A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Casa de Dona Yayá Comissão de Patrimônio Cultural da USP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Casa de Dona Yayá Comissão de Patrimônio Cultural da USP."— Transcrição da apresentação:

1 A Casa de Dona Yayá Comissão de Patrimônio Cultural da USP

2 Sobre a personagem Dona Yayá Nome Completo: Sebastiana de Mello Freire; Pais: Manoel de Almeida Mello Freire (bacharel em Direito, Político e grande proprietário de terras) e Josephina Augusta de Almeida Mello; Data Nascimento: 21 de janeiro de 1887; Data Falecimento: 04 de setembro de 1961; Natural de: Mogi das Cruzes; Residência em São Paulo: Palacete de dois andares à Rua de Abril, nº 37. Foto – A Casa de Dona Yayá – pág. 33

3 A CASA A Casa de Dona Yayá

4 O Primeiro proprietário da casa foi José Maria Talon A construção inicial data provavelmente do final da década de 1870, década de muitas transformações na cidade de São Paulo, advindas principalmente da chegada da ferrovia, com a Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, a Sorocabana e outras Pequeno chalé de tijolos com provavelmente apenas quatro cômodos, num terreno de mais de metros quadrados que limitava aos fundos com o córrego do Bixiga, formador do Anhangabaú, ambos há muito subterrâneos.

5 Em 1888 o imóvel foi vendido a Afonso Augusto Roberto Milliet, quem provavelmente deu à residência sua configuração atual. Ampliação e criação de um alpendre em três de seus lados. Paredes externas do antigo chalé passaram a ser internas, e o número de cômodos passou a uns 13.

6 A chácara foi vendida novamente em 1902 para João Guerra, um próspero comerciante de secos e molhados Integração à mancha urbana, embora mantivesse a área original. O novo proprietário realizou novas ampliações, construindo alguns anexos, e por meio de reformas procurou dar à casa uma ornamentação mais sofisticada

7 Uma das características da Casa de Dona Yayá é o significativo repertório de afrescos que cobrem as paredes de diversos aposentos do imóvel. As pinturas murais eram comuns nas residências de alto padrão do final do século XIX e primeira do século XX, e demonstravam o nível econômico de seu proprietário. Externamente, a ornamentação se dá pelos frontões, pilastras embutidas, compoteiras, típicos ornatos da arquitetura neoclássica, pelas colunas de ferro fundido (fabricadas em série na Europa) que sustentavam o alpendre.

8 Seu banheiro não possuía torneiras, a água saía diretamente da parede. As janelas dos cômodos ocupados por Yayá foram especialmente projetadas pelo dr. Juliano Moreira, e além de serem inquebráveis, só se abriam do lado de fora. Na residência moravam, além de d. Yayá, numerosa criadagem, seu enfermeiro, sua amiga Eliza Grant e sua prima Eliza de Mello Freire.

9

10 A CASA A Casa de Dona Yayá Em abril de 2001, o imóvel foi tombado pelo CONDEPHAAT como testemunho material de uma das formas de tratamento da loucura do início do século XX. E em 12 de dezembro de 2002 foi tombado em instância municipal pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo ( CONPRESP). Tombamento

11 O RESTAURO A Casa de Dona Yayá

12 O RESTAURO Fase 1 A Casa de Dona Yayá Identificação e Estudos De 1989 a 1991 Implantação do programa de identificação: Identificação e caracterização das pinturas dos murais de 12 ambientes da casa; Análise das argamassas, tijolos e tintas; Levantamento métrico-arquitetônico; Pesquisa histórico-documental sobre a casa e seus antigos proprietários visando subsidiar as análises de campo e datações da estratigrafia arquitetônica;

13 A Casa de Dona Yayá O RESTAURO Fase 1 Papeis de parede encontradas sob as cabeiras dos forros de madeira em diversos ambientes da casa.

14 A Casa de Dona Yayá Providências e Diretrizes De 1991 a 1998 Foram realizados serviços de manutenção e conservação geral na casa. Estes serviços, de caráter emergencial, definiram-se com base nas diretrizes determinadas pelos trabalhos de identificação da cronologia arquitetônica do imóvel e diagnóstico do estado de conservação de suas estrutura, componentes arquitetônicos e pinturas realizados anteriormente pelo CPC-USP e contaram com a constatntes supervisão dos órgãos de preservação estatais. O RESTAURO Fase 2

15

16

17

18

19 A Casa de Dona Yayá Em 10 de março de 1998 foi criada uma comissão especial do CPC com objetivo de elaborar um plano de restauro e ocupação da Casa de Dona Yayá. A partir de então, as intervenções realizadas no imóvel e as destinações a ele previstas foram discutidas, elaboradas e aprovadas por esta comissão, que definiu diretrizes e parâmetros gerais de usos, preservação e conservação do bem de patrimônio cultural. Todo o material produzido foi devidamente encaminhado aos órgãos de preservação e as intervenções só ocorreram após as devidas autorizações. Providências e Diretrizes O RESTAURO Fase 2

20 A CASA A Casa de Dona Yayá O Uso Definido Definiu-se um programa de uso e conservação para a Casa, que passaria a abrigar a sede do CPC. As atividades a serem desenvolvidas de forma permanente envolveriam cursos, exposições, oficinas, visitas uma crescente integração com o bairro e a cidade e vinculariam-se com as identidades e desafios propostos pelas características da casa, tais como: restauração e preservação, educação ambiental e patrimonial, loucura, regerssão, grupos e relações socias, entre outros. Simultaneamente, funcionaria como um efetivo elemento de ligação da Usp com a cidade através da cultura e extensão universitária.

21 A Casa de Dona Yayá Em 2001 o programa de Conservação e Restauração de Bens Arquitetônicos e Integrados voltou a atuar na Casa, iniciando o restauro das pinturas murais de dois cômodos da casa. O Restauro – fase 3 Conclusão das Obras

22 A Casa de Dona Yayá O Restauro – fase 3 1.Restauro dos Murais Artísticos Sala Verde – sala de jantar Vista da sala de jantar no início dos trabalhos. As pinturas antigas estavam encobertas com cinco demãos de tintas novas. Após as primeiras sondagens, iniciou- se a decapagem de uma pequena área da parede da sala de jantar; quando foram identificados trechos de pinturas com motivos florais.

23 1.Restauro dos Murais Artísticos Sala Verde – sala de jantar

24 As faixas estratégicas de sondagem preliminar para a localização de pinturas antigas, foram realizadas em todos os cômodos da casa, em alturas diferentes e qualidades variáveis, de modo a explorar todas as áreas de paredes onde os murais artísticos supostamente existiam. Após o reconhecimento numérico dos estratos de tinta sobrepostos e identificação dos mais antigos, o passo seguinte foi a execução de decapagens; procedimento que implica na remoção gradativa das tintas novas que recobrem as pinturas de interesse. Foram abertas com prudência pequenas janelas (retângulos de aproximadamente 10x20cm), uma a uma, começando a partir da quarta camada visível, para assegurar de que nenhum trecho de pintura artística insubstituível estava sendo removido. A pintura decorativa de estilo art noveau foi identificado sob quatro grossas camadas de tinta a óleo e esmalte modernas. Como as camadas de tinta sobrepostos tinham constituição, espessura e textura variadas, algumas delas foram retiradas com procedimentos mecânicos, com o auxílio de bisturi cirúrgico e, nos pontos onde as tintas ofereciam maior resistência, foram removidas com produtos químicos adequados a sua natureza. 1.Restauro dos Murais Artísticos Sala Verde – sala de jantar

25 A Casa de Dona Yayá O Restauro – fase 3 Para viabilizar o uso público da casa e sua efetiva ocupação pelo CPC, foram realizados e concluídos no ano de 2003, com recursos da universidade, o restauro das fachadas externas e azulejaria interna; a reforma dos jardins e a implantação de redes de infra-estrutura. Internamente, foi concluído o restauro das pinturas murais dos dois cômodos iniciada em 2001, assim como a recuperação das portas e janelas da casa e a restauração dos cômodos destinados ao confinamento de Dona Yayá.

26 A Casa de Dona Yayá O Restauro – fase 3 2.Restauro da Azulejaria Interna

27 O Restauro – fase 3 2.Restauro da Azulejaria Interna Azulejos restaurados Piso hidráulico restaurado Ambiente antes do restauro

28 O Restauro – fase 3 2.Restauro da Azulejaria Interna Ambiente após restauro

29 O Restauro – fase 3 2.Restauro da Azulejaria Interna Ambiente após restauro

30 A Casa de Dona Yayá O Restauro – fase 3 3.Restauro das Fachadas

31 O Restauro – fase 3 3.Restauro das Fachadas Antes do restauro

32 O Restauro – fase 3 3.Restauro das Fachadas

33 O Restauro – fase 3 3.Restauro das Fachadas

34 O Restauro – fase 3 3.Restauro das Fachadas

35 O Restauro – fase 3 3.Restauro das Fachadas

36 O Restauro – fase 3 3.Restauro das Fachadas

37 O Restauro – fase 3 3.Restauro das Fachadas

38 SOLARIUM, MODIFICAÇÃO FEITA NA VARANDA PARA ATENDER AS ORIENTAÇÕES DOS PSIQUIATRAS QUE FAZIAM O TRATAMENTO DE DONA YAYÁ.

39

40 A Casa de Dona Yayá VISITA – DOMINGO 26 DE MARÇO DE 2006

41 BIBLIOGRAFIA A CASA DE DONA YAYÁ – COLEÇÃO CADERNOS CPC ED. EDUSP PATRIMÔNIO CULTURAL PAULISTA – COMEMORAÇÃO 30 ANOS CONDEPHAAT – BENS TOMBADOS SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA SITE:

42 AGRADECIMENTOS AGRADECEMOS A MARIANA E A EQUIPE DO CPC, PELA ORIENTAÇÃO E ATENÇÃO PARA COM ESTE TRABALHO. EQUIPE CAROLINA PARADISO DE CARVALHO JOAQUIM DE SÁ CAVALCANTE LUIS NISHI MARCIO HUMBERTO RODRIGUES PRISCILA RAQUEL GARDIM VICTOR ACORSI FIAM FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO ARQUITETURA E URBANISMO PROFº EDGAR COUTO – 7º SEMESTRE – NOTURNO – 2006


Carregar ppt "A Casa de Dona Yayá Comissão de Patrimônio Cultural da USP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google