA ATRAVÈS DE LICITAÇÂO PRIVADA E FORTE PARTICIPAÇÂO ACIONÀRIA DO BNDES. SE POSSIVEL ADQUIRIR TAMBÈM UMA EMPRESA MÈDIA DE SEGUNDA LINHA NO SILICON VALEY. INCENTIVAR EMPRESAS DE QUIMICA FINA NO DESENVOLVIMENTO DE INSUMOS PARA SEMICONDUTORES. CRIAR UM SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS ATRAVÉS DO INCENTIVO DE DESIGN HOUSES. A IMPLEMENTAÇÂO DE DESIGN HOUSE É UM PROCESSO MAIS RÁPIDO E SIMPLES DE IMPLANTAÇÂO. POLITICA INDUSTRIAL DE SEMICONDUTORES

42 ESTRATÉGIA : AUMENTAR A CAPACIDADE INOVADORA E COMPETITIVA DAS PEQUENA, MÈDIA E MICROEMPRESAS DE MODO A TORNA- LAS INTERNACIONAMENTE COMPETITIVAS E GRANDES EXPORTADORAS E NÃO A SUBSTITUIÇÃO DIRETA DE COMPONENTES ELETRÔNICOS.

43 POLITICA INDUSTRIAL DE SEMICONDUTORES O SALDO NO GANHO EM EXPORTAÇÔES SERÁ ALGUMAS ORDENS DE MAGNITUDE MAIOR DO QUE A SUBSTITUIÇÂO DIRETA E TEREMOS UMA AMPLIAÇÂO GENERALIZADA DE QUALIDADE, ATUALIZAÇÂO EM TODA INDUSTRIA.


Carregar ppt "ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE SEMICONDUTORES 2007 João Antonio Zuffo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google