A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Necessidade da indústria pela integração de equipamentos e dispositivos em todos os níveis de automação Necessidade de tecnologias de comunicação de dados.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Necessidade da indústria pela integração de equipamentos e dispositivos em todos os níveis de automação Necessidade de tecnologias de comunicação de dados."— Transcrição da apresentação:

1 Necessidade da indústria pela integração de equipamentos e dispositivos em todos os níveis de automação Necessidade de tecnologias de comunicação de dados especificamente desenvolvidas para atender os requisitos industriais. Redes Industriais

2 Objetivos: –Melhorar o rendimento do controle de processos de uma indústria –Aumentar eficiência, qualidade e segurança no sistema produtivo –Facilitar a instalação dos equipamentos Redes Industriais

3 Objetivos: –Fornecer diagnósticos rápidos e detalhados –Facilitar a manutenção –Configurar dispositivos com maior rapidez –Utilizar menor quantidade de fios –Reduzir custos Redes Industriais

4 Histórico: –Década de 60: Transmissão analógica (0-10V ou 4-20 mA). Painel de instrumentos conectados diretamente aos transdutores ou atuadores. –Década de 70: Transmissão digital (controle digital direto entre controlador e os dispositivos de entrada/saída). Controlador Lógico Programável (CLP). Redes Industriais

5 Histórico: –Década de 90: Redes de controladores de lógica programável (controle distribuído – Fieldbus). Controlador Programável (CP) e software supervisório central, que gerencia alarmes, receitas e relatórios. –Atualmente: Redes que interligam dispositivos de campo inteligentes (sensores e atuadores), CLPs, etc. Redes Industriais

6

7 Nível de campo: –Rede de dispositivos de campo (sensores, atuadores, etc.) Nível de controle: –Rede de equipamentos inteligentes de controle como CLPs ou computadores Nível de gerência: –Rede de equipamentos e sistemas inteligentes de controle como CLPs, SDCDs (Sistemas Digitais de Controle Distribuído), etc. –Neste nível há a troca de dados entre equipamentos e o sistema administrativo Níveis Hierárquicos de Redes Industriais

8

9

10 Níveis de Redes Industriais

11 Nível 0 – Sensores e Atuadores – Instrumentação Nível 1 – Dispositivos de Controle: PLCs, Remotas de sistemas digitais de controle distribuídos (SDCDs) Nível 2 – Sistemas de Supervisão: Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados (SCADA), interface homem-máquina (IHM) e otimizadores de processo dentro do conceito de APC (Advanced Process Control) Níveis de Redes Industriais

12 Nível 3 – Gerenciamento da Produção: –MES (Manufacturing Execution System) –PIMS (Process Information Management System) –APS(Advanced Planning and Scheduling) –LIMS (Lab Information System) –Sistemas de Manutenção (Maintenance Management System) –Sistema de Gestão de Ativos (Asset Management System) Redes Industriais

13 Nível 4 – Sistemas Integrados de Gestão Empresarial – Administração Corporativa –ERP – Enterprise Resource Planning Nível 5 – Data Warehousing corporativos –Utilizado para armazenar informações relativas às atividades de uma organização em bancos de dados –EIS (Executive Information Systems) – tem como objetivo principal dar suporte à tomada de decisão. Redes Industriais

14 Redes –Nível 2 – Databus (Computadores – Hosts) –Nível 1 – Fieldbus (Dispositivos inteligentes) –Nível 0 – Devicebus (E/S e periféricos), Sensorbus (dispositivos) Redes Industriais

15 Sensorbus – rede utilizada para ligar sensores e atuadores. –Transferência rápida –Baixo custo –Distância máxima: 200 metros –Exemplo: AS-I e CAN Redes Industriais

16 Devicebus – rede utilizada para conectar dispositivos mais genéricos como CLPs, remotas de aquisição de dados e controle, etc. –Transferência rápida –Distância máxima: 500 metros –Exemplo: DeviceNet, Profibus DP e ModbusPlus Redes Industriais

17 Fieldbus – rede de equipamentos que desempenham funções específicas de controle. –Transferência mais lenta e opera com vários tipos de dados (analógicos, digitais, parâmetros, programas, informações para o usuário). –Distância: até 10 km –Exemplo: HART, Profibus FMS, Fieldbus Foundation Redes Industriais

18 Databus – rede de comunicação que conecta os sistemas de supervisão aos sistemas informáticos de gestão. –Grande volume de dados –Transferência lenta –Exemplo: Ethernet Redes Industriais

19 AS-I – ACTUATOR SENSOR INTERFACE –Originalmente concebida para interligar sensores e atuadores com operação somente de LIGA/DESLIGA –Utiliza cabo comum a todos os elementos da rede –Até 100 metros –Normas: EN50295, IEC –Sistema Mestre/Escravo (Varredura dos escravos) –1 mestre por rede –31 escravos Redes Industriais

20 AS-I – ACTUATOR SENSOR INTERFACE –O mestre possibilita as funções de diagnóstico, monitoramento contínuo da rede, reconhecimento de falhas e atribuição de endereço correto quando um nó é removido para manutenção –É possível trocar ou adicionar escravos durante a operação normal, sem interferir na comunicação com os outros nós. Cada um destes dispositivos tem um endereço único na rede, devendo este estar entre o endereço 1 a 31 Redes Industriais

21 AS-I – ACTUATOR SENSOR INTERFACE Redes Industriais

22 CAN – CONTROLLER AREA NETWORK –Desenvolvido originalmente pela BOSCH para integrar elementos inteligentes em veículos autônomos, com o intuito de eliminar a grande quantidade de fios nos automóveis Mercedes. –Padronizada pela ISO e –Protocolo de comunicação serial síncrono. Redes Industriais

23 CAN – CONTROLLER AREA NETWORK –Apresenta as seguintes vantagens: Simplificação do cabeamento (custo, confiabilidade, redução da necessidade de manutenção) Flexibilidade (facilidade de implementação de modificações na estrutura da rede) Velocidade de comunicação atendendo a requisitos de tempo real do sistema Facilidades para acesso aos diversos nós da rede remotamente (monitorando, alterando dados e diagnosticando falhas) –A partir de 1991, vários fabricantes foram licenciados para a fabricação de chips para CAN Redes Industriais

24 CAN – CONTROLLER AREA NETWORK –Características do Protocolo: Priorização de mensagens; Flexibilidade de configuração; Recepção do multicast com sincronia de tempos; Multimestre, produtor-consumidor; Detecção e sinalização de erros; Retransmissão automática de mensagens corrompidas assim que o barramento estiver ativo novamente; Distinção entre erros provisórios e falhas permanentes dos nós. Redes Industriais

25 CAN – CONTROLLER AREA NETWORK –Características do Protocolo: Topologia: barramento ou estrela; Taxa de transmissão: de 125 kbps ou 1 Mbps; Comprimento máximo do barramento: 1 km para 125 kbps e 40m para 1 Mbps; Número máximo de nós: 16; Codificação de bits: NRZ (Non Return to Zero); Meio de transmissão: usualmente par trançado ou fibra ótica Redes Industriais

26 HART – Highway Addressable Remote Transducer –Desenvolvido pela Fisher Rosemount em meados da década de 1980 como um protocolo proprietário. –A partir de 1990, o HART tornou-se um padrão aberto. –HART é um protocolo digital, mas aceita também comunicação analógica no padrão 4-20mA. –Compatível com a enorme base instalada analógica existente no mundo, além de possibilitar o uso de instrumentos inteligentes em cima dos cabos 4-20 mA tradicionais. –Os dispositivos capazes de executarem esta comunicação híbrida são denominados smart. Redes Industriais

27 HART – Highway Addressable Remote Transducer –Características do protocolo HART: Meio físico: par trançado; Taxa de Transmissão: 1200 bps; Transmissão assíncrona a nível de caracteres UART (1 start bit, 8 bits de dados, 1 bit de paridade e 1 stop bit); Tempo médio de aquisição de um dado: 378,5 ms; Método de acesso ao meio: Mestre/escravo; Redes Industriais

28 HART – Highway Addressable Remote Transducer –Características do protocolo HART: Topologia: Ponto a ponto ou multidrop, onde todos os componentes são conectados pelo mesmo cabo. O protocolo permite o uso de até dois mestres. O mestre primário é um computador ou CLP ou multiplexador. O mestre secundário é geralmente representado por terminais hand-held de configuração e calibração; Redes Industriais

29 HART – Highway Addressable Remote Transducer –Características do protocolo HART: Modulação: O sinal Hart é modulado em FSK (Frequency Shift Key) e é sobreposto ao sinal analógico de 4-20 mA. Para transmitir 1 é utilizada a frequência de 1200 Hz. Para transmitir 0 é utilizada a frequência de 2400 Hz. A comunicação é bidirecional. O sinal FSK é contínuo em fase, não impondo nenhuma interferência sobre o sinal analógico. Redes Industriais

30 HART – Highway Addressable Remote Transducer –A distância máxima do sinal HART é de cerca de 3000m com cabo com um par trançado blindado e de 1500m com cabo múltiplo com blindagem simples. Redes Industriais

31 MODBUS –Desenvolvido e publicado pela Modicon Industrial Automation Systems em 1979 para uso do seu CLP, tornou-se um padrão de fato na indústria. –É um dos mais antigos protocolos utilizados em redes de controladores lógicos programáveis para aquisição de sinais de instrumentos e comandar atuadores usando uma porta serial. –Atualmente parte do grupo Schneider Electric, a Modicon colocou as especificações e normas que definem o Modbus em domínio público. –O protocolo é utilizado em milhares de equipamentos existentes e é uma das soluções de rede mais baratas a serem utilizadas em automação industrial. Redes Industriais

32 MODBUS –MODBUS é usualmente implementado usando RS232, RS422 ou RS485 sobre uma variedade de meios de transmissão. –A tecnologia de comunicação no protocolo é o mestre-escravo, sendo que somente um mestre e no máximo 247 escravos podem ser conectados à rede. –A comunicação é sempre iniciada pelo mestre, e os nós escravos não se comunicam entre si. O mestre pode transmitir dois tipos de mensagens aos escravos, dentro de uma mesma rede: Mensagem tipo unicast: o mestre envia uma requisição para um escravo definido e este retorna uma mensagem-resposta ao mestre (requisição e resposta); Mensagem tipo broadcast: o mestre envia a requisição para todos os escravos, e não é enviada nenhuma respostas para o mestre. Redes Industriais

33 MODBUS –Existem dois modos de transmissão: ASCII (American Code for Informastion Interchange), onde cada byte de mensagem é enviado como 2 caracteres ASCII RTU (Remote Terminal Unit) onde cada byte da mensagem é enviado como 2 caracteres hexadecimais de 4 bits, que são selecionados durante a configuração dos parâmetros de comunicação. Eles definem o conteúdo dos campos da mensagem transmitida serialmente. –As topologias físicas usadas pelo MODBUS são: Ponto a Ponto com RS-232 Barramento Mutiponto com RS-485 Redes Industriais

34 MODBUS Redes Industriais

35 MODBUS –Tipos de Protocolo MODBUS: MODBUS TCP/IP: usado para comunicação entre sistemas de supervisão e controladores lógicos programáveis. O protocolo Modbus é encapsulado no protocolo TCP/IP e transmitido através de redes padrão Ethernet com controle de acesso ao meio por CSMA/CD. MODBUS PLUS: usado para comunicação entre de controladores lógicos programáveis, módulos de E/S, chaves de partida eletrônica de motores, interfaces homem máquina etc. O meio físico é o RS-485 com taxas de transmissão de 1 Mbps. MODBUS PADRÃO: é usado para comunicação dos CLPs com os dispositivos de entrada e saída de dados, instrumentos eletrônicos inteligentes (IEDs) como relés de proteção, controladores de processo, atuadores de válvulas, etc., o meio físico é o RS-232 ou RS-485 em conjunto com o protocolo mestre-escravo. Redes Industriais

36 PROFIBUS – PROcess FIeld BUS –PROFIBUS foi concebida a partir de 1987 em uma iniciativa conjunta de fabricantes, usuários e do governo alemão. –A rede está padronizada através da norma DIN incorporada na norma européia Cenelec EN e também IEC61158 e IEC –Padrão aberto de barramento de campo para uma larga faixa de aplicações em automação de fabricação e processos. –Pode atuar nos diversos níveis do processo industrial: ambiente de fábrica, processo e gerência. Redes Industriais

37 PROFIBUS – PROcess FIeld BUS –Protocolos comunicações: PROFIBUS DP (Descentralized Peripherical): é o mais usado dentre os protocolos. Caracterizado pela velocidade, eficiência e baixo custo de conexão. Foi projetado especialmente para comunicação entre sistemas de automação e periféricos distribuídos; PROFIBUS FMS (Field Message Specification): é um protocolo de comunicação geral para as tarefas de comunicações solicitadas. Oferece muitas funções sofisticadas de aplicações para comunicação entre dispositivos inteligentes; PROFIBUS PA (Process Automation): Define os parâmetros e blocos de funções dos dispositivos de automação de processo, tais como transdutores de medidas, válvulas e IHM (Interface Human Machine); Redes Industriais

38 PROFIBUS – PROcess FIeld BUS PROFINet (Profibus for Ethernet): Comunicação entre CLPs e PCs usando Ethernet/TCP-IP; PROFISafe: para sistemas relacionados a segurança; PROFIDrive: para sistemas relacionados a controle de movimento. Redes Industriais

39 PROFIBUS – PROcess FIeld BUS –Os meios de transmissão:RS485, RS485-IS, MBP e a Fibra Óptica. O RS485 é o mais empregado. Utilizando um cabo de par trançado, possibilita transmissões até 12 Mbits/s. Usado quando grandes velocidades são necessárias. O RS485-IS é um meio de transmissão a 4 fios para uso em áreas explosivas. O MBP (Manchester code bus powered) é um meio de transmissão usado em aplicações na automação de processo que necessitem de alimentação através do barramento e segurança intrínseca dos dispositivos. Redes Industriais

40 FOUNDATION Fieldbus –Padrão aberto que engloba diversas tecnologias aplicadas no controle de processos e automação industrial, tais como: processamento distribuído, diagnóstico avançado e redundância. –Sistema heterogêneo distribuído, composto por softwares de configuração e supervisão, equipamentos de campo, interfaces de comunicação e supervisão, fontes de alimentação pela própria rede que os interconecta. –Uma das funções dos equipamentos de campo é executar a aplicação de controle e supervisão do usuário que foi distribuída pela rede. Essa é a grande diferença entre FF e outras tecnologias como Hart ou Profibus, que dependem de um controlador central para executar os algoritmos Foundation Fieldbus. Redes Industriais

41 FOUNDATION Fieldbus –O Foundation Fieldbus mantém muitas das características operacionais do sistema analógico 4-20 mA, tais como uma interface física padronizada da fiação, os dispositivos alimentados por um único par de fios e as opções de segurança intrínseca, mas oferece uma série de benefícios adicionais aos usuários. –Este protocolo, que segue o padrão IEC 61158, apresenta dois tipos de aplicação: H1 e HSE. Redes Industriais

42 FOUNDATION Fieldbus –O FF H1 é uma rede de transmissão de dados em tempo real para comunicação com equipamentos de instrumentação e controle de plantas industriais, tais como transmissores atuadores e controladores, podendo, inclusive, ser utilizado em aplicações que requeiram especificações quanto aos requisitos de segurança intrínseca. –Possui taxa de transmissão de 31,25 Kbits/s e interconecta dispositivos de campo. –A rede FF HSE (High Speed Ethernet) é uma rede de transmissão que trabalha a 100 Mbits/s e fornece integração de controladores de alta velocidade (CLPs), servidores, subsistemas FF HI (via dispositivos de acoplamento) e estações de trabalho. Redes Industriais

43 FOUNDATION Fieldbus –Características: Segurança intrínseca para uso em áreas perigosas, com alimentação e comunicação pelo mesmo par de fios; Topologia em barramento ou em árvore, com suporte a múltiplos mestres no barramento de comunicação; Comportamento previsível (determinístico), mesmo com redundância em vários níveis; Interfaces padronizadas entre os equipamentos; Modelamento de aplicações usando linguagem de blocos funcionais; Recomendado o uso de cabos STP desenvolvidos especialmente para o protocolo. Redes Industriais


Carregar ppt "Necessidade da indústria pela integração de equipamentos e dispositivos em todos os níveis de automação Necessidade de tecnologias de comunicação de dados."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google