A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Novas Normas Contábeis: IFRS para Pequenas e Médias Empresas Prof. Umbelina Cravo Teixeira Lagioia Departamento de Ciências Contábeis Universidade Federal.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Novas Normas Contábeis: IFRS para Pequenas e Médias Empresas Prof. Umbelina Cravo Teixeira Lagioia Departamento de Ciências Contábeis Universidade Federal."— Transcrição da apresentação:

1 Novas Normas Contábeis: IFRS para Pequenas e Médias Empresas Prof. Umbelina Cravo Teixeira Lagioia Departamento de Ciências Contábeis Universidade Federal de Pernambuco

2 Agenda Processo de Internacionalização da Ciência Contábil Comitê de Pronunciamento Contábil Enquadramento das pequenas e médias empresas CPC para Pequenas e Médias Empresas Breve análise de algumas seções Conclusão

3 Contexto da Globalização Econômica

4 O processo da normatização contábil internacional

5 O Brasil no Cenário Internacional

6 Os Órgãos Nacionais Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Associação Brasileira das Companhias Abertas

7

8 A compreensão de regras internacionais é muito difícil porque as regras têm diferentes significados: o Alemanha - tudo é proibido a menos que esteja explicitamente previsto na lei, o Inglaterra - tudo é permitido a menos que esteja explicitamente proibido em lei. o Irã - tudo é proibido, mesmo que esteja permitido na lei o Itália - tudo é permitido, especialmente se é proibido. Walton (2003)

9

10 Diferenças seminais Sistema legal baseado no Direito Romano: Code Law (influência francesa) As normas emanam do texto legal: para que algo tenha valor é necessário que haja uma menção clara e específica na Lei. Sistema legal baseado no Direito Consuetudinário: Common Law (influência inglesa) A origem da regulamentação está mais ligada aos costumes e tradições.

11 Subjetividade Responsável

12 Forma Essência

13 Quadro Resumo CPCs 01 Estrutura Conceitual 43 Pronunciamentos 15 Interpretações 03 Orientações 01 Pronunciamento aplicado às Pequenas e Médias Empresas

14 Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas O termo empresas de pequeno e médio porte adotado neste Pronunciamento não inclui: As companhias abertas, reguladas pela CVM; As sociedades reguladas pelo Banco Central, pela SUSEP e outras sociedades cuja prática contábil é ditada pelo correspondente órgão regulador com poder legal para tanto. As sociedades de grande porte, como definido na Lei nº /07;

15 Sociedade de Grande Porte (11.638/07) Art. 3 o, Parágrafo único Considera-se de grande porte, para os fins exclusivos desta Lei, a sociedade ou conjunto de sociedades sob controle comum que tiver, no exercício social anterior, ativo total superior a R$ ,00 (duzentos e quarenta milhões de reais) ou receita bruta anual superior a R$ ,00 (trezentos milhões de reais).

16 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 1 PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Seção 1 PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

17 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 2 CONCEITOS E PRINCÍPIOS GERAIS Seção 2 CONCEITOS E PRINCÍPIOS GERAIS

18 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 3 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Seção 3 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

19 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 4 BALANÇO PATRIMONIAL Seção 4 BALANÇO PATRIMONIAL

20 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 5 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO E DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE Seção 5 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO E DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE

21 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 6 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Seção 6 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

22 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 7 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Seção 7 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

23 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 8 NOTAS EXPLICATIVAS Seção 8 NOTAS EXPLICATIVAS

24 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 9 DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS E SEPARADAS Seção 9 DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS E SEPARADAS

25 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 10 POLÍTICAS CONTÁBEIS, MUDANÇA DE ESTIMATIVA E RETIFICAÇÃO DE ERRO Seção 10 POLÍTICAS CONTÁBEIS, MUDANÇA DE ESTIMATIVA E RETIFICAÇÃO DE ERRO

26 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 11 INSTRUMENTOS FINANCEIROS BÁSICOS Seção 11 INSTRUMENTOS FINANCEIROS BÁSICOS

27 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 12 OUTROS TÓPICOS SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Seção 12 OUTROS TÓPICOS SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS

28 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 13 ESTOQUES Seção 13 ESTOQUES

29 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 14 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E EM COLIGADA Seção 14 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E EM COLIGADA

30 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 15 INVESTIMENTO EM EMPREENDIMENTO CONTROLADO EM CONJUNTO Seção 15 INVESTIMENTO EM EMPREENDIMENTO CONTROLADO EM CONJUNTO

31 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 16 PROPRIEDADE PARA INVESTIMENTO Seção 16 PROPRIEDADE PARA INVESTIMENTO

32 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 17 ATIVO IMOBILIZADO Seção 17 ATIVO IMOBILIZADO

33 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 18 ATIVO INTANGÍVEL Seção 18 ATIVO INTANGÍVEL

34 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 19 COMBINAÇÃO DE NEGÓCIOS E ÁGIO POR EXPECTATIVA DE RENTABILIDADE FUTURA Seção 19 COMBINAÇÃO DE NEGÓCIOS E ÁGIO POR EXPECTATIVA DE RENTABILIDADE FUTURA

35 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 20 OPERAÇÕES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL Seção 20 OPERAÇÕES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL

36 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 21 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES Seção 21 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES

37 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 22 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Seção 22 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO

38 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 23 RECEITAS Seção 23 RECEITAS

39 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 24 SUBVENÇÃO GOVERNAMENTAL Seção 24 SUBVENÇÃO GOVERNAMENTAL

40 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 25 CUSTOS DE EMPRÉSTIMOS Seção 25 CUSTOS DE EMPRÉSTIMOS

41 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 26 PAGAMENTO BASEADO EM AÇÕES Seção 26 PAGAMENTO BASEADO EM AÇÕES

42 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS Seção 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS

43 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 28 BENEFÍCIOS A EMPREGADOS Seção 28 BENEFÍCIOS A EMPREGADOS

44 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 29 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Seção 29 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

45 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 30 EFEITOS DAS MUDANÇAS NAS TAXAS DE CÂMBIO E CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Seção 30 EFEITOS DAS MUDANÇAS NAS TAXAS DE CÂMBIO E CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

46 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 31 HIPERINFLAÇÃO Seção 31 HIPERINFLAÇÃO

47 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 32 EVENTO SUBSEQUENTE Seção 32 EVENTO SUBSEQUENTE

48 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 33 DIVULGAÇÃO SOBRE PARTES RELACIONADAS Seção 33 DIVULGAÇÃO SOBRE PARTES RELACIONADAS

49 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 34 ATIVIDADES ESPECIALIZADAS Seção 34 ATIVIDADES ESPECIALIZADAS

50 Composição da CPC – PME 35 seções a saber: Seção 35 ADOÇÃO INICIAL DESTE PRONUNCIAMENTO Seção 35 ADOÇÃO INICIAL DESTE PRONUNCIAMENTO

51 Breve análise de algumas seções...

52 Seção 1 - Pequenas e Médias Empresas Pequenas e médias empresas são empresas que: a)Não têm obrigação pública de prestação de contas; e b)Elaboram demonstrações contábeis para fins gerais para usuários externos. Exemplos de usuários externos incluem proprietários que não estão envolvidos na administração do negócio, credores existentes e potenciais, e agências de avaliação de crédito.

53 AntesAgora Ativo Circulante Ativo Realizável a Longo PrazoRETIRADO Ativo Permanente Investimento Imobilizado Diferido Ativo Não Circulante Realizável a Longo Prazo Investimento Imobilizado Intangível Seção 4 - Balanço Patrimonial Ativo

54 AntesAgora Passivo Circulante Passivo Exigível a Longo PrazoRETIRADO Resultados de Exercícios FuturosRETIRADO Patrimônio Líquido Capital Social Reservas de Capital Reservas de Reavaliação Reservas de Lucros Lucros ou Prejuízos Acumulados Passivo Não Circulante Passivo Exigível a Longo Prazo Patrimônio Líquido Capital Social Reservas de Capital Ajuste de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucros Ações em Tesouraria e Prejuízos Acumulados Passivo

55 Seção 5 - Demonstração do Resultado e Demonstração do Resultado Abrangente A entidade deve apresentar todos os itens de receita e despesa reconhecidos no período em duas demonstrações: Demonstração do Resultado do Período e Demonstração do Resultado Abrangente do Período; esta última começa com o Resultado Líquido e inclui os outros resultados abrangentes.

56 Receitas Custo dos produtos, das mercadorias ou dos serviços vendidos Lucro bruto Despesas com vendas, gerais, administrativas e outras despesas e receitas operacionais Parcela dos resultados de empresas investidas reconhecida por meio do método de equivalência patrimonial Resultado antes das receitas e despesas financeiras Despesas e receitas financeiras Resultado antes dos tributos sobre o lucro Despesa com tributos sobre o lucro Resultado líquido das operações continuadas Valor líquido dos seguintes itens: Resultado líquido após tributos das operações descontinuadas Resultado após os tributos decorrente da mensuração ao valor justo menos despesas de venda ou na baixa dos ativos ou do grupo de ativos à disposição para venda que constituem a unidade operacional descontinuada Resultado líquido do período Resultado atribuído aos acionistas controladores (e LPA) Resultado atribuído aos acionistas não controladores (e LPA) A segregação das operações descontinuadas é obrigatória

57 Lucro Líquido do Exercício Ganhos e perdas provenientes da baixa de investimentos em entidade no exterior Ganhos e perdas atuariais de planos de benefício definido reconhecidos Baixa de ativos financeiros disponíveis para a venda Mudanças nos valores justos de instrumentos de hedge Mutações na conta de Ajuste de Avaliação Patrimonial decorrente do custo atribuído Ajustes de exercícios anteriores Resultado abrangente total do período Participação de acionistas ou sócios não controladores

58 Seção 17 - Ativo Imobilizado Custos iniciais Depreciação Mensuração Subseqüente Custo Atribuído

59 Custos Iniciais I.O preço de compra, incluindo os direitos de importação e os impostos incidentes sobre a compra não reembolsáveis, após a dedução dos descontos comerciais e abatimentos obtidos; II.Quaisquer custos diretamente atribuíveis para colocar o ativo no local e nas condições necessárias para funcionamento, na forma pretendida pela gerência; III.A estimativa inicial dos custos de desativar e remover o item e de restauração do local no qual está localizado, cuja obrigação uma entidade incorre.

60 O valor depreciável de um ativo deve ser distribuído em uma base sistemática, durante sua vida útil. O método de depreciação utilizado pela entidade deve refletir o modelo de previsão de consumo dos benefícios econômicos do ativo, devendo ainda, ser revisto pelo menos ao final de cada exercício. Depreciação

61 O ativo é reconhecido por seu custo, e após a dedução da depreciação acumulada deve ser verificada a sua perda por imparidade acumulada. Valor líquido de venda: é o valor obtido ou que se pode obter na venda de um ativo, líquido dos custos correspondentes. Valor em uso: representa a estimativa de fluxos futuros de caixa descontados a valor presente derivados de um ativo. Mensuração Subseqüente Avaliação pelo Método do Custo

62 Custo Atribuído A entidade que adotar este Pronunciamento pela primeira vez pode optar por mensurar o ativo imobilizado, na data de transição para este Pronunciamento, pelo seu valor justo e utilizar esse valor justo como seu custo atribuído nessa data.

63 A receita surge no curso das atividades ordinárias da entidade e é designada por uma variedade de nomes, tais como: Vendas, Honorários, Juros, Dividendos e Royalties. Seção 23 - Receitas

64 Mensuração da receita A receita deve ser mensurada pelo valor justo da contraprestação recebida ou a receber.

65 Quando o acordo constituir, efetivamente, uma transação de financiamento, o valor justo da receita é calculado a valor presente, ou seja, descontando todos os recebimentos futuros, tomando por base a taxa de juro imputada. A diferença entre o valor justo e o valor nominal da contraprestação é reconhecida como receita de juros.

66 Conclusão... Profundas mudanças Necessidade de adaptação Busca constante de aprendizado Valorização profissional


Carregar ppt "Novas Normas Contábeis: IFRS para Pequenas e Médias Empresas Prof. Umbelina Cravo Teixeira Lagioia Departamento de Ciências Contábeis Universidade Federal."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google