A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROINFRA. Ricardo Rosa Chefe do Departamento de Infraestrutura das Universidades CT-INFRA PROINFRA Financiadora de Estudos e Projetos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROINFRA. Ricardo Rosa Chefe do Departamento de Infraestrutura das Universidades CT-INFRA PROINFRA Financiadora de Estudos e Projetos."— Transcrição da apresentação:

1 PROINFRA

2 Ricardo Rosa Chefe do Departamento de Infraestrutura das Universidades CT-INFRA PROINFRA Financiadora de Estudos e Projetos

3 Recursos Aplicados pelo CT-INFRA Ações Implementadas pela FINEP

4 Recursos Aplicados pelo CT-INFRA Ações Implementadas pela FINEP

5 CT-INFRA Desembolsos Realizados Valor total desembolsado:R$ 1,078 bilhão Valor de desembolso decrescente em função da aprovação do marco regulatório

6 Distribuição Regional dos Recursos Aplicados nas Ações do CT-INFRA – 2001 a 2009 Norte + Nordeste + Centro- Oeste = 35,4%

7 CHAMADA PÚBLICA CT-INFRA/ PROINFRA - 01/2009 Lançamento: 14/12/2009 Prazo para apresentação de propostas: 16/04/2010 Objetivo: Selecionar propostas para apoio financeiro à execução de projetos institucionais de implantação, modernização e recuperação de infraestrutura física de pesquisa nas Instituições Públicas de Ensino Superior e/ou de Pesquisa. Recursos a serem aplicados: R$ 360 milhões Pelo menos 30% deverão ser aplicados nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

8 A proposta deverá conter um diagnóstico institucional que identifique as vocações e competências da instituição executora, disponibilidade de recursos humanos materiais, suas atividades de pós-graduação e/ou de pesquisa, o estágio atual do desenvolvimento da pesquisa e sua inserção no contexto de C&T, em consonância com os desafios da sociedade brasileira. Com base neste diagnóstico deverão ser indicados os objetivos estratégicos definidos pela instituição executora para suas atividades de C&T, identificando claramente as áreas de pesquisa que estão sendo priorizadas para receber os investimentos em infraestrutura solicitados e descrevendo os resultados e impactos que tais investimentos deverão acarretar para o desenvolvimento da pesquisa e da pós-graduação nessas áreas. CARACTERÍSTICAS DA PROPOSTA

9 Para as Instituições Executoras com até 100 (cem) doutores, o valor máximo a ser solicitado não poderá ultrapassar R$ ,00 (um milhão e oitocentos mil reais). Para as Instituições Executoras com mais de 100 (cem) doutores o valor máximo a ser solicitado deverá corresponder ao número de pesquisadores doutores multiplicado por R$18.000,00 (dezoito mil reais), não podendo superar o limite de R$ ,00 (dezoito milhões de reais). O valor global máximo solicitado em cada proposta deverá ter como referência o número total de doutores pertencentes ao quadro de pessoal permanente da Instituição Executora. CARACTERÍSTICAS DA PROPOSTA (continuação)

10 Cada proposta poderá ser desmembrada em subprojetos, observando-se a proporcionalidade entre o número de pesquisadores doutores do quadro de pessoal permanente da instituição executora e o número máximo de subprojetos. Exemplo: Até 100 doutores - 1 subprojeto 901 a 1000 ou mais doutores - 10 subprojetos Os subprojetos deverão explicitar os investimentos em infraestrutura física de pesquisa que se pretende realizar, indicando as áreas de pesquisa a serem beneficiadas, justificando sua relevância e associando-as às prioridades institucionais. Cada subprojeto deverá relacionar o(s) coordenador(es) e as equipes de pesquisadores que serão beneficiados pela implantação da infraestrutura de pesquisa. Para cada subprojeto deverão ser também claramente apresentadas na proposta as metas de implantação de infraestrutura física de pesquisa e os itens de orçamento solicitados. CARACTERÍSTICAS DA PROPOSTA (continuação)

11 Nos casos de subprojetos que incluam solicitação de recursos para realização de obras e reformas deverá se obrigatoriamente apresentado o projeto básico, ou, na ausência deste, o projeto preliminar, contendo as seguintes informações: localização, descrição da função dos espaços construídos,dimensionamentos globais - áreas construídas, nº de pavimentos - e padrões construtivos, Planta Baixa e o orçamento sintético das obras e reformas. Deverão ser apresentados a pro-forma ou o orçamento obtido junto ao fabricante para os equipamentos importados e para os equipamentos nacionais de valor igual ou maior do que R$ ,00 (cem mil reais). No caso de proposta de instituição que contemple mais de uma unidade, situadas em regiões diferentes, deverá ser especificado em qual região geográfica serão aplicados os recursos solicitados. Documentos Fundamentais

12 Despesas Correntes: despesas acessórias com importação e serviços de terceiros (pessoa física ou jurídica), desde que diretamente relacionadas com a instalação e manutenção de equipamentos, à elaboração do projeto básico/executivo ou às edificações de pesquisa. Despesas apoiáveis: Despesas de Capital: obras, reformas e adequação da infraestrutura física, equipamentos, material permanente e material bibliográfico. Despesas Operacionais e Administrativas, de caráter indivisível, respaldadas na Lei nº /04 (Lei da Inovação), até o limite de 3% do valor dos recursos solicitados à FINEP, não podendoultrapassar o montante de R$ ,00. Novidade: Contratação de Serviços de Terceiros relacionados à Elaboração do projeto básico/executivo

13 Demanda de Propostas Apresentadas Em conformidade com os Pré- requisitos da Chamada Pública , ,36 Propostas Quantidade Valor (R$) Relação Demanda/Orçamento: Demanda Bruta: 2,59 Demanda Qualificada: 2,51

14 Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Distribuição Regional ,10 % ,21% ,80 % ,85 % ,04 % Nº Valor % Propostas (R$) TOTAL ,00% N + NE + CO = 58 propostas R$ mil 37,11% Regiões

15 Grupo Demanda Nº Valor (R$) Participação Total (R$) Subprojetos N-NE-CO N-NE-CO A B C D Total ,11% ,10 % ,11% ,11% ,11% Distribuição das Propostas

16 Organização do Comitê Assessor: Os grupos terão como referência orçamentária para alocação de recursos R$ 360 milhões, cabendo R$ 90 milhões a cada um dos 4 grupos. Os subprojetos que compõem as propostas pré-qualificadas serão avaliados separadamente. Divisão do Comitê Assessor em 4 grupos. A cada grupo caberá um conjunto de propostas de valor global semelhante, sendo mantida em cada um a mesma proporcionalidade de propostas de instituições grandes, médias e pequenas e também a mesma representatividade regional.

17 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOSNOTAS PESO Adequação do subprojeto à política de pesquisa e/ou pós-graduação expressa nos objetivos estratégicos da instituição 1-55 Mérito e abrangência da proposta no contexto de CT&I, incluindo sua contribuição para o desenvolvimento científico e tecnológico nacional/regional/local Qualificação e competência da(s) equipe(s) científica(s) beneficiada(s) pela implantação da infraestrutura em cada subprojeto Qualificação dos cursos de pós-graduação pelo critério CAPES.1-54 Utilização multiusuária dos equipamentos e da infraestrutura de pesquisa a serem implantados 1-53 Impactos esperados no desenvolvimento das atividades de pesquisa e/ou pós-graduação de cada subprojeto 1-53 Adequação do orçamento e cronograma de desembolso aos objetivos da proposta, com ênfase na apresentação de proformas dos equipamentos e pré-projeto ou projeto básico no caso de obras Viabilidade do cronograma físico e prazos de execução apresentados pela proposta 1-51

18 Gráfico dos Apoios por Instituição Gráficos da Execução dos Projetos por Instituição Considerações do Analista Resumos dos Convênios Considerações das Instituições sobre os Apoios no Âmbito do PROINFRA Síntese dos Convênios Apoiados no Âmbito do PROINFRA Material elaborado pela equipe de Analistas do Departamento de Infraestrutura das Universidades – DUN3

19 Recursos aprovados e liberados Apoios por Instituição

20 Execução dos Convênios

21 Considerações do Analista

22 Resumo por Convênio

23 Resumo Elaborado pelas Instituições

24 Orientação para preenchimento do parecer Pag. 1

25 Orientação para preenchimento do parecer

26 Pag. 6

27 Orientação para preenchimento do parecer

28

29 Pag. 8 Parecer Conclusivo: Informa qual será a recomendação de apoio a partir da Avaliação do Projeto. Avaliação do Projeto: Análise global da proposta, com base na avaliação dos critérios e demais considerações.

30 Orientação para preenchimento do parecer Pag. 9 Espaço Complementar

31 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/CT-INFRA - NOVOS CAMPI 01/2010 Lançamento: 08/07/2010 Prazo para apresentação de propostas: 26/08/2010 Objetivo: Selecionar propostas para apoio financeiro à execução de projetos visando a implantação de infraestrutura física de pesquisa científica e tecnológica nas Novas Universidades e nos campi fora das sedes das Universidades Federais. Para efeito desta Chamada, considera-se Novas Universidades Federais aquelas com Ato de Criação a partir do ano de Recursos a serem aplicados: R$ 60 milhões Pelo menos 30% deverão ser aplicados nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste e nas regiões de abrangência da SUDENE e da SUDAM.

32 Cada Universidade Federal poderá participar como Executora em apenas uma proposta, que deverá ser apresentada à FINEP em formulário próprio, encaminhado pela Administração Superior da Instituição. A proposta poderá contemplar no máximo 4 (quatro) campi, que deverão se situar fora do município em que se localiza a sede da Universidade. A solicitação poderá contemplar no máximo 4 (quatro) subprojetos, detalhando os investimentos em infra-estrutura de pesquisa que se pretende realizar e as áreas de pesquisa a serem beneficiadas, para as quais deverão ser demonstradas: a coerência com os objetivos estratégicos da Universidade em termos de atividades de CT&I; a sua contribuição para o desenvolvimento sócio-econômico local/regional; e a qualificação das equipes de pesquisadores que as integram. Os recursos solicitados deverão ser destinados à aquisição e instalação de equipamentos de pesquisa, à implementação de redes de informática e à realização de obras e adaptação de instalações prediais. O valor total da proposta deve ser limitado em R$ ,00 (três milhões de Reais).

33 Despesas Correntes: despesas acessórias com importação e serviços de terceiros (pessoa física ou jurídica), desde que diretamente relacionadas com a instalação e manutenção de equipamentos, à elaboração do projeto básico/executivo ou às edificações de pesquisa. Despesas apoiáveis: Despesas de Capital: obras, reformas e adequação da infraestrutura física, equipamentos, material permanente e material bibliográfico. Despesas Operacionais e Administrativas, de caráter indivisível, respaldadas na Lei nº /04 (Lei da Inovação), até o limite de 3% do valor dos recursos solicitados à FINEP, não podendoultrapassar o montante de R$ ,00. Novidade: Contratação de Serviços de Terceiros relacionados à Elaboração do projeto básico/executivo

34 Nos casos de subprojetos que incluam solicitação de recursos para realização de obras e reformas deverá ser apresentado o projeto básico, ou, na ausência deste, o projeto preliminar. Define-se como projeto preliminar um conjunto de elementos que caracterizem a obra ou reforma proposta, quais sejam: Projeto arquitetônico preliminar, assinado por profissional habilitado, contendo planta baixa e de situação, com dimensionamentos globais, áreas construídas e nº de pavimentos; descrição da função dos espaços construídos; memorial descritivo fornecendo os elementos suficientes à caracterização da Obra ou Serviço de Engenharia; orçamento preliminar de acordo com o projeto de arquitetura da obra ou reforma; e estimativa de custos da confecção do projeto executivo. OBRAS

35 Chamada Pública Novos Campi 03/2009 Demanda de Propostas Apresentadas ,00 Propostas Quant. Valor (R$) NorteNordesteCentro-OesteSudesteSul Nº DE PROPOSTAS APRESENTADAS Distribuição Regional

36 Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Distribuição Regional após Pré-Qualificação ,35 14,51% ,53 26,98% ,57 11,88% ,42 32,76% ,40 13,87% Nº Propostas Valor (R$) % TOTAL ,00 100,00% N+ NE + CO = 28 propostas R$ ,00 53,37% Regiões

37 Critérios para Avaliação de Mérito CRITÉRIOS NOTAS PESO Coerência da proposta com os objetivos estratégicos da Universidade em termos de atividades de CT&I 1-55 Qualificação dos coordenadores e equipes de pesquisadores das áreas de pesquisa que serão beneficiadas pela implantação da infraestrutura de pesquisa 1-55 Contribuição para o desenvolvimento sócio-econômico regional/local 1-54 Impactos esperados no desenvolvimento das atividades de pesquisa na instituição 1-54 Adequação da proposta aos critérios da chamada, com ênfase na apresentação de proformas dos equipamentos e projeto preliminar, no caso de obras Viabilidade do cronograma físico e prazos de execução apresentados pela proposta 1-52

38 Propostas Recomendadas Pré-qualificadas Recomendadas , ,00 Propostas Subprojetos Valor (R$)

39 CHAMADA PÚBLICA PROINFRA 2004

40

41 CHAMADA PÚBLICA PROINFRA 2005

42

43 CHAMADA PÚBLICA PROINFRA 2006

44

45 CHAMADA PÚBLICA PROINFRA 2007

46

47 CHAMADA PÚBLICA PROINFRA 2008

48

49 CHAMADA PÚBLICA PROINFRA 2009

50

51 REGIÃO NORDESTE

52

53 NOVOS CAMPI 2006

54

55 CAMPI REGIONAIS 2007

56

57 NOVOS CAMPI 2008

58

59 NOVOS CAMPI/CAMPI REGIONAIS REGIÃO NORDESTE

60

61 Ricardo Rosa Tel: (21) (21)


Carregar ppt "PROINFRA. Ricardo Rosa Chefe do Departamento de Infraestrutura das Universidades CT-INFRA PROINFRA Financiadora de Estudos e Projetos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google