A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PSICANÁLISE Laplanche e Pontalis. Editora Martins Fontes, 1983 Doutrina Concepção dinâmica, econômica e tópica da mente, que valoriza o inconsciente, as.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PSICANÁLISE Laplanche e Pontalis. Editora Martins Fontes, 1983 Doutrina Concepção dinâmica, econômica e tópica da mente, que valoriza o inconsciente, as."— Transcrição da apresentação:

1 PSICANÁLISE Laplanche e Pontalis. Editora Martins Fontes, 1983 Doutrina Concepção dinâmica, econômica e tópica da mente, que valoriza o inconsciente, as pulsões (sexuais em particular), os conflitos, interação e oposição de forças.

2 Terapêutica Conjunto de técnicas fundamentadas nos princípios da constância, prazer- desprazer,processos primários, realidade e da compulsão à repetição, utilizada com a finalidade de eliminar sintomas, curar doenças de fundo psíquico, promover adaptação social, o auto-conhecimento e o auto- desenvolvimento.

3 INCONSCIENTE Designa os pensamentos latentes em particular, bem como aqueles que possuem um caráter dinâmico, principalmente aqueles que apesar de sua intensidade e eficiência, permanecem afastados da consciência.

4 Base de toda a vida psíquica, sendo os fenômenos conscientes, apenas suas manifestações.

5 Desqualifica o voluntarismo, prevalente na filosofia, desde a idade média.

6 Elemento de um sistema organizado de forma hierárquica constituído de inconsciente, pré-consciente e consciente ; sendo o consciente a parte superficial.

7 Opera através das leis dos processos primários que incluem condensação, deslocamento e simbolização através das quais o conteúdo latente é transformado em conteúdo manifesto.

8 Separado da consciência por uma barreira energética, chamada censura.

9 PULSÕES INSTINTIVAS E INSTINTO Instinto : Comportamento animal transmitido por via genética, característico da espécie pré-formado em seu desenvolvimento e adaptado ao seu objeto.

10 Pulsão instintiva: Designa uma carga energética que não provêm do mundo exterior, mas do interior do organismo, representante psíquico de uma fonte de estímulo endossomática permanente, como por exemplo: sexualidade, conservação ou fome.

11 As pulsões são definidas pelas suas fontes.

12 ID O ID constitui o pólo pulsional da personalidade; os seus conteúdos, expressão psíquica das pulsões, são inconscientes, em parte hereditários e inatos, em parte recalcados e adquiridos.

13 Do ponto de vista econômico, para Freud, o ID é o reservatório primitivo da energia psíquica ; do ponto de vista dinâmico, entra em conflito com o ego e o superego, que do ponto de vista genético são diferenciações dele.

14 EGO Do ponto de vista tópico, o ego está em uma relação de dependência quanto às reivindicações do ID, bem quanto aos imperativos do superego e às exigências da realidade. Embora se situe como mediador encarregado dos interesses da totalidade da pessoa, a sua autonomia é apenas relativa.

15 Do ponto de vista dinâmico, o ego representa, eminentemente, no conflito neurótico o pólo defensivo da personalidade ; põe em jogo uma série de mecanismos de defesa, estes motivados pela percepção de um afeto desagradável( sinal de angústia ).

16 Do ponto de vista econômico, o ego surge como um fator de ligação dos processos psíquicos, mas, nas operações defensivas, as tentativas de ligação da energia pulsional são contaminadas pelas características que especificam o processamento

17 Sua gênese se explica à partir de duas perspectivas:

18 aparelho adaptativo diferenciado à partir do ID em contato com a realidade exterior.

19 Produto de identificações que levam à formação de um objeto de amor revestido pelo ID. Suas operações defensivas são em grande parte inconscientes.

20 SUPEREGO Seu papel é semelhante ao de um juiz ou de um censor relativamente ao ego. Freud vê na consciência moral, na auto-observação, na formação de ideais, funções do superego.

21 Classicamente o superego é definido como o herdeiro do complexo de Édipo, constitui- se pela interiorizacão das exigências e interdições parentais.

22 Alguns psicanalistas recuam para mais cedo a formação do superego, vendo esta instancia em ação desde as fases pré- edipianas ou pelo menos procurando comportamentos e mecanismos psicológicos muito precoces que constituiriam precursores do superego.

23 LIBIDO Energia postulada por Freud como sendo o substrato das transformações da pulsão sexual quanto ao objeto (deslocamento de investimento), quanto ao alvo (sublimação por exemplo) e quanto a fonte de excitação sexual (diversidade de zonas erógenas.

24 Em Jung, a noção de libido alargou- se ao ponto de designar a energia psíquica em geral, presente em tudo que é tendência para, appetitus.

25 ESTÁDIOS DA EVOLUÇÃO DA LIBIDO Fase oral Fase anal Fase genital Fase latência Fase fálica

26 Sublimação Processo no qual atividades sem qualquer relação aparente com a sexualidade encontram o seu elemento propulsor na força de pulsão sexual. É a base da atividade artística e da investigação intelectual. A pulsão é sublimada na medida em que é desviada para um novo alvo não sexual ou em que visa objetos socialmente valorizados.

27 Recalcamento Operação pela qual o indivíduo repele ou mantêm no inconsciente representações(imagens, pensamentos, recordações ligadas a uma pulsão. O recalque se produz quando a satisfação de uma pulsão pode provocar desprazer relativamente a outras exigências.

28 Projeção Processo pelo qual o indivíduo expulsa de si e localiza no outro, qualidades, sentimentos, desejos que ele desdenha ou recusa em si.

29 Negação Processo pelo qual o indivíduo, embora formulando um dos seus desejos, pensamentos ou sentimentos, até ai recalcado, continua a defender-se dele negando que lhe pertença.


Carregar ppt "PSICANÁLISE Laplanche e Pontalis. Editora Martins Fontes, 1983 Doutrina Concepção dinâmica, econômica e tópica da mente, que valoriza o inconsciente, as."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google