A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Instituto Brasileiro de Qualidade de Vida 8º Fórum de Qualidade de Vida no Trabalho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Instituto Brasileiro de Qualidade de Vida 8º Fórum de Qualidade de Vida no Trabalho."— Transcrição da apresentação:

1 Instituto Brasileiro de Qualidade de Vida 8º Fórum de Qualidade de Vida no Trabalho

2 Histórico e significados de trabalho Tripallium Realização de objetivos Sentido de vida Satisfação Saúde Estruturação da identidade Quando não vai bem, sofrimento é intenso

3 Trabalho O trabalho é inerente à condição humana. Por meio do trabalho o ser humano desenvolve suas potencialidades, ao mesmo tempo em que recebe e expressa solidariedade. Por isso o trabalho não deve ser tratado como simples mercadoria, devendo ser reconhecido como um direito individual e um dever social, que deve ser exercido em condições justas. (Dalmo Dallari. Direitos humanos e cidadania, p. 57)

4 O que é violência no trabalho Violação dos direitos humanos no contexto de trabalho.

5 Tipos de violência no trabalho Agressões no trabalho são atitudes pontuais de violência. Violência psicológica no trabalho é a repetição sistemática de comportamentos agressivos de natureza psicossocial, onde há a utilização de práticas com o objetivo de humilhar, ridicularizar, desqualificar e isolar.

6 Tipos de violência no trabalho Assédio moral É uma situação que envolve um conjunto de atitudes e comportamentos praticados dentro das organizações, deliberada e sistematicamente, com o objetivo de causar constrangimentos, ameaças e humilhações aos trabalhadores, de modo a ferir sua dignidade e pressioná- los a abandonar um projeto, um cargo ou o próprio local de trabalho.

7 Tipos de violência no trabalho Assédio moral São formas típicas do assédio moral no ambiente de trabalho: assédio moral descendente (mais comum) assédio moral horizontal assédio moral ascendente Histórico: Harassment (Heinz Leymann,1990). The Harassed Worker (Carroll Brodsky, 1976)

8 A dinâmica da violência no trabalho Produto de uma situação coletiva Movimento de ação e reação Fenômeno mais complexo do que interação isolada entre vilão e vítima

9 Manifestações mais comuns da violência no trabalho (Hirigoyen, 2005) 1. Deterioração intencional das condições de trabalho 2. Isolamento e recusa de comunicação 3. Atentado contra a dignidade 4. Violência verbal, física ou sexual

10 1) Deterioração intencional das condições de trabalho Não transmitir à pessoa informações úteis para a realização de tarefas. Contestar sistematicamente todas as suas decisões. Vigiar constantemente suas atividades e criticar seu trabalho de forma injusta ou exagerada. Privá-la do acesso aos instrumentos de trabalho: telefone, fax, computador. Retirar o trabalho que normalmente lhe compete. Atribuir-lhe proposital e sistematicamente tarefas inferiores e/ou superiores às suas competências, assim como obrigá-la a realizar favores particulares para a chefia ou outrem. Pressioná-la para que não faça valer os seus direitos (férias, horários, licenças). Atribuir-lhe, contra a vontade, trabalhos penosos. Não levar em conta recomendações de profissional de saúde. Induzi-la ao erro.

11 2) Isolamento e recusa de comunicação Recusarem-se os colegas a ter contato com a pessoa. Isolá-la do grupo. Recusarem os superiores hierárquicos qualquer pedido de contato.

12 3) Atentado contra a dignidade Utilizar insinuações desdenhosas. Fazer gestos de desprezo diante do outro (suspiros, olhares desdenhosos, levantar de ombros). Espalhar rumores a respeito do outro. Atribuir ao outro problemas psicológicos. Zombar de origem ou nacionalidade, de deficiências físicas ou de aspecto físico, e crenças religiosas ou ideologias políticas. Criticar a vida privada do outro. Responsabilizar a pessoa pelo seu próprio sofrimento decorrente de uma situação de violência.

13 4) Violência verbal, física ou sexual Ameaçar a pessoa de violência física. Agredir o outro fisicamente, mesmo que levemente (empurrar, fechar a porta na cara etc). Falar aos gritos. Invadir a privacidade. Assediar ou agredir sexualmente (gestos ou propostas). Desconsiderar problemas de saúde.

14 Consequências da violência no trabalho Para a organização interferência no alcance de metas organizacionais, pela alteração na rotina de execução do trabalho; prejuízo à imagem institucional da organização; geração de prejuízos financeiros, em função de indenizações trabalhistas decorrentes de processos judiciais; aumento das despesas relacionadas à seguridade social.

15 Consequências da violência no trabalho Para o agressor ônus da responsabilidade civil; pressão social pelo estigma de agressor; responsabilidade administrativa pela prática de violência; danos à saúde física, psíquica e social.

16 Para o agredido Para o agredido, pode ocorrer uma série de reações, que variam desde a falta de motivação para trabalhar até a total desilusão com o mundo do trabalho e a sociedade em geral, culminando em suicídio. Como exemplos desses danos, podemos citar: Consequências da violência no trabalho

17 Danos psicológicos (vazio, culpa, vergonha, solidão, tristeza, estresse, humilhação, pensamentos suicidas) Danos na esfera social (problemas de relacionamento no trabalho, conflitos nas relações pessoais, agressividade, impaciência, gastos com tratamento de saúde e assistência jurídica) Danos físicos (Dores diversas, cansaço, distúrbios respiratórios e digestivos, problemas de pele, hipertensão)

18 Alerta aos gestores! Ter como pressuposto de gerenciamento o respeito às pessoas; Evitar o mal-estar na unidade e, quando isso não for possível, solucionar os problemas em conjunto com a equipe, zelando, assim, por clima organizacional favorável; Estabelecer canais adequados de comunicação evitando ruídos e mal- entendidos; Reconhecer o desempenho e o esforço de cada membro da equipe de trabalho; Liderança; Estabelecer regras internas claras.

19 Como detectar a violência? Abrir canais de acolhimento de denúncia ( , telefone, atendimentos) Criar espaços públicos de discussão sobre o trabalho (palestras, seminários, reuniões) Pesquisa sobre incidência de violência Capacitar profissionais de saúde e gestão de pessoas para identificar possíveis situações de violência

20 Estratégias de combate e prevenção Intervenção em múltiplos setores e dimensões da organização, tais como: Condições de trabalho; Organização do trabalho; Relacionamento interpessoal; Modelos de gestão; Cultura organizacional, entre outros.

21 Estratégias de combate e prevenção Métodos de Prevenção (Leclerc, 2005) Primária (antes da ocorrência) Medidas para informar e educar os servidores; Clima de tolerância e liberdade; Recusa em colaborar ou consentir com comportamentos inapropriados.

22 Métodos de Prevenção (Leclerc, 2005) Secundária (situação já ocorreu) Procurar um confidente, para ajudar a esclarecer a situação e tomar atitudes para deter a agressão; Obter um mediador imparcial, que crie uma oportunidade para as pessoas em conflito encontrarem-se e negociarem uma solução. Estratégias de combate e prevenção

23 Métodos de Prevenção (Leclerc, 2005) Terciária (recuperar a saúde e a dignidade dos trabalhadores) Diagnóstico precoce dos efeitos sobre a saúde; Formação de grupos de apoio e sensibilização que reúnam as pessoas que tenham sofrido agressões no contexto do trabalho e possam trocar experiências; Mediação (alternativa de resolução de conflitos para reintroduzir o diálogo). Estratégias de combate e prevenção

24 Rede de solidariedade Evite a ditadura do medo e do silêncio: se for ameaçado, busque formar rede de solidariedade. Entre em contato com colegas, profissionais de saúde, superior hierárquico, sindicato e outras organizações de defesa dos direitos do trabalhador como o Ministério Público do Trabalho, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios e a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego

25

26 Contato


Carregar ppt "Instituto Brasileiro de Qualidade de Vida 8º Fórum de Qualidade de Vida no Trabalho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google