A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Profª Drª Maria Luiza Rodrigues de Souza Zootecnista Universidade Estadual de Maringá Departamento de Zootecnia Maringá (PR) - Brasil.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Profª Drª Maria Luiza Rodrigues de Souza Zootecnista Universidade Estadual de Maringá Departamento de Zootecnia Maringá (PR) - Brasil."— Transcrição da apresentação:

1 Profª Drª Maria Luiza Rodrigues de Souza Zootecnista Universidade Estadual de Maringá Departamento de Zootecnia Maringá (PR) - Brasil

2

3 Tecnologia de produção Produto ao consumidor Tecnologia do processamento de pescado

4 Teor de gordura Rendimento Características da carne Tecnologia de produção Espécie cultivada Qualidade da água Manejo alimentar Desempenho Off flavor Sanidade = desempenho Aspecto microbiológico Rendimento Qualidade de carne = aspectos organolépticas Padrão higiênico - sanitário Qualidades nutricionais Características específicas Presença de espinhas Formato anatômico Fragilidade na textura da carne Diferenças bioquímicas entre os músculos Rendimento Filetagem Características organolépticas

5 Tecnologia de processamento de pescado Manejo de captura ao abatedouroConservação - embalagem Sistema de captura ou despesca Transporte de peixes vivos Destino ou finalidade do pescado Forma de abater Método de filetagem Manejo de abate e processamento inicial

6 Off Flavor= presença de sabores ou odores indesejáveis causados por ingredientes dos alimentos, rancidez oxidativa na estocagem ou por absorção de certas substâncias presentes na água de cultivo (Tucker e Martin, 1991). Ocorrência = Cultivos intensivos em viveiros níveis de arraçoamento acúmulo de nutrientes proliferação actinomicetos e algas cianofíceas (Oscillatoria, Anabaena e Simploca) Responsáveis pela produção Geosmina (GEO) - (1,10 -dimetil-9 -decalol) Metilisoborneol (MIB) 1-R-exo-1,2,7,7-tetrametil-biciclo-[2,2,1]-heptan-2-ol) 1. Presença de off-flavor 1. Presença de off-flavor I - Manejo de Pré-processamento

7 CONSEQUÊNCIA = gosto e odor de mofo/barro (Gerber et al., 1979) ABSORÇÃO - compostos são rapidamente absorvidos brânquias, pele e epitélio intestinal estocados em tecidos ricos em lipídios; ELIMINAÇÃO - relativamente lenta (Tucker e Martin, 1991) CONCENTRAÇÃO sensorial limitante perceptível Geosmina = 0,6 a 6,5 g/kg (Yurkowski e Tabachek, 1974) Detecção – variável com espécie = mais fácil em peixe de sabor suave

8 PROCESSO DE DEPURAÇÃO - técnica capaz de eliminar os sabores e odores desagradáveis do peixe realizada em tanques que recebem fluxo contínuo de água limpa. TEMPO DE DEPURAÇÃO: VARIÁVEL (2 a 10 dias) Temperatura da água Teor de gordura muscular – acima 2,5% absorver mais Metilisoborneol (MIB) Intensidade inicial do off-flavor Períodos prolongados - perdas de peso 2. Depuração DETECÇÃO DA NECESSIDADE DE DEPURAÇÃO Análises sensoriais - degustação prévia peixes

9 3. Deterioração do pescado PROCESSOS: AUTÓLISE OXIDAÇÃO DE GORDURAS ATIVIDADE DE MICRORGANISMOS Pele Brânquias Intestino AVALIAÇÃO DO FRESCOR MÉTODOS SUBJETIVOS ANÁLISE SENSORIAL MÉTODOS OBJETIVOS TESTES FÍSICOS E QUÍMICOS

10 Tamanho Espessura da pele Enzimas proteolíticas ativas Estados exaurintes FATORES QUE AFETAM A REDUÇÃO DO FRESCOR 1. Espécie Condições anatômicas Condições fisiológicas 2. Condições da captura e tratamentos posteriores Métodos de captura Habitat Manipulação no processamento

11 4. Abate

12 A B C DE F A)Inteiro eviscerado B)Tronco C)Postas D)Filé E)Borboleta F)Espalmado 5. Tipos de cortes

13 Fonte: Adaptado de MACEDO-VIEGAS (1997) 6. Fluxograma de utilização total do peixe

14 7. Métodos de filetagem

15 Figura 1 - F 1 : peixe inteiro, retira-se a pele com auxílio de alicate e depois o filé Figura 2 - F 2 : peixe inteiro, retira-se o filé com pele e depois remove-se a pele do filé

16 Figura 3 - F 3 : peixe decapitado e eviscerado, retira-se a pele com auxílio de alicate e depois realiza-se a remoção do filé. Figura 4 - F 4 : peixe decapitado e eviscerado, retira-se o filé com pele e depois remove-se a pele do filé.

17 Figura 5 - F 5 : peixe decapitado, eviscerado e sem nadadeiras, retira-se a pele com auxílio de alicate e depois remove-se o filé Figura 6– F 6 : peixe decapitado, eviscerado e sem nadadeiras retira-se o filé com pele e depois remove-se a pele do filé

18 A B C D E F G H I Figura 7– F7: peixe decapitado, eviscerado e retira-se a pele inteira e depois remove o filé

19 B C D A * Figura 1 – (a) Localização do músculo hipaxial profundo (seta); (b) músculo hipaxial profundo retirado (seta); (c) músculo hipaxial (seta) e músculo abdominal ventral (*);(d) porém o procedimento normal é a remoção desse músculo (seta) após a retirada do filé (fonte: Souza, 2001; Souza e Macedo-Viegas, 2000, 2001). Músculo hipaxial profundo

20 A B Figura 2 – (a) Localização do músculo abdominal ventral (seta); (b) - aparas da toilette final do filé (fonte: Souza, 2001). Músculo abdominal e aparas

21 Máquinas para corte de cabeça

22 Tipos de cortes de cabeça oblíquo contornado reto Tipos de corte de cabeça da tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus), músculos abdominais (seta) e tronco com pele e nadadeira caudal

23 Fatores que afetam os rendimentos do processamento de peixes RENDIMENTO DO PROCESSAMENTO Espécie Peso ou tamanho Estrutura anatômica Formato do corpo Tamanho da cabeça Vísceras (hábito alimentar – comprimento trato digestório) Resíduos totais Formato do corpo Tamanho da cabeça Vísceras (hábito alimentar – comprimento trato digestório) Resíduos totais Sexo Composição Corporal Cultivo Densidade de estocagem Alimentação natural ou ração, níveis de proteína e energia) Densidade de estocagem Alimentação natural ou ração, níveis de proteína e energia) Destreza do filetador – remoção do filé e pele Grau de mecanização - manual - equipamentos Grau de mecanização - manual - equipamentos Método de filetagem Seqüência de retirada da pele e filé Remoção ou não da cabeça (decapitação) Tipos de corte de cabeça Remoção ou não das nadadeiras

24 Tabela 1 - Rendimentos de carcaça de algumas espécies de peixes de água doce

25 Tabela 2 - Valores médios de carcaça, músculos, tronco, porcentagem de resíduos do bagre africano (Clarias gariepinus) e bagre americano (Ictalurus punctatus) (fonte: Marengoni et al., 1998). a Peso vivo total exceto o peso das vísceras ns não significativo 1% de probabilidade (P<0,01);

26 ns - não significativo (P>0,05) * - 5% de probabilidade (P<0,05) ** - 1% de probabilidade (0,01) * - músculos abdominais Tabela 3 - Valores médios de rendimento de carcaça, filé, músculos abdominais, partes comestíveis e as porcentagens de pele bruta, cabeça, gônadas e resíduos do bagre africano (Clarias gariepinus) em função do sexo (fonte: Souza et al., 1998b).

27 Tabela 4 - Valores dos rendimentos do processamento da tilápia do Nilo em quatro métodos de filetagem (fonte: Souza e Macedo-Viegas, 2000, 2001). a,b – em cada linha, médias seguidas de mesma letra, não diferem entre si, pelo teste de Tukey (P>0,05) ns – não significativo (P>0,05)* - 5% de probabilidade (P<0,05)** - 1% de probabilidade (P<0,01) * 1 – ver descrição no texto

28 II. MÉTODOS DE PROCESSAMENTO E CONSERVAÇÃO PESCADO CURADO PESCADO FRESCO – pescado dado ao consumo sem ter sofrido qualquer processo de conservação a não ser a ação do gelo PESCADO RESFRIADO – pescado devidamente acondicionado em gelo e mantido em temperatura entre - 0,5 0 C a – 2 0 C PESCADO CONGELADO – pescado tratado por processos adequados de conservação em temperaturas inferiores a – 25 0 C SALGADO DEFUMADO PRENSADO DESSECADO PESCADOS SÃO ALIMENTOS MUITO PERECÍVEIS ATIVIDADE DE ÁGUA COMPOSIÇÃO QUÍMICA pH AÇÃO MICROBIANA

29 FLUXOGRAMA PARA PROCEDIMENTO A SER REALIZADO APÓS CAPTURA DO PEIXE

30

31 Consiste na remoção de parte da umidade dos tecidos, paralelamente à entrada de sal. 2 - Princípios da salga

32 3 - Fatores que interferem na salga (BURGESS et al., 1967; SHENDERYUK e BYLOWSKI, 1990; LEITÃO, 1995) Teor de gordura Temperatura Tamanho ou espessura dos files pureza química do sal pré elaboração do pescado

33 Lavagem Em água corrente para retirada de muco e impurezas Descamação e Evisceração Lavagem Retirada das escamas (faca ou colher) corte ventral e retirada das vísceras Retirada da cabaça filetagem Cortes SALGA Salga seca Salga úmida Pilhas Tanques de cura Prensagem Embalagem Embalagem em caixas de madeira e estocagem refrigerada Secagem Estocagem Embalagem em caixas de madeira e estocagem à temperatura ambiente Embalagem direta am salmoura (20%) Fluxograma das etapas da salga de peixes

34

35

36

37

38

39


Carregar ppt "Profª Drª Maria Luiza Rodrigues de Souza Zootecnista Universidade Estadual de Maringá Departamento de Zootecnia Maringá (PR) - Brasil."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google