A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ORIENTE MÉDIO Dizem que o problema é religioso, mas é político. Dizem que o problema é político, mas é religioso. Dizem que há um problema, mas na verdade.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ORIENTE MÉDIO Dizem que o problema é religioso, mas é político. Dizem que o problema é político, mas é religioso. Dizem que há um problema, mas na verdade."— Transcrição da apresentação:

1 ORIENTE MÉDIO Dizem que o problema é religioso, mas é político. Dizem que o problema é político, mas é religioso. Dizem que há um problema, mas na verdade não há solução. Dizem que há uma verdade, mas na verdade só há mentiras. Será que Deus está ouvindo? Jerusalém está surda

2

3

4 O Oriente Médio é muito mais do que uma expressão cartográfica ; Estende-se da Turquia a oeste, até o Afeganistão a leste; Dos mares Negro e Cáspio ao Oceano Índico ao Sul; Do Mar Vermelho ao Golfo Pérsico.

5 Egito - país predominantemente africano Países da península arábica (Arábia Saudita, Iêmen, Qatar, Emirados Árabes Unidos, Kuwait) Israel, Jordânia, Síria, Líbano, Iraque, Irã; Chipre - país insular, que ocupa grande parte de uma ilha no Mediterrâneo Turquia, embora possuindo uma parte de seu território na Europa. Afeganistão

6 ÁREA DE ENCONTRO DE TRÊS GRANDES RELIGIÕES MONOTEÍSTAS JUDAÍSMO Religião do povo Judeu a mais antiga das principais religiões monoteístas

7 CRISTI ANISMO Atualmen te o cristianis mo possuí cerca de 2,13 bilhões de adeptos, sendo a maior religião mundial adotada por cerca de 33% da populaçã o do mundo

8 ISLAMISMO NENHUM DEUS SENÃO ALLAH, E MAOMÉ SEU MENSAGEIRO.

9 CARACTERÍSTICAS FÍSICAS Vastas áreas em climas áridos e semi-áridos A disputa pela água sempre foi um motivo de conflitos. As poucas áreas de rios perenes, como a Mesopotâmia, entre os rios Tigre e Eufrates, foi ocupada, por uma diversidade de povos e atualmente é em parte ocupada pelos curdos, uma nação sem pátria, entre os territórios da Turquia, Iraque e Síria. O rio Jordão, que tem suas nascentes nas colinas de Golã, é de vital importância para palestinos e judeus.

10

11 ÁRABES E JUDEUS SEGUNDO A B ÍBLIA Sendo Sara estéril e pretendendo dar um filho a seu marido, ofereceu sua serva egípcia Hagar para que gerasse o primeiro filho a Abraão. Hagar então gerou a Ismael considerado pelos muçulmanos como o ancestral dos povos árabes. Aos 86 anos, Deus apareceu a Abraão e os anjos confirmaram o nascimento de um filho de Sara, Isaac, que seria o ancestral do povo judeu

12 OS POVOS DA REGIÃO Os países do Oriente Médio apresentam uma combinação curiosa: seus povos vivem há milênios na região, mas seus Estados e fronteiras são muito recentes. Essa talvez seja a causa de muitos de seus problemas

13 A HISTÓRIA DOS CONFLITOS Em 1916, a França e a Grã-Bretanha assinaram o acordo tornando o Oriente Médio (EX-IMPÉRIO OTOMANO) uma zona de influência franco- britânica. Crescia na Europa a força do sionismo, pela formação do Estado de Israel, RETORNANDO à Palestina onde na antiguidade, ficava o Reino de Israel. O reino foi destruído pelos romanos. Os judeus, expulsos da região, dispersaram-se pelo mundo dando origem a um fenômeno conhecido como a diáspora judaica.

14 1920: Síria e do Líbano ficaram sob domínio da França. As outras áreas que estavam controladas pelos otomanos, inclusive a Palestina, passaram para as mãos da Grã-Bretanha. O colonialismo da França e da Grã-Bretanha provocou fortes reações entre os árabes. Foi nesse contexto que surgiu no Egito a Irmandade Muçulmana, berço do fundamentalismo islâmico exigindo: expulsão dos estrangeiros e a volta aos princípios fundamentais do Corão

15

16 O que está acontecendo na Palestina, não é justificável por nenhuma moralidade ou código de ética. Certamente, seria um crime contra a humanidade reduzir o orgulho árabe para que a Palestina fosse entregue aos judeus parcialmente ou totalmente como o lar nacional judaico." Gandhi A PARTILHA DA PALESTINA Após a 2ª Guerra Mundial, a ONU aprovou a partilha da Palestina em dois Estados – um judeu e outro árabe. Essa resolução foi rejeitada pela Liga dos Estados Árabes

17

18 CRONOLOGIA DOS CONFLITOS 1948 – Os Judeus proclamam o Estado de Israel, provocando a reação dos países árabes. Primeira Guerra Árabe-Israelense.Vitória de Israel Centenas de milhares de palestinos são expulsos para os países vizinhos. Como territórios palestinos restaram a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, ocupadas respectivamente por tropas egípcias e jordanianas – A ONU aprova a partilha da Palestina em dois Estados – um judeu e outro árabe. Essa resolução é rejeitada pela Liga dos Estados Árabes.

19 1956 – Guerra entre Israel e o Egito. Embora vitoriosos militarmente, os israelenses retiraram- se da Faixa de Gaza e da parte da Península do Sinai que haviam ocupado – Criação da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), cuja pretensão inicial era destruir Israel e criar um Estado Árabe Palestino. Utilizando táticas terroristas e sofrendo pesadas retaliações israelenses, a OLP não alcançou seu objetivo e, com o decorrer do tempo, passou a admitir implicitamente a existência de Israel.

20

21 1967 – Guerra dos Seis Dias : os israelenses ocuparam a Faixa de Gaza e a Cisjordânia (territórios habitados pelos palestinos) e tomaram a Península do Sinai ao Egito, bem como as Colinas de Golan, à Síria – Setembro Negro :o rei Hussein, pressionado por Israel, ordena que suas tropas ataquem os refugiados palestinos. Centenas deles são massacrados e a maioria dos sobreviventes se transfere para o Sul do Líbano.

22 GUERRA DOS SEIS DIAS

23 SETEMBRO NEGROSETEMBRO NEGRO

24

25 ATENTADO DE MUNIQUE: 5 E 6 DE SETEMBRO, 1972 OLP expulsa da Jordânia, no Setembro Negro, instalando-se então no Sul do Líbano. Atentado de Munique.

26 1973 – Guerra do Yom Kippur (Dia do Perdão). Aproveitando o feriado religioso judaico, Egito e Síria atacam Israel; são porém derrotados e os israelenses conservam em seu poder os territórios ocupados em Para pressionar os países ocidentais, no sentido de diminuir seu apoio a Israel, a OPEP provoca uma forte elevação nos preços do petróleo. PRIMEIRA CRISE DO PETRÓLEO

27 1973 – Guerra do Yom Kippur (Dia do Perdão). Aproveitando o feriado religioso judaico, Egito e Síria atacam Israel; são porém derrotados e os israelenses conservam em seu poder os territórios ocupados em Para pressionar os países ocidentais, no sentido de diminuir seu apoio a Israel, a OPEP provoca uma forte elevação nos preços do petróleo. PRIMEIRA CRISE DO PETRÓLEO

28

29 O ACORDO DE CAMP DAVID 1978 o Egito faz acordo em separado, reconhecendo Israel e em contrapartida, recebendo de volta a península do Sinai. para o mundo árabe foi uma traição ; o presidente do Egito, Anuar Sadat foi assassinado logo depois por terrorista da OLP.

30 AGORA OS PALESTINOS SÃO O POVO SEM PÁTRIA: SUL DO LÍBANO

31

32 1982: A CRISE DO LÍBANO-GUERRA CIVIL QUESTÃO ENTRE ISLÂMICOS (APOIADOS PELOS PAÍSES ÁRABES) E CRISTÃOS MARONITAS (APOIADOS POR ISRAEL E EUA.) ISRAEL INVADE O SUL DO LÍBANO ONDE ESTAVAM OS PALESTINOS E BASES DA OLP. A SÍRIA, COM A DESCULPA DE PROTEGER OS MUÇULMANOS INVADIU O NORTE DO LÍBANO.

33 1982;MASSACRE DE SABRA E CHATILA

34 No final do ano de 1987 foi desencadeado um levante popular palestino na Cisjordânia e na faixa de Gaza. A Intifada, como ficou conhecido o levante, envolveu um amplo movimento de luta que rechaçava a ocupação provocando uma imensa comoção internacional e revelando a verdadeira face da ocupação israelense.

35

36 OS ACORDO S 1993 e 1995: Rabin e Arafat assinam Acordo de Oslo para devolução das áreas ocupadas desde : Rabin foi assassinado; 1998: Israel e a Autoridade Palestina assinaram o memorando de Wye River que previa a entrega à Autoridade Palestina de mais 13% do território da Cisjordânia no prazo de três meses, mas passados menos de dois meses, a 18 de Dezembro, Israel suspendeu a sua aplicação

37 O Hamas é um grupo político e militante que controla e Faixa de Gaza e é rival do Fatah, a facção secular que lidera a Autoridade Palestina e governa West Bank. O Hezbollah é um grupo militar e político libanês que exerce o controle de grandes áreas do sul do Líbano.

38 Este grupo começou a tomar corpo entre 1956 e 1959 e projetou o nome de Yasser Arafat. O Fatah caracteriza-se como um movimento de caráter anti-sionista e anti-imperialista, com o objetivo de criar um Estado em território palestino. A L F ATAH

39 OS MUROS QUE ISOLAM OS PALESTINOS

40

41

42 Jerusalém, que esteve dividida em Jerusalém Oriental (na posse da Jordânia) e Jerusalém Ocidental (na posse de Israel) até 1967, foi unificada por este país após a Guerra dos Seis Dias, sendo eleita a capital de Israel, COM PROTESTOS DOS PAÍSES ÁRABES. Os Estados Árabes condenaram a proclamação de Jerusalém como capital eterna de Israel em 1980, o que provocou o recrudescimento dos conflitos. Para além dos edifícios construídos pelas diferentes religiões (católica, protestante, ortodoxa, judaica e muçulmana), destacam-se a Cúpula do Rochedo, chamada também Mesquita de Omar, e o monumento mais significativo - o Santo Sepulcro.

43

44 Berço das três principais religiões monoteístas – Judaísmo, Cristianismo e Islamismo – cujos monumentos importantes para os povos se localiza em Jerusalém: Muro das Lamentações (judeus), Mesquita de Al Agsa (palestinos), Igreja da Natividade (cristãos)

45 Entre os maiores obstáculos a serem removidos para obtenção da paz entre judeus e palestinos, no Oriente Médio, estão duas questões complexas, que derivam de envolvimentos sociais, econômicos, políticos e religiosos: o futuro dos refugiados palestinos e a situação político-administrativa da cidade de Jerusalém. Presença indesejável de grande número de refugiados palestinos em outros países, onde surgem grupos terroristas que frequentemente praticam atos contra as populações. A inexistência de um território autônomo destinado à população palestina que é obrigada a se refugiar em territórios vizinhos. O aumento da população absoluta dos palestinos que ultrapassaria a população judaica, acentuaria a insegurança dos judeus em relação à ocupação do território

46

47 O ÚLTIMO TANGO DE A. R OMANO DE S ANT A NNA Os homens amam a guerra e mal suportam a paz. Os homens amam a guerra, portanto, não há perigo de paz. Canto como convém a espécie ao ver que invadem meus quintais das folhas da bananeira Inventei a ideologica bandeira e explodirei o corpo do inimigo antes que ataque. Nem cínico nem triste Animal humano, vou em marcha, dança, preces para o grande funeral Acabará a raça humana sobre a Terra? Não hão de sobrar um novo Adão e Eva, a refazer o amor, e dois irmãos: -Caim e Abel -a reinventar a guerra


Carregar ppt "ORIENTE MÉDIO Dizem que o problema é religioso, mas é político. Dizem que o problema é político, mas é religioso. Dizem que há um problema, mas na verdade."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google