A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Diagnóstico Laboratorial

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Diagnóstico Laboratorial"— Transcrição da apresentação:

1 Diagnóstico Laboratorial
Anemias Hereditárias Prof. Paulo Roberto de Melo Reis

2 Conteúdo do eritrócito
250 a 350 milhões de moléculas de hemoglobina Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

3 Genética da hemoglobina
Cadeia beta Cadeia alfa 146 aa 141 aa Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

4 Hemoglobinas fisiológicas
A combinação de duas cadeias alfa (  ) com duas beta (  ) formam as hemoglobinas. Portanto, a hemoglobina tem estrutura tretamérica. 22 Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

5 Tipos de Hb após 6 meses de vida
Composição Concentração A 22 96 – 98% A2 22 2 – 4% FETAL 22 0 – 1% Dados: Paulo César Naoum – Hemoglobinopatias e Talassemias Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

6 Conduta terapêutica na anemia microcítica hipocrômica
TRATAMENTO Avaliação entre 30 e 60 dias Responsiva Não responsiva Anemia hereditária Talassemia ( alfa, beta) Hemoglobinopatia Cura Ferro Normal e ferritina Refratária ao tratamento Anemia adquirida Sideroblástica

7 Anemias Hereditárias É um grupo heterogêneo de distúrbios hereditários que ocorre por alterações gênicas dos cromossomos e que apresentam como conseqüência alterações de membrana, deficiência de produção enzimática e de preenchimento hemoglobínico do eritrócito, tanto qualitativa quanto quantitativamente. Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

8 Anemias Hereditárias A história familiar e descendência tomam caráter decisivo na elucidação das anemias hereditárias, em especial as hemoglobinopatias e talassemias. Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

9 Anemias Hereditárias HbS, HbC Defeitos de membrana
Esferocitose Ovalocitose Estomatocitose Defeitos metabólicos Piruvato quinase Pirimidina 5-nucleotidase G-6-FD Glutitiona redutase Defeitos na hemoglobina Síntese deficiente: Talassemia ;  Variantes anormais: HbS, HbC Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

10 Prevalência de anemias hereditárias no Brasil
Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

11 PRINCIPAIS TIPOS DE TALASSEMIAS
TALASSEMIA ALFA TALASSEMIAS BETA TALASSEMIAS INTERATIVAS FENÓTIPOS TALASSÊMICOS Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

12 ORIGEM DAS TALASSEMIAS
Talassemia alfa  Ásia e áfrica Talassemia beta  Mediterrâneo Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

13 Talassemia beta Definição
As talassemias beta ocorrem por falha do gene que sintetiza a globina beta, situados no cromossoma 11. A diminuição da globina beta prejudica sua associação com a globina alfa NORMAL TAL. BETA TAL. TAL. 0 MENOR MAIOR MAIOR Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

14 CLASSIFICAÇÃO CLÍNICA DAS TALASSEMIAS BETA
MAIOR INTERMÉDIA MENOR MÍNIMA HEMOGLOBINA (g/dl) < > 13 RETICULÓCITO ,5 - 2 ERITROBLASTO / ERITRÓCITOS / - ALTERADOS ICTERÍCIA / ESPLENOMEGALIA / ALTERAÇÕES / ESQUELÉTICAS NECESSIDADE DE / TRANSFUSÕES Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

15 Talassemia Beta Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

16 Talassemia beta Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

17 Pontilhado basófilo Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

18 Talassemia beta Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

19 Talassemia Beta Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

20 CONSEQÜÊNCIAS da LESÃO GENÉTICA NO CROMOSSOMO 16
TALASSEMIA ALFA CONSEQÜÊNCIAS da LESÃO GENÉTICA NO CROMOSSOMO 16 O DESEQUILÍBRIO /. Sobra cadeia  que tetramerizam-se FORMANDO Hb H (4) Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

21 RESUMO DAS ALTERAÇÕES LABORATORIAIS
Hb Fetal  % Hb A2  2,0 - 4% Hb A  % Conseqüências da redução de síntese de cadeias alfa  () ALFA TALASSEMIA Traços de Hb H na eletroforese Precipitados de Hb H nos eritrócitos Discreta microcitose Anemia () Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

22 RESUMO DAS ALTERAÇÕES LABORATORIAIS   ( )    
DOENÇA DE Hb H Hb H ( %) na eletroforese Precipitados de Hb H nos eritrócitos Anemia microcítica - hipocrômica (+, ++) HCM  Hb A2  Esplenomegalia  ( ) Síndrome hidrópica (Hidropsia Fetal) Hb Bart’s % Hb H  10% Anemia eritroblástica (++++) Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

23 Talassemia alfa Relações laboratoriais
Mínima Menor Doença da Hb H Hidropisia fetal VCM 74-85 72-80 60-72 80-100 Hb 11-15 10-13 8-10 <7 % Hb H Traços-2% 2 -5 5-20 0-20 Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

24 Talassemia alfa Resumo:
Hemoglobina H: Tetrâmero de cadeias beta Hb H = 4 Hemoglobina de Bart´s: Tetrâmero de cadeias gama Hb Bart´s = 4 Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

25 Talassemia alfa Hidropisia fetal
Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

26 Hemoglobinas variantes
É um grupo de anormalidades hereditárias em que a produção de hemoglobina normal é suprimida e substituída, parcial ou totalmente, pela formação de uma ou mais das muitas variantes hemoglobínicas. Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

27 Hemoglobina S É causada por uma mutação no gene beta da globina.
Há substituição de um base nitrogenada do códon GAC para GTC, resultando na substituição do ácido glutâmico (Glu) pela valina (Val) na posição 6 da globina beta. Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

28 HISTÓRICO DA DOENÇA FALCIFORME
PACIENTES NEGROS COM ANEMIA GRAVE ICTERÍCIA DORES AGUDAS CRUZ JOBIM (BR) LEBBY (USA) HODENPY (USA) 1908 – JESSE ACIOLY(BR) Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

29 Hemoglobina C É causada por uma mutação no gene beta da globina.
Há substituição do ácido glutâmico (Glu) pela lisina (Lis) na posição 6 da globina beta. Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

30 CÉLULAS EM ALVO NA Hb C/TAL BETA
Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

31 Hemoglobina D D Los Angeles  o ác. glutâmico (Glu) é substituído pela glutamina (Gln) na posição 121 da globina beta. D Bushman  A Glicina (Gli) é substituída pela arginina (Arg) na posição 16 da globina beta. OUTRAS Apresenta a mesma mobilidade eletroforética da Hb S Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

32 Hemoglobina E É causada por uma mutação no gene beta da globina.
Há substituição do lisina (Lis) é substituída pelo ácido glutâmico (Glu) na posição 26 da globina beta. Tem mobilidade eletroforética ligeiramente a frente da Hb C – causando confusão. Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

33 HEMOGLOBINAS VARIANTES
CERCA DE 400 TIPOS DIFERENTES SEM CONSEQUÊNCIAS PATOLÓGICAS. Ex. Hb N, Hb J, Hb G, Hb Porto Alegre APENAS Hb S E Hb C CAUSAM PATOLOGIA Hb S (SS, SC, SD, S/Tal)  FALCIZAÇÃO DO ERITRÓCITO Hb C (SC, CC, S/Tal)  CRISTALIZAÇÃO DA Hb

34 Métodos para diagnosticar hemoglobinopatias e talasemias
 Métodos auxiliares: Resistência globular a salina 0,36% Dosagem de Hb Fetal Pesquisa de Hb Fetal Teste de Falcização Pesquisa de Talassemia Alfa (Hb H) Pesquisa de Corpos de Heinz  Métodos básicos: Eletroforese Alcalina Eletroforese Ácida Dosagem de A2 Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

35 LABORATÓRIO ESPECÍFICO
Talassemias LABORATÓRIO ESPECÍFICO presença de Hb H: Tal. alfa aumento de Hb A2: tal. beta menor diminuição ou ausência de Hb A: ta l. beta maior elevação > 20% de Hb fetal: tal. beta maior reticulocitose: anemias hemolíticas aumento de bilirrubina indireta: anemias hemolíticas Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

36 Triagem Teste de resistência globular a salina 0,36%
Interpretação: Deficiência de hemoglobinização Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

37 Dosagem de Hemoglobina Fetal
Método de: Singer –  concentrações Betke -  concetrações Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

38 Coloração intra-eritrocitária de Hemoglobina Fetal
Método de Kleihauer e Betke (modificado por Shepard e cols., 1962) Princípio: A hemoglobina Fetal é acido-resistente e não sofre eluição. Cora-se pela eritrosina. As outras hemoglobinas são eluidas e não se coram pela eritrosina Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

39 Teste de falcização das hemácias
Metabissulfito de sódio a 2% Princípio: O metabisulfito de sódio reduz a tensão de oxigênio e fazendo com que hemoglobina S tome a forma característica de foice, ou de meia-lua. Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

40 Pesquisa intra-eritrocitária Hemoglobina H
100 ul sangue 200 ul ACB Incubar 2 horas Pesquisa intra-eritrocitária – Azul brilhante de cresil Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

41 Talassemia alfa Hemoglobina H
Pesquisa intra-eritrocitária – Azul brilhante de cresil Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

42 Corpos de Heinz Hemoglobinas instáveis
Pesquisa intra-eritrocitária – Azul brilhante de cresil Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

43 Pesquisa intra-eritrocitária Hemoglobina H Corpos de Heinz Hemoglobinas instáveis
100 ul sangue 200 ul ACB Incubar 2 horas Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

44 Reticulócitos 100 ul sangue 100 ul ACB Incubar 30 minutos
Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

45 Reticulócitos Azul brilhante de cresil
Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

46 Comparação Hb H Corpos de Heinz Reticulócitos
Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

47 Eletroforese Eletro = Eletricidade Forese = Separação
Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

48 Eletroforese É a migração de partículas quando colocadas em campo elétrico. Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

49 Eletroforese A migração indica o sinal da carga da partícula.
Este sinal será oposto ao do pólo para onde irá migrar. Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

50 Eletroforese de hemoglobina ACETATO DE CELULOSE:
Preparação do hemolisado Tampão TRIS - pH=8,6 Padrão ( hemolisado controle) Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

51 Eletroforese de hemoglobina ACETATO DE CELULOSE:
Preparação do hemolisado teste e padrão: 50 ul de sangue 100 ul de saponina a 1% Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

52 Eletroforese de hemoglobina ACETATO DE CELULOSE:
Importante A hemoglobina H é instável e os solventes usados para remoção do estroma das hemácias ( éter, clorofórmio, toluol, etc) desnaturam a Hb H Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

53 Eletroforese de Hemoglobina. Hemoglobina H
HbH - + A AC A2 A Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

54 Eletroforese de hemoglobina
Eletroforese em acetato de celulose – TEB pH=8,6 Hemolisado com saponina a 1%. Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

55 Talassemia alfa Detalhe
Hb H Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

56 Eletroforese de Hemoglobina. Padrão normal
- + Ap AC A2 A Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

57 Perfil eletroforético comparativo
ELETROFORESE DE HEMOGLOBINAS Perfil eletroforético comparativo AP AC A2/C S/D F A PERFIL AA AS SS AC CC AF Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

58 Eletroforese de hemoglobina
SC AC AS SC AA Eletroforese em acetado de celulose - Tampão TEB pH=8,6. Hemolisado com solução de saponina a 1%. Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

59 ELETROFORESE DE Hb BART’S E Hb H
Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

60 ELETROFORESE DE Hb EM RN E ADULTO
Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

61 ELETROFORESE DE Hb EMBRIONÁRIAS
Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

62 HEMOGLOBINAS NORMAIS APÓS SEIS MESES DE VIDA
Hb A 96 a 98% Hb A a 4% Hb Fetal 0 a 1% Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

63 VARIANTES RARAS NÃO PATOLÓGICAS
Hb PORTO ALEGRE Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

64 VARIANTES RARAS NÃO PATOLÓGICAS
Hb N BALTIMORE Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

65 VARIANTES RARAS NÃO PATOLÓGICAS Hb G FILADELFIA E Hb F TEXAS
Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

66 MUTAÇÕES NAS REGIÕES EXTERNAS
ELETROFORESE DE HEMOGLOBINAS EM ACETATO DE CELULOSE Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

67 MUTAÇÕES NAS REGIÕES EXTERNAS FAMÍLIA COM Hb C/TAL BETA
Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

68 Eletroforese de hemoglobina
Eletroforese em ágar ácido – fosfato pH=6,2 Hemolisado com saponina a 1%. Indicação: Diferenciar HBS da HBD-HBC da HBE Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

69 Padrão laboratorial Hemoglobina S Homozigótica Heterozigótica
HbS a 99% a 40% HbA Ausente a 80% HbA2 1,5 a 3% ,5 a 3% HbF 1 a 2 % a 2 % Hemoglobina C HbC % a 40 % HbA Ausente a 80% HbF < 7% Ausente Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

70 Ordem de migração de algumas hemoglobinas
- HbA2 HbD e HbS HbL e HbP HbG HbQ HbF HbA HbM e HbK HbJ HbN Hb de Bart, HbI e HbH Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

71 Outras hemoglobinas HbG  Norfolk Hb de Bart Hb Lepore Hb Porto Alegre
Hb Gun Hill Hb Freiburg HbM Boston HbM  Saskatoon HbM Iwate HbM Hyde Park HbF Texas HbF Roma Etc Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

72 Hemoglobinopatias HbE – Homozigoto HbE/HbE.
HbD – Homozigoto HbD/HbD - Semelhante a HbS, porém, pela ausência do fenômeno drepanótico. O estigma HbA/HbD é assintomático. Ocorre: Índia e pequena % de negros nos EUA HbE – Homozigoto HbE/HbE. O estigma HbA/HbE é assintomático. Ocorre: Sudeste Asiático. HbS/HbC = 50% de cada. Prof. Paulo Roberto de Melo Reis-Biomedicina-UCG

73 Eletroforese antes da transfusão Ap AC A2 /C S A Hb SS Hb CC Hb SC

74 Eletroforese após a transfusão Ap AC A2 /C S A Hb SS Hb CC Hb SC


Carregar ppt "Diagnóstico Laboratorial"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google