A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A CORRESPONDÊNCIA DE FRADIQUE MENDES Eça de Queirós.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A CORRESPONDÊNCIA DE FRADIQUE MENDES Eça de Queirós."— Transcrição da apresentação:

1 A CORRESPONDÊNCIA DE FRADIQUE MENDES Eça de Queirós

2 A Obra INVENTIVA ELABORADA MEMÓRIAS E NOTAS Biografia de Fradique AS CARTAS Parte da Correspondência DIVISÃO

3 O CONTEXTO DA PUBLICAÇÃO Fragilmente atinado com o processo crescente de internacionalização das relações econômicas e culturais PORTUGAL: Séc. XIX Poucas indústrias Alto índice de analfabetismo Frouxa separação entre Igreja e Estado

4 O CONTEXTO DA PUBLICAÇÃO PORTUGAL: Séc. XIX O REALISMO PORTUGUÊS Era sucesso a publicação da correspondência de pessoas ilustres

5 Provocar o meio literário português, que julgam retrógrado e tedioso. OBJETIVOS DA OBRA Debochar do eurocentrismo em geral e do aristocratismo provinciano dos portugueses. Colocar em xeque os valores dessa elite aristocrática portuguesa.

6 Há diferentes temas aí versados, entre estes, com destaque, o da criação literária. Um Projeto Metaliterário As digressões literárias se repetem de tempo em tempo interferindo no andamento da narração. A correspondência de Fradique Mendes encerra um projeto metaliterário de singular importância para o entendimento do fenômeno da produção de textos e, mais significativo ainda, para a recepção da obra queirosiana, sobretudo a partir de Os Maias.

7 O Processo Criativo Assim, através da salada de tomates, eu desenvolvia e coordenava estas imaginações decidido a convertê-las num conto para publicar em Lisboa na Gazeta de Portugal. Devia chamar-se A Derradeira Campanha de Júpiter: e nele obtinha o fundo erudito e fantasista, para incrustar todas as notas de costumes e de paisagens, colhidas na minha viagem do Egito. Somente, para dar ao conto um relevo de modernidade e de realismo picante, levaria a Ninfa das águas, durante a jornada do Nilo, a enamorar-se de Fradique e a trair Júpiter!

8 Esse ser que Eça disse ter feito com pedaços de seus amigos é um ser plasmado com os anseios e ideais de uma geração de escritores que representava a vanguarda intelectual portuguesa do final do século XIX. FRADIQUE MENDES EXEMPLO CRÍTICO do aristocrata português intelectualizado. e

9 O GRUPO DOS CINCO Antero de Quental Ramalho Ortigão Eça de Queirós Oliveira Martins Jaime Batalha Reis

10 CRIADOR X CRIATURA Eça de Queirós Antero de Quental Jaime Batalha Reis + + Fradique Mendes: Poeta Estreia: 1869 Jornal A Revolução de Setembro: Serenata de Satã às Estrelas, As Flores do Asfalto... Epistológrafo Cartas: retrato notável da época

11 1869: Poemas satanistas – Fradique Autor 1870: O Mistério da Estrada de Sintra- Obra de Eça em parceria com Ramalho Ortigão. Fradique personagem 1888: Eça publica Biografia e cartas no "Repórter" de Lisboa e na "Gazeta de Notícias" do Rio de Janeiro. Fradique Autor e Personagem 1900: Nascimento do livro A Correspondência de Fradique Mendes. CRONOLOGIA

12 A avó decidiu de repente, quando Carlos completou dezesseis anos, mandá-lo para Coimbra que ela considerava um nobre centro de estudos clássicos e o derradeiro refúgio das Humanidades. Corria porém na Ilha que a tradutora de Klopstock, apesar dos sessenta anos que lhe revestiam a face de um pelo mais denso que a hera d'uma ruína, decidira afastar o neto - para casar com o boleiro. Gina Lolobrígida

13 Durante três anos Carlos tocou guitarra pelo Penedo da Saudade, encharcou-se de carrascão na tasca das Camelas, publicou na Idéa sonetos ascéticos, e amou desesperadamente a filha d'um ferrador de Lorvão. Acabava de ser reprovado em Geometria quando a avó morreu subitamente, na sua quinta das Tornas, num caramanchão de rosas, onde se esquecera toda uma sesta de junho, tomando café, e escutando a viola que o cocheiro repicava com os dedos carregados de anéis

14 Restava a Carlos um tio, Thadeu Mendes, homem de luxo e de boa mesa, que vivia em Paris. E Carlos foi para Paris estudar Direito nas cervejarias que cercam a Sorbonne, à espera da maioridade que lhe devia trazer as heranças acumuladas do pai e da avó - calculadas por Vidigal num farto milhão de cruzados. SORBONNE Quartier Latin

15 Depois disto Vidigal sabia apenas que Fradique, livre e rico, saíra do Quartier-Latin a começar uma existência soberba e fogosa. Com um ímpeto de ave solta, viajara desde Chicago até Jerusalém, desde a Islândia até ao Saara. Quartier Latin

16 EÇA - Autor - NARRADOR – EU (Eça?) (Amigo de Fradique?) Primeiro Momento: de As Lapidárias até o encontro com Fradique no Hotel Central NARRADOR – Terceira pessoa onisciente Testemunho de Marcos Vidigal Segundo Momento: A Vida Pregressa e pelo cronista da Revolução conheci a origem, a mocidade, os feitos do poeta das Lapidárias.

17 EÇA - Autor - NARRADOR – EU Narrativa progressiva, dentro de um novo estatuto de narração em que se misturam os discursos indireto, direto e indireto livre, e assim até o final da primeira parte. Instaura-se a polifonia da narrativa contemporânea, que abre espaço a múltiplas vozes narradoras e – revela o sujeito textual como processo contraditório, lugar de contradição. É nesse espaço de contradição que Fradique dialoga com os grandes homens do seu tempo, onde várias vozes plenivalentes emergem acerca do mesmo problema. Terceiro Momento: Do encontro no Hotel Central até a morte de Fradique

18 O NARRADOR X OBJETO CONTEMPLADO

19 O homoerotismo, nA correspondência de Fradique Mendes, evidencia-se através do olhar seduzido do narrador pelo corpo masculino e também de um discurso excessivo sobre o corpo de outro homem. Bem barbeado, bem informado, Fradique mergulhava num banho ligeiramente tépido, donde voltava para as mãos vigorosas de Smith, que, com um jogo de luvas de lã, de flanela, de estopa, de clina e de pele de tigre, o friccionava até que o corpo todo se lhe tornasse, como o de Apolo, "róseo e reluzente". (QUEIRÓS, 1946:102). Alfredo Bosi

20 ...apenas um buço crespo e leve lhe orlava os lábios pela vermelhidão úmida e pela sinuosidade sutil pareciam igual e superiormente talhados para a Ironia e para o Amor (QUEIRÓS, 1946: 24).

21 Talvez, a admiração do corpo e das expressões de vida de Fradique Mendes, por parte do narrador, seja uma forma de dizer aquilo que há no "outro" e que não há naquele que profere o discurso. O "outro" representaria uma espécie de imagem refletida daquilo que o enunciador da fala gostaria de ser ou de ter e que só encontra no objeto mirado. Nesse aspecto, o narrador se apresenta como um "eu" sem consciência de sua identidade ou em conflitos consigo mesmo, temendo revelar seus desejos e afeições, buscando na superfície plana do espelho uma auto-imagem daquilo que ele próprio não é, mas gostaria de ser ou de possuir.

22 As inscrições sobre o corpo e a voz masculinos que o narrador vai criando a partir de Fradique pode ser correspondente à imagem do macho que muitos homens gostariam de ser. Alfredo Bosi

23 FRADIQUE MENDESEÇA DE QUEIRÓS Trajetórias Na narrativa há vários pontos de contato entre a trajetória do personagem e a do próprio Eça; tudo para dar a impressão de que Fradique realmente existiu.

24 Primeiro Encontro: 1867 – Hotel Central, Lisboa. Um certo ar blasé e levemente esnobe Segundo Encontro: Egito De todas aquelas gentes, intensamente diversas desde a cor até ao traje ele sabia a raça, a história, os costumes o lugar próprio na civilização muçulmana.. EÇA Fradique Terceiro Encontro: Paris. A solidificação da amizade Dessa noite em Paris datou verdadeiramente a nossa intimidade intelectual - que em oito anos, sempre igual e sempre certa, não teve uma intermissão, nem uma sombra que lhe toldasse a pureza.

25 Mirza-Mohamed, em resumo, era um Messias, um Cristo. Como tal atravessou a clássica evolução dos Messias: teve por primeiros discípulos, numa aldeia obscura, pastores e mulheres: sofreu a sua tentação na montanha: cumpriu as penitências expiadoras: pregou parábolas: escandalizou em Meca os doutores: e padeceu a sua paixão, morrendo, não me lembro se degolado, se fuzilado, depois do jejum do Ramadão, em Tabriz. Fradique - Religião A Crítica à Igreja O Babismo

26 As Cartas de Fradique Mendes

27 Justificativas para a publicação Eis aí uma maneira de perpetuar as ideias de um homem que eu afoitamente aprovo. Além disso, uma Correspondência revela melhor que uma obra a individualidade, o homem; e isto é inestimável para aqueles que na Terra valeram mais pelo caráter do que pelo talento. Acresce ainda que, se uma obra nem sempre aumenta o pecúlio do saber humano, uma Correspondência, reproduzindo necessariamente os costumes, os modos de sentir, os gostos, o pensar contemporâneo e o ambiente, enriquece sempre o tesouro da documentação histórica.

28 Nos tempos incertos e amargos que vão, portugueses destes não podem ficar para sempre esquecidos, longe, sob a mudez de um mármore. Por isso eu o revelo aos meus concidadãos como uma consolação e uma esperança.

29 A Religião A Imprensa A Política As cartas de Fradique Mendes são um retrato notável da época. A partir delas pode-se pôr em discussão grandes problemas da humanidade e do ser humano:

30 O Comportamento da Classe Média Os Sentimentos Racistas Descaso e Exploração do Outro A Fragilidade das Ditas Competências dos Homens

31 A Superficialidade dos Seres Humanos O Amor... A Solidão do Homem As Relações Humanas

32 A Superficialidade dos Seres Humanos

33 Londres, Maio. Meu caro patrício. Só ontem à noite, tarde, ao recolher do campo, encontrei o bilhete com que consideravelmente me honrou, perguntando à minha experiência«qual é o melhor alfaiate de Londres». Depende isso inteiramente do fim para que V. necessita esse Artista. Se pretende meramente um homem que lhe cubra a nudez com economia e conforto, então recomendo-lhe aquele que tiver tabuleta mais perto do seu Hotel. São tantos passos que forra e, como diz o Eclesiastes, cada passo encurta a distância da sepultura. Se, porém, V., caro patrício, deseja um alfaiate que lhe dê consideração e valor no seu mundo; que V. possa citar com orgulho, à porta da Havanesa, rodando lentamente para mostrar o corte ondeado e fino da cinta; que o habilite a mencionar os Lordes que lá encontrou, escolhendo de alto, com a ponta da bengala, cheviotes para blusas de caça; e que lhe sirva mais tarde, na velhice, à hora geba do reumatismo, como recordação consoladora de elegâncias moças então com ardente instância lhe aconselho o Cook (o Tomás Cook), que é da mais extremada moda, absolutamente ruinoso, e falha tudo. Para subsequentes conselhos de «fornecedores», em Londres ou outros pontos do Universo, permanece sempre ao seu grato serviço. Fr adique Mendes.

34 A POLÍTICA

35 Paris, Maio Querido Amigo. (Oliveira Martins) Onde há aí hoje um, entre os que governam povos, que tenha essa soberana fronte de calmo e incomensurável orgulho; esse superior sorriso de onipotente benevolência, duma inefável benevolência que cobre o Mundo; esse ar de imperturbada e indomável força; (...) Eis aí verdadeiramente um Dono de homens! Compare esse semblante augusto com o perfil sorno, oblíquo e bigodoso dum Napoleão III; com o focinho de buldogue acorrentado dum Bismarck; ou com o carão do Czar russo, um carão parado e afável que podia ser o do seu Copeiro-Mor. Que chateza, que fealdade tacanha destes rostos de poderosos!

36 Veja V., por outro lado, as condições que cercam hoje um poderoso do tipo Bismarck. Um desgraçado desses não está acima de nada e depende de tudo. (...) Alguns florins dentro dum saco, tornam-se o tormento das suas noites. É-lhe tão impossível dispor dum cidadão como dum astro. Nunca pode avançar duma arrancada, ereto e seguro: tem de ser ondeante e rastejante. A vigilância ambiente impõe-lhe a necessidade vil de falar baixo e aos cantos. Em vez de «recolher as coisas da terra, com mão livre»--surripia-as às migalhas, depois de escuras intrigas.

37 A RELIGIÃO

38 As religiões são expressões dos povos como o folclore ou o vestuário são expressões culturais. Assim os deuses são inventados por cada povo para si próprios e de acordo com as suas necessidades.

39 Paris, Maio. Meu caro amigo. (Guerra Junqueiro) Nem o Catolicismo, nem o Budismo, vão por este fato em decadência. Ao contrário! Estão no seu estado natural e normal de Religião. Uma Religião, quanto mais se materializa, mais se populariza e portanto mais se diviniza. Não se espante! Quero dizer que, quanto mais se desembaraça dos seus elementos intelectuais de Teologia, de Moral, de Humanitarismo, etc., (...) tanto mais coloca o povo face a face com o seu Deus, numa união direta e simples, tão fácil de realizar que, por um mero dobrar de joelhos, um mero balbuciar de Padre-Nossos, o homem absoluto que está no Céu vem ao encontro do homem transitório que está na Terra. Ora este encontro é o fato essencialmente divino da Religião. E quanto mais ele se materializa mais ela na realidade se diviniza. Porque enquanto houver uma mulher constituída física, intelectual e moralmente como a que Jeová, com uma tão grande inspiração de artista, fez da costela de Adão, haverá sempre ao lado dela, para uso da sua fraqueza, um altar, uma imagem e um padre.

40 Para a vasta massa humana, em todos os tempos, pagã, budista, cristã, maometana, selvagem ou culta, a Religião terá sempre por fim, na sua essência, a súplica dos favores divinos e o afastamento da cólera divina; e, como instrumentação material para realizar estes objetos, o templo, o padre, o altar, os ofícios, a vestimenta, a imagem.

41 De resto, não se desconsole, amigo! Mesmo entre os simples há modos de ser religiosos, inteiramente despidos de Liturgia e de exterioridades rituais. Um presenciei eu, deliciosamente puro e íntimo. Foi nas margens do Zambeze. Um chefe negro, por nome Lubenga, queria, nas vésperas de entrar em guerra com um chefe vizinho, comunicar com o seu Deus, com o seu Mulungu (que era, como sempre, um seu avô divinizado). O recado ou pedido, porém, que desejava mandar à sua Divindade, não se podia transmitir através dos Feiticeiros e do seu cerimonial, tão graves e confidenciais matérias continha... Que faz Lubenga? Grita por um escravo: dá-lhe o recado, pausadamente, lentamente, ao ouvido: verifica bem que o escravo tudo compreendera, tudo retivera: e imediatamente arrebata um machado, decepa a cabeça do escravo, e brada tranquilamente «parte»! A alma do escravo lá foi, como uma carta lacrada e selada, direita para o Céu, ao Mulungu. Mas daí a instantes o chefe, bate uma palmada aflita na testa, chama à pressa outro escravo, diz-lhe ao ouvido rápidas palavras, agarra o machado, separa-lhe a cabeça, e berra: «Vai!» Esquecera-lhe algum detalhe no seu pedido ao Mulungu... O segundo escravo era um pós-escrito...

42 O AMOR

43 Carta XIII Meu amor, Ainda há poucos instantes (dez instantes, dez minutos, que tanto gastei num fiacre desolador desde a nossa Torre de Marfim), eu sentia o rumor do teu coração junto do meu, sem que nada os separasse senão uma pouca de argila mortal, em ti tão bela, em mim tão rude – e já estou tentando recontinuar ansiosamente, por meio deste papel inerte, esse inefável estar Romantismo?

44 contigo que é hoje todo o fim da minha ida, a minha suprema e única vida. É que, longe da tua presença, cesso de viver, as coisas para mim cessam de ser – e fico como um morto jazendo no meio de um mundo morto. Apenas, pois, me finda esse perfeito e curto momento de vida que me dás, só com pousar junto e mim e murmurar o meu nome – recomeço a aspirar desesperadamente para ti, como para uma ressurreição. dramatização Pieguice Exagero

45 Antes de te amar, antes de receber das mãos de meu Deus a minha Eva – que era eu na verdade? Uma sombra flutuando entre sombras. Mas tu vieste, doce adorada, para me fazer sentir a minha realidade, e me permitir que eu bradasse também triunfalmente o meu – > Idealização Viver = Amar Verdade ou Ironia?

46 A Fragilidade das Ditas Competências dos Homens

47 Meu Caro Sr. Mollinet, (...) Pacheco tudo foi, tudo teve, neste País que, de longe e a seus pés, o contemplava, assombrado do seu imenso talento. Mas nunca, nestas situações, por proveito seu ou urgência do Estado, Pacheco teve necessidade de deixar sair, para se afirmar e operar fora, aquele imenso talento que lá dentro o sufocava.

48 A Fama começou em Coimbra em uma aula de Direito natural, quando Pacheco afirmou que – o século XIX era um século de progresso e de luz -. Sempre pensativo, usando óculos, grossos livros debaixo do braço, figura clássica do talento. Espalhou- se a fama: - Parece que há agora aí um rapaz de imenso talento que se formou, o Pacheco! -

49 Em algumas ocasiões, sem saber exatamente o que dizer, Pacheco solta algumas frases que vão ser consideradas geniais, por sermos uma sociedade de iletrados e incompetentes. Por exemplo quando afirmou, na discussão da resposta ao discurso da Coroa, num tom que traia a segurança do pensar e do saber íntimo: - que ao lado da liberdade devia sempre coexistir a autoridade! -

50 ... Foi Ministro: e imediatamente se percebeu que maciça consolidação viera dar ao Poder o imenso talento de Pacheco. Na sua pasta (que era a da Marinha), Pacheco não fez durante os longos meses de gerência – absolutamente nada -, como insinuaram três ou quatro espíritos amargos e estreitamente positivos. Mas pela primeira vez, dentro deste regime, a Nação deixou de curtir inquietações e dúvidas sobre o nosso Império Colonial. Por quê? Porque sentia que, finalmente, os interesses supremos desse Império estavam confiados a um imenso talento, ao talento imenso de Pacheco.

51 Quando Ministro do Reino, acusado de descurar a Instrução do País, responde: - Ao ilustre deputado que me censura só tenho a dizer que enquanto, sobre questões de Instrução Pública, S. Ex.a, aí nessas bancadas, faz berreiro, eu, aqui nesta cadeira, faço luz! - Crítica aos Políticos

52 Quando ele foi Presidente do Conselho, havia devotos que espalmavam a mão no peito com unção, reviravam o branco do olho ao Céu, para murmurar piamente: - Que talento! – E havia amorosos que, cerrando os olhos e repenicando um beijo nas pontas apinhadas dos dedos, balbuciavam com langor: - Ai! Que talento! – E, para que esconder? Outros havia, a quem aquele imenso talento amargamente irritava, como um excessivo e desproporcional privilégio. A esses ouvi eu bradar com furor, atirando patadas ao chão: - Irra, que é ter talento de mais! – Pacheco no entanto já não falava. Sorria apenas. A testa cada vez se lhe tornava mais vasta.


Carregar ppt "A CORRESPONDÊNCIA DE FRADIQUE MENDES Eça de Queirós."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google