A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CENÁRIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA Carlos Geraldo Langoni Junho / 2008 Encontro de Conselheiros – PREVI 2008.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CENÁRIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA Carlos Geraldo Langoni Junho / 2008 Encontro de Conselheiros – PREVI 2008."— Transcrição da apresentação:

1 CENÁRIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA Carlos Geraldo Langoni Junho / 2008 Encontro de Conselheiros – PREVI 2008

2 TESTES 1º – MUNDO MULTIPOLAR 2º – O PODER DOS BANCOS CENTRAIS 3º – CONSISTÊNCIA DA ARQUITETURA MACRO 4º – CRESCIMENTO SUSTENTADO TESTES 1º – MUNDO MULTIPOLAR Globalização / Super-Emergentes 2º – O PODER DOS BANCOS CENTRAIS Gerenciar Expectativas 3º – CONSISTÊNCIA DA ARQUITETURA MACRO Queda das Vulnerabilidades 4º – CRESCIMENTO SUSTENTADO Macro Distorções Dualismo Cenários

3 A grande questão é se a crise imobiliária nos Estados Unidos poderá interromper o ciclo de expansão da economia mundial iniciado em 2002... ECONOMIA MUNDIAL Região20002001200220032004200520062007 E2008 E COMÉRCIO INTERNACIONAL5.03.04.510.67.48.98.06.5 MUNDO4.52.31.84.05.34.85.45.23.7 Estados Unidos5.10.32.42.73.93.12.92.21.0 Área do Euro3.51.40.80.72.11.52.82.51.7 Japão1.5-0.3-0.22.52.31.92.22.01.4 Países em Desenvolvimento3.94.65.06.57.77.47.37.17.5 Economias Asiáticas5.5 6.08.18.89.29.8 8.8 América Latina e Caribe4.00.6-0.12.25.74.65.5 4.5 BRASIL4.31.32.71.15.73.23.75.44.8 MUNDO MULTIPOLAR

4 Mesmo com a recessão nos Estados Unidos, a economia mundial dificilmente cairia em um processo de estagnação... MUNDO MULTIPOLAR

5 Desde 1978 o PIB chinês evolui a uma média de 10% ao ano. A contribuição da China para o crescimento mundial já é superior a dos Estados Unidos... The Economist. MUNDO MULTIPOLAR

6 A mudança estrutural tem sido o peso crescente das economias emergentes, em particular a China, no crescimento mundial... MUNDO MULTIPOLAR POTÊNCIA EMERGENTE 1989 - 1998 2005 - 2007

7 O boom das commodities ajudou vários países emergentes, em particular a América Latina. A questão chave é se os preços permanecerão em nível elevado... MUNDO MULTIPOLAR

8 A partir de 2002 houve forte aumento no preço do petróleo. O impacto sobre a economia mundial tem sido modesto até agora, pela sua natureza gradual. A nova descoberta do pré-sal poderá transformar o Brasil em exportador de médio porte... MUNDO MULTIPOLAR

9 O Federal Reserve tem tomado uma série de medidas como a maciça injeção de liquidez e corte dos juros, salvando instituições, procurando gerenciar expectativas e, desta forma, minimizar o risco de uma recessão profunda... O PODER DOS BANCOS CENTRAIS

10 A América Latina tem se beneficiado do boom das commodities... MUNDO MULTIPOLAR AMÉRICA LATINA E A ECONOMIA MUNDIAL Região20062007 *2008 **2009 ** MUNDO5.45.23.73.9 Economias Avançadas3.02.51.51.7 Estados Unidos2.92.21.01.5 União Européia2.82.51.71.8 Economias Emergentes7.37.57.17.5 China11.111.510.09.0 América Latina5.35.44.54.1 (*) Estimativa / (**) Projeções.

11 F H C LULA A marca registrada do crescimento brasileiro é o seu padrão ciclotímico... UM NOVO PADRÃO DE CRESCIMENTO ?

12 Há significativa melhoria nos fundamentos macroeconômicos da economia brasileira entre 2001 e 2008... A COMPARAÇÃO DE DUAS CRISES (2001 / 2008) A COMPARAÇÃO DE DUAS CRISES (2001 / 2008) Período MUNDOBRASIL PIB IPCATaxa de JurosDív. PúblicaConta-Corrente Reservas Internacionais Taxa de Câmbio (%) / GDP (%)(US$ bi.) (R$ / US$ - Dez.) 2 0 0 12.51.37.619.0053.4-23.2362.32 2 0 0 8 *3.04.86.014.2541.5-30.02201.75 (*) Estimativa.

13 A partir de 2003 há sensível melhoria nas contas externas com seqüência de mega-superávits comerciais e conta-corrente positiva. Estamos agora de volta ao ciclo de déficits devido à forte expansão das importações, apesar do bom ritmo das exportações... VULNERABILIDADE EXTERNA

14 A vulnerabilidade interna também está se reduzindo porém em ritmo mais lento e altamente dependente do forte aumento da carga tributária. A dívida líquida / PIB deverá cair para 41,6% ao final de 2008. A dívida pública nominal também está em queda e poderá ser zerada em 2010... VULNERABILIDADE INTERNA

15 A inflação voltou a ser um problema cuja causa principal é a explosão no preço das commodities agrícolas... INFLAÇÃO GLOBALIZADA (Preços ao Consumidor em %) Países% Venezuela29,3 (Abril) Egito19,7 (Maio) Paquistão19,3 (Maio) Rússia15,1 (Maio) África do Sul11,1 (Abril) Argentina8,9 (Abril) China8,5 (Abril) Chile8,3 Abril) Índia7,8 (Abril) BRASIL5,6 (Maio) México4,9 (Maio) Estados Unidos3,9 (Abril) União Européia3,6 (Maio)

16 Devido a combinação de aperto fiscal e monetário, a inflação tem apresentado significativa queda após 2003. Existem porém renovadas pressões a partir do 2º semestre de 2007 forçando o Banco Central a intervir novamente... O CONTROLE DA INFLAÇÃO

17 As expectativas inflacionárias para 2008 e 2009 estão subindo, sugerindo pressões generalizadas além de alimentos... GERENCIANDO EXPECTATIVAS

18 2003200420052006 O Banco Central elevou as taxas de juros em 2003 e 2005 para manter a inflação sob controle. Após longo ciclo de reduções, o BC decidiu novamente elevar a taxa SELIC que poderá superar a faixa de 14% em dezembro... 2007 A AUTONOMIA DO BC 2008

19 2005 A melhoria nas contas externas tem levado à sistemática apreciação do real, que tem sido pouco afetado pelas incertezas internacionais. A desvalorização do dólar alcançou 47% desde o pico de 2004... 200720042006 APRECIAÇÃO CAMBIAL 2008

20 A contrapartida da redução das vulnerabilidades externa e interna tem sido a queda significativa na percepção do risco Brasil, que tem sido marginalmente afetada pelas incertezas externas... RISCO-PAÍS

21 Como conseqüência do desempenho favorável, apesar da desaceleração da economia mundial, o Brasil foi premiado com o status de grau de investimento pela S&P e posteriormente pela Fitch... UPGRADE RATINGS (Países Selecionados) PaísesMoeda Estrangeira ChileA+ ChinaA MéxicoBBB+ RússiaBBB+ ÍndiaBBB- BRASILBBB- PeruBB+ ColômbiaBB+ VenezuelaBB- ArgentinaB+ Fonte: Standard & Poor's. Grau de Investimento > BBB.

22 IMPLICAÇÕES DO GRAU DE INVESTIMENTO ÂNCORA NA ARQUITETURA MACROECONÔMICA; AUMENTO NO FLUXO DE CAPITAIS ESTRANGEIROS; PRESSÃO PARA APRECIAÇÃO VERSUS DETERIORAÇÃO DA CONTA- CORRENTE; MENOR NÍVEL DE EQUILÍBRIO DA TAXA DE JURO REAL; MAIOR NÍVEL DE INVESTIMENTOS E CRESCIMENTO POTENCIAL DO PIB.

23 O desempenho brasileiro ainda é inferior em relação às principais economias emergentes... DESEMPENHO RELATIVO CRESCIMENTO ECONÔMICO DOS BRICS Países2005200620072008 *2009 * China9.910.511.510.09.0 Índia7.88.38.07.87.2 Rússia7.06.67.0 6.0 BRASIL2.93.75.44.84.5 Fonte: Banco Mundial.

24 A competitividade brasileira é ainda baixa devido à infra-estrutura obsoleta, baixa qualidade de capital humano e o peso da burocracia. Houve porém melhoria em relação ao ano passado... MACRO DISTORÇÕES COMPETITIVIDADE GLOBAL (Países Selecionados) Países20082007Países20082007 EUA1º China17º15º Cingapura2º Chile26º Hong Kong3º Índia29º27º Suíça4º6ºPeru35º- Luxemburgo5º4ºColômbia38º41º Dinamarca6º5ºBRASIL43º49º Austrália7º12ºRússia47º43º Canadá8º10ºMéxico47º50º Suécia9º Argentina52º51º Holanda10º8ºVenezuela55º Fonte: IMD.

25 As principais distorções estão no setor público. O setor privado brasileiro tem se ajustado e está sendo modernizado com várias empresas já atingindo o status de grau de investimento e tornando-se multinacionais... COMPETITIVIDADE BRASILEIRA Índice GlobalInstit. PúblicasEmpresas 657032 Fonte: Fórum Econômico Mundial (WEF) 2005. DUALISMO

26 O ajuste fiscal é de baixa qualidade, baseado na sistemática elevação da carga tributária que continua em elevação mesmo com o fim da CPMF... MACRO DISTORÇÕES

27 Apesar das distorções, a estabilidade macro está levando ao expressivo crescimento dos investimentos diretos estrangeiros que não têm sido, até agora, afetados pelas incertezas externas... CRESCIMENTO SUSTENTADO

28 O PIB, puxado pelo bom desempenho da indústria, continua em expansão... CRESCIMENTO SUSTENTADO PIB: CRESCIMENTO TRIMESTRAL (Trimestre / Mesmo Trimestre do Ano Anterior) Setores1º Tr. 20072º Tr. 20073º Tr. 20074º Tr. 20071º Tr. 2008 Total4,45,45,66,25,8 Agropecuária3,71,19,78,62,4 Indústria3,26,95,04,36,9 Serviços4,5 4,65,35,0

29 O crescimento atual é explicado pelo mercado interno com destaque para os investimentos cujo ritmo é bem superior ao PIB. O consumo privado mantém bom nível. A preocupação é a aceleração nos gastos públicos... CRESCIMENTO SUSTENTADO COMPONENTES DA DEMANDA (Trimestre / Mesmo Trimestre do Ano Anterior) Setores1º Tr. 20072º Tr. 20073º Tr. 20074º Tr. 20071º Tr. 2008 P I B4,45,45,66,25,8 Consumo das Famílias 5,75,86,08,66,6 Consumo do Governo 3,73,43,12,25,8 Investimento8,813,914,616,015,2 Exportação6,013,31,86,4-2,1 Importação19,818,620,423,418,9

30 A indústria continua crescendo, embora em ritmo mais moderado liderada por bens de capital e duráveis... CRESCIMENTO SUSTENTADO

31 O crédito ao setor privado avança em ritmo forte mas o nível ainda é baixo em comparação com outras economias emergentes... ALAVANCANDO O CRESCIMENTO

32 A taxa de investimento é ainda baixa mas tem elevado-se significativamente, o dobro do crescimento do PIB... CRESCIMENTO SUSTENTADO

33 CENÁRIOS (I - DESCONTINUIDADE) HIPÓTESES CRÍTICAS: - RECESSÃO NA ECONOMIA MUNDIAL - NEO-POPULISMO - PARALISAÇÃO NAS REFORMAS ESTRUTURAIS - REVERSÃO DA ABERTURA DA ECONOMIA. CONSEQÜÊNCIAS: - FORTE ELEVAÇÃO NO RISCO-PAÍS - JUROS REAIS PERMANECEM ELEVADOS - DESVALORIZAÇÃO CAMBIAL - BOLHA DE CONSUMO - PRESSÕES INFLACIONÁRIAS.

34 CENÁRIOS (II - COMPETITIVIDADE) HIPÓTESES CRÍTICAS: - CRESCIMENTO SUSTENTADO DA ECONOMIA MUNDIAL - APERFEIÇOAMENTO DA ARQUITETURA MACRO - NOVO CICLO DE REFORMAS ESTRUTURAIS - PROGRESSO NAS NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS. CONSEQÜÊNCIAS: - GRAU DE INVESTIMENTO - QUEDA NAS TAXAS DE JUROS REAIS - VALORIZAÇÃO DO CÂMBIO / GANHOS DE PRODUTIVIDADE - CRESCIMENTO DO PIB: 6% - INFLAÇÃO: 4%.

35 CENÁRIOS (III - GRADUALISMO) HIPÓTESES CRÍTICAS: - ATERRISSAGEM SUAVE DA ECONOMIA MUNDIAL - MANUTENÇÃO DA ESTRATÉGIA MACRO - LENTO PROGRESSO NAS REFORMAS ESTRUTURAIS - ABERTURA GRADUAL DA ECONOMIA. CONSEQÜÊNCIAS: - GRAU DE INVESTIMENTO - CRESCIMENTO DO PIB: 4 – 5% - INFLAÇÃO SOB CONTROLE: 5% - ESTABILIDADE DA TAXA DE CÂMBIO.

36 O BRASIL ESTÁ CAMINHANDO PARA ALCANÇAR UM PADRÃO DE CRESCIMENTO SUSTENTADO; O DESEMPENHO FUTURO DEPENDE DA COMBINAÇÃO ENTRE CENÁRIOS EXTERNOS E POLÍTICAS INTERNAS; UM SALTO NO CRESCIMENTO POTENCIAL SERIA O RESULTADO DE COMPORTA- MENTO FAVORÁVEL DA ECONOMIA MUNDIAL, NOVO CICLO DE REFORMAS ESTRUTURAIS E SUCESSO NAS NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS. EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO

37 CENÁRIO CENÁRIO INTERNO EXTERNO Gradualismo Competitividade Neo-populismo Sustentado 5% 6% 2% Aterrissagem Suave 4.5% 5% 0% Descontinuidade 2% 3% recessão EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO DO PIB


Carregar ppt "CENÁRIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA Carlos Geraldo Langoni Junho / 2008 Encontro de Conselheiros – PREVI 2008."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google