A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Comunicação Didático-Pedagógica © Sérgio Wagner de Oliveira, Ms. Universidade Federal de Lavras Núcleo de Apoio Didático-Pedagógico

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Comunicação Didático-Pedagógica © Sérgio Wagner de Oliveira, Ms. Universidade Federal de Lavras Núcleo de Apoio Didático-Pedagógico"— Transcrição da apresentação:

1

2 Comunicação Didático-Pedagógica © Sérgio Wagner de Oliveira, Ms. Universidade Federal de Lavras Núcleo de Apoio Didático-Pedagógico

3 Escutatória Rubem Alves

4 Sempre vejo anunciados cursos de oratória. Nunca vi anunciado curso de escutatória. Todo mundo quer aprender a falar... Ninguém quer aprender a ouvir. Pensei em oferecer um curso de escutatória, mas acho que ninguém vai se matricular. Escutar é complicado e sutil.

5 Diz Alberto Caeiro que... não é bastante não ser cego para ver as árvores e as flores. É preciso também não ter filosofia nenhuma. Filosofia é um monte de idéias, dentro da cabeça, sobre como são as coisas. Para se ver, é preciso que a cabeça esteja vazia. Parafraseio o Alberto Caeiro: Não é bastante ter ouvidos para ouvir o que é dito. É preciso também que haja silêncio dentro da alma. Daí a dificuldade...

6 A gente não aguenta ouvir o que o outro diz sem logo dar um palpite melhor... Sem misturar o que ele diz com aquilo que a gente tem a dizer. Como se aquilo que ele diz não fosse digno de descansada consideração... e precisasse ser complementado por aquilo que a gente tem a dizer, que é muito melhor...

7 Nossa incapacidade de ouvir é a manifestação mais constante e sutil de nossa arrogância e vaidade. No fundo, somos os mais bonitos...

8 Tenho um velho amigo, Jovelino, que se mudou para os Estados Unidos estimulado pela revolução de 64. Contou- me de sua experiência com os índios: reunidos os participantes, ninguém fala. Há um longo, longo silêncio. Vejam a semelhança...

9 Os pianistas, por exemplo, antes de iniciar o concerto, diante do piano, ficam assentados em silêncio... Abrindo vazios de silêncio... Expulsando todas as idéias estranhas. Todos em silêncio, à espera do pensamento essencial. Aí, de repente, alguém fala. Curto. Todos ouvem. Terminada a fala, novo silêncio. Falar logo em seguida seria um grande desrespeito, pois o outro falou os seus pensamentos... pensamentos que ele julgava essenciais. São-me estranhos. É preciso tempo para entender o que o outro falou.

10 Se eu falar logo a seguir... São duas as possibilidades. Primeira: Fiquei em silêncio só por delicadeza... Na verdade, não ouvi o que você falou. Enquanto você falava, eu pensava nas coisas que iria falar quando você terminasse sua (tola) fala. Falo como se você não tivesse falado.

11 Segunda: Ouvi o que você falou. Mas, isso que você falou como novidade eu já pensei há muito tempo. É coisa velha para mim. Tanto que nem preciso pensar sobre o que você falou. Em ambos os casos, estou chamando o outro de tolo. O que é pior que uma bofetada.

12 O longo silêncio quer dizer: Estou ponderando cuidadosamente tudo aquilo que você falou. E, assim vai a reunião. Não basta o silêncio de fora. É preciso silêncio dentro. Ausência de pensamentos. E aí, quando se faz o silêncio dentro, a gente começa a ouvir coisas que não ouvia.

13 Eu comecei a ouvir. Fernando Pessoa conhecia a experiência... E, se referia a algo que se ouve nos interstícios das palavras... No lugar onde não há palavras. A música acontece no silêncio. A alma é uma catedral submersa. No fundo do mar - quem faz mergulho sabe - a boca fica fechada. Somos todos olhos e ouvidos. Aí, livres dos ruídos do falatório e dos saberes da filosofia, ouvimos a melodia que não havia... Que de tão linda nos faz chorar...

14 Para mim, Deus é isto: A beleza que se ouve no silêncio. Daí a importância de saber ouvir os outros: a beleza mora lá também. Comunhão é quando a beleza do outro e a beleza da gente se juntam num contraponto. (Rubem Alves) Para mim, também! (Serjão)

15 Oratória Sérgio Wagner

16 Sempre vejo anunciados cursos de oratória. Nunca vi anunciado curso de escutatória. Todo mundo quer aprender a falar... Ninguém quer aprender a ouvir. Pensei em oferecer também, agora, um curso de oratória, mas acho que ninguém vai se matricular. As pessoas estão descobrindo que para falar é preciso, antes, saber escutar, que é complicado e sutil...

17 Isócrates de Atenas ( a.C) ensina que aprender a falar bem é aprender a viver bem. Aristóteles ( a.C) disse que a retórica consiste na faculdade de descobrir todos os meios possíveis de persuadir sobre qualquer assunto, e ainda que, a retórica é o instrumento da opinião e a dialética o instrumento da ciência.

18 Além de todas as regras da oratória e dos rígidos postulados dessa ciência tem-se a fala que se pratica com a voz que vem do coração... Do amigo. Daquele que se deve guardar do lado esquerdo do peito, com ensina Milton Nascimento, ali, de Três Pontas, embora carioca de nascimento. Surge, quase sempre depois de intermináveis exercícios escutatórios.

19 No entanto é preciso conhecer alguns segredos que irão permitir que o coração fale com eficiência e as palavras cumpram suas finalidades didáticas.

20 Quando falar, faça-o de modo que todos possam entender até a última palavra. Fale com força e boa pronúncia. A isso chamamos boa dicção

21 Fale encarando seus ouvintes com tranquilidade. Desvios do olhar podem demonstrar insegurança.

22 Utilize da melhor maneira possível lábios, mandíbula, língua, garganta, tórax,diafragma e abdômen. Para falar utilizam-se 100 músculos.

23 Pense bem no que vai dizer. Mantenha um roteiro à vista. Resumos,transparências, slides, etc. ajudam na seqüência da apresentação.

24 Use palavras que todos entendam. Não use gírias ou termos vulgares e evite falar com sotaques ou expressões regionais. Ñandeyara ñee

25 Utilize frases curtas. Imite o velocista: rápido e objetivo. O segredo de um bom discurso é ter um bom começo e um belo final, cuidando para que ambos fiquem muito próximos. George Burns ( ), ator e humorista norte-americano

26 Fale com o corpo todo. Use as mãos para expressar movimento, oferta, grandeza, extensão,...

27 Exercite a voz, flexibilidade dos lábios, ressonância nasal, respiração. Sublinhe as palavras. Pratique a leitura em voz alta.

28 Use corretamente os equipamentos de apoio (quadro-de-giz,multimídia retroprojetor, slides,etc.).

29 Fale bastante. Treinando se aprende!

30 Jules Senger em A arte oratória, ensina que um discurso tem valor pelo: Conteúdo (idéias) Forma (composição) Elocução (ação) O conjunto dos itens.

31 Para obter êxito aprenda a: Cultivar o espírito: instruir-se, pensar, documentar-se Redigir. Falar: emissão vocal.

32 Cuidado: Não termine frases com né?, tá entendendo? Evite o an...annn.... Tenha paciência para relembrar o que iria dizer. Medo aumenta a produção de adrenalina que enrijece os músculos e provoca o aumento da pressão sangüínea. Boca seca? Morda a língua... Excesso de saliva? Língua no céu da boca...

33 Nervoso? Não se apresse. Fale baixo ou comente assuntos do dia. Cervejinha ou whiskynho para criar coragem? Nunca... Deu branco? Repita as últimas falas até lembrar- se... Gírias: poucas e atuais. boco-moco e prafrentex são banidas... Slides de mulher nua, em meio à apresentação, então, nem pensar...

34 obrigado pela atenção!


Carregar ppt "Comunicação Didático-Pedagógica © Sérgio Wagner de Oliveira, Ms. Universidade Federal de Lavras Núcleo de Apoio Didático-Pedagógico"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google