A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Coordenação: José Xaides de Sampaio Alves - Unesp/FAAC/Bauru Maurício César Delamaro -UNESP/FEG-Gauratinguetá

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Coordenação: José Xaides de Sampaio Alves - Unesp/FAAC/Bauru Maurício César Delamaro -UNESP/FEG-Gauratinguetá"— Transcrição da apresentação:

1 Coordenação: José Xaides de Sampaio Alves - Unesp/FAAC/Bauru Maurício César Delamaro -UNESP/FEG-Gauratinguetá

2 Parque Estadual da Serra do Mar Protegendo os remanescentes da Mata Atlântica, declarados pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade, o Parque Estadual da Serra do Mar se espalha por uma área de quase 315 mil hectares, e vai desde a divisa de São Paulo com o Rio de Janeiro até o município de Itariri, no sul do Estado, passando por toda a faixa litorânea. Este trecho representa a maior porção contínua preservada de mata atlântica do Brasil.

3 Unidades de Preservação O parque integra a rede de Unidades de Conservação administrada pela Secretaria do Meio Ambiente, por meio do Instituto Florestal. Caraguatatuba Cubatão Curucutu Cunha-Indaiá Picinguaba São Bernardo do Campo São Sebastião Santa Virgínia

4 Núcleo Santa Virgínia

5 Hidrografia As 17 cachoeiras do Núcleo Santa Virgínia se espalham pelos rios Ipiranga, Ribeirão Grande, Paraibuna e seus afluentes. Protegidos pelas florestas, estes rios são fonte de água pura para milhares de pessoas que vivem no Vale do Paraíba do Sul e que abastece também mais de 80% da população do Rio de Janeiro. Flora e Fauna Recoberto por floresta primária, entremeado por manchas de floresta atlântica em regeneração, o Núcleo Santa Virgínia abriga um variado meio biótico, com mais de 140 espécies e 68 subespécies de aves endêmicas da Mata Atlântica e 67 espécies de mamíferos não voadores, sendo que destas dez são espécies ameaçadas de extinção. Principais Ameaças Extração ilegal do palmito Jussara, caça, queimadas e impedimento à regeneração natural da vegetação nativa através do manejo de pastagens nas áreas particulares ainda inseridas no Núcleo.

6 Atrativos Turismo Ecológico Trilhas educativas Rafting Arvorismo Centro de pesquisa e observação Contemplação da paisagem natural Observação da vida selvagem Caminhada, cavalgada Preservação e regeneração da Mata Atlântica Áreas de convivência

7 Desafio de Projeto Dos dias 12 a 16 de Setembro, os grupos de pesquisa do Programa UNESP para o desenvolvimento sustentável de São Luiz do Paraitinga, em parceria com os gestores e técnicos do Parque Estadual da Serra do Mar - Núcleo Santa Virgínia, realizaram o "Desafio de Projeto", semana na qual foram realizadas palestras, Oficinas e discussões acerca do desenvolvimento do projeto para o novo Centro de Visitantes da unidade.

8 Durante o Desafio foram tratados temas como a importância da preservação da biodiversidade, a conservação do patrimônio natural e cultural, a Gestão e o funcionamento do parque, técnicas e materiais sustentáveis, Permacultura, entre outros assuntos que surgiram durantes as exposições. Temas e Discussões

9 O Programa No programa do novo Centro de Visitantes constam necessidades quanto à técnicas inovadoras e sustentáveis, que atendam à ampliação da atual capacidade de visitantes do núcleo, criando um espaço agradável aos visitantes e pesquisadores, sem causar grandes impactos na natureza, ou seja, o novo projeto do Centro de Visitantes é coerente com as idéias contidas em seu plano de desenvolvimento, que busca a educação ambiental. Estacionamento Recepção Salas Multiuso Praça de alimentação Conveniência Auditório Almoxarifado Salas de Apoio às trilhas e ao rafting Áreas de convivência Jardins e viveiros

10 GRUPO JUÇARA BATUTA PROJETO TRILHAS 1ª PROPOSTA CONCEITO: Manter o visitante em contato constante com a natureza através de caminhos que os conduzem até os prédios. A fragmentação do programa em diversos espaços sugere que o visitante não permaneça em apenas um ambiente fechado, mas que percorra a área, hora dentro de uma edificação, horas em ar livre. As construções foram pensadas com o uso de técnicas que causassem o mínimo de impacto na natureza, recursos tecnológicos que associam técnicas passadas com atuais, sistemas de geração de energia e captação de água. Além de preservar a natureza, o projeto procura exaltar a paisagem natural, com formas que pouco se sobressaem, voltando o olhar do visitante para as belas paisagens do Núcleo Santa Virgínia.

11 Implantação 1. Recepção 2. Centro Cultural 3. Pavilhão de Convivência 4. Auditório 5. Estacionamento 6. Área de apoio ao rafting 7. Área lúdica 8. Jardim Sensorial 9. Área de descanso A A B B

12 Recepção MADEIRA, CALFITICE, VIDRO PLANTA BAIXA s/escala PLANTA COBERTURA s/escala

13 Recepção

14 Centro Cultural PLANTA BAIXA s/escala MADEIRA, VIDRO, SAPE PLANTA COBERTURA s/escala

15 Centro Cultural

16 Pavilhão de Convivência MADEIRA DE EUCALIPTO REFLORESTADO E TELHA CERÂMICA PLANTA COBERTURA s/escala PLANTA BAIXA s/escala

17 Pavilhão

18 Planta Auditório VIDRO, ALVENARIA E CONCRETO PLANTA COBERTURA s/escala PLANTA BAIXA s/escala

19 Auditório

20 Lanchonete

21 Corte A Corte B

22 Perspectivas

23

24

25

26 O desafio A experiência de unir profissionais e estudantes de diversas áreas técnicas para discutir os inúmeros conceitos que estão presentes em uma área de preservação natural proporcionou uma visão ampla sobre o assunto para todos os envolvidos. A elaboração do projeto do Centro de Visitação se enriqueceu pelas palestras apresentadas, dinâmicas, atividades e discussões em grupo. Todo o processo contribuiu ainda mais para os estudantes que tiveram a oportunidade de ter, fora da sala de aula, uma experiência interdisciplinar prática, ampliando sua abordagem e crítica sobre outros assuntos.

27 GRUPO JUÇARA BATUTA PROJETO TRILHAS Ana Paula Lima Caio Yashima Larissa Vieiralves Renata Sartori Victor Sotorilli


Carregar ppt "Coordenação: José Xaides de Sampaio Alves - Unesp/FAAC/Bauru Maurício César Delamaro -UNESP/FEG-Gauratinguetá"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google