A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Introdução à avaliação O que é avaliação O que, por que e quando avaliar Paradigmas e técnicas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Introdução à avaliação O que é avaliação O que, por que e quando avaliar Paradigmas e técnicas."— Transcrição da apresentação:

1 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Introdução à avaliação O que é avaliação O que, por que e quando avaliar Paradigmas e técnicas

2 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Você realiza algum tipo de teste com seus usuários antes de entregar o que foi requerido? Por quê? Você sabe os problemas que podem acontecer se você não fizer uma avaliação adequada da interface? Que abordagens você utilizaria ao avaliar interfaces?

3 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO O QUE É AVALIAÇÃO O projeto e a avaliação de sistemas são processos criativos e imprevisíveis… Mas isso não impede que haja disciplinas técnicas para o projeto e a avaliação Os métodos de avaliação da interface são muitos e seguem abordagens teóricas diversas –Devem ser aplicados durante todo o processo de desenvolvimento

4 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO É importante definir o método de avaliação adequado e escolher a definição de usabilidade a ser utilizada… –É a capacidade do sofware em permitir que o usuário alcance suas metas de interação com o sistema (Scapin) –É o quanto o software é fácil de aprender e permite utilização eficiente e apresenta poucos erros (Nielsen) –Qualidade da experiência… um software intuitivo, completo e que não quebre (Wright) Há a definição fácil de –Usar, aprender (e ensinar), re-aprender, desaprender, evitar perdas, dar suporte, explorar, compartilhar com um grupo, integrar com operações existentes

5 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Há definições atualizadas na A idéia de software ou interface amigável não ajuda em nada –O que significa? –Tem uma noção muito subjetiva –Como as empresas podem dizer mais que um software é fácil de usar do que é um produto competitivo –Não tem grande significado, a não ser que sej adefinido em termos reais, operacionais, que possa ser medido e testado A despeito das definições, o que importa é saber O QUE o usuário quer fazer, QUANDO e COMO

6 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO O QUE, POR QUE E QUANDO AVALIAR Os usuários podem preferir sistemas fáceis de usar, bem como eficientes, eficazes, seguros e satisfatórios ou agradáveis, atraentes e desafiadores A ISO define usabilidade como a efetividade, eficiência e satisfação com a qual um conjunto específico de usuários pode alcançar um conjunto específico de tarefas em um ambiente particular

7 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO MEDIDAS Efetividade Atingir os objetivos iniciais da interação Todo Website tem uma tarefa primária Entender o usuário no mundo real e físico Eficiência Quantidade de esforço para se chegar a um objetivo Rotas e conteúdos Quanto menos trabalho melhor Divisão Desvios da navegação Índice de erros Tempo gasto na tarefa Satisfação Mais subjetiva Nível de conforto do usuário Quantitativa na linguagem corporal Qualitativa em questionário

8 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO O que será avaliado em termos mais específicos dependerá do tipo de produto e do seu uso –Para que serve avaliar uma sequência de links? –E um brinquedo ou um jogo de computador infantil? O que será avaliado também está relacionado a onde será avaliado –No trabalho –Em casa –Na escola O Olympic Message System possibilitou novas formas de entender o que se deve avaliar

9 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Por que a avaliação da usabilidade é tão importante? –Intuições de designers e desenvolvedores não estão sempre corretas –Terminologia de designers e desenvolvedores nem sempre significa a mesma do usuário –Pessoas diferem e não há um usuário médio –Princípios de usabilidade e guidelines não são suficientes –Feedback informal é inadequado para avaliações do produto –Tempo, dinheiro e recursos gastos nas avaliações de usabilidade valem a pena –Produtos construídos em pedaços sempre têm inconsistências de alto nível –Problemas encontrados mais tarde no software são mais difíceis e caros de consertar –Problemas consertados no processo de desenvolvimento reduzem os custos mais tarde –Avaliações de usabilidade podem dar vantagens sobre produtos competitivos

10 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Quando avaliar –Durante todo o processo de desenvolvimento –Se o produto for totalmente novo demanda um maior tempo –Produtos já prontos podem ser utilizados para avaliar novos produtos –Em atualizações há um escopo limitado para mudanças Há dois tipos de avaliação –Formativa Durante o design –Somativa Quando o produto é finalizado

11 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Como você usaria o sistema de eleição abaixo em uma avaliação?

12 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO PARADIGMAS E TÉCNICAS Testes de usabilidade Estudos de campo Avaliações analíticas UsuáriosTarefas programadas NaturalNão aparecem LocalControladaNaturalQualquer lugar QuandoProtótiposLogoProtótipos DadosQuantitativaQualitativaProblemas FeedbackMedidas e erros DescriçõesProblemas TipoAplicadaNaturalEspecialista

13 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO MétodosTestes de usabilidade Estudos de campo Avaliações analíticas Observação x x Perguntas aos usuários x x Perguntas aos especialistas x x Testes x Modelagem x

14 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO

15


Carregar ppt "Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Introdução à avaliação O que é avaliação O que, por que e quando avaliar Paradigmas e técnicas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google